Vénus (planeta)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vénus/Vênus Venus symbol.svg
Vénus/Vênus
Características orbitais
Semieixo maior: 108 208 930 km
0,723332 UA[1]
Periélio: 107 476 000 km
0,718 UA[1]
Afélio: 108 942 000 km
0,728 UA[1]
Excentricidade: 0,00677323[2]
Período orbital: 224,701 dias[2]
0,615198 anos
Período sinódico: 583,92 dias[2]
Velocidade orbital média: 35,02 km/s[2]
Inclinação: 3,39471° com a eclíptica[2]
3,86° com o equador solar
2,195492° com o plano invariável[3]
Longitude do nó ascendente: 76,68069°[2]
Argumento do periastro: 54,85229°
Satélites naturais: 0[2]
Características físicas
Raio médio: 6 051,8 km[2] [1]
Achatamento: 0[2]
Área da superfície: 4,60 ×108 km²
Volume 92,843 ×1010 km³[2]
Massa: 4,8685 ×1024 kg[2]
Densidade média: 5,243 g/cm³[2]
Gravidade superficial: 8,87 m/s²[2] [1]
Velocidade de escape: 10,36 km/s[2]
Período de rotação: -5832,5 horas
-243,021 dias[2]
Inclinação axial: 177,36°[2]
Albedo: 0,67 (geométrico)
0,90 (Bond)[2]
Temperatura à superfície:
min méd máx
735 K[1]
Magnitude aparente -4,6 (máximo)[2]
Diâmetro angular 9,7"–66,0"[2]
Atmosfera
Pressão atmosférica: 9,2 MPa[2]
Composição:[2] ~96,5% de Dióxido de carbono
~3,5% de Nitrogênio
0,015% de Dióxido de enxofre
0,007% de Argônio
0,002% de Vapor de água
0,0017% de Monóxido de carbono
0,0012% de Hélio
0,0007% de Neônio
Traços de Sulfeto de carbonila, Ácido clorídrico, Ácido fluorídrico

Vénus (português europeu) ou Vênus (português brasileiro) (AO 1990: Vénus ou Vênus)[4] é o segundo planeta do Sistema Solar em ordem de distância a partir do Sol, orbitando-o a cada 224,7 dias. Recebeu seu nome em homenagem à deusa romana do amor e da beleza Vénus, equivalente a Afrodite. Depois da Lua, é o objeto mais brilhante do céu noturno, atingindo uma magnitude aparente de -4,6, o suficiente para produzir sombras. Como Vénus se encontra mais próximo do Sol do que a Terra, ele pode ser visto aproximadamente na mesma direção do Sol (sua maior elongação é de 47,8°). Vénus atinge seu brilho máximo algumas horas antes da alvorada ou depois do ocaso, sendo por isso conhecido como a estrela da manhã (Estrela d'Alva) ou estrela da tarde (Vésper); também é chamado Estrela do Pastor.

Vénus é considerado um planeta do tipo terrestre ou telúrico, chamado com frequência de planeta irmão da Terra, já que ambos são similares quanto ao tamanho, massa e composição. Vénus é coberto por uma camada opaca de nuvens de ácido sulfúrico altamente reflexivas, impedindo que a sua superfície seja vista do espaço na luz visível. Ele possui a mais densa atmosfera entre todos os planetas terrestres do Sistema Solar, constituída principalmente de dióxido de carbono. Vénus não possui um ciclo do carbono para fixar o carbono em rochas ou outros componentes da superfície, nem parece ter qualquer vida orgânica para absorvê-lo como biomassa. Acredita-se que no passado Vénus possuía oceanos como os da Terra,[5] que se evaporaram quando a temperatura se elevou, restando uma paisagem desértica, seca e poeirenta, com muitas pedras em forma de placas. A água provavelmente se dissociou e, devido à inexistência de um campo magnético, o hidrogênio foi arrastado para o espaço interplanetário pelo vento solar.[6] A pressão atmosférica na superfície do planeta é 92 vezes a da Terra.

A superfície venusiana foi objeto de especulação até que alguns dos seus segredos foram revelados pela ciência planetária no século XX. Ele foi finalmente mapeado em detalhes pelo Projeto Magellan em 1990-91. O solo apresenta evidências de extenso vulcanismo e o enxofre na atmosfera pode indicar que houve algumas erupções recentes.[7] [8] Entretanto, a falta de evidência de fluxo de lava acompanhando algumas das caldeiras visíveis permanece um enigma. O planeta possui poucas crateras de impacto, demonstrando que a superfície é relativamente jovem, com idade de aproximadamente 300-600 milhões de anos.[9] [10] Não há evidência de placas tectônicas, possivelmente porque a crosta é muito forte para ser reduzida, sem água para torná-la menos viscosa. Em vez disso, Vénus pode perder seu calor interno em eventos periódicos de reposição da superfície.[9]

Características físicas[editar | editar código-fonte]

Vénus é um dos quatro planetas terrestres do Sistema Solar, significando que, como a Terra, ele é um corpo rochoso. Em tamanho e massa, ele é muito similar à Terra, e é frequentemente descrito como "irmão" ou "gêmeo" da Terra.[11] O diâmetro de Vénus é apenas 650 km menor que o da Terra e sua massa é 81,5% a da Terra. Entretanto, as condições na superfície venusiana diferem radicalmente daquelas na Terra, devido à sua densa atmosfera de dióxido de carbono. A massa da atmosfera de Vénus é composta em 96,5% de dióxido de carbono, sendo o nitrogênio a maior parte do restante.[12]

Estrutura interna[editar | editar código-fonte]

Sem dados sísmicos ou conhecimento do seu momento de inércia, existe pouca informação sobre a estrutura interna e a geoquímica de Vénus.[13] Entretanto, a similaridade em tamanho e densidade entre Vénus e a Terra sugere que eles possuem uma estrutura interna similar: núcleo, manto e crosta. O núcleo de Vénus é, como o da Terra, pelo menos parcialmente líquido, porque os dois planetas têm se resfriado mais ou menos na mesma taxa.[14] O tamanho ligeiramente menor de Vénus sugere que as pressões são significativamente menores no seu interior do que na Terra. A principal diferença entre os dois planetas é a inexistência de placas tectônicas em Vénus, provavelmente devido à superfície e manto secos. Isto resulta em uma reduzida perda de calor pelo planeta, impedindo-o de se resfriar, e é a provável explicação para a falta de um campo magnético gerado internamente.[15]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa de Vénus, mostrando os "continentes" elevados em amarelo: Ishtar Terra no alto e Afrodite Terra logo abaixo do equador, à direita.

Cerca de 80% da superfície venusiana é coberta por suaves planícies vulcânicas, sendo que 70% são planícies com cadeias enrugadas e 10% são planícies suaves ou lobuladas.[16] Duas mesetas principais em forma de continentes compõem o restante da superfície, uma situando-se no hemisfério norte e a outra logo ao sul do equador. A meseta ao norte é chamada de Ishtar Terra, em homenagem a Ishtar, a deusa babilônica do amor, e tem aproximadamente a superfície da Austrália. Maxwell Montes, a montanha mais alta de Vénus, fica em Ishtar Terra. Seu pico fica 11 km acima da elevação média da superfície venusiana. O continente setentrional é chamado de Afrodite Terra, em homenagem à deusa grega do amor, e é a maior das duas mesetas, com o tamanho aproximado da América do Sul. Uma rede de fraturas e falhas cobre a maior parte desta área.[17]

Além das crateras de impacto, montanhas e vales comumente encontrados nos planetas rochosos, Vénus reúne um conjunto de acidentes geográficos únicos. Entre esses, há vulcões com topo plano, chamados farras, que se parecem com panquecas e têm diâmetro variando entre 20 e 50 km e altura de 100 a 1 000 m; sistemas de fraturas radiais estrelados, chamados novae; acidentes geográficos com fraturas radiais e concêntricas parecendo teias de aranha, conhecidos como aracnoides; e coronae, anéis circulares de fraturas às vezes cercados por depressões. Esses acidentes têm origem vulcânica.[18]

A maior parte dos acidentes geográficos venusianos recebe o nome de mulheres históricas e mitológicas.[19] Exceções são o Maxwell Montes, em homenagem a James Clerk Maxwell, e as regiões altas Alpha Regio, Beta Regio e Ovda Regio. Esses acidentes foram nomeados antes da adoção do sistema atual pela União Astronômica Internacional, a organização que administra a nomenclatura planetária.[20]

As longitudes das características físicas em Vénus são expressas em relação à linha do meridiano principal. A linha do meridiano inicialmente passava pela mancha clara ao radar no centro do acidente oval Eva, localizado ao sul de Alpha Regio.[21] Depois das missões Venera, a linha do meridiano foi redefinida para passar pelo pico central da cratera Ariadne.[22] [23]

Geologia da superfície[editar | editar código-fonte]

Imagem obtida por radar da superfície de Vénus, centrada à longitude 180° Leste.
Crateras de impacto na superfície de Vénus (imagem reconstruída a partir de dados de radar).

