Urupema

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações.
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Município de Urupema
Cachoeira que Congela

Cachoeira que Congela
Bandeira desconhecida
Brasão de Urupema
Bandeira desconhecida Brasão
Hino
Fundação Não disponível
Gentílico urupemense
Prefeito(a) Amarildo Luiz Gaio
(2009–2012)
Localização
Localização de Urupema
Localização de Urupema em Santa Catarina
Urupema está localizado em: Brasil
Urupema
Localização de Urupema no Brasil
27° 57' 20" S 49° 52' 34" O27° 57' 20" S 49° 52' 34" O
Unidade federativa  Santa Catarina
Mesorregião Serrana IBGE/2008[1]
Microrregião Campos de Lages IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes São Joaquim, Rio Rufino, Bocaina do Sul, Painel, Lages e Urubici
Distância até a capital 198 km
Características geográficas
Área 353,126 km² [2]
População 2 482 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 7,03 hab./km²
Altitude 1.335 m
Clima Temperado Marítimo Cfb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,784 alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 27 878,353 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 10 822,34 IBGE/2008[5]
Página oficial
Prefeitura [http://urupema.sc.gov.br

Urupema é um município brasileiro do estado de Santa Catarina. É o município mais frio do Brasil, segundo o INMET, ultrapassando São Joaquim em cerca de 2ºC a menos na área urbana da cidade, como o município mais frio do Brasil. Por estar abrigada por todos os lados, menos o SE, pelo relevo local, altitude na área urbana entre 1315 e 1430 m,, mais presença de barreiras elevadas circundantes com até 1726 m, suas temperaturas mínimas normalmente são as mais baixas de SC e muitas vezes do Brasil. Suas máximas, raramente atingem 30 graus, são relativamente baixas no decorrer do ano, mas novamente pela topografia que está inserido o núcleo urbano, pode mostrar valores um pouco mais elevados que em outras localidades da Serra Catarinense (São Joaquim, Bom Jardim da Serra), localizadas no topo das amplas colinas, coxilhas, de cima da serra ou em imensa a´rea de depressão planaltina, no caso do jardim da serra. A média anula da temperatura está em torno de 12.5 graus (últimos 4 anos de medições). Em janeiro, mês mais quente, a temperatura média é de 17 °C, e julho, mês mais frio, a média é de 8 °C, com possibilidade de queda de neve entre maio a setembro, geadas severas entre abril a setembro e medias a fracas nos demais meses, sem exceção, sendo a mais rara em fevereiro. Assim, é uma das raras cidades brasileiras com geadas em todos os meses do ano. Além de registrar as mais baixas temperaturas nacionais, o microclima de Urupema mostra acentuada variação térmica no decorrer do dia. É comum amanhecer muito frio e em poucas horas a temperatura pode dar sensação de muito calor, embora a máxima possa ficar em torno de 15 graus.No verão a na primavera, são comuns dias com temperaturas próximas de 5 graus e máximas em torno de 20 a 25 graus. As quedas de temperaturas são abruptas e as chuvas podem ser copiosas em curto tempo. Elevado é o numero de dias ensolarados e de nevoeiros no alto do Morro das Torres ou das Antenas (Morro do Campo Novo).

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 27º57'20.96" sul e a uma longitude 49º52'34.59" oeste, com altitude média na área urbana de 1.335 metros (junto à Praça Principal, sendo que no núcleo urbano as altitudes variam entre 1315 (CTG) até 1430 m saída para Rio Rufino)), que juntamente com a cidade de São Joaquim, tem as sedes mais altas do sul do Brasil. O núcleo urbano se encontra num pequeno vale que se abre gradualmente para SE, circundado por elevações com até 1.733 m (Morro das Torres), que lhe da abrigo ao N e em cujas encostas foi instalada a pequena cidade. Tem um clima subtropical de altitude e desde que foi instalada uma unidade meteorológica do CIRAM-EPAGRI, registra as mais baixas temperaturas do Brasil (desde 2011) com minimas absolutas perto de -10 graus. Tem temperatura média anual de 12.5 °C, chuvas bem distribuídas ao logo do ano, elevado numero de dias com nevoeiros nos cumes (morro das Torres, Morro Agudo, etc), alta umidade relativa do ar, exceto em dias de geada que cai abaixo de 30, 20%.ou até menos, no altos de seus morros circundantes.

