Desenvolvimento sustentável

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Uso sustentável)
Ir para: navegação, pesquisa
Esquema representativo das várias componentes do desenvolvimento sustentável

Desenvolvimento sustentável é um conceito sistêmico que se traduz num modelo de desenvolvimento global que incorpora os aspectos de desenvolvimento ambiental.[1] [2] Foi usado pela primeira vez em 1987, no Relatório Brundtland, um relatório elaborado pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criado em 1983 pela Assembleia das Nações Unidas.[3]

A definição mais usada para o desenvolvimento sustentável é:

Cquote1.svg O desenvolvimento que procura satisfazer as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas próprias necessidades, significa possibilitar que as pessoas, agora e no futuro, atinjam um nível satisfatório de desenvolvimento social e econômico e de realização humana e cultural, fazendo, ao mesmo tempo, um uso razoável dos recursos da terra e preservando as espécies e os habitats naturais. Cquote2.svg
Relatório Brundtland[4]

O campo do desenvolvimento sustentável pode ser conceptualmente dividido em três componentes: a sustentabilidade ambiental, sustentabilidade econômica e sustentabilidade sociopolítica.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Ao longo das ultimas décadas, vários têm sido os acontecimentos que marcam a evolução do conceito de desenvolvimento sustentável, de acordo com os progressos tecnológicos, assim como do aumento da consciencialização das populações para o mesmo.

 

A criação do Clube de Roma, em 1968, reuniu pessoas em cargos de relativa importância em seus respectivos países e visa promover um crescimento económico estável e sustentável da humanidade. O Clube de Roma tem, entre seus membros principais cientistas, inclusive alguns prémios Nobel, economistas, políticos, chefes de estado e até mesmo associações internacionais.[6]

O Clube de Roma publicou o relatório Os limites do crescimento, preparada a seu pedido por uma equipa de pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology. Este relatório apresenta os resultados da simulação em computador, da evolução da população humana com base na exploração dos recursos naturais, com projecções para 2100. Mostra que, devido à prossecução do crescimento económico durante o século XXI é de prever uma redução drástica da população devido à poluição, a perda de terras aráveis e da escassez de recursos energéticos.[7]

Em 16 de Junho de 1972 inicia-se a Conferência sobre o Ambiente Humano das Nações Unidas (Estocolmo). É a primeira Cimeira da Terra. Ocorre pela primeira vez a nível mundial a preocupação com as questões ambientais globais.[8]

Em 1979 o filósofo Hans Jonas exprime a sua preocupação no livro Princípio responsabilidade.

Em 1980, A União Internacional para a Conservação da Natureza publicou um relatório intitulado "A Estratégia Global para a conservação", onde surge pela primeira vez o conceito de" desenvolvimento sustentável ".[9]

O Relatório Brundtland, Our Common Future, preparado pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento em 1987, onde foi pela primeira vez formalizado o conceito de desenvolvimento sustentável.[9] [10]

De 3 a 14 de Junho de 1992, realizou-se a Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente e Desenvolvimento (segunda "Cimeira da Terra"), onde nasce a Agenda 21, e são aprovadas a Convenção sobre Alterações Climáticas, Convenção sobre Diversidade Biológica (Declaração do Rio), bem como a Declaração de Princípios sobre Florestas.[8] [11]

Em 1994 acontece o V Programa Acção Ambiente da União Europeia: Rumo a um desenvolvimento sustentável. Apresentação da nova estratégia da UE em matéria de ambiente e as acções a serem tomadas para alcançar um desenvolvimento sustentável para o período 1992-2000.[12]

27 de maio de 1994 - Primeira Conferência sobre Cidades Europeias Sustentáveis. Aalborg (Dinamarca), de onde surgiu a Carta de Aalborg.[13] [14]

8 de Outubro de 1996 - Segunda Conferência sobre Cidades Europeias Sustentáveis. Plano de Acção de Lisboa: da Carta à acção.[13] [15]

1997 - 3 ª Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas, em Quioto, onde se estabelece o Protocolo de Quioto.[16]

8 de Setembro de 2000 - Após os três dias da Cimeira do Milénio de líderes mundiais na sede das Nações Unidas, a Assembleia Geral aprovou a Declaração do Milénio.[17]

2000 - Terceira Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis.[4] [18]

De 26 a 4 de Setembro de 2002 - Conferência Mundial sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio +10), em Joanesburgo, onde reafirmou o desenvolvimento sustentável como o elemento central da agenda internacional e se deu um novo impulso à acção mundial para combater a pobreza assim como a protecção do ambiente.[19]

Fevereiro de 2004 - A sétima reunião ministerial da Conferência sobre Diversidade Biológica foi celebrado com a Declaração Kuala Lumpur, que gerou descontentamento entre os países pobres e não satisfez plenamente as nações ricas.