A maior parte da superfície venusiana parece ter sido formada por atividade vulcânica. Vénus tem um número de vulcões várias vezes superior ao da Terra e possui 167 enormes vulcões que têm mais de 100 km de diâmetro. O único complexo vulcânico deste tamanho na Terra é a Grande Ilha do Havaí.[18] Entretanto, isto não acontece por Vénus ser vulcanicamente mais ativo que a Terra, e sim porque sua crosta é mais velha. A crosta oceânica da Terra é continuamente reciclada por subducção nas bordas das placas tectônicas e tem uma idade média de cerca de 100 milhões de anos,[24] enquanto a idade da superfície venusiana é estimada entre 300 e 600 milhões de anos.[9] [18]

Várias evidências apontam para a existência de atividade vulcânica corrente em Vénus. Durante o programa soviético Venera, as sondas Venera 11 e Venera 12 detectaram um fluxo constante de raios, e a Venera 12 registrou um ruído poderoso de trovão assim que pousou. A sonda Venus Express da Agência Espacial Europeia registrou raios abundantes na alta atmosfera.[25] Enquanto a chuva causa tempestades na Terra, não há chuva na superfície de Vénus (embora haja efetivamente chuva de ácido sulfúrico na atmosfera superior, que evapora cerca de 25 km acima da superfície). Uma possibilidade é que as cinzas de uma erupção vulcânica estivessem gerando os raios. Outra evidência vem de medições da concentração de dióxido de enxofre na atmosfera, que indicaram queda por um fator de 10 entre 1978 e 1986. Isto pode indicar que os níveis medidos inicialmente estavam elevados devido a uma grande erupção vulcânica.[26]

Há quase mil crateras de impacto em Vénus, distribuídas igualmente na superfície. Em outros corpos celestes com crateras, como a Terra e a Lua, as crateras apresentam uma variedade de estados de degradação. Na Lua, a degradação é causada por impactos subsequentes, enquanto na Terra ela é causada pela erosão do vento e chuva. Entretanto, em Vénus, cerca de 85% das crateras estão em sua condição original. O número de crateras, junto com a sua bem preservada condição, indica que o planeta passou por um evento de recobrimento superficial entre 300 e 600 milhões de anos atrás,[9] [10] seguido por uma queda do vulcanismo.[27] A crosta da Terra está em movimento contínuo, mas acredita-se que Vénus não possa sustentar um processo assim. Sem placas tectônicas para dissipar o calor do manto, Vénus passa por um processo cíclico no qual as temperaturas do manto se elevam até atingir um nível crítico que enfraquece a crosta. Então, durante um período de 100 milhões de anos, a subducção ocorre em enorme escala, reciclando completamente a crosta.[18]

Os diâmetros das crateras venusianas variam entre 3 km e 280 km. Devido aos efeitos da densa atmosfera nos objetos que caem, não há crateras menores que 3 km. Objetos com energia cinética inferior a um determinado valor são tão desacelerados pela atmosfera que não criam uma cratera de impacto.[28] Projéteis com menos de 50 m de diâmetro fragmentam-se e incendeiam-se na atmosfera antes de atingir o solo.[29]

Atmosfera e clima[editar | editar código-fonte]

Estrutura das nuvens na atmosfera venusiana em 1979, revelada pelas observações em ultravioleta da sonda Pioneer Venus Orbiter.

Vénus tem uma atmosfera extremamente densa, que consiste principalmente de dióxido de carbono e uma pequena quantidade de nitrogênio. A massa atmosférica é 93 vezes a da atmosfera da Terra, enquanto a pressão na superfície do planeta é 92 vezes aquela na superfície da Terra – uma pressão equivalente àquela a uma profundidade de quase 1 km no oceano da Terra. A densidade na superfície é de 65 kg/m³ (6,5% da densidade da água). A atmosfera rica em CO2, juntamente com as espessas nuvens de dióxido de enxofre, gera o mais forte efeito estufa do Sistema Solar, criando temperaturas na superfície acima de 460 °C.[30] Isto torna a superfície venusiana mais quente do que a de Mercúrio, que tem temperatura superficial mínima de -220 °C e a máxima de 420 °C,[31] apesar de Vénus estar a uma distância do Sol quase duas vezes maior que a de Mercúrio e receber apenas 25% da irradiação solar que Mercúrio recebe (2 613,9 W/m² na atmosfera superior e 1 071,1 W/m² na superfície).

Estudos sugeriram que há alguns bilhões de anos a atmosfera venusiana era muito mais parecida com a da Terra do que é agora, e que havia provavelmente substanciais quantidades de água líquida na superfície, mas um efeito estufa foi causado pela evaporação da água original, o que gerou um nível crítico de gases de efeito estufa na atmosfera.[32]

A inércia térmica e a transferência de calor por ventos na atmosfera inferior fazem com que a temperatura na superfície venusiana não varie significativamente entre dia e noite, apesar da rotação extremamente lenta do planeta. Os ventos na superfície são lentos, movendo-se a poucos quilômetros por hora, mas, por causa da alta densidade da atmosfera na superfície do planeta, exercem uma força significativa contra obstáculos e transportam poeira e pequenas pedras pela superfície. Só isso já tornaria difícil um homem caminhar, mesmo que o calor e a falta de oxigênio não fossem um problema.[33]

Acima da densa camada de CO2 estão espessas nuvens consistindo principalmente de gotículas de dióxido de enxofre e ácido sulfúrico.[34] [35] Essas nuvens refletem de volta para o espaço cerca de 60% da luz do Sol que incide sobre elas e impedem a observação direta da superfície venusiana na luz visível. A capa permanente de nuvens implica que embora Vénus esteja mais próximo do Sol do que a Terra, sua superfície não é tão bem iluminada. Fortes ventos a 300 km/h no topo das nuvens circulam o planeta a cada 4 a 5 dias terrestres.[36] Os ventos venusianos se movem a até 60 vezes a velocidade de rotação do planeta, enquanto na Terra os ventos mais fortes chegam a apenas 10% a 20% da velocidade de rotação.[37]

A superfície de Vénus é efetivamente isotérmica; ela mantém uma temperatura constante não somente entre dia e noite, mas também entre o equador e os polos.[2] [38] A pequena inclinação axial do planeta (menos de três graus, comparados com os 23 graus da Terra) também minimiza variações sazonais de temperatura.[39] A única variação apreciável de temperatura ocorre com a altitude. Em 1995, a sonda Magellan localizou uma substância altamente reflexiva nos topos das montanhas mais altas, que tinham grande semelhança com a neve terrestre. Esta substância presumivelmente se formou num processo similar à neve, embora a uma temperatura muito maior. Volátil demais para condensar na superfície, ela subiu em forma de gás para as elevações maiores e mais frias, onde então precipitou. A identidade desta substância não foi determinada com certeza, mas as especulações variam entre telúrio elementar e sulfeto de chumbo (galena).[40]

As nuvens de Vénus são capazes de produzir raios de forma muito similar às nuvens da Terra.[41] A existência de raios foi controversa desde que as primeiras explosões foram detectadas pelas sondas soviéticas Venera. Entretanto, em 2006-07 a Venus Express claramente identificou ondas eletromagnéticas típicas de raios. Sua aparição intermitente indica um padrão associado à atividade do clima. A frequência de raios é pelo menos a metade daquela da Terra.[41] Em 2007, a sonda Venus Express descobriu que existe um enorme vórtex atmosférico duplo no polo sul do planeta.[42] [43]

Campo magnético e núcleo[editar | editar código-fonte]

Comparação de tamanho entre os planetas terrestres: Mercúrio, Vénus, Terra e Marte.

Em 1967, a sonda Venera 4 descobriu que o campo magnético de Vénus é muito mais fraco do que o da Terra. Este campo magnético é induzido por uma interação entre a ionosfera e o vento solar,[44] [45] e não por um dínamo no núcleo, como aquele no interior da Terra. A pequena magnetosfera induzida de Vénus provê uma proteção desprezível contra a radiação cósmica, e esta pode provocar descargas de raios de nuvem para nuvem.[46]

A falta de um campo magnético intrínseco em Vénus foi surpreendente porque o planeta é similar à Terra em tamanho, e era esperado que também contivesse um dínamo em seu núcleo. Um dínamo requer três condições: um líquido condutor, rotação e convecção. Estima-se que o núcleo seja eletricamente condutor e, apesar de se imaginar que a rotação seja lenta, simulações mostram que ela é suficiente para produzir um dínamo.[47] [48] Isto leva ao entendimento de que a inexistência do dínamo se deve à falta de convecção no núcleo de Vénus. Na Terra, a convecção ocorre na camada externa de líquido do núcleo porque o fundo da camada de líquido é muito mais quente do que o topo. Em Vénus, um evento global de recobrimento da superfície pode ter fechado as placas tectônicas, levando a um fluxo reduzido de calor através da crosta. Isto levou à elevação da temperatura do manto, reduzindo assim o fluxo de calor para fora do núcleo. Como resultado, não há um dínamo que possa gerar um campo magnético e a energia calorífica do núcleo é usada para reaquecer a crosta.[49]

Vénus não tem um núcleo interno sólido,[50] ou seu núcleo não está se resfriando atualmente, de modo que toda a parte líquida do núcleo está aproximadamente à mesma temperatura. Outra possibilidade é que o núcleo já tenha se solidificado completamente. O estado do núcleo é altamente dependente da concentração de enxofre, que ainda é desconhecida.[49]

Órbita e rotação[editar | editar código-fonte]

Vénus gira em torno do seu eixo na direção oposta da maioria dos planetas do Sistema Solar.

Vénus orbita o Sol a uma distância média de cerca de 108 milhões de quilômetros (cerca de 0,7 UA) e completa uma órbita a cada 224,65 dias. Embora todas as órbitas planetárias sejam elípticas, a de Vénus é a mais próxima da circular, com uma excentricidade de menos de 1%.[2] Quando Vénus se coloca entre a Terra e o Sol, numa posição conhecida como "conjunção inferior", ele faz a maior aproximação da Terra de todos os planetas, ficando a uma distância média de 41 milhões de quilômetros.[2] O planeta atinge a conjunção inferior a cada 584 dias, em média.[2] Devido à decrescente excentricidade da órbita da Terra, as distâncias mínimas tendem a ficar maiores. Do ano 1 até 5383, há 526 aproximações a menos de 40 milhões de quilômetros; depois, não há mais nenhuma por cerca de 60200 anos.[51] Durante períodos de grande excentricidade, Vénus pode se aproximar a até 38,2 milhões de quilômetros.[2]

Posição orbital e rotação de Vénus, mostradas em intervalos de 10 dias terrestres entre 0 e 250 dias. A posição do ponto da superfície que era o ponto anti-solar no dia zero é indicada por uma cruz. Como consequência da lenta rotação retrógrada, qualquer ponto de Vénus tem quase 60 dias terrestres de iluminação e um período equivalente de escuridão.

