Urbano Tavares Rodrigues

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Urbano Tavares Rodrigues
Nascimento 6 de Dezembro de 1923
Lisboa
Morte 9 de Agosto de 2013 (89 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Ocupação Escritor, professor universitário, jornalista
Principais trabalhos Os Insubmissos; Desta Água Beberei; A Flor da Utopia...

Urbano Augusto Tavares Rodrigues (Lisboa, 6 de Dezembro de 1923 — Lisboa, 9 de Agosto de 2013) foi um escritor e jornalista português[1] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Vida e obra[editar | editar código-fonte]

Filho do escritor Urbano Rodrigues, nasceu em Lisboa e passou a infância em Moura. Criado numa família de grandes proprietários agrícolas, recebeu as influências das gentes do campo, o que marcou indelevelmente a sua obra escrita. Frequentou a Faculdade de Letras de Lisboa, onde se licenciou em Filologia Românica. Impedido de leccionar em Portugal, foi leitor de português nas universidades de Montpellier, Aix e Paris, entre os anos de 1949 e 1955. Depois do 25 de Abril de 1974 regressou a Portugal. Em 1984 doutorou-se em Literatura, com uma tese sobre a obra de Manuel Teixeira Gomes. Em 1993 jubila-se como professor catedrático da Faculdade de Letras. Foi igualmente professor na Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Foi membro efectivo da Academia de Ciências de Lisboa e membro correspondente da Academia Brasileira de Letras.

Autor prolífico, figura como um dos mais prestigiados escritores da segunda metade do século XX em Portugal, sendo a sua obra marcada pela consciência do indivíduo face a si mesmo e aos outros, até ao reconhecimento de uma identidade social e política. Além de romances, escreveu em diversas revistas e jornais, como o Bulletin des Études Portugaises, a Colóquio-Letras, o Jornal de Letras, Vértice, Nouvel Observateur, entre outros. Foi director da revista Europa e crítico de teatro d' O Século e do Diário de Lisboa. Enquanto repórter percorreu grande parte do mundo, tendo reunido os seus relatos de viagem nos volumes Santiago de Compostela (1949), Jornadas no Oriente (1956) e Jornadas na Europa (1958). No Cairo, em 1956, viveu a sua coroa de glória como jornalista, captando em crónicas para o "Diário de Lisboa" toda a complexidade da crise do Suez e das posições de Nasser.[2]

Partidário de um comunismo ortodoxo, Urbano afirma que a sua obra foi influenciada pelo existencialismo francês da década de 1950; mais tarde, na sequência da sua detenção no forte de Caxias, durante o salazarismo, surge como autor da literatura de resistência, a que se seguiu um novo período, mais optimista, no pós-25 de Abril.

Recebeu variados galardões literários, como o Prémio Ricardo Malheiros, da Academia das Ciências de Lisboa, com a obra Uma Pedrada no Charco — é de salientar que o seu pai, Urbano Rodrigues, já tinha vencido este prémio na edição do ano de 1948, com a obra O Castigo de D. João —, o Prémio da Associação Internacional de Críticos Literários, o Prémio da Imprensa Cultural, o Prémio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores e o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco.

Morte[editar | editar código-fonte]

Em 6 de agosto de 2013 foi internado no Hospital dos Capuchos, em Lisboa, onde morreu três dias depois. A causa da morte não foi divulgada.[3]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

Viagens[editar | editar código-fonte]

  • 1949 - Santiago de Compostela
  • 1956 - Jornadas no Oriente
  • 1958 - Jornadas na Europa
  • 1963 - De Florença a Nova Iorque
  • 1973 - Viagem à União Soviética e Outras Páginas
  • 1973 - Redescoberta da França
  • 1976 - Registos de Outono Quente
  • 1999 - Agosto no Cairo: 1956

Ensaios[editar | editar código-fonte]

