Universidade Federal de Viçosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

20° 45' 37" S 42° 52' 04" O

NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde junho de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
UFV
Universidade Federal de Viçosa
UFV.jpeg
Lema Ediscere, Scire, Agere, Vincere
(Estudar, Saber, Agir, Vencer)
Fundação 30 de março de 1922
Tipo de instituição Pública Federal
Orçamento anual R$ R$ 408.430.512,00 (2009)[1]
Docentes 988[1]
Total de estudantes 14.437[1]
Ensino médio 581[1]
Ensino técnico 379[1]
Graduação 11.219[1]
Pós-graduação 2.258[1]
Reitor(a) Nilda de Fátima Ferreira Soares
Vice-reitor(a) Demetrius David da Silva
Sede Viçosa
Campi
Estado Minas Gerais
Cores Ouro e Sable             
Página oficial www.ufv.br
Edifício Arthur Bernardes no campus da UFV.jpg
Edifício Arthur Bernardes - câmpus de Viçosa
Instituições de ensino superior do Brasil Brasil

A Universidade Federal de Viçosa (UFV) é uma universidade pública brasileira, com sua sede localizada na cidade de Viçosa, no estado de Minas Gerais. É um centro reconhecido principalmente pelas ciências agrárias e ciências exatas, reconhecida pelo MEC como a 7ª melhor universidade do Brasil baseando-se na prova do ENADE de 2009.

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

A UFV é considerada uma das melhores universidades no campo científico brasileiro, com excelência em vários campos do conhecimento, não destacando-se somente na área de ciências agrárias, mas também nas ciências exatas, biológicas e humanas.

É considerada uma das melhores universidades do Brasil, sendo que no Índice Geral dos Cursos da Instituição (IGC) feita pelo Ministério da Educação em 2009 foi eleita a 2ª melhor do Brasil e a 1ª de Minas.[2]

História[editar | editar código-fonte]

A Universidade teve seu começo como Escola Superior de Agricultura e Veterinaria (ESAV) criada em 1922, mas com início de funcionamento apenas em 1927. Em 1948, foi transformada em Universidade Rural do Estado de Minas Gerais (UREMG). Com as pesquisas científicas nas ciências agrárias logo se tornou conhecida ao redor do país e foi federalizada em 1969, quando ganhou seu nome atual.

Arthur Bernardes em 1920 determinou ao embaixador José Cochrane de Alencar, "providenciar a contratação, para criar uma Escola Agrícola moderna no Brasil", o que resultou no convite ao professor Peter Henry Rolfs para 'fundar, organizar e dirigir uma Escola Agrícola moderna’.

Aceito o convite o Dr. Peter Henry Rolfs (Bachelor of Science, 1889; Master of Science, 1891; Doctor of Science, 1920 e, finalmente, Diretor do Florida Agricultural College da University of Florida, no período de 1915 a 1920) passou a servir ao Estado de Minas a 1° de Janeiro de 1921 (…)

O professor Rolfs foi contratado com a função de fundar, organizar e dirigir a Escola. Com uma titulação considerável para a época, e com profundo conhecimento e experiência no trato da agricultura moderna dos Estados Unidos, Rolfs veio com a função de implantar na ESAV um modelo agrícola moderno, pautado nos métodos científicos pragmáticos dos “Land Grant Colleges”, os quais proporcionariam um grande progresso para a agricultura local, regional e nacional.A ESAV nasce com o intuito de ser um ícone da ciência agrária no Brasil, sendo necessário em seu início recursos humanos e físicos que dessem suporte para receberem o inovador método de ensinoque importaram dos Estados Unidos. Pensando na excelência do ensino que seria oferecido pela instituição, a Escola foi povoada em seu início por professores de diferentes partes do mundo e do Brasil; além de funcionários e alunos que vieram de diferentes partes do Brasil, inclusive da própria Viçosa.

Acesso em: 21 mai. 2008 - Hiperligação quebrada em 30 jun. 2009

Tem diversos programas de intercâmbio com vários países da África, Europa e toda América.

No seu início possuía alguns poucos predios na area central do campus, hoje grande parte da sua area é urbanizada com vários alojamentos, departamentos, bancos, restaurantes, hotel e supermercado.

Nos últimos anos com o Reuni (Programa de Reestruturação e Extensão das Universidades Federais), criou dois novos campi: UFV - Rio Paranaíba e UFV - Florestal. A Universidade deve dobrar o número de estudantes até 2012, segundo cronograma do Reuni.

