Universidade Federal do Ceará

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
UFC
Universidade Federal do Ceará
Brasao4 vertical cor 72dpi.png
Lema Virtus Unita Fortior ("Quanto mais unidas as virtudes, tanto mais fortes".)
Fundação 16 de dezembro de 1954 (59 anos)
Tipo de instituição Pública, Federal
Mantenedora Coat of arms of Brazil.svg Ministério da Educação (MEC)
Orçamento anual R$ 1.154.601.611,00 (2014) [1]
Docentes 2 052 (2012)
Total de estudantes 42 443 (2012)
Graduação 26 257 (2012)
Pós-graduação 7 641 (2012)
Reitor(a) Prof. Dr. Jesualdo Pereira Farias
Vice-reitor(a) Prof. Dr. Henry de Holanda Campos
Campi 8
Estado Bandeira do Ceará.svg Ceará
Afiliações CRUB, RENEX
Página oficial ufc.br
Brasaoufc horizontal.png
Instituições de ensino superior do Brasil Brasil

A Universidade Federal do Ceará (UFC) é uma instituição de ensino superior pública e gratuita do governo federal brasileiro localizada no Estado do Ceará. A UFC é uma autarquia vinculada ao Ministério da Educação.

Em 2013, foi considerada uma das mais bem avaliadas instituições do país pelo ranking do Índice Geral de Cursos (IGC) do Ministério da Educação, no qual obteve o conceito 4, que indica o status "bom". Alguns de seus cursos figuraram na lista dos mais bem avaliados do país, colocando-a como segunda melhor instituição de ensino superior do Nordeste. [2]

De acordo com o Center for World University Rankings (CWUR), em 2013, a Universidade figurou entre as mil melhores instituições de ensino superior do mundo, na 964ª posição, sendo a 16ª entre as dezoito universidades brasileiras presentes no ranking.[3] Segundo o Ranking Universitário da Folha de São Paulo (RUF) de 2014, a UFC é a décima-terceira melhor universidade do país, ocupando a quinta colocação no indicador "Internacionalização".

Em 2014, a universidade ocupou o quarto lugar no ranking das universidades com a maior concorrência entre os estudantes no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), oferecendo 6.378 vagas para cursos de graduação. [4]

História[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

A Universidade Federal do Ceará traça suas origens no ano de 1944, quando o médico Doutor Antônio Xavier de Oliveira encaminhou um relatório sobre a refederalização da Faculdade de Direito do Ceará ao então Ministério da Educação e Cultura. Nesse documento, foi citada a ideia da criação de uma universidade com sede em Fortaleza. Em 1947, iniciou-se a mobilização para a criação de uma universidade cearense. O principal interlocutor desse movimento foi Antônio Martins Filho, intelectual que veio a se tornar o primeiro reitor da Universidade. No ano de 1953, o Conselho Nacional de Educação emitiu o Parecer 263/53, favorável à criação da Universidade do Ceará. Naquele mesmo ano, o então presidente Getúlio Vargas enviou ao Poder Legislativo a Mensagem n° 391, que continha o projeto de lei e outros documentos referentes à criação da Universidade.[5]

A Universidade do Ceará foi criada oficialmente pela Lei N° 2 373, de 16 de dezembro de 1954, e instalada em sessão no dia 16 de junho de 1955. Foi constituída inicialmente pela Escola de Agronomia do Ceará, estabelecida em 1918 e até então pertencente a Superintendência do Ensino Agrícola e Veterinário, do Ministério da Agricultura; pela Faculdade de Direito do Ceará, fundada em 1903 pela Associação Comercial do Ceará como Faculdade Livre de Direito do Ceará; pela Faculdade de Medicina do Ceará, instituição privada criada em 1948; e pela Faculdade de Farmácia e Odontologia do Ceará, instituída em 1916 e federalizada em 1950.[6]

A essas unidades iniciais, progressivamente foram-se somando outras, tais como a Escola de Engenharia, estabelecida por lei em 1955 e instalada em 1956; a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, instalada em 1961; as Faculdades de Filosofia Dom José e de Ciências Econômicas do Crato como institutos agregados; a Faculdade de Ciências Econômicas do Ceará, federalizada em 1962; e diversos outros cursos que sucederam àqueles pioneiros.[7] Com isso, a Universidade do Ceará representou papel fundamental na implantação do ensino de nível superior no Estado.