Observados de um ponto sobre o polo norte do Sol, todos os planetas orbitam no sentido anti-horário; mas, enquanto a maioria dos planetas também gira sobre seu eixo no sentido anti-horário, Vénus gira em sentido horário, em uma rotação "retrógrada". O atual período de rotação de Vénus representa um estado de equilíbrio entre a maré gravitacional do Sol, que tende a reduzir a velocidade de rotação, e uma maré atmosférica criada pelo aquecimento solar da espessa atmosfera venusiana. Quando se formou a partir da nebulosa solar, Vénus pode ter tido período de rotação e obliquidade diferentes, e depois migrou para o estado atual por causa de mudanças caóticas provocadas por perturbações planetárias e efeitos de maré sobre sua densa atmosfera. Esta mudança no período de rotação provavelmente ocorreu ao longo de bilhões de anos.[52] [53]

Vénus gira sobre seu eixo a cada 243 dias terrestres – de longe, a mais lenta rotação entre todos os planetas. No equador, a superfície venusiana gira a 6,5 km/h, enquanto, na Terra, a velocidade de rotação é de cerca de 1.670 km/h.[54] Um dia sideral venusiano é, portanto, mais longo do que um ano venusiano (243 contra 224,7 dias terrestres).[55] Entretanto, por causa da rotação retrógrada, a duração do dia solar em Vénus é significativamente mais curta que o dia sideral. Para um observador na superfície de Vénus, o tempo entre um nascer do Sol e outro seria de 116,75 dias terrestres.[56] Como resultado do dia solar relativamente longo, um ano em Vénus dura aproximadamente 1,92 dia venusiano.[56]

Um aspecto curioso da órbita e período de rotação de Vénus é que o intervalo médio de 584 dias entre aproximações sucessivas da Terra é quase exatamente igual a cinco dias solares venusianos. Depois de 584 dias, Vénus aparece numa posição a 72° da inclinação anterior. Depois de cinco períodos de 72° em uma circunferência, Vênus regressa ao mesmo ponto do céu a cada 8 anos (menos dois dias correspondentes aos anos bissextos). Este período era conhecido como o ciclo Sothis no Antigo Egito. Não se sabe se esta relação aconteceu por acaso ou se é resultado de efeito de maré com a Terra.[57]

Vénus não possui satélites naturais,[58] embora o asteroide 2002 VE68 atualmente mantenha uma relação de quasi-satélite com ele.[59] No século XVII, Giovanni Cassini informou ter visto uma lua orbitando Vénus, a qual foi chamada Neith, uma deusa egípcia. Ao longo dos 200 anos seguintes, houve numerosos outros registros, mas finalmente foi determinado que a maioria deles se referia a estrelas que tinham estado perto de Vénus. De acordo com estudo de 2006 de Alex Alemi e David Stevenson, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, sobre modelos do início do Sistema Solar, é muito provável que, bilhões de anos atrás, Vénus tivesse pelo menos uma lua, criada por um grande evento de impacto.[60] [61] Cerca de 10 milhões de anos depois, de acordo com o estudo, outro impacto inverteu o sentido de rotação do planeta, o que fez a lua venusiana se aproximar a Vénus[62] até colidir e se juntar com o planeta. Se impactos subsequentes criaram luas, elas também foram absorvidas da mesma forma. Uma explicação alternativa para a falta de satélites é o efeito de fortes marés solares, que podem desestabilizar grandes satélites orbitando os planetas terrestres.[58]

Observação[editar | editar código-fonte]

Vénus refletida no Oceano Pacífico à noite; o planeta é mais brilhante que qualquer estrela.

Vénus é mais brilhante que qualquer estrela vista no céu, e sua magnitude aparente máxima é de -4,6.[2] O planeta pode ser visto facilmente quando o Sol está baixo no horizonte. Por ser um planeta inferior, ele sempre se posiciona a até 47° do Sol.[63]

Vénus "ultrapassa" a Terra a cada 584 dias enquanto orbita o Sol.[2] Nessas ocasiões, ele muda de "Estrela Vespertina", visível após o pôr do sol, para "Estrela Matutina", visível antes do nascer do Sol. Enquanto Mercúrio, o outro planeta inferior, atinge uma elongação máxima de apenas 28°, e é frequentemente difícil de discernir no crepúsculo, Vénus é difícil de perder quando está mais brilhante. Sua maior elongação máxima significa que ele é visível em céus escuros por bastante tempo depois do pôr do Sol. Sendo o objeto pontual mais brilhante do céu, Vénus é frequentemente citado pela mídia como "objeto voador não identificado".[64]

À medida que se move em sua órbita, Vénus apresenta, na visão telescópica, fases como as da Lua. Nas fases de Vênus, o planeta apresenta uma pequena imagem "cheia" quando está no lado oposto do Sol. Ele mostra uma maior fase "quarto" quando está em sua máxima elongação em relação ao Sol. Vénus está mais brilhante no céu noturno e apresenta uma muito maior fase "crescente" na visão telescópica quando se aproxima da região entre a Terra e o Sol. Vénus está maior e apresenta sua fase "nova" quando está entre o Sol e a Terra. Como tem uma atmosfera, ele pode ser visto no telescópio pelo halo de luz refratada em torno do planeta.[63]

Fases de Vénus observadas na Terra.
Trânsito de Vénus de 8 de junho de 2004.

A órbita venusiana é ligeiramente inclinada em relação à órbita da Terra; assim, quando o planeta passa entre a Terra e o Sol, ele normalmente não cruza a face do Sol. Entretanto, trânsitos de Vénus ocorrem quando a conjunção inferior do planeta coincide com a sua presença no plano da órbita da Terra. Trânsitos de Vénus ocorrem em ciclos de 243 anos, sendo que o padrão atual consiste de pares de trânsitos separados em oito anos, em intervalos de cerca de 105,5 ou 121,5 anos. O par de trânsitos mais recente aconteceu em junho de 2004 e junho de 2012. O par de trânsitos anterior ocorreu em dezembro de 1874 e dezembro de 1882 e o próximo ocorrerá em dezembro de 2117 e dezembro de 2125.[65] Historicamente, os trânsitos de Vénus foram importantes porque permitiram aos astrônomos determinar diretamente o tamanho da Unidade Astronômica e, portanto, o tamanho do Sistema Solar.

Um persistente mistério das observações de Vénus é a chamada luz de Ashen – uma aparentemente fraca iluminação do lado escuro do planeta, vista quando ele está na fase crescente. A primeira observação registrada da luz de Ashen ocorreu em 1643, mas a sua existência nunca foi confirmada de forma confiável. Observadores especulam que ela pode ser causada por atividade elétrica na atmosfera venusiana, mas isto pode ser ilusório, efeito fisiológico de se observar um objeto muito brilhante em forma de crescente.[66]

Pesquisas[editar | editar código-fonte]

Pesquisas iniciais[editar | editar código-fonte]

A Tábua de Vênus de Ammisaduqa, que data do primeiro milênio da era comum, registra as observações de antigos astrólogos babilônicos. A Tábua refere-se a Vênus como Nin-dar-an-na, ou "brilhante rainha do céu".

Vénus era conhecido nas civilizações antigas como a "estrela matutina" ou a "estrela vespertina". Diversas culturas historicamente tomaram as aparições como estrela da manhã ou da tarde como de dois corpos celestes diferentes. Credita-se ao filósofo grego Pitágoras o reconhecimento de que as estrelas eram um único corpo, no século VI a.C., embora ele pensasse que Vénus orbitava a Terra.[67]

O trânsito de Vénus foi observado pela primeira vez pelo astrônomo persa Avicena, que concluiu que Vénus estava mais perto da Terra do que o Sol[68] e estabeleceu que Vénus estava, pelo menos algumas vezes, abaixo do Sol.[69] No século XII, o astrônomo andaluz Ibn Bajjah observou "dois planetas como manchas pretas na face do Sol", o que foi mais tarde identificado como o trânsito de Vénus e Mercúrio pelo astrônomo Qotb al-Din Shirazi, do observatório Maragha, no século XIII.[70]

Quando o físico italiano Galileu Galilei observou o planeta pela primeira vez no início do século XVII, descobriu que ele apresentava fases como a Lua, variando de crescente a oval e para cheia e vice-versa. Quando Vénus está mais distante do Sol no céu, ele mostra uma fase meio-iluminada e quando está mais perto do Sol no céu mostra uma fase crescente ou cheia. Isto só seria possível se Vénus orbitasse o Sol, e esta foi uma das primeiras observações a claramente contradizer o modelo geocêntrico de Ptolomeu de que o Sistema Solar era concêntrico e centrado na Terra.[71]

A atmosfera de Vénus foi descoberta em 1761 pelo sábio russo Mikhail Lomonossov.[72] [73] Ela foi observada em 1790 pelo astrônomo alemão Johann Schröter, que descobriu que, quando o planeta estava em um crescente fino, as pontas se estendiam por mais que 180°. Ele corretamente supôs que isto se devia à dispersão da luz do Sol numa atmosfera densa. Mais tarde, o astrônomo norte-americano Chester Smith Lyman observou um anel completo em torno do lado escuro do planeta quando ele estava na conjunção inferior, fornecendo uma evidência adicional para uma atmosfera.[74] A atmosfera complicou os esforços para determinar o período de rotação do planeta, e observadores como o italiano Giovanni Cassini e Schröter incorretamente estimaram períodos de cerca de 24 horas, a partir do movimento de marcas na superfície aparente do planeta.[75]

Observações terrestres[editar | editar código-fonte]

A descoberta de Galileu que Vênus apresenta fases provou que o planeta orbita o Sol e não a Terra.
Conjunções inferiores sucessivas de Vénus se repetem numa ressonância orbital muito próxima a 13:8 (a Terra orbita 8 vezes para cada 13 órbitas de Vénus), criando uma sequência de precessão pentagrâmica.