Museu[editar | editar código-fonte]

Em 1995, a UFV adquiriu a Casa de Arthur Bernardes, também chamada de Memorial Arthur Bernardes. O prédio foi tombado pelo IEPHA e foi residência de férias do então presidente Arthur da Silva Bernardes. Transformado em museu, o espaço tem eventos artísticos e culturais.[3]

Ingresso[editar | editar código-fonte]

Universidade Federal de Viçosa (Minas Gerais)
Red pog.svg
Viçosa
Red pog.svg
Florestal
Red pog.svg
Rio Paranaíba
Localização dos câmpus

O ingresso na Universidade Federal de Viçosa pode ocorrer das seguintes formas:

  • SiSU: Sistema de Seleção Unificada, através do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).
  • PASES: Programa de Acesso Seriado ao Ensino Superior (PASES), é uma forma de ingresso onde o candidato faz uma série de três provas durante os três anos do ensino médio. É realizado pela mesma comissão do vestibular e nas mesmas cidades mas com conteúdo especifíco para cada ano do ensino médio, exceto a última prova (PASES 3) que é a mesma do Vestibular normal.
  • Transferência Facultativa: alunos de outras instituições de Ensino Superior podem fazer uma prova, também promovida pela COPEVE, para transferir-se para a Universidade Federal de Viçosa aproveitando matérias já cursadas em sua outra instituição. É o processo seletivo mais difícil de ingresso na UFV devido a prova de máterias específicas e o baixo número de vagas.
  • Intercâmbio: alunos de outros países podem ingressar na UFV através de contratos e acordos promovidos com embaixadas internacionais, sendo estes alunos transferidos de universidades de seu país de origem ou não, e tendo sido aprovados no processo seletivo de seu país de origem.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Divisões Administrativas[editar | editar código-fonte]

A administração da universidade é dividida em Pro-Reitorias subordinadas à Reitoria e Vice-Reitoria:

  • Pró-Reitoria de Administração
  • Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários
  • Pró-Reitoria de Ensino
  • Pró-Reitoria de Extensão e Cultura
  • Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas
  • Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
  • Pró-Reitoria de Planejamento e Orçamento

Divisões Acadêmicas[editar | editar código-fonte]

A universidade é divida em centros e estes são divididos em departamentos, que são responsáveis pelos cursos de graduação e pós-graduação. Os centros e Departamentos são:

Cursos de graduação[editar | editar código-fonte]

Cursos de pós-graduação - stricto sensu[editar | editar código-fonte]

Campus Rio Paranaíba[editar | editar código-fonte]

O campus da UFV situado no município de Rio Parnaíba, MG, foi criado no dia 25 de julho de 2006 pelo Conselho Universitário da UFV - Resolução nº 8/2006. Ele está localizado a 1,3 km da Rodovia BR-354 no km 310. Esse campus começou a oferecer, a partir de 2007, os cursos de graduação em Agronomia (diurno) e Administração (diurno/noturno). Além dos 44,5 ha de terra, o campus tem um prédio de 3.200 m² e uma casa sede de 300 m². Pequenas reformas serão feitas para adaptações necessárias ao bom funcionamento dos dois cursos. A UFV está providenciando também toda a infra-estrutura de laboratórios, mobiliário, biblioteca e sistema de comunicação para que o serviço a ser prestado ao público seja do mesmo padrão do oferecido no campus de Viçosa. Os cursos atualmente oferecidos são:

Mestrado em Produçao vegetal

Campus Florestal[editar | editar código-fonte]

Em 1939 foi criada, pelo então Presidente da República Getulio Vargas, a Fazenda-Escola de Florestal, destinada à formação de capatazes e administradores de fazendas.

O estabelecimento, vinculado ao Departamento de Ensino Técnico da Secretaria de Agricultura, é destinado a outra finalidade, passando a abrigar menores, aos quais ministrava ensino primário e profissional agrícola, em 1943.

Cinco anos depois a Fazenda-Escola é transformada em Escola Média de Agricultura de Florestal, que inicia suas atividades no ano seguinte, oferecendo o Curso Médio de Agricultura, destinado à formação de técnicos agrícolas.

A Escola foi incorporada à Universidade Rural do Estado de Minas Gerais (UREMG) em 1955.

No ano de 1981 foi aprovado o novo regimento interno da Escola, que passou a ser denominada Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal (CEDAF).

Com quase sete décadas de destacada atuação em Florestal e na região Centro-Oeste de Minas em 2006 foi criado o Campus da UFV em Florestal. Evoluindo ao longo do tempo, atualmente UFV Campus Florestal continua a representar um marco diferenciado na região, com amplas perspectivas nas áreas de ensino, pesquisa e extensão.

O cursos atualmente oferecidos são:

Referências

  1. a b c d e f g UFV. UFV em números. Página visitada em 12 de fevereiro de 2010.
  2. Índice geral de cursos das IES - INEP, 26 de janeiro de 2011 (visitado em 5-2-2011)
  3. Novos usos para prédios tombados - IEPHA, 8 de março de 2010 (visitado em 8-3-2010)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]