Reestruturação[editar | editar código-fonte]

Em 1965, foi instituído o nome atual da Universidade, seguindo a padronização dos nomes das universidades federais de todo o país. [8]

Iniciado o processo de reforma universitária, determinada pelo Decreto 53, de 18 de novembro de 1966, [9] a Universidade principiou seu plano de reestruturação, que objetivava sua adequação às normas então editadas, presente no Decreto N° 62.279, de 20 de fevereiro de 1968. [10] Durante esse processo, a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras foi extinta e desmembrada em vários institutos e faculdades.

A reforma universitária foi concluída em 1973. Os institutos, as escolas e faculdades foram substituídos por departamentos e cursos de graduação e pós-graduação. Assim, a Universidade passou a ser constituída por seis centros, entendidos como coordenações de departamentos afins: Centro de Ciências, resultado da fusão dos Institutos de Matemática, Física, Química, Geociências e Biologia; Centro de Humanidades, constituído da departamentalização da Faculdade de Ciências Sociais e Filosofia, da Faculdade de Letras e da parte de Artes da Faculdade de Artes e Arquitetura; Centro de Tecnologia, fusão da Escola de Engenharia e da parte de Arquitetura da Faculdade de Artes e Arquitetura; Centro de Ciências Agrárias, constituído pela antiga Escola de Agronomia; Centro de Ciências de Saúde, agregação dos departamentos oriundos das Faculdades de Medicina, Odontologia e Farmácia; e Centro de Estudos Sociais Aplicados, junção da Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas, da Faculdade de Direito e da Faculdade de Educação. [11]

Em 1984, o Centro de Estudos Sociais Aplicados foi extinto, sendo seus departamentos reagrupados nas Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade, Faculdade de Direito e Faculdade de Educação. O Centro de Ciências da Saúde, por sua vez, existiu até 1997, sendo substituído pela Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem e pela Faculdade de Medicina no ano seguinte.

Em 2008, foi criado o curso de Oceanografia, sediado no Instituto de Ciências do Mar - Labomar. No ano seguinte, foi criado o curso de Ciências Ambientais, também sediado no Labomar. Em 2009, ainda dentro do Programa de Expansão da UFC - REUNI, foram criados novos cursos na capital e no interior, além do aumento de vagas em alguns já existentes, completando-se 100 cursos, com oferta a partir de 2010. [12]

Organização[editar | editar código-fonte]

Administração[editar | editar código-fonte]

Reitoria da UFC, Campus do Benfica

A Universidade Federal do Ceará é uma autarquia, de direito público, vinculada ao Ministério da Educação.[13]

A UFC é regida administrativa e juridicamente de acordo com seu Estatuto, Regimento Geral e Regimento Interno de suas diversas unidades. A administração e coordenação das atividades universitárias são exercidas em dois níveis: Administração Superior e Administração Acadêmica.

A Administração Superior é exercida através do Conselho Universitário (CONSUNI), órgão superior deliberativo e consultivo responsável por traçar a política universitária e decidir em matéria de administração, inclusive gestão econômico-financeira; do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE), órgão superior deliberativo e consultivo da Universidade, em matéria de ensino, pesquisa e extensão; do Conselho de Curadores (CONCUR), órgão de deliberação coletiva, integrante da Administração Superior da UFC, que tem como finalidade exercer as atribuições de fiscalização econômico-financeira da Instituição, e da Reitoria, órgão superior executivo que tem por finalidade planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades de administração em geral, de planejamento, de assuntos estudantis, de graduação, de pós-graduação, de pesquisa e de extensão no âmbito da Universidade.

A Administração Acadêmica diz respeito à organização das unidades acadêmicas da Universidade. Os departamentos são coordenados por unidades, com a denominação de Centros ou Faculdades. Os departamentos constituem a menor fração da estrutura universitária, para todos os efeitos de organização administrativa e didático-científica, bem como de distribuição de pessoal, exceto nos casos dos campi de Sobral, Quixadá, Russas, Crateús e dos Institutos de Ciências do Mar, Cultura e Arte, Universidade Virtual e de Educação Física e Esportes, nos quais as unidades acadêmicas são constituídas pelas coordenações dos cursos. Nas unidades acadêmicas do Interior do Estado foi criada uma estrutura acadêmico-administrativa diferenciada. A opção foi de não criar departamentos; portanto, as unidades acadêmicas são os próprios campi, constituídos pelas coordenações dos cursos existentes.