Quanto ao relevo, o fato marcante é que Urupema está abrigada na face Sul do Sistema Divisor de Águas Canoas-Pelotas, cuja serrania tem origem, quase perpendicularmente na linha de encosta abrupta dos Aparados da Serra a E e que toma rumo W-W-NW, com diversos cumes com altitudes entre 1800 e 1721 m, até o relevo tornar-se mais baixo, deixar de ser uma área de serra tipica, nas proximidades da Serra da Farofa, divisa entre os municípios de Bocaina do Sul,e Painel. Esse sistema divisor de águas, está entre Bom Jardim da Serra e Urubici em sua origem, próximo do Morro da Igreja e depois, Urubici faz finalmente, Bocaina do Sul, Painel.Ao N, toda a drenagem egue para o Rio Canoas, que após mudança abrupta de direção, nas proximidades da Serra do Corvo Branco, toma rumo W, por um estreito vale, que localiza-se a cidade de Urubici. Na face S, a drenagem, igualmente copiosa, segue, para desaguar no Rio Pelotas, divisa com o RS, bem distante, comparado coma do rio Canoas.

O ponto mais alto do município é o Morro das Torres (ou Morro das Antenas, com o nome antigo de Serra do Campo Novo e consequentemente, de Morro do Campo Novo) com 1.733 metros de altitude e e um dos pontos mais frios do Brasil, tal como o Morro da Igreja e o Morro da Boa Vista, as maiores altitudes de Santa Catarina, ambos mais próximos da borda E da Escarpa da Serra Geral, distante poucos quilômetros E-NE da máxima elevação de Urupema. Há outra elevação acima de 1700 m (1706), também na borda N do município de Urupema, é o Morro Agudo, facilmente visto na entrada S da cidade e vizinho a E do Morro das Torres.

À sombra do Morro das Torres (face E), com cerca de 1.550 metros de altitude no topo, situa-se a Cachoeira que Congela, que recebe este nome por permanecer congelada nos dias mais frios do inverno, fenômeno único no país, quando em 1975 permaneceu vários dias com grossas camadas de gelo e, mais recentemente, em julho de 2000, com 12 dias completamente congelada (fonte do próprio proprietário do local e as fotografias em seu arquivo provam a ocorrência).

Um pouco mais ao N, (cerca de 6 km) na rodovia pavimentada que liga Urupema à cidade de Rio Rufino, nas proximidades do acesso a Cachoeira que Congela (1.507 m de altitude, sua base junto a estrada) e ao Morro das Torres, encontra-se um dos pontos mais elevados das estradas do sul do país (com tráfego normal), com 1.565 m de altitude no topo da “serra”, que dá acesso ao Morro das Torres e cuja estrada chega a até 1.733 m de altitude.

Sua altitude (minimas ao S em torno de 900 m e máximas ao N com cerca de 1750 m) e posição geográfica no planalto sul-catarinense, encravada na mais afastada "serra" com mais de 1700 m de altitude, serranias de orientação SE-NE, favorecem no inverno, temperaturas que podem chegar aos -10°C, sendo relativamente comum a ocorrência de neve nos pontos mais altos do município, assim como raros fenômenos meteorológicos associados ao frio no país. As temperaturas podem ir abaixo de zero, durante a noite e mesmo durante o dia, entre os meses de abril e novembro, embora seja muito comum temperaturas mínimas absolutas em torno de 5 graus ao longo de todos os meses do ano, com geadas aparecendo em praticamente todos os meses do ano (em janeiro a sublimação do orvalho é mais rara). Em 2010 foi registrada a temperatura de -7,8°C e nevou 30 cm. Em 2011, menor ainda com -8.9 graus, sendo indiscutivelmente a cidade brasileira exposta as menores temperaturas.Em Junho de 2012, em 08 e 09, teve temperaturas entre -8.6 e -7.9 graus.

