Universidade Lusíada de Lisboa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Universidade Lusíada de Lisboa
ULL
Lema Sol lucet omnibus.
Fundação 1986
Tipo de instituição Privada
Valor da propina cerca de 3200€/ano[1] [2]
Docentes 1.000
Estudantes 12.000
Reitor(a) Diamantino Durão
Localização Lisboa

A Universidade Lusíada de Lisboa (ULL) é um estabelecimento de ensino superior privado, o qual foi legalmente reconhecido pelo despacho n.º 135/MEC/86, publicado no Diário da República, 2.ª série, de 28 de Junho de 1986.

A ULL é propriedade da Fundação Minerva - Cultura - Ensino e Investigação Científica (Fundação), e conta, actualmente, com quatro faculdades: Faculdade de Direito, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Faculdade de Arquitectura e Artes e Faculdade de Ciências da Economia e da Empresa.

História[editar | editar código-fonte]

Fundada em Lisboa, em 28 de Junho de 1986, pela Cooperativa de Ensino Universidade Lusíada que, pelo Decreto-Lei n.º 117/2003, de 14 de Junho, se transformou na Fundação Minerva - Cultura - Ensino e Investigação Científica, a Universidade Lusíada rapidamente alargou as suas actividades ao Porto e a Vila Nova de Famalicão e, mais tarde, à República Popular de Angola e à República Democrática de São Tomé e Príncipe.

Com efeito, os mais de 25 000 licenciados que, a nível nacional, obtiveram nelas a sua habilitação superior, desempenham hoje, nos mais diversos domínios, um papel importante para o desenvolvimento cultural, económico e social do país, concretizando os objetivos das Universidades Lusíada.

Descrição Geral[editar | editar código-fonte]

Ambox important.svg
Este artigo ou seção parece estar escrito em formato publicitário.
Por favor ajude a reescrever este artigo para que possa atingir um ponto de vista neutro, evitando assim conflitos de interesse.
Para casos explícitos de propaganda, em que o título ou todo o conteúdo do artigo seja considerado como um anúncio, considere usar {{spam}}, regra n° 6 da eliminação rápida.

A verificação constante dos objectivos da Universidade tem exigido das um contínuo esforço de qualificação do seu corpo docente, de actualização dos seus equipamentos técnicos e tecnológicos e de renovação das suas práticas pedagógicas, tendo sempre em vista um ensino que apenas se subordina aos princípios da qualidade e do rigor científico.

É que hoje, num mundo confrontado com vertiginosas transformações de âmbito social e económico, a nova sociedade exige profissionais com elevado nível cultural, científico e técnico que só a formação superior pode proporcionar. E as Universidades Lusíada, querendo responder a essas exigências, bem como satisfazer legítimas aspirações de realização pessoal, não poderia defraudar as expectativas de quem as vêm procurando.

Por isso, para as Universidades Lusíada a formação não termina numa sala de aula, pois entendemos que a formação universitária não pode reduzir-se a uma mera instrução técnica orientada para o desempenho de uma profissão. Isso significaria renunciar à educação em si mesma.

Consequentemente, a formação universitária deve dar resposta às perguntas especificamente humanas sobre o sentido e o significado da existência e reflectir sobre os temas de fundo da actualidade, promovendo nos alunos a consciência social formada pelos princípios e valores humanos da tradição, da história e da cultura da sociedade portuguesa, e fomentando a busca da verdade, a criatividade, a capacidade crítica e todos os demais hábitos e atitudes que enriquecem o homem.

A aquisição de uma consciência ética e social que determine o comportamento e o procedimento científico e profissional é o suporte do projecto de formação integral das Universidades Lusíada. Procuramos que os membros da nossa comunidade universitária se distingam pelas suas qualidades humanas antes e ao mesmo tempo que pela sua preparação cultural e alta categoria profissional.

Na prossecução deste objectivo, as actividades de extensão cultural desempenham um papel primordial de enriquecimento da vida académica com seminários, conferências, debates, congressos, cursos de verão, etc., que permitam aos alunos estar em dia, ampliem os seus horizontes e complementem a formação integral que procuramos ministrar-lhes. Os alunos cooperam também nestas actividades podendo organizar iniciativas e apresentar ideias, o que as converte sem dúvida numa experiência enriquecedora, por si mesma, em todos os aspectos. Prova-o o funcionamento activo de vários núcleos dedicados à música e dança (tunas, grupos de danças e cantares), às artes plásticas, ao teatro, ao cinema, à literatura, etc.