Prédio da Pró-Reitoria de Extensão

A instituição é dirigida por um reitor auxiliado por um vice-reitor e sete pró-reitores. O reitor e o vice-reitor são nomeados pelo Presidente da República e escolhidos entre os professores dos dois níveis mais elevados da carreira ou que possuam título de doutor e cujos nomes constem em listas tríplices organizadas pelo Conselho Universitário através de eleições realizadas a cada quatro anos. As listas tríplices para nomeação do reitor e do vice-reitor são encaminhadas ao Ministério da Educação até sessenta dias antes de concluídos os mandatos dos titulares em exercício.[14] Em geral, o ministro respeita a decisão da comunidade acadêmica, escolhendo o primeiro colocado.[15]

As pró-reitorias que compõem a administração universitária são as seguintes: Pró-Reitoria de Administração (PRADM), Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE), Pró-Reitoria de Extensão (PREX), Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (PROGEP), Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD), Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG) e a Pró-Reitoria de Planejamento (PRPL).[16] Com o papel de órgãos de execução, ainda há a Superintendência de Infraestrutura (UFC Infra), responsável por supervisionar, coordenar, gerir e controlar as atividades relacionadas a projetos, obras, manutenção, recuperação e atividades auxiliares no âmbito da Universidade[17] ; e a Superintendência de Hospitais Universitários.

Números[editar | editar código-fonte]

De acordo com seu anuário estatístico de 2012, ao todo, a Universidade possui 37 unidades e órgãos suplementares. Seu corpo discente é composto por 26 257 estudantes de graduação com matrículas ativas, tendo 2 840 concludentes por ano; já na pós-graduação, são 1 861 alunos de especialização, 3 616 de mestrado e 2 164 de doutorado. De um total de 1 883 docentes efetivos, 1 346 são doutores e 548 mestres.[18]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Unidades acadêmicas[editar | editar código-fonte]

Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade, Campus do Benfica

Orgãos suplementares[editar | editar código-fonte]

Entrada da Biblioteca do Curso de Física, Campus do Pici.
  • Biblioteca Universitária
    • Biblioteca das Casas de Cultura Estrangeira (BCCE)
    • Biblioteca de Ciências e Tecnologia (BCT)
    • Biblioteca de Ciências da Saúde (BCS)
    • Biblioteca de Ciências Humanas (BCH)
    • Biblioteca do Curso de Arquitetura (BCA)
    • Biblioteca do Curso de Física (BCF)
    • Biblioteca do Curso de Matemática (BCM)
    • Biblioteca da Faculdade de Direito (BFD)
    • Biblioteca da Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade (BFEAAC)
    • Biblioteca do Instituto de Ciências do Mar (BICM)
    • Biblioteca de Pós-Graduação em Economia (BPGEC)
    • Biblioteca de Pós-Graduação em Economia Agrícola (BPGEA)
    • Biblioteca de Pós-Graduação em Engenharia (BPGE)
    • Biblioteca de Medicina de Sobral (BMS)
    • Biblioteca do Campus de Sobral (BCSO)
    • Biblioteca do Campus de Quixadá (BCQ)
  • Casa de José de Alencar
  • Memorial da UFC
  • Museu de Arte da UFC (MAUC)
  • Seara da Ciência
  • Secretaria de Acessibilidade (UFC Inclui)
  • Secretaria de Cultura Artística (SECULT-ARTE UFC)
  • Secretaria de Tecnologia da Informação

Equipamentos culturais[editar | editar código-fonte]

Concha Acústica da UFC localizada no Campus do Benfica

Adquirida pela UFC em 1965, a Casa José de Alencar conta com museu, auditório, biblioteca, pinacoteca, centro de treinamento, além das ruínas do primeiro engenho a vapor do Ceará e a casa onde nasceu o renomado escritor cearense. Conta com visitação gratuita ao espaço e acervo.

  • Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará (MAUC):

Criado em 1961, mantém a preocupação constante de desenvolver e fortalecer as artes plásticas no Estado, papel este observado desde a sua fundação, quando firmou-se como importante centro de preservação da cultura artística cearense, quer das expressões mais populares quer daquelas de caráter erudito. O Museu conta com cinco salas permanentes, que homenageiam importantes artistas cearenses: Aldemir Martins, Antônio Bandeira, Chico da Silva, Descartes Gadelha e Raimundo Cela. O museu conta, ainda, com maior coleção de xilogravura de cordel do Brasil.

