Utopia (livro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde novembro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Xilogravura por Ambrosius Holbein de uma edição de 1518 de Utopia.

De Optimo Reipublicae Statu deque Nova Insula Utopia (em português, Sobre o melhor estado de uma república e sobre a nova ilha Utopia) ou simplesmente Utopia é um livro de 1516 escrito por Tomás Moro (Thomas Morus 1480-1535). Escrito em latim, foi sua principal obra literária e tornou-se sinônimo de projeto irrealizável; fantasia; delírio; quimera; lugar que não existe, dando uso mais amplo do então neologismo "utopia".

Livro primeiro

Estrutura as questões analisadas no livro segundo

Primeiro diálogo Discutem:

• Algumas decisões que afectam a Europa; • Tendência dos reis para começar as guerras (em consequência gastam muito dinheiro) • Discutem o julgamento que dão ao roubo • Revela os problemas das “enclousers” e por consequência a pobreza e as mortes provocadas pela fome (a quem são recusadas terras) • More tenta ainda convencer Rafael Hitlodeu a encontrar trabalho na corte como Conselheiro. Apesar de portador de grande sabedoria, Rafael recusa referindo que a sua visão é demasiado radical e não seria ouvido. Os jovens cedo seriam infectados com corrupção e más opiniões. • More contempla o papel dos filósofos no trabalho de situações reais.

Parafrasea Mateus: “O que vos digo em voz baixa e ao ouvido pregai-o em voz alta e abertamente”

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Utopia livro completo em português em domínio público.
  • Utopia and Utopianism é uma revista académica especializada na utopia e utopismo.


Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.