Pouco mais foi descoberto sobre Vénus até o século XX. Seu disco quase sem acidentes não dava indícios de como sua superfície deveria ser, e somente com o desenvolvimento das observações por espectroscopia, radar e radiação ultravioleta é que mais dos seus segredos foram revelados. As primeiras observações por ultravioleta ocorreram nos anos 1920, quando Frank E. Ross descobriu que fotografias com UV revelavam consideráveis detalhes que estavam ausentes nas radiações visível e infravermelha. Ele sugeriu que isto se devia a uma baixa atmosfera amarela muito densa, com altas nuvens do tipo cirrus sobre ela.[76]

Observações por espectroscopia nos anos 1900 deram as primeiras pistas sobre a rotação venusiana. Vesto Melvin Slipher tentou medir o efeito Doppler da luz por Vénus, mas descobriu que não podia detectar nenhuma rotação. Ele supôs que o planeta tinha um período de rotação muito mais longo do que se pensava anteriormente.[77] Mais tarde, trabalhos na década de 1950 mostraram que a rotação era retrógrada. Observações de Vénus por radar ocorreram inicialmente na década de 1960 e forneceram as primeiras medidas do período de rotação que se aproximavam do valor atualmente conhecido.[78]

Observações por radar na década de 1970 revelaram pela primeira vez detalhes da superfície venusiana. Pulsos de ondas de rádio foram emitidos para o planeta usando o rádio-telescópio de 300 m do Observatório de Arecibo e os ecos revelaram duas regiões altamente reflexivas, designadas regiões Alpha e Beta. As observações também revelaram uma região brilhante atribuída a montanhas, que foi chamada Maxwell Montes.[79] Esses três acidentes são atualmente os únicos em Vénus que não têm nomes femininos.[80]

Exploração[editar | editar código-fonte]

Esforços iniciais[editar | editar código-fonte]

Mariner 2, lançada em 1962.

A primeira missão de uma sonda espacial robótica a Vénus, e a primeira para qualquer planeta, começou em 12 de fevereiro de 1961, com o lançamento da sonda Venera 1. A primeira nave do, quanto ao mais, altamente bem sucedido Programa Venera soviético, a Venera I foi lançada numa trajetória de impacto direto, mas o contato foi perdido após sete dias de missão, quando a sonda estava a cerca de dois milhões de quilômetros da Terra. Estima-se que ela tenha passado a 100 mil quilômetros de Vénus em meados de maio.[81]

A exploração de Vénus pelos Estados Unidos também começou mal, com a perda da sonda Mariner 1 no lançamento. A missão subsequente Mariner 2 obteve maior sucesso e, depois de uma órbita de transferência de 109 dias, em 14 de dezembro de 1962 ela se tornou a primeira missão interplanetária com sucesso, passando a 34833 km da superfície de Vénus. Os seus radiômetros de microondas e infravermelho revelaram que, enquanto o topo das nuvens venusianas era frio, a superfície era extremamente quente – pelo menos 425 °C, finalmente descartando quaisquer esperanças de que o planeta poderia abrigar vida na superfície. A Mariner 2 também melhorou as estimativas da massa e da Unidade Astronômica, mas não foi capaz de detectar um campo magnético ou cinturão de radiação.[82]

Entrada na atmosfera[editar | editar código-fonte]

A sonda soviética Venera 3 chocou-se contra o solo de Vénus em 1 de março de 1966. Era o primeiro objeto fabricado pelo homem a entrar na atmosfera e atingir a superfície de outro planeta, embora o seu sistema de comunicação tenha falhado antes que fosse possível retornar qualquer dado do planeta.[83] O encontro seguinte de Vénus com uma sonda não tripulada ocorreu em 18 de outubro de 1967, quando a Venera 4 entrou na atmosfera com sucesso e desenvolveu uma série de experimentos científicos. A Venera 4 mostrou que a temperatura na superfície era ainda maior do que a medida pela Mariner 2 – quase 500 °C, e que entre 90 e 95% da atmosfera eram dióxido de carbono. A atmosfera venusiana era consideravelmente mais densa do que os projetistas da Venera 4 tinham previsto, e a queda do paraquedas mais lenta do que o pretendido implicou que as suas baterias se esgotaram antes de a sonda atingir a superfície. Depois de retornar dados da descida por 93 minutos, a última leitura da pressão foi de 18 bar, a uma altitude de 24,96 km.[83]

Outra sonda chegou a Vénus um dia depois, em 19 de outubro de 1967, quando a Mariner 5 realizou um sobrevoo a uma distância de menos de 4000 km sobre o topo das nuvens. A Mariner 5 foi originalmente construída como reserva da sonda Mariner 4 enviada a Marte, mas como esta missão foi bem sucedida, a outra sonda foi reprogramada para uma missão a Vénus. Um conjunto de instrumentos mais sensíveis do que aqueles da Mariner 2, em particular o seu experimento de rádio-ocultação, retornou dados sobre a composição, pressão e densidade da atmosfera venusiana.[84] Os dados do conjunto Venera 4-Mariner 5 foram analisados por uma equipe combinada soviético-americana, em uma série de colóquios ao longo do ano seguinte,[85] num exemplo inicial de cooperação espacial.[86]

Armada com as lições e dados obtidos com a Venera 4, a União Soviética lançou as sondas gêmeas Venera 5 e Venera 6, com cinco dias de diferença em janeiro de 1969; elas chegaram a Vénus com um dia de diferença, em 16 e 17 de maio daquele ano. As sondas foram reforçadas para melhorar a sua altitude de esmagamento para 25 bar e foram equipadas com paraquedas menores para permitir uma descida mais rápida. Como os modelos atmosféricos então considerados de Vénus sugeriam uma pressão na superfície entre 75 e 100 bar, não era esperado que elas sobrevivessem à superfície. Depois de retornar dados atmosféricos por um pouco mais de 50 minutos, ambas foram esmagadas a altitudes de aproximadamente 20 km, antes de chocarem-se com a superfície no lado escuro de Vénus.[83]

Ciência da superfície e da atmosfera[editar | editar código-fonte]

A Pioneer Venus 1 em órbita.

A Venera 7 representou um esforço para retornar dados da superfície do planeta, e foi construída com um módulo de descida reforçado, capaz de suportar uma pressão de 180 bar. O módulo foi pré-resfriado antes da entrada e equipado com um paraquedas especial para uma descida rápida de 35 minutos. Ao entrar na atmosfera no dia 15 de dezembro de 1970, acredita-se que o paraquedas tenha se rasgado parcialmente durante a descida, e a sonda atingiu a superfície com um forte impacto, embora não fatal. Provavelmente inclinada para um lado, ela retornou um sinal fraco, fornecendo dados da temperatura por 23 minutos, na primeira telemetria recebida da superfície de outro planeta.[83]

O programa Venera continuou com a Venera 8 enviando dados da superfície por 50 minutos, e a Venera 9 e Venera 10 enviando as primeiras imagens da paisagem venusiana. Os dois locais de descida apresentaram terrenos muito diferentes nas vizinhanças das sondas: a Venera 9 tinha descido num declive de 20 graus de inclinação, com pedras de 30 a 40 cm espalhadas em volta; a Venera 10 mostrou lajes rochosas semelhantes a basalto, entremeadas com material desgastado pelas intempéries.[87]

Enquanto isso, os Estados Unidos tinham enviado a sonda Mariner 10 numa trajetória em gravidade assistida por Vénus, no seu caminho para Mercúrio. Em 5 de fevereiro de 1974, a Mariner 10 passou a 5790 km de Vénus, enviando mais de 4000 fotografias. As imagens, as melhores até então obtidas, mostravam que o planeta era quase sem acidentes geográficos à luz visível, mas a luz ultravioleta revelou detalhes nas nuvens que nunca haviam sido vistos nas observações a partir da Terra.[88]

A multissonda Pioneer com o seu orbitador principal e as três sondas atmosféricas.