  • Casa Amarela Eusélio Oliveira:

Criada em 1972, oferece cursos nas áreas de cinema, fotografia e animação, além de formar platéias para a área de audiovisual, difundindo a memória do povo cearense. Dispõe de vasto acervo de filmes, vídeos e fotografias. Promove o Cine Ceará, terceiro maior festival de cinema do Brasil, e disponibiliza uma videoteca para estudantes, professores da Universidade e população em geral. A Casa dispõe de laboratório de fotografia, núcleo de animação, ilhas de edição, salas para cursos de fotografia, cinema e vídeo e um cinema, o Cine Benjamin Abraão.

  • Teatro Universitário Paschoal Carlos Magno:

Surge em 1964 a partir da compra do antigo Teatro Santa Maria, então pertencente ao Educandário Santa Maria, pela Universidade Federal do Ceará. Em 1965, foi reinaugurado como Teatro Universitário, anexo à sede do Curso de Arte Dramática (CAD) da Universidade, fundado em 1960.

  • Seara da Ciência:

É o espaço de divulgação científica e tecnológica da Universidade Federal do Ceará. Procura estimular a curiosidade pela ciência, cultura e tecnologia, mostrando suas relações com o cotidiano e promovendo a interdisciplinaridade entre as diversas áreas do conhecimento. Possui laboratórios de pesquisa e salões de exposição dedicados à popularização da ciência e da tecnologia, sobretudo entre estudantes dos ensinos fundamental e médio, aproximando Universidade e escola.

  • Rádio Universitária FM:

Inaugurada em 1981, é uma das emissoras públicas de maior prestígio no Ceará. Importante espaço de difusão da cultura musical nordestina e cearense, a rádio é responsável pela realização de uma programação segmentada, educativa e diversificada, composta de música, conteúdo e informação.

  • Concha Acústica
  • Imprensa Universitária:

Criada a partir da aquisição da Tipografia Lusitana em 1956, a Imprensa Universitária, além dos serviços relativos à produção de impressos e publicações de informativos, periódicos, revistas e trabalhos especializados e acadêmicos da UFC, é responsável ainda pela edição de livros didáticos, científicos e literários, e pela reedição de obras culturais de grande significação, esgotadas, esquecidas ou ameaçadas de desaparecimento no Ceará.

  • Editora da UFC:

Criada em 1980 e desvinculada da Imprensa Universitária em 2007, tem procurado ao longo dos anos canalizar, através do livro, a produção intelectual da comunidade universitária, rompendo os umbrais dos campi, e desta forma atingindo o grande público.

Complexo hospitalar[editar | editar código-fonte]

Hospital Universitário Walter Cantídio

O Hospital Universitário Walter Cantídio da Universidade Federal do Ceará, inaugurado em 1959 como Hospital das Clínicas, é um centro de referência para a formação profissional e o desenvolvimento de pesquisas na área da saúde e desempenha importante papel na assistência à saúde do Estado do Ceará, É integrado ao Sistema Único de Saúde (SUS). Como centro de referência para ensino, serve como campo de estágio para os alunos de graduação e pós-graduação dos cursos de Medicina, Enfermagem e Farmácia da UFC, assim como recebe os alunos da área da saúde de outras universidades do Estado. Reúne qualificados profissionais e nele são gerados conhecimentos na área de pesquisa clínica, cirúrgica e farmacologia clínica. Possui mais de 250 leitos, incluindo leitos de UTI Clínica e UTI de pós-operatório, além de 125 consultórios, e diversas salas de cirurgia. É o hospital que mais realiza transplantes de fígado no país.

  • Maternidade-Escola Assis Chateaubriand:

Inaugurada 1965, é referência no Nordeste no atendimento de gestantes, com especialidade nos serviços de obstetrícia, ginecologia, mastologia e neonatologia, com destaque no serviço de parto humanizado.

Maternidade-Escola Assis Chateaubriand
  • Clínicas Odontológicas:

São seis clínicas vinculadas ao curso de Odontologia da Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem com desesseis equipamentos odontológicos em cada, uma clínica de radiologia e um centro cirúrgico. São realizados atendimentos básicos e especializados. Além disso, o curso oferece, também, um serviço de urgência odontológica com funcionamento de 24 horas por dia, incluindo sábados, domingos e feriados.