Também o desporto ocupa um lugar muito importante na vida das Universidades Lusíada. No nosso projecto educativo as actividades física e desportiva aparecem como instrumentos para o desenvolvimento da personalidade e a consolidação dos valores fundamentais para a formação. Por isso, fomentamos a participação dos nossos alunos nas actividades desportivas. Para competir e, sobretudo, para fortalecer os valores individuais e de grupo que o desporto desperta.

Com este mesmo objectivo de proporcionar a melhor formação aos seus alunos, as Universidades Lusíada estabeleceram um conjunto de convénios com diversas entidades que permitem aos alunos a oportunidade de aceder aos programas de intercâmbio internacional como o Erasmus e o Sócrates.

Figuras públicas docentes e discentes[editar | editar código-fonte]

Várias figuras públicas, na maioria da classe política, foram docentes ou discentes na ULL

Dificuldades financeiras e escândalos públicos e políticos[editar | editar código-fonte]

A Universidade Lusíada tem revelado algumas dificuldades financeiras, nomeadamente no pagamentos de salários aos seus docentes. Tal deve-se, segundo fontes da Universidade, ao atraso excessivo ou ao não recebimento de propinas por parte dos alunos.[7]

Em 2003 o Governo de então (PSD) foi acusado de favorecimento no processo de passagem da Universidade Lusíada a fundação e levou a oposição a reclamar esclarecimentos sobre "eventuais ilegalidades". Por essa altura Canaveira de Campos, tinha levantado suspeitas na revista Visão sobre o decreto-lei que permitiu a transformação da Cooperativa de Ensino da Universidade Lusíada na Fundação Minerva. A legislação prevê que a extinção da entidade instituidora opera automaticamente o encerramento dos estabelecimentos de ensino respetivos, bem como o encerramento dos cursos nele ministrados, todavia segundo alegações do Bloco de Esquerda proferidas quando o caso veio a público, "o Governo criou uma lei que garantiu uma transferência de bens e direitos excecional".[8]

O ministro da Presidência de então, Morais Sarmento, reafirmou a "transparência e legalidade" do processo de criação da Fundação e que a sua constituição "foi promulgada pelo Presidente da República e publicada em 'Diário da República', sem suscitar dúvidas". Todavia um deputado do PCP, após um requerimento de esclarecimentos e após ouvir Morais Sarmento reafirmava que mantinha todas as interrogações e dúvidas que suscitou no requerimento. O deputado do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã, referiu na altura que "o Governo vai metendo os pés pelas mãos, numa estratégia de ocultação e de cunha", num processo "que é o espectáculo do favorecimento".

O BE exigiu então a abertura de um inquérito parlamentar para averiguar "todas as responsabilidades políticas" no processo, que segundo o partido indicia "favorecimento do Governo a interesses" da fundação. Os bloquistas sustentaram que "o Governo torneou a lei fazendo outra lei. Permitiu uma transferência de bens e direito excepcional e assim garantiu à Lusíada que, não havendo extinção, mas apenas uma transferência, não perdesse as autorizações para leccionar os seus cursos". Quanto ao argumento do ministro Morais Sarmento sobre a decisão ter-se baseado em pareceres positivos pedidos pelo Governo, o Bloco considerou que "são irrelevantes", pois os pareceres exigidos por lei "são os dois negativos".

Segundo a opinião de alguns comentadores jornalísticos, as universidades independentes, entre as quais a Lusíada, foram um fomento para a corrupção das elites, no período após o 25 de abril.[9]

Cursos ministrados na ULL[editar | editar código-fonte]

Licenciaturas (1.º Ciclo)[editar | editar código-fonte]

Mestrados (2.º Ciclo)[editar | editar código-fonte]

  • Comunicação Multimédia;
  • Ciência Política;
  • Ciências do Património;
  • Ciências do Património - Educação e Promoção Cultural pelo Património;
  • Design;
  • Direito;
  • Economia;
  • Educação;
  • Estudos Europeus;
  • Gerontologia Social;
  • Gestão;
  • Gestão de Recursos Humanos e Análise Organizacional;
  • Gestão do Turismo;
  • História da Arte;
  • História Contemporânea;
  • História das Ideias;
  • História Moderna;
  • História Paleocristã e Medieval;
  • História Política Moderna e Contemporânea;
  • Matemática;
  • Museologia;
  • Património Edificado;
  • Planeamento e Construção Sustentável;
  • Processos Conceptuais da Arquitectura e do Design;
  • Relações Internacionais;
  • Serviço Social;
  • Tecnologias da Construção;
  • Teoria da Arquitectura.