O projeto americano Pioneer Venus consistiu de duas missões separadas.[89] A Pioneer Venus Orbiter foi inserida numa órbita elíptica em torno de Vénus em 4 de dezembro de 1978 e lá permaneceu por mais de 13 anos, estudando a atmosfera e mapeando a superfície com radar. A Pioneer Venus Multiprobe liberou um total de quatro sondas, que entraram na atmosfera em 9 de dezembro de 1978, retornando dados da sua composição, ventos e fluxos de calor.[90]

Quatro outras missões Venera ocorreram ao longo dos quatro anos seguintes, com a Venera 11 e a Venera 12 detectando as tempestades elétricas venusianas,[91] e a Venera 13 e a Venera 14 descendo com quatro dias de diferença em 1 e 5 de março de 1982 e retornando as primeiras fotografias coloridas da superfície. Todas as missões abriram paraquedas para frear na atmosfera superior, mas os liberaram a uma altitude de 50 km, já que a densa atmosfera inferior fornecia fricção suficiente para uma descida suave. A Venera 13 e a 14 analisaram amostras de solo com um espectrômetro por fluorescência de raios X e tentaram medir a compressibilidade do solo com uma sonda de impacto.[91] A Venera 14, entretanto, teve a má sorte de atingir a capa ejetada da lente da câmera, e com isso a sonda não atingiu o solo.[91] O programa Venera chegou ao fim em outubro de 1983, quando a Venera 15 e a Venera 16 foram colocadas em órbita para conduzir o mapeamento do solo venusiano com um radar de abertura sintética.[92]

Em 1985, a União Soviética aproveitou a oportunidade de combinar missões a Vénus e ao cometa Halley, que passava pelo Sistema Solar interno naquele ano. No caminho para o Halley, em 11 e 15 de junho de 1985 cada uma das duas naves da Missão Vega lançou uma sonda do tipo Venera (das quais a da Vega 1 falhou parcialmente) e liberou na alta atmosfera um aerobot (robô aéreo suportado por balão). Os balões alcançaram uma altitude de equilíbrio de cerca de 53 km, onde a pressão e a temperatura são comparáveis às da superfície da Terra. Eles permaneceram operacionais por aproximadamente 46 horas e descobriram que a atmosfera venusiana era mais turbulenta do que se acreditava anteriormente e sujeita a fortes ventos e poderosas células de convecção.[93] [94]

Mapeamento com radar[editar | editar código-fonte]

Mapa topográfico de Vénus por radar, feito pela sonda Magellan (cor falsa).
Imagem da superfície de Vénus obtida por radar a 28 de Janeiro de 1998 pela sonda Magellan.

A sonda americana Magellan foi lançada em 4 de maio de 1989, com a missão de mapear a superfície de Vénus com radar.[20] As imagens de alta definição obtidas durante os 4 ½ anos de operação superaram de longe todos os mapas anteriores e foram comparados a fotografias a luz visível de outros planetas. A Magellan captou imagens de cerca de 98 % da superfície de Venus por radar[95] e mapeou 95 % do seu campo gravitacional. Em 1994, no fim da sua missão, a Magellan foi deliberadamente enviada para destruição na atmosfera de Vénus para quantificar a sua densidade.[96] Vénus foi observada pelas naves Galileu e Cassini, durante sobrevoos em suas missões para os planetas externos, mas a Magellan foi a última missão dedicada a Vénus por mais de uma década.[97] [98]

Missões atuais e futuras[editar | editar código-fonte]

A sonda Venus Express foi projetada e construída pela Agência Espacial Europeia. Lançada em 9 de novembro de 2005 por um foguete russo Soyuz-Fregat, ela assumiu com sucesso uma órbita polar de Vénus em 11 de abril de 2006.[99] A sonda está realizando um detalhado estudo da atmosfera e nuvens venusianas e também fará o mapeamento do ambiente de plasma do planeta e características da superfície, particularmente as temperaturas. A sua missão tem a intenção de durar 500 dias terrestres, ou cerca de dois anos venusianos. Um dos principais resultados da missão Venus Express é a descoberta da existência de um enorme vórtex atmosférico no polo sul do planeta.[99]

A missão MESSENGER da NASA a Mercúrio realizou dois sobrevoos de Vénus em outubro de 2006 e junho de 2007, para desacelerar a sua trajetória para uma inserção orbital de Mercúrio em 2011. A MESSENGER coletou dados científicos nesses dois sobrevoos.[100] A Agência Espacial Europeia também lançará uma missão a Mercúrio em 2014, denominada BepiColombo, que realizará dois sobrevoos de Vénus antes de alcançar a órbita de Mercúrio em 2020.[101]

Novas missões a Vénus estão em planejamento. O órgão aeroespacial japonês JAXA concebeu um orbitador a Vénus, o Akatsuki (anteriormente “Planeta-C”), lançado em 20 de maio de 2010. A nave falhou na entrada em órbita em dezembro de 2010, entretanto permanecem as esperanças de que ela possa hibernar e fazer uma nova tentativa de inserção em órbita nos próximos seis anos. As pesquisas planejadas incluem a realização de imagens da superfície com câmera infravermelha e experimentos voltados para confirmar a presença de raios, bem como para a determinação da existência de vulcanismo superficial atual.[102]

Sob o seu Programa Novas Fronteiras, a NASA propôs uma missão de pouso em Vénus, chamada Venus In-Situ Explorer, para estudar as condições da superfície e investigar as características elementares e mineralógicas do regolito. A sonda seria equipada com um analisador do núcleo para perfurar a superfície e estudar amostras de rochas originais não desgastadas pelas severas condições da superfície. A Venera-D é uma proposta russa de sonda a Vénus, para ser lançada em torno de 2016, com o objetivo de fazer observações remotas em torno do planeta e liberar um módulo de pouso baseado no projeto Venera, capaz de sobreviver por um longo período na superfície do planeta. Outros conceitos propostos de exploração incluem jipes, balões e aviões.[103]

A NASA recomendou a missão Surface and Atmosphere Geochemical Explorer (SAGE) como candidata para descer em Vénus, com um possível lançamento em 2016.[104]

Sobrevoo tripulado de Vénus[editar | editar código-fonte]

Uma missão tripulada de sobrevoo de Vénus, usando os equipamentos do Projeto Apollo, foi proposta no final da década de 1960.[105] A missão foi planejada para lançamento em outubro ou novembro de 1973 e usaria um foguete Saturno V para enviar três homens até Vénus, numa missão de aproximadamente um ano. A espaçonave passaria a aproximadamente 5.000 km da superfície de Vénus, cerca de quatro meses depois da partida.[105]

Na cultura[editar | editar código-fonte]

Histórico de sua compreensão[editar | editar código-fonte]

O "Dresden Codex" maia, que calcula as aparições de Vénus.

Por ser um dos objetos mais brilhantes do céu, Vénus é conhecido desde os tempos pré-históricos e, como tal, ganhou uma posição importante na cultura humana. Ele foi descrito em textos babilônicos cuneiformes, como a placa de Vénus de Ammisduqa, que relata observações que possivelmente datam de 1600 a.C.[106] Os babilônios chamavam o planeta de Ishtar (do sumério Inanna), a personificação da feminilidade e deusa do amor.[107]

Os antigos egípcios acreditavam que Vénus se tratava de dois corpos separados e conheciam a estrela da manhã como Tioumoutiri e a da noite como Ouaiti.[108] Da mesma forma, os gregos antigos chamavam a estrela matutina de Φωσφόρος, Phosphoros (latinizado como Phosphorus), “o que traz a luz”, ou Ἐωσφόρος, Eosphoros (latinizado como Eosphorus), “o que traz o amanhecer”. A estrela da noite era chamada Ἓσπερος, Hésperos (latinizada como Hesperus), a “estrela da noite”. No auge da antiga Grégia, os gregos compreenderam que os dois eram o mesmo planeta,[109] [110] que eles chamaram como a sua deusa do amor, Afrodite (do fenício Astarte).[111] Herperos seria traduzido para o latim como Vésper e Phosphoros como Lucifer (“Portador da Luz”), um termo poético que mais tarde foi usado para chamar o anjo caído expulso do paraíso. Os romanos, que derivaram muito do seu panteão religioso da tradição grega, chamaram o planeta de Vénus, a partir da sua deusa do amor.[112] O naturalista romano Plínio, o Velho (História Natural, ii,37) identificava o planeta Vénus com Isis.[113]

Na mitologia iraniana, especialmente na mitologia persa, o planeta usualmente corresponde à deusa Anahita. Em algumas partes da literatura Pahlavi as divindades Aredvi Sura e Anahita são vistas como entidades separadas; a primeira como a personificação do rio mítico e a última como uma deusa da fertilidade que é associada com o planeta Vénus. Como a deusa Aredvi Sura Anahita – também chamada simplesmente Anahita – ambas as divindades são unificadas em outras descrições, como na Grande Bundahishn, e são representadas pelo planeta. Entretanto, no texto avéstico Mehr Yasht (Yasht 10) há uma possível ligação antiga a Mitra. O nome persa atual do planeta é Nahid, que deriva de Anahita e, mais tarde, do termo Anahid na linguagem Pahlavi.[114] [115] [116] [117]

O planeta Vénus foi importante para a civilização maia, que desenvolveu um calendário religioso baseado parcialmente nos seus movimentos, e os considerava para determinar o momento propício para eventos como guerras. Eles o chamavam Noh Ek, a Grande Estrela, e Xux Ek, a Estrela Vespa. Os maias conheciam o período sinódico do planeta e podiam calculá-lo dentro da centésima parte de um dia.[118] O povo Masai chamou o planeta de Kileken e tem uma tradição oral sobre ele chamada “O Menino Órfão”.[119]

Vénus é importante em muitas culturas aborígines australianas, como a do povo Yolngu na Austrália setentrional. Os Yolngu se reúnem depois do pôr do Sol para esperar pelo aparecimento de Vénus, que eles chamam Barnumbirr. Quando se aproxima, nas primeiras horas antes do amanhecer, ele traça atrás de si uma corda de luz ligada à Terra e, ao longo da corda, com a ajuda de um ricamente decorado “Mastro da Estrela Matutina”, as pessoas podem se comunicar com seus entes queridos mortos, mostrando que eles ainda amam e se lembram deles.[120]

"Shukra" é o nome em sânscrito para Vénus.