  • 1950 - Manuel Teixeira Gomes
  • 1954 - Présentation de castro Alves
  • 1958 - O Tema da Morte na Moderna Poesia Portuguesa; integrado depois em O Tema da Morte: Ensaios
  • 1960; 1981 - O Mito de Don Juan
  • 1960 - Teixeira Gomes e a Reacção Antinaturalista
  • 1961 - Noites de Teatro
  • 1962; 2001 - O Algarve na Obra de Teixeira Gomes
  • 1964 - O Romance Francês Comtemporâneo
  • 1966; 1978 - Realismo, Arte de Vanguarda e Nova Cultura
  • 1966; 1978 - O Tema da Morte: Ensaios
  • 1968 - A Saudade na Poesia Portuguesa
  • 1969 - Escritos Temporais
  • 1971; 2001 - Ensaios de Escreviver
  • 1977 - Ensaios de Após-Abril
  • 1980 - O Gosto de Ler
  • 1981 - Um Novo Olhar sobre o Neo-Realismo
  • 1984 - Manuel Teixeira Gomes: O Discurso do Desejo
  • 1993 - A Horas e Desoras
  • 1994 - Tradição e ruptura
  • 1995 - O Homem sem Imagem
  • 2001 - O Texto sobre o Texto
  • 2003 - A Flor da Utopia
  • 2005 - O Mito de D. Juan e Outros Ensaios de Escreviver
  • 2011 - A Natureza do Acto Criador

Contos e novelas[editar | editar código-fonte]

  • 1952; 1990 - A Porta dos Limites
  • 1959; 1994 - Bastardos do Sol
  • 1971; 1996 - Estrada de Morrer
  • 1976; 1987 - Viamorolência
  • 1977; 1985 - As Pombas são Vermelhas
  • 1985 - Oceano Oblíquo

Novelas[editar | editar código-fonte]

  • 1955; 1985 - Vida Perigosa
  • 1956; 1982 - A Noite Roxa
  • 1957; 1998 - Uma Pedrada no Charco
  • 1959; 2012 - As Aves da Madrugada
  • 1960; 1978 - Nus e Suplicantes
  • 1963; 2000 - As Máscaras Finais
  • 1964; 2001 - Terra Ocupada
  • 1964 - A Samarra
  • 1968; 1987 - Casa de Correcção
  • 1972 - A Impossível Evasão
  • 1999 - O Último Dia e o Primeiro

Contos[editar | editar código-fonte]

  • 1970; 1992 - Contos da Solidão
  • 1977 - Estórias Alentejanas
  • 2003 - A Estação Dourada
  • 2008 - A Última Colina

Antologia[editar | editar código-fonte]

  • 1958 - O Alentejo
  • 1968 - A Estremadura
  • 2003 - O Algarve em Poemas

Romance[editar | editar código-fonte]

  • 1961; 2003 - Os Insubmissos
  • 1962; 1982 - Exílio Perturbado
  • 1966; 1988 - Imitação da Felicidade
  • 1967; 1974 - Despedidas de Verão
  • 1968 - Tempo de Cinzas
  • 1974; 1999 - Dissolução
  • 1979; 1986 - Desta Água Beberei
  • 1986; 1987 - A Vaga de Calor
  • 1989 - Filipa nesse Dia
  • 1991 - Violeta e a Noite
  • 1993 - Deriva
  • 1995 - A Hora da Incerteza
  • 1997 - O Ouro e o Sonho
  • 1998 - O Adeus à Brisa
  • 2000 - O Supremo Interdito
  • 2002 - Nunca Diremos quem sois
  • 2005 - O Eterno Efémero
  • 2006 - Ao contrário das Ondas
  • 2007 - Os Cadernos Secretos do Prior do Crato

Narrativa[editar | editar código-fonte]

  • 1969; 1973 - Horas Perdidas

Crónicas[editar | editar código-fonte]

  • 1970; 1974 - A Palma da Mão
  • 1971; 1976 - Deserto com Vozes
  • 1974 - As Grades e os Rio
  • 2003 - God Bless América

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1971; 2001; 2012 - As Torres Milenárias

Ficção[editar | editar código-fonte]

  • 1972 - Esta Estranha Lisboa
  • 1982; 1992 - Fuga Imóvel
  • 1986 - A Vaga de Calor

Texto e fotografia[editar | editar código-fonte]

  • 1996 - A Luz da Cal
  • 1998 - Margem da Ausência

Outros[editar | editar código-fonte]

  • 1965; 1998 - Dias Lamacentos
  • 1966 - Roteiro de Emergência
  • 1974 - Perdas e Danos
  • 1975 - Diário da Ausência
  • 1975 - Palavras de Combate
  • 1998 - Os Campos da Promessa

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.