  • Farmácia Escola:

Apoia o ensino farmacêutico nos níveis de graduação e pós-graduação, possibilitando a formação de recursos humanos qualificados na área do medicamento, a geração e transferência de conhecimentos técnico-científicos para a sociedade.

Alunos[editar | editar código-fonte]

Alunos do curso de Direito na sede do Centro Acadêmico Clóvis Beviláqua

Ingresso[editar | editar código-fonte]

O ingresso na instituição se dava, até o ano de 2009, através do exame vestibular, organizado pela Coordenadoria de Concursos (CCV), órgão ligado à Universidade. A partir de 2010, o vestibular foi inteiramente substituído pelo Exame Nacional do Ensino Médio, exame necessário para a inscrição e concorrência das vagas ofertadas pelo Sistema de Seleção Unificada.

No SiSU 2013, a UFC foi a instituição mais procurada pelos estudantes de todo o país, com 133 923 inscritos em seus cursos, ficando à frente da UFRJ, com 115 794 estudantes disputando suas vagas. No mesmo ano, o curso de Medicina da Instituição foi o mais concorrido do país, com 21 848 inscritos disputando 320 vagas, a maior oferta entre todos os estados.

Atendendo a Lei 12.711/2012 do Governo Federal, UFC disponibiliza 50% de suas vagas para alunos oriundos de escolas públicas, adotando integralmente o sistema de ações afirmativas.

Assistência estudantil[editar | editar código-fonte]

A preocupação com a assistência estudantil é contemplada pela legislação brasileira desde a Constituição de 1934, que garantia a todos os graus de ensino as condições de eficiência escolar, sendo, portanto anterior à criação da UFC. Entretanto, somente com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação de 1961, Lei Nº4624/61, é que a assistência foi considerada como um direito à permanência do estudante nos estabelecimentos de ensino.[19]

A assistência ao alunado, em especial aos comprovadamente carentes de recursos financeiros, sempre foi uma importante pauta para a UFC, resultando, logo nos primórdios da Universidade, no surgimento do Clube de Estudantes Universitários (CEU) que tinha como finalidade aglutinar todas as atividades assistenciais, culturais e desportivas. A administração das atividades voltadas para os estudantes coube à Divisão de Assistência Estudantil (DAE). Através do CEU foi criado o Restaurante Universitário, que passou a funcionar em 1957, fornecendo uma alimentação praticamente gratuita aos discentes. No pavimento superior, as instalações foram adaptadas à moradia estudantil, constituindo o primeiro espaço construído para ser uma Residência Universitária. Em 1966, devido a necessidade de uma descentralização administrativa, surgiu a Vice-Reitoria de Assuntos Estudantis para tratar dos assuntos próprios da Assistência Estudantil. Em 1969, as Vice-Reitorias foram transformadas em Pró-Reitorias dando origem à Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis.[20]

Atualmente o Programa de Assistência ao Estudante da UFC funciona com base nas orientações do Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES). Pertencem ao Programa de Assistência ao Estudante: Programa Ajuda de Custo, que concede ajuda de custo aos estudantes dos cursos de graduação que desejam apresentar trabalhos em eventos; Programa Auxílio Moradia, que objetiva propiciar a permanência de estudantes dos campi da UFC no interior, através da complementação de despesas com moradia, transporte e alimentação; Programa Bolsa Incentivo ao Desporto, que incentiva os estudantes a incrementarem seu desempenho desportivo e acadêmico, mediante atuação em atividades relativas à gestão desportiva e rendimento desportivo; Programa Bolsa de Iniciação Acadêmica (BIA), que propicia aos estudantes carentes de cursos de graduação presenciais condições financeiras para melhorar suas condições de permanência dentro da Universidade, mediante atuação em locais vinculados às unidades acadêmicas e administrativas da UFC; Programa de Apoio Pedagógico ao Estudante Universitário (PAPEU), que disponibiliza apoio pedagógico e psíquico aos alunos; Programa Residência Universitária, que assiste estudantes dos cursos de graduação da UFC oriundos de famílias de baixo poder aquisitivo do interior do Ceará ou de outros Estados, assegurando-lhes moradia e alimentação; e Programa Restaurante Universitário, que proporciona alimentações equilibradas a um baixo custo para estudantes, servidores e docentes.[21]

Ex-alunos ilustres[editar | editar código-fonte]