2004 - Conferência Aalborg +10 - Inspiração para o futuro. Apelo a todos os governos locais e regionais da Europa para participar na assinatura do compromisso de Aalborg e fazerem parte da Campanha Europeia das Cidades Sustentáveis e Cidades.[20]

11 de Janeiro de 2006 - Comunicação da Comissão Europeia ao Parlamento Europeu sobre a Estratégia temática sobre o ambiente urbano. É uma das sete estratégias do Sexto Programa de Acção Ambiental para o Ambiente da União Europeia, desenvolvido com o objectivo de contribuir para uma melhor qualidade de vida através de uma abordagem integrada e centrada nas zonas urbanas e para tornar possível um elevado nível de qualidade de vida e bem-estar social para os cidadãos, proporcionando um ambiente em que níveis da poluição não têm efeitos adversos sobre a saúde humana e o ambiente assim como promover o desenvolvimento urbano sustentável.[21]

2007 - Carta de Leipzig sobre as cidades europeias sustentáveis.[4] [22]

2007 - Cimeira de Bali, com o intuito de criar um sucessor do Protocolo de Quioto, com metas mais ambiciosas e mais exigente no que diz respeito às alterações climáticas.[23]

Julho de 2009 - Declaração de Gaia, que implanta o Condomínio da Terra no I Fórum Internacional do Condomínio da Terra.[24] [25]

Âmbito e definições de aplicação[editar | editar código-fonte]

A terra como um planeta frágil, a ser protegido pela Humanidade.

O conceito de desenvolvimento sustentável é um conceito que abrange várias áreas, assentando essencialmente num ponto de equilíbrio entre o crescimento económico, equidade social e a protecção do ambiente.[26] [27]

A Declaração Universal sobre a Diversidade Cultural adiciona um novo enfoque na questão social, ao afirmar que "… a diversidade cultural é tão necessária para a humanidade como a biodiversidade é para a natureza" torna "as raízes do desenvolvimento entendido não só em termos de crescimento económico mas também como um meio para alcançar um mais satisfatório intelectual, emocional, moral e espiritual ". Nessa visão, a diversidade cultural é a quarta área política do desenvolvimento sustentável.[28]

A Divisão das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável enumera as seguintes áreas como incluídas no âmbito do desenvolvimento sustentável:[29]

O conceito inclui noções de sustentabilidade fraca, de sustentabilidade e ecologia profunda. Diferentes concepções revelam também uma forte tensão entre ecocentrismo e o antropocentrismo. O conceito permanece mal definido e contém uma grande quantidade de debates a respeito de sua definição.

Durante os últimos dez anos, diversas organizações têm tentado medir e monitorizar a proximidade com o que consideram a sustentabilidade através da aplicação do que tem sido chamado de métricas e indicadores de sustentabilidade.[30]

O desenvolvimento sustentável é dito para definir limites para o mundo em desenvolvimento. Enquanto os actuais países de primeiro mundo, poluído significativamente durante o seu desenvolvimento, os mesmos países incentivam os países do terceiro mundo a reduzir a poluição, o que, por vezes, impede o crescimento. Alguns consideram que a implementação do desenvolvimento sustentável implica um retorno à estilos de vida pré-modernos.[31]

Indicadores de desenvolvimento sustentável[editar | editar código-fonte]

Em 1995, a Comissão das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável aprovou um conjunto de indicadores de desenvolvimento sustentável, com o intuito de servirem como referência para os países em desenvolvimento ou revisão de indicadores nacionais de desenvolvimento sustentável, tendo sido aprovados em 1996, e revistos em 2001 e 2007.[32] [33]

O quadro actual contém 14 temas, que são ligeiramente modificado a partir da edição anterior:[34]

Cada um destes temas encontra-se dividido em diversos sub-temas, indicadores padrão e outros indicadores.