Na astrologia ocidental, derivada da sua conotação histórica com deusas da feminilidade e amor, considera-se que Vénus influencia o desejo e a fertilidade sexual.[121] Na astrologia védica indiana, Vénus é conhecido como Shukra,[122] significando “claro, puro”, ou “brilho, clareza”, em sânscrito. Um dos nove Navagraha, considera-se que ele afeta a riqueza, o prazer e a reprodução; ele era o filho de Bhrgu, preceptor dos Daityas, e guru dos Asuras.[123] [124] As modernas culturas chinesa, coreana, japonesa e vietnamita referem-se ao planeta literalmente como a “estrela de metal”, baseada nos cinco elementos.

No sistema metafísico da Teosofia, acredita-se que no plano etéreo de Vénus haja uma civilização que existiu centenas de milhões de anos antes da da Terra;[125] acredita-se também que a deidade que governa a Terra, Sanat Kumara, provém de Vénus.[126]

♀.

O símbolo astronômico de Vénus é o mesmo utilizado em biologia para o sexo feminino: um círculo com uma pequena cruz em baixo.[127] O símbolo de Vénus também representa a feminilidade, e na Alquimia se referia ao metal cobre.[127] O cobre polido era usado em espelhos desde a antiguidade e o símbolo de Vénus foi algumas vezes entendido como a representar o espelho da deusa.[127]

Talvez a mais estranha aparição de Vénus na literatura seja como o arauto da destruição em Mundos em Colisão de Immanuel Velikovsky (1950). Neste livro intensamente controverso, Velikovsky argumenta que muitas histórias aparentemente inacreditáveis no Velho Testamento são verdadeiras recordações de vezes em que Vénus quase colidiu com a Terra – quando ele ainda era um cometa e não tinha se tornado o dócil planeta que conhecemos hoje. Ele sustenta que Vénus causou a maioria dos estranhos eventos do Êxodo. Ele cita lendas em muitas outras culturas (como a grega, mexicana, chinesa e indiana) que indicam que os efeitos da quase colisão foram globais. A comunidade científica rejeitou este livro não-ortodoxo, entretanto ele se tornou um bestseller.[128]

Na ficção científica[editar | editar código-fonte]

A impenetrável cobertura de nuvens venusiana deu aos escritores de ficção científica livre curso para especular sobre as condições na sua superfície, mais ainda quando as primeiras observações mostraram que não só ele era muito similar à Terra em tamanho, como possuía uma atmosfera substancial. Mais próximo do Sol do que a Terra, o planeta era frequentemente mostrado como mais quente, mas ainda habitável por humanos.[129] O gênero atingiu o seu máximo entre os anos 1930 e 1950, numa época em que a ciência havia revelado alguns aspectos de Vénus, mas não ainda a severa realidade das condições de sua superfície. As descobertas das primeiras missões a Vénus mostraram que a realidade era bastante diferente e levaram ao fim do gênero.[130] À medida que o conhecimento científico de Vénus avançou, os autores de ficção científica se esforçaram para manter o passo, particularmente em conjecturas sobre a tentativa humana de terraformação de Vénus.[131]

Colonização[editar | editar código-fonte]