Nesta universidade notáveis personalidades obtiveram sua formação. Os cantores Falcão e Ednardo; os escritores Moreira Campos, Lira Neto, Tércia Montenegro e Socorro Acioli; os historiadores Airton de Farias e Raimundo Girão; os médicos José Sarto Nogueira Moreira, Mão Santa e Roberto Cláudio; a cantora Mona Gadelha; os jornalistas Demócrito Rocha e Nonato Albuquerque[22] ; o compositor Fausto Nilo; os empresários José Dias de Macedo e Edson Queiroz Filho; o professor Artur Bruno; o humorista Renato Aragão; a ativista Maria Luíza Fontenele; ator Emiliano Queiroz; além de políticos como Ciro Gomes, Cid Gomes, Luizianne Lins, Gonzaga Mota e João Alfredo.

Pesquisa[editar | editar código-fonte]

A Universidade Federal do Ceará é considerada um pólo de excelência em desenvolvimento científico e referência no Norte-Nordeste. Em 2002, dois trabalhos desenvolvidos pelos pesquisadores do Laboratório de Farmacologia da Inflamação e do Câncer sobre câncer e novas abordagens terapêuticas nos processos de quimioterapia, com participação do Instituto do Câncer do Ceará e do Hospital das Clínicas Walter Cantídio, foram destaque internacional, tendo sido premiados como os melhores do III International Congress of Oncology and Immune-Biomodulation (ICOI-2002), realizado na cidade de São Paulo. Já neste mesmo ano de 2013, o Centro de Tecnologia teve dois artigos publicados em importantes publicações científicas internacionais: um, desenvolvido em parceria com a Universidade de São Paulo acerca de uma técnica que permite a identificação de falhas em microestruturas internas de aço e concreto e o outro, assinado pelo Prof. Iran Eduardo Lima, do Departamento de Engenharia Hidráulica, apresenta propostas de modelos matemáticos em uma técnica nomeada "plumas de bolhas" que procura injetar oxigênio em lagos, açudes e outros reservatórios poluídos por micro-organismos e algas e que foi escolhido pelo Journal of Hydraulic Engineering como o melhor de 2012.

Ensino[editar | editar código-fonte]

Graduação[editar | editar código-fonte]

A Universidade Federal do Ceará possui 108 cursos de graduação, que abrangem todas as áreas do conhecimento e são distribuídos entre bacharelados e licenciaturas, nos períodos integral, matutino, vespertino e noturno. Cada curso está vinculado a uma unidade acadêmica.

Abaixo estão descritos todos os cursos oferecidos e seus respectivos desdobramentos, dentre ênfases, habilitações ou modalidades que os alunos podem optar no decorrer da graduação.

Ciências Agrárias
Ciências da Saúde
Ciências Biológicas
Ciências Exatas e da Terra
Engenharias
Ciências Humanas
Ciências Sociais Aplicadas
Linguística, Letras e Artes

Pós-graduação[editar | editar código-fonte]

A UFC possui 156 cursos de pós-graduação, sendo 58 lato sensu (especialização) e 98 stricto sensu (mestrado, doutorado). De forma semelhante aos cursos de graduação, cada programa de pós-graduação está vinculado a uma unidade acadêmica. Em 2012, a universidade dispunha de 689 bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), 424 bolsas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), 655 bolsas da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP) e 608 bolsas da própria universidade exclusivas para pós-graduação.[23]

Abaixo estão descritos todos os cursos oferecidos divididos entre lato sensu e stricto sensu, distribuídos de acordo com cada área de conhecimento.

Campi[editar | editar código-fonte]

Área localizada no Campus do Pici, em Fortaleza

Campi em Fortaleza[editar | editar código-fonte]

A UFC em Fortaleza está dividida em três campi, ocupando uma área urbana de 233 hectares. Além dos campi, existem duas unidades isoladas na Capital: o Instituto de Ciências do Mar (Labomar), no Meireles, e a Casa de José de Alencar, em Messejana.

  • Campus do Pici Professor Prisco Bezerra:

É o principal campus da UFC, com uma área de 212 hectares. A partir de 2013, passou a carregar em sua denominação o nome do Professor Prisco Bezerra, antigo docente e diretor da Escola de Agronomia, atual Centro de Ciências Agrárias, e primeiro diretor da Escola de Engenharia, atual Centro de Tecnologia.