Além das Nações Unidas, outras entidades elaboram ainda outros modelos de indicadores, como no caso da Comissão Europeia, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e do Global Environment Outlook (GEO).[35]

Os três componentes do Desenvolvimento sustentável[editar | editar código-fonte]

Sustentabilidade ambiental[editar | editar código-fonte]

Como evoluir do tempo e dos conhecimentos técnicos, o desenvolvimento sustentável foi crescendo como resposta às assimetrias globais, e aos problemas locais e intertransfronteiriços.

A sustentabilidade ambiental consiste na manutenção das funções e componentes do ecossistema, de modo sustentável,[36] [37] podendo igualmente designar-se como a capacidade que o ambiente natural tem de manter as condições de vida para as pessoas e para os outros seres vivos, tendo em conta a habitabilidade, a beleza do ambiente e a sua função como fonte de energias renováveis.[38] [39]

As Nações Unidas, através do sétimo ponto das Metas de desenvolvimento do milénio procura garantir ou melhorar a sustentabilidade ambiental,[40] através de quatro objectivos principais:[41]

  1. Integrar os princípios do desenvolvimento sustentável nas políticas e programas nacionais e reverter a perda de recursos ambientais.
  2. Reduzir de forma significativa a perda da biodiversidade.
  3. Reduzir para metade a proporção de população sem acesso a água potável e saneamento básico.
  4. Alcançar, até 2020 uma melhoria significativa em pelo menos cem milhões de pessoas a viver abaixo do limiar da pobreza.

Sustentabilidade económica[editar | editar código-fonte]

A sustentabilidade económica, enquadrada no âmbito do desenvolvimento sustentável é um conjunto de medidas e politicas que visam a incorporação de preocupações e conceitos ambientais e sociais. Aos conceitos tradicionais de mais valias económicas são adicionados como fatores a ter em conta, os parâmetros ambientais e sócio-económicos, criando assim uma interligação entre os vários setores.[42] [43] Assim, o lucro não é somente medido na sua vertente financeira, mas igualmente na vertente ambiental e social,[44] [45] o que potencia um uso mais correto quer das matérias primas, como dos recursos humanos. Há ainda a incorporação da gestão mais eficiente dos recursos naturais, sejam eles minerais, matéria prima como madeira ou ainda energéticos, de forma a garantir uma exploração sustentável dos mesmos, ou seja, a sua exploração sem colocar em causa o seu esgotamento, sendo introduzidos elementos como nível óptimo de poluição ou as externalidades ambientais, acrescentando aos elementos naturais um valor económico.[46]

Sustentabilidade sócio-politica[editar | editar código-fonte]

A sustentabilidade sócio-politica centra-se no equilíbrio social, tanto na sua vertente de desenvolvimento social como sócio-económica. É um veículo de humanização da economia, e, ao mesmo tempo, pretende desenvolver o tecido social nos seus componentes humanos e culturais.[47] [48]

Neste sentido, foram desenvolvidos dois grandes planos: a agenda 21 e as metas de desenvolvimento do milénio.

A Agenda 21 é um plano global de acção a ser tomada a nível global, nacional e local, por organizações das Nações Unidas, governos, e grupos locais, nas diversas áreas onde se verificam impactos significativos no ambiente. Em termos práticos, é a mais ambiciosa e abrangente tentativa de criação de um novo padrão para o desenvolvimento do século XXI, tendo por base os conceitos de desenvolvimento sustentável.[49] [50]

As Metas de Desenvolvimento do Milénio (MDM) surgem da Declaração do Milénio das Nações Unidas, adoptada pelos 191 estados membros no dia 8 de Setembro de 2000. Criada em um esforço para sintetizar acordos internacionais alcançados em várias cúpulas mundiais ao longo dos anos 1990 relativos ao meio-ambiente e desenvolvimento, direitos das mulheres, desenvolvimento social, racismo, entre outras, a Declaração traz uma série de compromissos concretos que, se cumpridos nos prazos fixados, segundo os indicadores quantitativos que os acompanham, deverão melhorar o destino da humanidade neste século. Esta declaração menciona que os governos "não economizariam esforços para libertar nossos homens, mulheres e crianças das condições abjectas e desumanas da pobreza extrema", tentando reduzir os níveis de pobreza, iliteracia e promovendo o bem estar social.[51] [52] Estes projectos são monitorizados com recurso ao Índice de Desenvolvimento Humano, que é uma medida comparativa que engloba três dimensões: riqueza, educação e esperança média de vida.[53]

Estratégias nacionais de desenvolvimento sustentável[editar | editar código-fonte]

Lista dos Objectivos do Milénio das Nações Unidas na sua sede em Nova Iorque.