Juntamente com São Joaquim, Bom Jardim da Serra, Urubici no mesmo estado, e São José dos Ausentes,Bom JesusCambará do Sul no estado vizinho do Rio Grande do Sul, que normalmente são as cidades mais frias, do Brasil, onde há pelo menos 8 meses do ano com possibilidades de gear ou nevar entre Abril e Setembro. A antiga estação meteorológica de Urupema (CIDASC, automatizada, mas desativada desde que o CIRAM-Epagri instalou nas proximidades do Parque de Exposições, era uma das mais elevadas de SC, com 1.419 m de altitude (cerca de 1 km ao norte da sede), ficando apenas abaixo da estação do Morro da Igreja (INMET), com 1822 m e próxima da terceira estação mais elevada de Santa Catarina, no Distrito são-joaquinense do Cruzeiro (Climaterra) (cerca de 1450 m). Em função de estar localizado abaixo do Morro das Torres (face Sul), na direção preferencial do escoamento do ar frio e estando a quase 100 m mais elevado que a sede municipal, a estação meteorológica mostrava com freqüência mínimas mais baixas que a sede de Urupema e menores máximas que o termômetro junto à Praça de Urupema, mas com freqüência as mais baixas temperaturas do Brasil, em fortes ondas de frio. Tanto a estação do CIRAM-Epagri, como outra pertencente a uma comunidade virtual de climatologia, podendo ser acessada pela rede, com atualização em poucos segundos.

No Morro das Torres, local de fácil acesso, todo o rigor do clima de Urupema é observado, pois a sua localização geográfica, posição frente juntamente com a vizinha Serra da Farofa, são as últimas elevações com mais de 1.700 da Serra Catarinense (rumo SW e W) e do Sul do Brasil, em todo o extenso planalto da Formação Serra Geral, maior derrame de lavas vulcânicas do planeta, quando outras elevações com altitudes semelhantes, somente na pré-cordilheira andina.Como tantas outras elevações da Serra Catarinense, o Morro das Torres, Serra da Farofa, Morro Agudo, tem em seus topos quase planos (caso do das Torres e nos demais, pequena área cumeira), as rochas aflorantes são dos últimos derrames, de natureza ácida (grupo dos dacitos, rio-dacitos e riólitos), e em menores cotas, as abundantes rochas vulcânicas básicas (todo o núcleo de Urupema e maior parte de seu território)do grupo do basalto. A idade média dessas vulcânicas de extravassamento é de cerca de 133 milhões de anos, antes do presente.

O Morro das Torres, juntamente com as porções dos Campos dos Padres, onde se localizam os pontos mais elevadas de Santa Catarina, em áreas dos municípios de Bom Retiro, Urubici e Grão Pará e, mais ao Sul, no belíssimo conjunto de mais de 60 cumes com altitudes superiores a 1.700 m, pertencentes a Urubici e Bom Jardim da Serra, próximos ao Morro da Igreja é palco de um raro fenômeno climático brasileiro, que é o congelamento, de nevoeiros (sincelo ou Rime), quando em baixíssimas temperaturas e fortes ventos, o gelo resultante da sublimação do vapor de água super resfriado, acumula-se sobre a vegetação arbustiva e as antenas de alguns morros, lembrando nevascas, sem ser uma precipitação ou geada severa. O Morro das Torres é o melhor local brasileiro para se observar o sincelo e o de mais fácil acesso rodoviário.

