Usina Hidrelétrica Santo Antônio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


UHE Santo Antônio
UHE Santo Antônio
Em construção.
Nome oficial Usina Hidroelétrica Santo Antônio
Rio Madeira
Localização Porto Velho  Brasil
Coordenadas 08° 48′ S 63° 56′ W
Inaugurada 28 de Dezembro de 2011
Informações Técnicas
Capacidade de geração 3.568,0 MW
Unidades geradoras 50
Barragem
Reservatório
Área alagada 271 km²
Construção
Início da construção 2008
Término da construção 2015 (Previsão)
Custo 15,1 Bilhões
Operação e distribuição
Empresa Geradora Santo Antônio Energia
Empresa Distribuidora Eletrobrás
Site: http://www.santoantonioenergia.com.br

A Usina Hidroelétrica Santo Antônio, é uma usina hidrelétrica em construção no Rio Madeira, na cidade de Porto Velho, capital de Rondônia, com previsão para estar concluída em 2015 e que faz parte do Complexo do Rio Madeira. Terá 50 turbinas Kaplan de bulbo para geração de energia elétrica com potência de 71,6 megawatts (MW) cada uma, totalizando 3.568 MW. Será a segunda maior hidrelétrica de turbinas bulbo do mundo.

A usina, juntamente com a de Jirau, também em construção no mesmo rio, são consideradas fundamentais para o suprimento de energia elétrica no Brasil a partir de meados de 2013[1] e estão entre as obras mais importantes do Governo Federal.[2]

O leilão de concessão foi realizado em dezembro de 2007, saindo-se vencedor o consórcio Madeira Energia, liderado pela Odebrecht e por Furnas. O lance vencedor ofereceu um deságio de 35%.[1]

No dia 28/06/2013 a Unidade Geradora 14 foi liberada para operação pela ANEEL, totalizando 1002,4MW de geração.

Características[editar | editar código-fonte]

  • A Usina Hidrelétrica Santo Antônio será a sexta maior do Brasil em potência instalada, e a terceira em energia assegurada;
  • A energia elétrica a ser produzida anualmente pela hidreletrica equivale a 4,3% do total gerado no Brasil em 2007.
  • Sua geração será suficiente para suprir a necessidade de 44 milhões de brasileiros, o que equivale a quatro vezes a população da cidade de São Paulo;
  • Será a segunda maior Usina Hidréletrica do mundo a usar turbinas bulbo e a 1ª em potência unitária de cada turbina bulbo.
  • A quantidade de ferro que está sendo usado na construção da usina (138 mil toneladas) daria para construir 18 torres Eiffel;
  • A construção de Santo Antônio irá consumir cimento suficiente para erguer 37 estádios do Maracanã.
  • A UHE Santo Antônio será interligada ao Sistema Elétrico do Sudeste/Centro-Oeste Brasileiro por meio de duas linhas de transmissão em corrente contínua de cerca de 600 kV com 2.375 km de extensão, que serão as maiores do mundo em operação.

Críticas internacionais[editar | editar código-fonte]

A Bolívia expressou sua preocupação com o impacto ambiental e sanitário que as usinas de Santo Antônio e Jirau poderão causar, tendo em vista a proximidade de sua construção com a fronteira daquele país. Há preocupação com a proliferação de doenças como dengue e malária devido aos espelhos d'água que serão formados.[3]

Em 14 de março de 2009, o Brasil foi condenado simbolicamente pelo Tribunal da Água, uma corte de ética dentro do Fórum Mundial da Água realizado em Istambul, devido à construção das duas usinas no rio Madeira, que podem prejudicar a vida da população indígena, alterar os ciclos fluviais e a biodiversidade.[4]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Engenharia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.