O capítulo 8 da Agenda 21 incentiva os países a adoptarem estratégias nacionais de desenvolvimento sustentável (ENDS), estimulando-os a desenvolver e harmonizar as diferentes políticas sectoriais, económicas,crimes, sociais e ambientais e de planos que operam no país.[54] O apelo à elaboração destes documentos estratégicos, que devem reforçar e harmonizar as políticas nacionais para a economia, as questões sociais e o ambiente, foi reforçado na Sessão Especial da Assembleia das Nações Unidas de 1997 (Rio+5), na Cimeira Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável de 2002 em Joanesburgo (Rio+10).[55]

A primeira revisão para estabelecer os elementos básicos de boas práticas foi um "Manual para NSDS" preparado por Carew-Reid et al. (1994) partindo das experiências compartilhadas por vários países, através de relatórios nacionais e regionais, durante um projecto liderado pela IUCN e IIED. Este trabalho preparou o terreno para a obra mais posteriores. Foi construído em cima pelo CAD da OCDE no seu trabalho para produzir orientações para ENDS (CAD 2001), que estabeleceu os princípios acordados para a ENDS, mais tarde ecoou na UNDESA orientação desenvolvido na sequência de um workshop internacional (UNDESA 2002).[56]

Na prática, é uma estratégia eficaz para o desenvolvimento sustentável reúne as aspirações e capacidades de governo, sociedade civil e do sector privado para criar uma visão para o futuro, e para trabalhar tacticamente e progressivamente para esses objectivos, identificando e construindo sobre "o que funciona", melhorando a integração entre as abordagens, fornecendo um quadro para fazer as escolhas que a integração não é possível. Estas estratégias incidem sobre o que é realmente praticável, pois com uma estratégia eficaz e abrangente poderá solucionar-se vários problemas ao mesmo tempo.[57] [58]

Assim, as ENDS apresentam 7 pontos chave, sendo tratados de forma integrada as questões económicas, ambientais e sociais, a saber:[59]

Agenda 21 local[editar | editar código-fonte]

A agenda 21 local é um processo pelo qual as entidades nacionais se envolvem com a comunidade civil na elaboração de uma estratégia conjunta, e com um plano de acção que vise melhorar a qualidade de vida a nível local.[60] Têm como objectivo aplicar as recomendações da Agenda 21, ao nível local, envolvendo as entidades governamentais locais, sector empresarial e industrial e sociedade civil.[61]