No campus se encontram as Pró-Reitorias de Graduação e de Pesquisa e Pós-Graduação, os Centros de Ciências (CC), Centro de Ciências Agrárias (CCA) e Centro de Tecnologia (CT), o Instituto de Cultura e Arte (ICA), o Instituto Universidade Virtual (IUVi) e o Instituto de Educação Física e Esportes (IEFES), cinco setoriais da Biblioteca Universitária e a Secretaria de Tecnologia da Informação.

Bosque Moreira Campos do Centro de Humanidades, Campus do Benfica
  • Campus do Benfica

Em seus 13 hectares abriga a Reitoria, as Pró-Reitorias de Planejamento, Administração e Assuntos Estudantis, o Departamento de Arquitetura e Urbanismo (DAU), Centro de Humanidades (CH), a Faculdade de Direito, a Faculdade de Educação (FACED) e a Faculdade Economia, Administração, Atuária e Contabilidade (FEAAC), seis Bibliotecas, a Concha Acústica, a Casa Amarela Eusélio Oliveira, a Imprensa Universitária, o Museu de Arte, o Teatro Universitário, a Rádio Universitária e a sede do Diretório Central dos Estudantes.

  • Campus do Porangabussu

Campus com 8 hectares de extensão que comporta a Faculdade de Medicina e a Faculdade de Fármacia, Odontologia e Enfermagem (FFOE), além do complexo hospitalar da UFC, a Biblioteca de Ciências da Saúde, laboratórios e clínicas.

Campi no Interior[editar | editar código-fonte]

Campus da UFC em Sobral

No interior do Ceará, a UFC possui dois campi e três fazendas experimentais em Quixadá, Pentecoste e Maracanaú. Anteriormente, a Universidade possuía três campi na região do Cariri, que foram desmembrados em 2013 para formar a Universidade Federal do Cariri.[24]

  • Campus Sobral:

Criado em 2001 com a implantação do curso de Medicina, atualmente também possui os cursos de Ciências Econômicas, Engenharia da computação, Engenharia Elétrica, Finanças, Música, Odontologia, Magistério Tremembé Superior e Psicologia.

  • Campus Quixadá

Inaugurado em 17 de setembro de 2007, abriga os cursos de Sistemas de Informação, Engenharia de Software, Redes de Computadores e Ciência da Computação.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. [1]
  2. Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição – IGC Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (2013). Visitado em 10 de setembro de 2014.
  3. UFC está entre as mil melhores universidades do mundo
  4. UFC está em 4º lugar na concorrência de alunos por vagas no Sisu
  5. Filho, Antônio Martins. História Abreviada da UFC. Fortaleza: Edições UFC, 1996. 220 pp. p. 15-21.
  6. Filho, Antônio Martins. História Abreviada da UFC. Fortaleza: Edições UFC, 1996. Capítulo: Depois das apreensões, o sucesso.
  7. Filho, Antônio Martins. História Abreviada da UFC. Fortaleza: Edições UFC, 1996. Capítulo: Renovação Administrativa.
  8. LEI N° 4.759, DE 20 DE AGOSTO DE 1965..
  9. Decreto-Lei nº 53, de 18 de Novembro de 1966.
  10. DECRETO Nº 62.279, DE 20 DE FEVEREIRO DE 1968.
  11. DECRETO Nº 71.882, DE 2 DE MARÇO DE 1973..
  12. Consuni cria 100º curso de graduação da UFC
  13. Autarquias e demais entidades da administração indireta. Visitado em 4 de setembro de 2014.
  14. Seção IV do Estatuto da Universidade Federal do Ceará
  15. Presidenta Dilma Rousseff reconduz o Prof. Jesualdo Farias ao cargo de Reitor
  16. Artigo 28 do Estatuto da Universidade Federal do Ceará
  17. Apresentação da UFC Infra
  18. Números da Universidade Federal do Ceará. Visitado em 4 de setembro de 2014.
  19. Elaine Jesus Alves. POLÍTICAS SOCIAIS DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PARA ESTUDANTES POBRES NAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS. Visitado em 5 de setembro de 2014.
  20. Universidade Federal do Ceará. Histórico da PRAE. Visitado em 5 de setembro de 2014.
  21. Paula da Paz Palácio. Políticas de acesso e permanência do estudante da Universidade Federal do Ceará (UFC) 2012. Visitado em 5 de setembro de 2014.
  22. Perfil de Nonato Albuquerque no Google+
  23. [2]
  24. Dilma Rousseff sanciona criação da Universidade Federal do Cariri, no CE

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Universidade Federal do Ceará

|}