Urupema é um lugar ainda pouco conhecido. Raro local em que durante o amanhecer e anoitecer, a poucos metros da avenida principal, escutam-se nas primeiras horas do dia e ao anoitecer as curucacas (curicacas), grandes aves do gênero Íbis, empoleiradas nas araucárias, possivelmente discutindo a relação com os seus pares eternos e os cantos característicos das gralhas-azuis (corvos brasileiros), aves do gênero Cyaonocorax e uma infindável quantidade de pássaros de todos os matizes. Uma das mais belas expressões que já ouvi sobre a Serra Catarinense, notavelmente sobre Urubici, Urupema e Bom Jardim da Serra ( ou simplesmente Jardim da Serra), foi a de a natureza chega até a avenida principal.Num mar de atrativos da riquíssima riqueza natural, jamais se surpreenda pela generosidade, educação, cortesia com os visitantes, hospitalidade do povo serrano, que em Urupema tem a máxima expressão. Conte nuvens, pássaros, sensações do vento e do silencio, enfim, viva! Esqueça o tempo, pois em Urupema, até ele espera.

Quanto a flora, a região e de transição de matas entrecortadas por campos nativos (estepes). Essas duas classes, com outros subtipos, conforme a altitude, relevo, formam muitas vezes mosaicos, zonas de transição e ao contrario dos demais campos sulinos, sejam eles no Pampa ou nos Campos Gerais do PR ou do interior catarinense,localizados no centro, norte e parte do oeste de SC, ocupam os cumes dos morros e desaparecem no relevo mais acidentado, na constante substituição da vegetação campestre por matas, a medida que o clima esquentou, tornou-se mais úmido, desde a ultima grande glaciação (que terminou por volta de 11500 antes do presente)nos ciclos climáticos naturais do planeta e que o homem, através de sua forte ação, interrompeu com queimadas, pastoreio, etc. Os campos Sulinos,reflexos de um clima mais frio e seco, estão presentes ha milhares de anos no sul do Brasil.

Clima[editar | editar código-fonte]

Urupema é o município mais frio do Brasil e possui um Clima Temperado Marítimo tipo Cfb ou Subtropical Cfb. A cidade sofre influências invernais das massas polares atlânticas a qual distribui a umidade sobre a região criando condições de pequenas precipitações de neve ou grandes nevascas em anos sem a influência do El Niño, e também é influenciada pelas massas polares continentais, mais secas, e muito frias que criam condições de baixas temperaturas e fortes Geadas duradouras. Outros fatores importantes para a intensificação do frio na cidade são: a Altitude da sede da cidade é uma das mais altas do sul do Brasil junto com São Joaquim, e que estão a mais de 1.450 metros acima do nível do mar[6] o que intensifica ainda mais a queda das temperaturas diárias e noturnas. Outro fator é que a cidade está entre vales que limitam a passagem de raios solares e mantém os dias mais amenos que deveriam ser. Associados às chuvas constantes e a vegetação local. O clima raramente alcança 30ºC nos meses de verão e quase nunca ultrapassam os 20ºC nos meses de inverno. São Joaquim costuma ter verões mais amenos que Urupema, porém, atualmente, os invernos de Urupema são mais rigorosos que os de São Joaquim devido a quase ausência do uso intensivo de Concreto e por não apresentar prédios de mais de 3 andares no município e também por apresentar também uma vegetação mais preservada que a cidade vizinha, reduzindo assim as zonas(ilhas) de calor na mesma. Urupema é a cidade que pode-se observar o fenômeno do Sincelo com maior frequência.


Gráfico climático para Urupema, Santa Catarina
J F M A M J J A S O N D
 
 
144
 
24
11
 
 
168
 
23
11
 
 
131
 
23
9
 
 
108
 
20
8
 
 
106
 
13
6
 
 
104
 
12
1
 
 
118
 
9
1
 
 
149
 
13
0
 
 
136
 
11
1
 
 
135
 
20
8
 
 
119
 
22
10
 
 
127
 
24
11
Temperaturas em °CPrecipitações em mm
Fonte: Somar Meteorologia

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Urupema (com variantes de arupemba, arupema e urupemba) é uma peneira (de palha) indígena na língua dos kaingangs, do grupo macro-jê. "Uru" tem significado de "água fria, gelada" e "pema", ainda precisa de uma definição.[carece de fontes?] Segundo Luiz Nobrega (RJ), Urupema é uma peneira de fibra vegetal, usada para peneirar farinha de milho, farinha de mandioca, etc.

