Uva-de-urso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Como ler uma caixa taxonómicaUva-de-urso
Common bearberry ("Kinnikinnick", Arctostaphylos uva-ursi) - fruits and leaves.JPG

Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Ericales
Família: Ericaceae
Género: Arctostaphylos
Espécie: A. uva-ursi
Nome binomial
Arctostaphylos uva-ursi
(L.) Spreng.

A Uva-de-urso (Arctostaphylos uva-ursi) é uma erva medicinal. É também conhecida como uva ursina, buxilo, buxulo, medronheiro, ursina, Uva-de-urso e uva dos ursos. Possui como habitat principal regiões montanhosas, e é uma das diversas espécies referidas como Amoras de urso.[1]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

A distribuição da Arctostaphylos uva-ursi é círculo-polar, e bastante comum em latitudes norte, mas também confinada em elevadas altitudes no sul:

Em algumas áreas a planta está ameaçada ou foi extirpada de sua distribuição natural. Em outras áreas, tais como a Cordilheira das Cascatas, é abundante.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A Uva-de-urso é uma pequeno arbusto lenhoso rastejante de 5-30 centímetros de altura. As folhas são sempre perenes, permanecendo verdes por 1-3 anos antes de caírem. A fruta é uma baga vermelha.

As folhas são brilhantes, pequenas, e são duras e grossas ao toque. Elas são organizadas alternadamente nos talos. A parte inferior das folhas possui uma coloração mais clara que o topo. Talos novos podem ser vermelhos se a planta está em pleno sol, mas são verdes em áreas sombreadas. Talos velhos são amarronzados. Na primavera, possuem flores brancas ou rosas.

Povoamentos puros de Arctostaphylos uva-ursi podem ser extremamente densos, com alturas raramente maiores do que 15 centímetros. Galhos ramificados eretos emergem de hastes longas e prostradas, que são produzidas por raízes individuais. As hastes rastejantes se espalham, lançando pequenas raízes periodicamente. Os ramos aveludados de textura fina são inicialmente brancos para verde pálido, tornando-se suaves e marrom-avermelhados com a maturidade. As gemas são marrom-escuras.

Flores da Arctostaphylos uva-ursi

As folhas simples dessa ombrófila densa são alternadamente dispostas nos galhos. Cada folha é presa por uma haste torcida, verticalmente. As folhas grossas e verdes têm 3 centímetros de comprimento e têm pontas arredondadas afinando na base. No outono, as folhas começam a mudar de um verde-escuro para uma coloração arroxeada.

Conjuntos terminais de pequenas flores em forma de urna florescem de Maio a Junho. As flores perfeitas variam de brancas a rosadas, e comportam frutas redondas, carnudas e vermelho-rosadas chamadas de drupas. Esse fruto de pele suave e brilhante varia de 0,5 a 1,5 centímetros. A fruta irá permanecer na planta até o início do inverno. Cada drupa contém de uma a cinco sementes duras, que precisam ser escarificadas e estratificadas para germinar, reduzindo o tegumento e quebrando a dormência do embrião. Há uma média de 40.900 sementes limpas por 500 gramas.[2]

Usos[editar | editar código-fonte]

Medicinal[editar | editar código-fonte]

A Uva-de-urso tem sido historicamente utilizada para propósitos medicinais. Ela contém o glicosídeo arbutina, que possui propriedades antissépticas e atua como um diurético leve. Ela tem sido utilizada para queixas do trato urinário, incluindo cistite e litíase urinária. Uma infusão pode ser feita embebendo as folhas em etanol e então realizando uma diluição com água.[3] No século XIX, antes da introdução de sulfonamidas e antibióticos modernos, ela estava entre as poucas drogas herbáceas com propriedades antissépticas. Porém alguns constituintes, como as hidroquinonas são hepatóxicas, e em casos de infecções do trato urinário, os tratamentos mais pertinentes são recomendados.[4]

Fumo[editar | editar código-fonte]

A Uva-de-urso é um dos principais componentes de mistura de fumos em diversas culturas tradicionais de nativos Norte Americanos[5] , conhecidos coletivamente como Kinnikinnick. A Uva-de-urso é usada especialmente entre as First Nations do oeste, incluindo frequentemente outras ervas e algumas vezes tabaco. Alguns informes históricos indicam um efeito narcótico ou estimulante[6] , mas como é quase sempre fumada com outras ervas, incluindo o tabaco, não é claro quais efeitos psicotrópicos podem ser causadas pela erva sozinha.

Cultivo[editar | editar código-fonte]

Existem diversos cultivares que são propagados para uso como plantas ornamentais. Ela é uma planta sempre-verde atrativa em jardins, e também é útil no controle da erosão.

História e Medicina Alternativa[editar | editar código-fonte]

"Uva-de-urso" de origem latina, enfatiza ao gosto dos ursos pela fruta da planta. Os primeiros registros iniciam-se no século XIII com herbário Gaulês. Os chás e extratos feito com as folhas, são usados como anti-sépticos e diuréticos por séculos e ainda, como laxante. Na homeopatia, a tintura feita com as folhas é útil no tratamento da cistite, uretrite, e as inflamações do aparelho excretor e tratando-as com eficácia. Pois acalma as dores, combate as fermentações e o odor amoniacal da urina, sendo muito útil na blenorragia. No entanto, os frutos não são usados. Fazendo parte da Farmacopeia de muitos países desde 1964. No século XIX , recebia o nome científico de Arbustus uva ursi, e sob este, está classificado no Green`s Universal Herbal.[7]

Principios Ativos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Casebeer, M. (2004). Discover California Shrubs. Sonora, California: Hooker Press. ISBN 0-9665463-1-8
  2. http://plants.usda.gov/factsheet/pdf/fs_aruv.pdf
  3. Grieve, M.: Botanical.com - A Modern Herbal
  4. Uva Ursi (Bearberry) University of Maryland Medical Center retrieved July 29, 2013.
  5. Moerman, Daniel E.: "Arctostaphylos uva-ursi" in Native American ethnobotany, pages 87–88. ISBN 0-88192-453-9
  6. "''Psychotropia: The Psychoactive Database''". Psychotropia.co. 2011-02-08. Retrieved 2012-10-16.
  7. Thomas Green.. (1816-20). "Thomas Green - Universal Herbal - First Edition". (em inglês) -- Livro Raro

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre asterídeas, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.