Referências

  1. WWF Brazil - O que é desenvolvimento sustentável?. www.wwf.org.br. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  2. What Is Sustainable Development?. www.menominee.edu. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  3. Background. www.usda.gov. Página visitada em 17 de Agosto de 2010.
  4. a b c A21 - Desenvolvimento Sustentável - C.M. Amadora. www.cm-amadora.pt. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  5. nssd: Sustainable Development Concepts and Approaches. www.nssd.net. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  6. THE CLUB OF ROME - The Story of the Club of Rome. www.clubofrome.org. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  7. Fair Warning?: The Club of Rome Revisited, by Keith Suter. www.abc.net.au. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  8. a b Earth_Summit. www.un.org. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  9. a b A brief history of sustainable development · About sustainable development · Sustainable Development Commission. www.sd-commission.org.uk. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  10. Europa - Sustainable Development - History. ec.europa.eu. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  11. Rio Declaration on Environment and Development. habitat.igc.org. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  12. EUROPA - Environment - Title: The 5th Environmental Action programme. ec.europa.eu. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  13. a b Aalborg Charter Ceremony - Aalborg Plus 10. www.aalborgplus10.dk. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  14. [1]
  15. Welcome to the aalborg commitments SIGNING website - Aalborg Plus 10. www.aalborgplus10.dk. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  16. Protocolo de Quioto relativo às alterações climáticas. europa.eu. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  17. UNdemocracy - A-RES-55-2 General Assembly Resolution 55/2. www.undemocracy.com. Página visitada em 25 de Agosto de 2009.
  18. [2]
  19. United Nations: Johannesburg Summit 2002. www.4tube.com. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  20. Introduction - Aalborg Plus 10. www.aalborgplus10.dk. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  21. Sexto programa de acção em matéria de ambiente.. europa.eu. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  22. Eurocid - Implementação da Carta de Leipzig. www.eurocid.pt. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  23. United Nations Climate Change Conference, 3-14 December, Nusa Dua, Bali, Indonesia, (COP 13 and CMP 3). unfccc.int. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  24. Portal UNEB. www.uneb.br. Página visitada em 17 de Agosto de 2009.
  25. Earth Condominium. Página visitada em 04 de Novembro de 2009.
  26. [3]
  27. [4]
  28. [5]
  29. DSD :: Resources - Documents - Sustainable Development Topics. www.un.org. Página visitada em 25 de Agosto de 2009.
  30. Sustainable development indicators: a scientific challenge, a democratic issue. sapiens.revues.org. Página visitada em 25 de Agosto de 2009.
  31. What Is Sustainable Development?. www.menominee.edu. Página visitada em 25 de Agosto de 2009.
  32. DSD :: Resources - Publications - Core Publications. www.un.org. Página visitada em 25 de Agosto de 2009.
  33. [6]
  34. [7]
  35. [8]
  36. Terms Beginning With "E". www.epa.gov. Página visitada em 2009-07-09.
  37. Environmental sustainability. www.acdi-cida.gc.ca. Página visitada em 2009-07-09.
  38. What is Environmental Sustainability. www.ces.vic.gov.au. Página visitada em 2009-07-09.
  39. Sutton, Philip. A Perspective on environmental sustainability?. Victorian Commissioner for Environmental Sustainability. Página visitada em 2009-07-09.
  40. MDG MONITOR :: Goal :: Ensure Environmental Sustainability. www.mdgmonitor.org. Página visitada em 2009-07-09.
  41. United Nations Millennium Development Goals. www.un.org. Página visitada em 2009-07-09.
  42. [9]
  43. [10]
  44. Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE. www.fipe.org.br. Página visitada em 19 de Novembro de 2009.
  45. O Conceito de Sustentabilidade e Desenvolvimento Sustentável. www.catalisa.org.br. Página visitada em 19 de Novembro de 2009.
  46. [11]
  47. .:: Instituto Percepções de Responsabilidade Social::.. www.percepcoes.org.br. Página visitada em 28 de Novembro de 2009.
  48. A DIMENSÃO POLÍTICA DA SUSTENTABILIDADE NA FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE HABITAÇÃO. CASO:. 209.85.229.132. Página visitada em 28 de Novembro de 2009.
  49. Agenda 21. www.agenda21grandeporto.com. Página visitada em 28 de Novembro de 2009.
  50. Agenda 21 - texto completo. www.ecolnews.com.br. Página visitada em 28 de Novembro de 2009.
  51. Ministério das Relações Exteriores - Declaração do Milênio/ Metas do Milenio- Relatório Brasileiro. www.mre.gov.br. Página visitada em 28 de Novembro de 2009.
  52. Agência Senado - 29/05/2009 - Oito objetivos com {{subst:Número2palavra2|18}} metas a serem cumpridas até 2015. www.senado.gov.br. Página visitada em 28 de Novembro de 2009.
  53. Statistics. hdr.undp.org. Página visitada em 28 de Novembro de 2009.
  54. DSD :: Areas of Work :: NSDS. www.un.org. Página visitada em 11 de Novembro de 2009.
  55. [12]
  56. [13]
  57. [14]
  58. BCSD Portugal - Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável. www.bcsdportugal.org. Página visitada em 11 de Novembro de 2009.
  59. Environment - Sustainable Development. ec.europa.eu. Página visitada em 11 de Novembro de 2009.
  60. O que é a A21L?. www.agenda21local.info. Página visitada em 29-Abril-2010.
  61. O que é a A21L?. www.agenda21local.info. Página visitada em 18 de Janeiro de 2011.

Manuais em Língua Portuguesa sobre Desenvolvimento Sustentável[editar | editar código-fonte]

Rodrigues, V.J. (2009) - Desenvolvimento sustentável: uma introdução crítica. Perede: Principia.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikisource
A Wikiversidade possui cursos relacionados a Desenvolvimento sustentável
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Desenvolvimento sustentável