História[editar | editar código-fonte]

Seus primeiros habitantes foram atraídos pela fartura que o pinheiro-do-paraná (araucaria angustifolia) propiciava a avifauna e que os alimentava durante meses, quando a rara conífera foi durante muitos séculos, a base da alimentação indígena na época de maior carência nutricional (outono-inverno) nas serras do Brasil meridional, tendo muitas vezes, salvado também a vida de muitos imigrantes europeus. A abundância da araucária foi a razão pela qual houve ocupação de áreas mais frias dos estados sulinos por um povo desprovido de animais silvestres de grande porte, que lhes pudessem fornecer abrigo térmico como ocorreu na América do Norte com os ameríndios, com relação aos bisões e alces.

Urupema como todas as cidades do Planalto Meridional ou das Araucárias, sofreu severamente, principalmente entre as décadas de 1950-1990,com a exploração madeireira, sendo o pilar econômico, inicio, de praticamente todas a cidades, serranas do sul do Brasil, que posteriormente, mudaram a sua economia, da pecuária extensiva para agricultura de grãos essencialmente.

A Floresta das Araucárias ( Floresta Ombrófila Mista, no caso especifico montana e alto-montana), parte do bioma Mata Atlântica, foi praticamente devastada. Recrudescimento das leis, novos ciclos, as pressão da sociedade, embora incipiente por décadas, sobre a riqueza natural existente, abundante, permitiu que nos últimos 30 anos, uma recuperação se desencadeasse e hoje as cidades da Serra Catarinense são o melhor local para se observar, algo que não tem mais sentido de chamar de Pinheiro-do-Parana (Araucaria angustifolia- que explorou muito também e em cujo porto de Paranaguá exportou gigantescos volumes dai o nome) . O alvo sempre foi a Araucária, imbuia, cedros, canelas, xaxim-bugio, etc. Mas o pinheiro-brasileiro foi o alvo essencial e essa conífera de raríssima beleza, que não se parece com nenhuma outra especie arbórea brasileira, teve o azar de ser abundante, cilíndrica o que muito facilitou a sua movimentação, transporte, de madeira durável, de excelente qualidade e a essa especie, deve-se a fixação humana em uma área historicamente muito fria, pelos primeiros aborígines, notavelmente dos grupos kaingang e xokleng. Em função de boa parte de Urupema ser de vegetação de campos nativos, a sua ocupação de descendentes de origem europeia, ocorreu com o Ciclo da pecuária, do tropeirismo, quando ´para abastecer o mercado de carne bovina, muares, equinos,no seculo XIX principalmente de São Paulo, Minas Gerais, muitas localidades nasceram no Planalto Sulbrasileiro, sendo as caravanas inicialmente provenientes do território de São Pedro (RS, que necessitava de entrepostos, local de pernoite, de áreas cercadas para os rebanhos.Posteriormente as rotas de abastecimento mudaram de eixo S-N para o litoral que topograficamente, climaticamente, forte industrialização, concentraram a população catarinense nas proximidades do oceano.

Economia[editar | editar código-fonte]

Sua economia gira em torno das atividades agro-pastoris, com destaque para pecuária de corte, fruticultura da maçã, extração do pinhão (semente da Araucaria angustifolia), já que a sua topografia acidentada, solo pedregoso, de pequena espessura, poucas áreas de relevo plano, quase sempre fortemente encaixados, próximos a drenagem, não permite lavouras de grãos. O turismo, essencialmente de inverno, depende das ondas de frio e o município, embora tenha algumas pousadas explorando o turismo rural.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Sua população de aproximadamente 2.550 habitantes e possui uma área de 353 km².

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
  6. Cidades da Serra - Urupema. Visitado em 2014-12-19.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Santa Catarina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.