VLT de Natal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou secção contém informações sobre uma construção futura.
É provável que contenha informações de natureza especulativa, e seu conteúdo pode mudar drasticamente.
Tower crane colorize.png


VLT de Natal
Informações
Local Natal, RN
Tipo de transporte Ferroviário (Veículo leve sobre trilhos)

Com uma frota de 245.845 mil carros em 2008 (o equivalente a um carro para cada três habitantes), a cidade de Natal, no estado do Rio Grande do Norte, está enfrentando um trânsito cada vez mais caótico, principalmente devido ao alto crescimento da cidade e dos municípios conurbados a essa, a chamada Região Metropolitana de Natal. Como forma de minimizar esses efeitos, está em estudo a implantação de um sistema de veículo leve sobre trilhos. Faz parte do Projeto de Modernização do Sistema de Trens Urbanos de Natal, o chamado VLT de Natal ou ainda erroneamente de metrô de superfície de Natal que atualmente vem se despontando como a solução mais adequada para a capital potiguar.[1]

O presidente da CBTU, Elionaldo Magalhães, informou que a CBTU já conta com o projeto do VLT e que o início de sua implantação está sendo objeto de estudos da Casa Civil, atendendo a um pleito da governadora do estado, Rosalba Ciarlini, e da deputada petista Fátima Bezerra, junto à Ministra-Chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff.[2]

O arquiteto e urbanista, Joao Paulo Camboim de Brito,[3] foi premiado pela CBTU em 2006 no 2ºConcurso de Monografia CBTU[4] com a monografia "Tramway Natal - Sistema de Transporte Integrado".[5] Sua monografia trata de uma proposta para implantação do VLT na cidade.

Esperava-se que com a escolha de Natal como uma das sedes da Copa do Mundo de 2014, o projeto do VLT ganhasse celeridade.[6] Entretanto, o projeto corre o risco de ser substituído por um sistema de Veículo leve sobre pneus (VLP)[7] [8] ou mesmo nem sair do papel.[9]

O projeto[editar | editar código-fonte]

Segundo o superintendente da Companhia de Trens Urbanos de Natal (CBTU), José Fernandes, a obra e os equipamentos necessários à implantação do sistema custarão R$ 518 milhões e tem previsão de transportar 800 pessoas por viagem.[1] Porém o governo federal não sabe de onde tirar esse montante para a implantação do sistema.[10] Porém com o advento do Plano de Mobilidade Urbana do Ministério do Turismo e da Copa do Mundo de 2014, o projeto poderá ser acelerado logo.[11]

O projeto antigo previa que o VLT corresse somente por alguns municípios da Região Metropolitana tais como Natal, Parnamirim, Extremoz e Ceará-Mirim. Porém, a proposta sofreu alteração a pedido da governadora do estado, Wilma de Faria, para que o sistema também chegasse ao futuro Aeroporto Internacional da Grande Natal e aos outros três municípios da Grande Natal: São Gonçalo do Amarante, Macaíba e São José do Mipibu. Com isso, o projeto dobrou de tamanho e teve seu custo expandido. O atual projeto - que foi elaborado pela CBTU e pelo Ministério das Cidades - prevê a utilização de 12 trens.[10]

A governadora declarou que o VLT de Natal será um dos "mais baratos" da copa de 2014.[12]

Terminais e estações

A configuração atual do projeto prevê que o VLT terá terminais no bairro da Ribeira, na Avenida Bernardo Vieira, em Ceará-Mirim e em São José do Mipibu. São Gonçalo será servido por uma linha circular e um prolongamento para o aeroporto. Já Nísia Floresta não terá estação própria, mas sim uma ligação rodoviária com a estação de São José.

No município de Natal, o VLT terá 18 estações, em bairros e conjuntos como Quintas, Alecrim, Igapó, Bom Pastor, Cidade da Esperança, Pitimbu, Cidade Satélite, Nova Natal, Santa Catarina e Soledade, entre outros.[10]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Durante o 22º Seminário Nacional NTU e a Feira Transpúblico, organizados pela Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), em conjunto com a Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus (FABUS) com o tema "Transporte Público na Copa do Mundo", o arquiteto e urbanista Jaime Lerner, ex-governador do Paraná e ex-prefeito de Curitiba (que hoje é referência em transporte público) disse que para a copa do mundo em Natal seria viável um sistema de Ônibus Rápido de Trânsito (BRT), já que o VLT, seria, à princípio, inviável, vez que a estrutura tem um custo mais alto que o do BRT e tempo de conclusao de uma obra do porte é duradouro.[13] Porém, esta solução está sendo um pouco questionada, pois o organizador do evento foi uma empresa de transporte público.[14]

Outros projetos[editar | editar código-fonte]

Além do VLT, existem outros projetos de melhorar o transporte em Natal, tais como:

  • a Ponte Newton Navarro: já concluída e inaugurada em 2007.
  • a Via Metropolitana: complexo rodoviário orçado em R$ 130 milhões que vai melhorar o tráfego entre as principais cidades da região metropolitana de Natal.[15]
  • a Via Expressa: conjunto de avenidas, túneis e viadutos que visam ligar a zona norte da cidade (bairro do Igapó) à zona sul (Rota do Sol) e desobstruir outras avenidas.[16]
  • as obras do Pró-Transporte: já em andamento na região norte da cidade que prevê melhorias no tráfego, como construção de viadutos e duplicação de avenidas.[17]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]