Devido às suas condições extremamente hostis, uma colonização superficial de Vénus está fora de questão com a tecnologia atual. Entretanto, a pressão atmosférica e a temperatura a aproximadamente 50 km acima da superfície são similares às da superfície da Terra, e o ar da Terra (nitrogênio e oxigênio) seria um gás ascendente na atmosfera venusiana de principalmente dióxido de carbono. Isto levou a propostas de extensas “cidades flutuantes” na atmosfera venusiana.[132] Os aeróstatos (balões mais leves que o ar) poderiam ser usados para a exploração inicial e posteriormente para colônias permanentes. Entre os muitos desafios de engenharia estão os teores perigosos de ácido sulfúrico nessas altitudes.[132]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f Solar System Exploration: Planets: Venus: Facts & Figures. Página visitada em 10/01/2011.
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab Williams, David R. (15 de abril de 2005). Venus Fact Sheet NASA. Página visitada em 12/10/2007.
  3. http://home.comcast.net/~kpheider/MeanPlane.gif. Página visitada em 10/01/2011.
  4. Porto Editora. Dicionários Académicos — Dicionário da Língua Portuguesa. [S.l.]: Porto Editora, 2009. 904 pp. ISBN 978-972-0-01478-8
  5. Hashimoto, G. L.; Roos-Serote, M.; Sugita, S.; Gilmore, M. S.; Kamp, L. W.; Carlson, R. W.; Baines, K. H.. (2008). "Felsic highland crust on Venus suggested by Galileo Near-Infrared Mapping Spectrometer data". Journal of Geophysical Research, Planets 113: E00B24. DOI:10.1029/2008JE003134.
  6. Caught in the wind from the Sun ESA (Venus Express) (28 de novembro de 2007). Página visitada em 12/07/2008.
  7. Esposito, Larry W.. (1984-03-09). "Sulfur Dioxide: Episodic Injection Shows Evidence for Active Venus Volcanism". Science 223 (4640): 1072–1074. DOI:10.1126/science.223.4640.1072. PMID 17830154.
  8. Bullock, Mark A.; Grinspoon, David H.. (março 2001). "The Recent Evolution of Climate on Venus". Icarus 150 (1): 19–37. DOI:10.1006/icar.2000.6570.
  9. a b c d Nimmo, F.; McKenzie, D.. (1998). "Volcanism and Tectonics on Venus". Annual Review of Earth and Planetary Sciences 26: 23–53. DOI:10.1146/annurev.earth.26.1.23. Bibcode1998AREPS..26...23N.
  10. a b Strom, R. G.; Schaber, G. G.; Dawsow, D. D.. (1994). "The global resurfacing of Venus". Journal of Geophysical Research 99: 10899–10926. DOI:10.1029/94JE00388. Bibcode1994JGR....9910899S.
  11. Lopes, Rosaly M. C.; Gregg, Tracy K. P.. Volcanic worlds: exploring the solar system's volcanoes. [S.l.]: Springer, 2004. p. 61. ISBN 3540004319
  12. Atmosphere of Venus The Encyclopedia of Astrobiology, Astronomy, and Spaceflght.. Página visitada em 29 de abril de 2007.
  13. Goettel, K. A.; Shields, J. A.; Decker, D. A. (16–20 de março de 1981). "Density constraints on the composition of Venus". Proceedings of the Lunar and Planetary Science Conference: 1507–1516, Houston, TX: Pergamon Press. Página visitada em 12/07/2009. 
  14. Faure, Gunter; Mensing, Teresa M.. Introduction to planetary science: the geological perspective. [S.l.]: Springer, 2007. p. 201. ISBN 1402052332
  15. Nimmo, F.. (2002). "Crustal analysis of Venus from Magellan satellite observations at Atalanta Planitia, Beta Regio, and Thetis Regio". Geology 30: 987–990. DOI:<0987:WDVLAM>2.0.CO;2 10.1130/0091-7613(2002)030<0987:WDVLAM>2.0.CO;2.
  16. Basilevsky, Alexander T.; Head, James W., III. (1995). "Global stratigraphy of Venus: Analysis of a random sample of thirty-six test areas". Earth, Moon, and Planets 66 (3): 285–336. Bibcode1995EM&P...66..285B.
  17. Kaufmann, W. J.. Universe. New York: W. H. Freeman, 1994. p. 204. ISBN 0716723794
  18. a b c d Frankel, Charles. Volcanoes of the Solar System. [S.l.]: Cambridge University Press, 1996. ISBN 0521477700
  19. Batson, R.M.; Russell J. F. (março 18–22, 1991). "Naming the Newly Found Landforms on Venus" (PDF). Procedings of the Lunar and Planetary Science Conference XXII. Página visitada em 12/07/2009. 
  20. a b In: Young, C.. The Magellan Venus Explorer's Guide. JPL Publication 90-24 ed. California: Jet Propulsion Laboratory, agosto-1990.
  21. Davies, M.E. et al.. (1994). "Report of the IAU Working Group on Cartographic Coordinates and Rotational Elements of the Planets and Satellites". Celestial Mechanics and Dynamical Astronomy 63 (2). DOI:10.1007/BF00693410.
  22. USGS Astrogeology: Rotation and pole position for the Sun and planets (IAU WGCCRE). Página visitada em 22 de outubro de 2009.
  23. The Magellan Venus Explorer's Guide. Página visitada em 22 de outubro de 2009.
  24. Karttunen, Hannu; Kroger, P.; Oja, H.; Poutanen, M.; Donner, K. J.. Fundamental Astronomy. [S.l.]: Springer, 2007. p. 162. ISBN 3540341439
  25. "Venus also zapped by lightning", CNN, 29 de novembro de 2007. Página visitada em 29 de novembro de 2007.
  26. Glaze, L. S.. (1999). "Transport of SO2 by explosive volcanism on Venus". Journal of Geophysical Research 104: 18899–18906. DOI:10.1029/1998JE000619. Bibcode1999JGR...10418899G.
  27. Romeo, I.; Turcotte, D. L.. (2009). "The frequency-area distribution of volcanic units on Venus: Implications for planetary resurfacing". Icarus 203: 13. DOI:10.1016/j.icarus.2009.03.036.
  28. Herrick, R. R.; Phillips, R. J.. (1993). "Effects of the Venusian atmosphere on incoming meteoroids and the impact crater population". Icarus 112: 253–281. DOI:10.1006/icar.1994.1180. Bibcode1994Icar..112..253H.
  29. David Morrison. The Planetary System. [S.l.]: Benjamin Cummings, 2003. ISBN 0-8053-8734-X
  30. Venus Case Western Reserve University (14 de setembro de 2006). Página visitada em 16 de julho de 2007.
  31. Lewis, John S.. Physics and Chemistry of the Solar System. 2nd ed. [S.l.]: Academic Press, 2004. p. 463. ISBN 012446744X
  32. Kasting, J. F.. (1988). "Runaway and moist greenhouse atmospheres and the evolution of earth and Venus.". Icarus 74 (3): 472–494. DOI:10.1016/0019-1035(88)90116-9. PMID 11538226.
  33. Moshkin, B. E.; Ekonomov, A. P.; Golovin Iu. M.. (1979). "Dust on the surface of Venus". Kosmicheskie Issledovaniia (Cosmic Research) 17: 280–285. Bibcode1979CoRe...17..232M.
  34. Krasnopolsky, V. A.; Parshev, V. A.. (1981). "Chemical composition of the atmosphere of Venus". Nature 292: 610–613. DOI:10.1038/292610a0.
  35. Krasnopolsky, Vladimir A.. (2006). "Chemical composition of Venus atmosphere and clouds: Some unsolved problems". Planetary and Space Science 54 (13–14): 1352–1359. DOI:10.1016/j.pss.2006.04.019.
  36. W. B., Rossow; A. D., del Genio; T., Eichler. (1990). "Cloud-tracked winds from Pioneer Venus OCPP images" (PDF). Journal of the Atmospheric Sciences 47 (17): 2053–2084. DOI:<2053:CTWFVO>2.0.CO;2 10.1175/1520-0469(1990)047<2053:CTWFVO>2.0.CO;2.
  37. Normile, Dennis. (7 de maio de 2010). "Mission to probe Venus's curious winds and test solar sail for propulsion". Science 328 (5979): 677. DOI:10.1126/science.328.5979.677-a. PMID 20448159.
  38. Lorenz, Ralph D.; Lunine, Jonathan I.; Withers, Paul G.; McKay, Christopher P. (2001). Titan, Mars and Earth: Entropy Production by Latitudinal Heat Transport (PDF) Ames Research Center, University of Arizona Lunar and Planetary Laboratory. Página visitada em 21 de agosto de 2007.
  39. Interplanetary Seasons NASA.. Página visitada em 21 de agosto de 2007.
  40. Otten, Carolyn Jones (2004). "Heavy metal" snow on Venus is lead sulfide Washington University in St Louis. Página visitada em 21 de agosto de 2007.
  41. a b Russell, S. T.; Zhang, T.L.; Delva, M.; et al.. (2007). "Lightning on Venus inferred from whistler-mode waves in the ionosphere". Nature 450 (7170): 661–662. DOI:10.1038/nature05930. PMID 18046401.
  42. Hand, Eric. (novembro 2007). "European mission reports from Venus". Nature (450): 633–660. DOI:10.1038/news.2007.297.
  43. Staff. "Venus offers Earth climate clues", BBC News, 28 de novembro de 2007. Página visitada em 29 de novembro de 2007.
  44. Dolginov, Nature of the Magnetic Field in the Neighborhood of Venus, COsmic Research, 1969
  45. Kivelson G. M., Russell, C. T.. (1995). "Introduction to Space Physics". Cambridge University Press.
  46. Upadhyay, H. O.; Singh, R. N.. (abril 1995). "Cosmic ray Ionization of Lower Venus Atmosphere". Advances in Space Research 15 (4): 99–108. DOI:10.1016/0273-1177(94)00070-H.
  47. Luhmann J. G., Russell C. T.. In: J. H. Shirley and R. W. Fainbridge. Venus: Magnetic Field and Magnetosphere. [S.l.]: Chapman and Hall, New York, 1997. ISBN 978-1-4020-4520-2
  48. Stevenson, D. J.. (15/03/2003). "Planetary magnetic fields". Earth and Planetary Science Letters 208 (1–2): 1–11. DOI:10.1016/S0012-821X(02)01126-3.
  49. a b Nimmo, Francis. (novembro 2002). "Why does Venus lack a magnetic field?" (PDF). Geology 30 (11): 987–990. DOI:<0987:WDVLAM>2.0.CO;2 10.1130/0091-7613(2002)030<0987:WDVLAM>2.0.CO;2.
  50. Konopliv, A. S.; Yoder, C. F.. (1996). "Venusian k2 tidal Love number from Magellan and PVO tracking data". Geophysical Research Letters 23 (14): 1857–1860. DOI:10.1029/96GL01589.
  51. Solex by Aldo Vitagliano. Página visitada em 19 de março de 2009. (numbers generated by Solex)
  52. Correia, Alexandre C. M.; Laskar, Jacques; de Surgy, Olivier Néron. (maio 2003). "Long-term evolution of the spin of Venus I. theory" (PDF). Icarus 163 (1): 1–23. DOI:10.1016/S0019-1035(03)00042-3.
  53. Correia, A. C. M.; Laskar, J.. (2003). "Long-term evolution of the spin of Venus: II. numerical simulations" (PDF). Icarus 163: 24–45. DOI:10.1016/S0019-1035(03)00043-5.
  54. Bakich, Michael E.. The Cambridge planetary handbook. [S.l.]: Cambridge University Press, 2000. p. 50. ISBN 0521632803
  55. Um dia Venusiano tem 243 dias Terrestres, e é mais longo que seu ano, de 225 dias
  56. a b Space Topics: Compare the Planets: Mercury, Venus, Earth, The Moon, and Mars Planetary Society. Página visitada em 12/04/2007.
  57. Gold, T.; Soter, S.. (1969). "Atmospheric tides and the resonant rotation of Venus". Icarus 11: 356–366. DOI:10.1016/0019-1035(69)90068-2.
  58. a b Sheppard, Scott S.; Trujillo, Chadwick A.. (julho 2009). "A survey for satellites of Venus". Icarus 202 (1): 12–16. DOI:10.1016/j.icarus.2009.02.008.
  59. Mikkola, S.; Brasser, R.; Wiegert, P.; Innanen, K.. (julho 2004). "Asteroid 2002 VE68, a quasi-satellite of Venus". Monthly Notices of the Royal Astronomical Society 351. DOI:10.1111/j.1365-2966.2004.07994.x.
  60. Musser, George. "Double Impact May Explain Why Venus Has No Moon", Scientific American, 10 de outubro de 2006. Página visitada em 03/08/2007.
  61. Tytell, David. "Why Doesn't Venus Have a Moon?", SkyandTelescope.com, 10 de outubro de 2006. Página visitada em 03/08/2007.
  62. Whitman, Justine (19 de fevereiro de 2006). Moon Motion & Tides Aerospaceweb.org. Página visitada em 2007-08-03.
