Víbora-áspide

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaVíbora-áspide
Vipera aspis

Vipera aspis
Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Subordem: Serpentes
Família: Viperidae
Subfamília: Viperinae
Género: Vipera
Espécie: V. aspis
Nome binomial
Vipera aspis
L. (1758)
Distribuição geográfica
Distribuído na Europa
Distribuído na Europa
Vipera aspis Lothringen 075.jpg
Vipera aspis Lothringen 062.jpg
Zanne di vipera.jpg
Vipera a Dobbiaco.JPG
ViperaAspis 1469AE.jpg
Aspisviper 01.jpg

Víbora-áspide (Vipera aspis) é uma espécie de víbora venenosa encontrada no sudoeste da Europa. Seu nome científico, Vipera (do latim) Aspis (do grego: ἄσπις), significa "víbora víbora". Existem cinco subespécies que são reconhecidas atualmente.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Os machos atingem um máximo de 85 cm e as fêmeas raramente mais do que 75 cm. Os machos, entretanto, são um pouco mais magros do que as fêmeas. A cauda é muito curta: um sétimo a um nono do comprimento total do corpo nas fêmeas, e um sexto a um oitavo no masculino.

A cabeça é larga, triangular e completamente distinta do pescoço. A ponta do focinho é ligeiramente mas distintamente arrebitado. A escala rostral é geralmente maior do que é grande, tocando 2-3 escamas na parte superior do focinho. Dorsal, o focinho é achatado, com distintas e ligeiramente elevadas margens nítidas.

Exemplar num reptilário

Distribuição[editar | editar código-fonte]

A espécie está distribuída na França, Andorra, nordeste da Espanha, extremo sudoeste da Alemanha, Suíça, Mônaco, as ilhas de Elba e Montecristo, Sicília, Itália, San Marino, Eslovênia noroeste e parte croata da Ístria.

Em agosto a outubro de 2006, um número de espécimes foram descobertos em uma área arborizada perto da cidade de Poortugaal em Países Baixos (sul de Roterdã). Apesar de estarem dar muito bem, a espécie não é nativa do país. É provável que um ou mais fugiu ou foi solto na área.

Status de conservação[editar | editar código-fonte]

Apesar de estar listada como "pouco preocupante" e ter ampla distribuição, a subespécie V. a. aspis é classificada como "criticamente em perigo" na Suíça, V. a. atra é categorizada como "vulnerável", e V. a. francisciredi é categorizado como "espécie ameaçada à extinção".

Em geral, a espécie é listada como protegida no abrigo da Convenção de Berna.

Habitat[editar | editar código-fonte]

Esta espécie tem poucas exigências do habitat claramente definidas e relativamente específica. Ela precisa de áreas quentes, que são expostas ao sol, a vegetação e os solos estruturados relativamente seco. Na Itália e na França, é frequentemente encontrada em áreas com baixa montanhas ou morros, principalmente nas regiões calcárias, mas às vezes ocorre em planícies mais baixas. Podem ser encontrados em encostas ensolaradas, em matos, em clareiras, em prados de montanha, clareiras, nas bordas da floresta e em pedreiras. Na Itália, aparecem em florestas de castanheiro e carvalhos e muitas vezes à beira de córregos. Embora não seja muito associadas às altas altitudes, nos Pirenéus, foi encontrado em mais de 2.100 m acima do nível do mar.

Veneno[editar | editar código-fonte]

A picada desta espécie é mais grave do que uma de outra espécie semelhante, Vipera berus, também européia. De acordo com Stemmler (1971), cerca de 4% de todas as picadas não tratadas são fatais, além serem muito dolorosas. Lombardi e Bianco (1974) mencionam que esta espécie é responsável por 90% dos casos de picadas de cobras na Itália.

Sintomas de envenenamento incluem a rápida propagação da dor aguda, seguida de edema e descoloração. Grave necrose hemorrágica pode ocorrer dentro de poucas horas. A visão pode ser severamente prejudicada, provavelmente devido à degradação do sangue e os vasos sanguíneos nos olhos. O veneno tem os efeitos de coagulante e anticoagulante. A atividade anticoagulante é aparentemente mais forte do que a Daboia russelii. O veneno também pode afetar a estrutura glomerular, que pode levar à morte por insuficiência renal.

Sinonímia[editar | editar código-fonte]

  • Vipera Mosis Charas - Laurenti, 1768
  • Vipera vulgaris - Latreille In Sonnini & Latreille, 1801
  • Vipera ocellata - Latreille In Sonnini & Latreille, 1801
  • Coluber Charasii - Shaw, 1802
  • Vipera (Echidna) Aspis - Merrem, 1820
  • C[hersea]. vulgaris - Fleming, 1822
  • Vipera aspis - Metaxa, 1823
  • Aspis ocellata - Fitzinger, 1826
  • [Pelias] Col[uber]. aspis - F. Boie, 1827
  • Berus Vulgaris - Gray, 1831
  • Vipera aspis var. ocellata - Bonaparte, 1834
  • Vipera aspis var. ocellata - Massalongo, 1853
  • V[ipera]. (Vipera) aspis - Jan, 1863
  • Vipera berus subspec. aspis - Camerano, 1888
  • Vipera aspis - Boulenger, 1896
  • Vipera aspis var. lineata - Düringen, 1897
  • [Vipera aspis] var. Delalande - Phisalix, 1902
  • Vipera aspis aspis - Mertens, 1925
  • Mesovipera aspis - Reuss, 1927
  • Mesovipera maculata - Reuss, 1930 (nomen nudum)
  • Mesovipera maculata aspis - Reuss, 1930 (nomen nudum)
  • Vipera ammodytes aspis - Schwarz, 1936
  • Vipera aspis delalande - Phisalix, 1968
  • Vipera (Rhinaspis) aspis aspis - Obst, 1983
  • Vipera aspis - Golay et al., 1993

Subespécies[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Víbora-áspide
Ícone de esboço Este artigo sobre Répteis, integrado no Projeto Anfíbios e Répteis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.