Doutoramentos (3.º Ciclo)[editar | editar código-fonte]

  • Arquitectura;
  • Ciência Política;
  • Direito;
  • Economia;
  • Gestão;
  • História;
  • Matemática;
  • Relações Internacionais.

Master[editar | editar código-fonte]

  • Musicoterapia.

Pós-Graduações[editar | editar código-fonte]

  • Administração Social;
  • Avaliação e Gestão Imobiliária;
  • Criminologia;
  • Direcção e Fiscalização de Obras;
  • Direito Registal;
  • Direito da Religião;
  • Direito do Trabalho;
  • Economia Social, Empreendedorismo e Desenvolvimento Sustentável;
  • Educação Familiar;
  • Educação Sexual na Escola e na Comunidade;
  • Eficiência Energética de Edifícios;
  • Fiscalidade;
  • Geriatria e Gerontologia;
  • Gerontologia Social;
  • Gestão de Empresas de Base Tecnológica;
  • Gestão de Serviços de Saúde;
  • Intervenção Social nas Crianças e Jovens em Risco Social;
  • Marketing e Comunicação Empresarial;
  • Marketing Farmacêutico;
  • Marketing Social - Métodos e Técnicas de Intervenção Social;
  • Migrações, Integração e Diálogo Intercultural;
  • Reinserção - Modelos e Práticas de intervenção Social;
  • Saúde e Intervenção Social;
  • Toxicodependência e Intervenção Social.

Cursos de formação e especialização[editar | editar código-fonte]

  • Curso de Formação em Osteopatia;
  • Curso Livre em Arrendamento Urbano;
  • Curso Livre em Construção em Terra Crua - Manteriais Antigos, Técnicas Futuras;
  • Curso Livre em Formação de Actores;
  • Curso Livre de Língua Chinesa;
  • Especialização em Operador de Câmara de Vídeo;
  • Especialização em Pós Produção de Vídeo;
  • Formação especializada em Educação Especial - Problemas de Motricidade e Cognição;
  • Preparação para o Concurso de Acesso à Carreira de Auditor de Justiça.

Prémio de Mérito Lusíada[editar | editar código-fonte]

A Universidade Lusíada de Lisboa concede isenção total de propinas a todos os estudantes que se candidatem com média de classificação igual ou superior a 16 valores. É atribuída, também, isenção total de propinas aos cursandos das licenciaturas ministradas na ULL com uma média de classificação mínima de 16 valores, sem arredondamento.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.por.ulusiada.pt/ingresso/ir/propinas_2011_2012.html?print=1&ext=html
  2. http://www.lis.ulusiada.pt/ingresso/20102011/propinas.aspx
  3. Notícia da TVI. Sócrates estudou Direito na Universidade Lusíada. 13.04.2007 - 14:18. Página visitada em 20.06.2012.
  4. Lusa, Público. Bagão Félix apoia Santana Lopes mas recusou entrar na coligação PSD/CDS de Lisboa. 05.05.2009 - 18:35. Página visitada em 20.06.2012.
  5. DN. Gestor criticado pelo TC apontado para a Expo. 20 Maio 2005. Página visitada em 20.06.2012.
  6. Por Agência Lusa, ionline. Fernando Seara quer regressar à advocacia quando acabar o mandato. 22 Jan 2012 - 18:03. Página visitada em 20.06.2012.
  7. João d´Espiney, Público, P3. Propinas em atraso cortam salários dos professores das universidades privadas. 16/05/2012 - 16:32. Página visitada em 20.06.2012.
  8. Público. Universidade Lusíada: alegado favorecimento agita Governo e oposição. 11.12.2003 - 14:36. Página visitada em 20.06.2012.
  9. JAS. Política a Sério, Onde estão as elites?. 27 Novembro 09 12:01. Página visitada em 20.06.2012.