  63. a b Espenak, Fred (1996). Venus: Twelve year planetary ephemeris, 1995–2006 NASA Reference Publication 1349. NASA/Goddard Space Flight Center. Página visitada em 20 de junho de 2006.
  64. Krystek, Lee. Natural Identified Flying Objects The Unngatural Museum. Página visitada em 20 de junho de 2006.
  65. Espenak, Fred (2004). Transits of Venus, Six Millennium Catalog: 2000 BCE to 4000 CE Transits of the Sun. NASA. Página visitada em 14 de maio de 2009.
  66. Baum, R. M.. (2000). "The enigmatic ashen light of Venus: an overview". Journal of the British Astronomical Association 110. Bibcode2000JBAA..110..325B.
  67. Pliny the Elder. Natural History II:36–37. Harmondsworth, Middlesex, UK: Penguin, 1991. 15–16 pp.
  68. Goldstein, Bernard R.. (março de 1972). "Theory and Observation in Medieval Astronomy". Isis 63 (1): 39–47 [44]. University of Chicago Press. DOI:10.1086/350839.
  69. Sally P. Ragep (2007). "Ibn Sīnā: Abū ʿAlī al‐Ḥusayn ibn ʿAbdallāh ibn Sīnā". The Biographical Encyclopedia of Astronomers. Ed. Thomas Hockey. Springer Science+Business Media. 570–572. 
  70. S. M. Razaullah Ansari. History of oriental astronomy: proceedings of the joint discussion-17 at the 23rd General Assembly of the International Astronomical Union, organised by the Commission 41 (History of Astronomy), held in Kyoto, August 25–26, 1997. [S.l.]: Springer, 2002. p. 137. ISBN 1402006578
  71. Anonymous. Galileo: the Telescope & the Laws of Dynamics Astronomy 161; The Solar System. Department Physics & Astronomy, University of Tennessee. Página visitada em 20 de junho de 2006.
  72. Marov, Mikhail Ya. (2004). "Mikhail Lomonosov and the discovery of the atmosphere of Venus during the 1761 transit". D.W. Kurtz {{{booktitle}}}: 209–219, Preston, U.K.: Cambridge University Press. DOI:10.1017/S1743921305001390. 
  73. Mikhail Vasilyevich Lomonosov Britannica online encyclopedia. Encyclopædia Britannica, Inc. Página visitada em 12/07/2009.
  74. Russell, H. N.. (1899). "The Atmosphere of Venus". Astrophysical Journal 9: 284–299. DOI:10.1086/140593.
  75. Hussey, T.. (1832). "On the Rotation of Venus". Monthly Notices of the Royal Astronomical Society 2: 78–126. Bibcode1832MNRAS...2...78H.
  76. Ross, F. E.. (1928). "Photographs of Venus". Astrophysical Journal 68–92. DOI:10.1086/143130.
  77. Slipher, V. M.. (1903). "A Spectrographic Investigation of the Rotation Velocity of Venus". Astronomische Nachrichten 163. DOI:10.1002/asna.19031630303.
  78. Goldstein, R. M.; Carpenter, R. L.. (1963). "Rotation of Venus: Period Estimated from Radar Measurements". Science 139 (3558): 910–911. DOI:10.1126/science.139.3558.910. PMID 17743054.
  79. Campbell, D. B.; Dyce, R. B.; Pettengill G. H.. (1976). "New radar image of Venus". Science 193 (4258): 1123–1124. DOI:10.1126/science.193.4258.1123. PMID 17792750.
  80. Carolynn Young: Chapter 8, What's in a Name? The Magellan Venus Explorer's Guide. NASA/JPL (August 1990). Página visitada em 21 de julho de 2009.
  81. Mitchell, Don (2003). Inventing The Interplanetary Probe The Soviet Exploration of Venus.. Página visitada em 27 de dezembro de 2007.
  82. Jet Propulsion Laboratory. (1962). "Mariner-Venus 1962 Final Project Report" (PDF). NASA.
  83. a b c d Mitchell, Don (2003). Plumbing the Atmosphere of Venus The Soviet Exploration of Venus.. Página visitada em 27 de dezembro de 2007.
  84. Eshleman, V.; Fjeldbo, G.. (1969). "The atmosphere of Venus as studied with the Mariner 5 dual radio-frequency occultation experiment" (PDF). NASA.
  85. (maio 11–24, 1969) "Report on the Activities of the COSPAR Working Group VII". Preliminary Report, COSPAR Twelfth Plenary Meeting and Tenth International Space Science Symposium, Prague, Czechoslovakia: National Academy of Sciences. 
  86. Sagdeev, Roald; Eisenhower, Susan (28 de maio de 2008). United States-Soviet Space Cooperation during the Cold War. Página visitada em 19 de julho de 2009.
  87. Mitchell, Don (2003). First Pictures of the Surface of Venus The Soviet Exploration of Venus.. Página visitada em 27 de dezembro de 2007.
  88. Dunne, J.; Burgess, E.. (1978). "The Voyage of Mariner 10" (PDF). NASA.
  89. Colin, L.; Hall, C.. (1977). "The Pioneer Venus Program". Space Science Reviews 20: 283–306. DOI:10.1007/BF02186467.
  90. Williams, David R. (6 de janeiro de 2005). Pioneer Venus Project Information NASA Goddard Space Flight Center. Página visitada em 19 de julho de 2009.
  91. a b c Mitchell, Don (2003). Drilling into the Surface of Venus The Soviet Exploration of Venus.. Página visitada em 27 de dezembro de 2007.
  92. Greeley, Ronald; Batson, Raymond M.. Planetary Mapping. [S.l.]: Cambridge University Press, 2007. p. 47. ISBN 9780521033732
  93. Linkin, V.; Blamont, J.; Preston, R.. (1985). "The Vega Venus Balloon experiment". Bulletin of the American Astronomical Society 17 (4744). DOI:10.1126/science.231.4744.1407. PMID 17748079.
  94. Sagdeev, R. Z.; Linkin, V. M.; Blamont, J. E.; Preston, R. A.. (1986). "The VEGA Venus Balloon Experiment". Science 231 (4744): 1407–1408. DOI:10.1126/science.231.4744.1407. PMID 17748079.
  95. Lyons, Daniel T.; Saunders, R. Stephen; Griffith, Douglas G.. (maio–June 1995). "The Magellan Venus mapping mission: Aerobraking operations". Acta Astronautica 35 (9–11): 669–676. DOI:10.1016/0094-5765(95)00032-U.
  96. Magellan begins termination activities JPL Universe. (9 de setembro de 1994). Página visitada em 30 de julho de 2009.
  97. Van Pelt, Michel. Space invaders: how robotic spacecraft explore the solar system. [S.l.]: Springer, 2006. 186–189 pp. ISBN 0387332324
  98. Davis, Andrew M.; Holland, Heinrich D.; Turekian, Karl K.. Meteorites, comets, and planets. [S.l.]: Elsevier, 2005. p. 489. ISBN 0080447201
  99. a b Venus Express ESA Portal. European Space Agency. Página visitada em 9 de fevereiro de 2008.
  100. Timeline MESSENGER.. Página visitada em 9 de fevereiro de 2008.
  101. BepiColombo ESA Spacecraft Operations.. Página visitada em 9 de fevereiro de 2008.
  102. Venus Climate Orbiter "PLANET-C" JAXA.. Página visitada em 9 de fevereiro de 2008.
  103. Atmospheric Flight on Venus NASA Glenn Research Center Technical Reports.. Página visitada em 18 de setembro de 2008.
  104. SAGE NASA/JPL. Página visitada em 2011-03-08.
  105. a b Feldman, M. S.; Ferrara, L. A.; Havenstein, P. L.; Volonte, J. E.; Whipple, P. H.. Manned Venus Flyby, February 1, 1967. [S.l.]: Bellcomm, Inc., 1967.
  106. Sachs, A.. (1974). "Babylonian Observational Astronomy". Philosophical Transactions of the Royal Society of London 276 (1257): 43–50. DOI:10.1098/rsta.1974.0008.
  107. Meador, Betty De Shong. Inanna, Lady of Largest Heart: Poems of the Sumerian High Priestess Enheduanna. [S.l.]: University of Texas Press, 2000. p. 15. ISBN 0292752423
  108. Cattermole, Peter John; Moore, Patrick. Atlas of Venus. [S.l.]: Cambridge University Press, 1997. p. 9. ISBN 0521496527
  109. Fox, William Sherwood. The Mythology of All Races: Greek and Roman. [S.l.]: Marshall Jones Company, 1916. p. 247. ISBN 081540073X
  110. Greene, Ellen. Reading Sappho: contemporary approaches. [S.l.]: University of California Press, 1996. p. 54. ISBN 0520206010
  111. Greene, Ellen. Reading Sappho: contemporary approaches. [S.l.]: University of California Press, 1999. p. 54. ISBN 0520206010
  112. Guillemin, Amédée; Lockyer, Norman; Proctor, Richard Anthony. The heavens: an illustrated handbook of popular astronomy. London: Richard Bentley & Son, 1878. p. 67.
  113. Rees, Roger. Layers of loyalty in Latin panegyric, AD 289-307. [S.l.]: Oxford University Press, 2002. p. 112. ISBN 0199249180
  114. Boyce, Mary. ANĀHĪD Encyclopaedia Iranica. Center for Iranian Studies, Columbia University. Página visitada em 20 de fevereiro de 2010. Cópia arquivada em May 1, 2008.
  115. Schmidt, Hanns-Peter. MITHRA Encyclopaedia Iranica. Center for Iranian Studies, Columbia University. Página visitada em 20 de fevereiro de 2010. Cópia arquivada em July 12, 2008.
  116. MacKenzie, D. N.. A concise Pahlavi Dictionary. London & New York: Routledge Curzon, 2005. ISBN 0-19713559-5
  117. Mo'in, M.. A Persian Dictionary. Six Volumes. Tehran: Amir Kabir Publications, 1992. vol. 5–6. ISBN 1-56859-031-8
  118. Sharer, Robert J.; Traxler, Loa P.. The Ancient Maya. [S.l.]: Stanford University Press, 2005. ISBN 0804748179
  119. Verhaag, G.. (2000). "Letters to the Editor: Cross-cultural astronomy". Journal of the British Astronomical Association 110 (1). Bibcode2000JBAA..110...49V.
  120. Norris, Ray P. (2004). Searching for the Astronomy of Aboriginal Australians (PDF) Conference Proceedings. 1–4 pp. Australia Telescope National Facility. Página visitada em 16 de maio de 2009.
  121. Bailey, Michael David. Magic and Superstition in Europe: a Concise History from Antiquity to the Present. [S.l.]: Rowman & Littlefield, 2007. 93–94 pp. ISBN 0742533875
  122. Bhalla, Prem P.. Hindu Rites, Rituals, Customs and Traditions: A to Z on the Hindu Way of Life. [S.l.]: Pustak Mahal, 2006. p. 29. ISBN 812230902X
  123. Behari, Bepin; Frawley, David. Myths & Symbols of Vedic Astrology. 2 ed. [S.l.]: Lotus Press, 2003. 65–74 pp. ISBN 0940985519
  124. Quiles, Carlos; Kūriákī, Kárlos. A Grammar of Modern Indo-European: Language and Culture, Writing System and Phonology, Morphology, Syntax. [S.l.]: Carlos Quiles Casas, 2007. p. 319. ISBN 8461176391
  125. Powell, Arthor E.. The Solar System. London: The Theosophical Publishing House, 1930. p. 33. ISBN 0787311537
  126. Leadbeater, C.W. The Masters and the Path Adyar, Madras, India: 1925—Theosophical Publishing House (in this book, Sanat Kumara is referred to as Lord of the World.) See in index under “Lord of the World”. Also see Full text of “The Masters and the Path” by C.W. Leadbeater:
  127. a b c Stearn, William. (maio 1968). "The Origin of the Male and Female Symbols of Biology". Taxon 11 (4): 109–113. DOI:10.2307/1217734.
  128. Ellenberger, C. Leroy (Winter 1984). "Worlds in Collision in Macmillan's Catalogues". Kronos 9 (2). The 20 weeks at the top stated by Juergens in The Velikovsky Affair is incorrect.
  129. Miller, Ron. Venus. [S.l.]: Twenty-First Century Books, 2003. p. 12. ISBN 0-7613-2359-7
  130. Dick, Steven. Life on Other Worlds: The 20th-Century Extraterrestrial Life Debate. [S.l.]: Cambridge University Press, 2001. p. 43. ISBN 0521799120
  131. Seed, David. A Companion to Science Fiction. [S.l.]: Blackwell Publishing, 2005. 134–135 pp. ISBN 1405112182
  132. a b Landis, Geoffrey A. (2003). "Colonization of Venus". AIP Conference Proceedings 654: 1193–1198. DOI:10.1063/1.1541418. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Vénus
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Missões espaciais a Vénus

References[editar | editar código-fonte]

Fatos sobre Vênus . Universidade Federal do Rio de Janeiro.