Sistema de Trens Urbanos de Natal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de VLT de Natal)
Ir para: navegação, pesquisa
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes.

VLT de Natal
Informações
Local Natal, RN
Tipo de transporte Ferroviário (Veículo leve sobre trilhos)

Com uma frota de 245.845 mil carros em 2008 (o equivalente a um carro para cada três habitantes), a cidade de Natal, no estado do Rio Grande do Norte, está enfrentando um trânsito cada vez mais caótico, principalmente devido ao alto crescimento da cidade e dos municípios conurbados a essa, a chamada Região Metropolitana de Natal. Como forma de minimizar esses efeitos, está em estudo a implantação de um sistema de veículo leve sobre trilhos. Faz parte do Projeto de Modernização do Sistema de Trens Urbanos de Natal, o chamado VLT de Natal ou ainda erroneamente de metrô de superfície de Natal que atualmente vem se despontando como a solução mais adequada para a capital potiguar.[1]

O presidente da CBTU, Elionaldo Magalhães, informou que a CBTU já conta com o projeto do VLT e que o início de sua implantação está sendo objeto de estudos da Casa Civil, atendendo a um pleito da governadora do estado, Rosalba Ciarlini, e da deputada petista Fátima Bezerra, junto à então Ministra-Chefe da Casa Civil, hoje presidenta da República, Dilma Rousseff.[2]

O arquiteto e urbanista, Joao Paulo Camboim de Brito,[3] foi premiado pela CBTU em 2006 no 2ºConcurso de Monografia CBTU[4] com a monografia "Tramway Natal - Sistema de Transporte Integrado".[5] Sua monografia trata de uma proposta para implantação do VLT na cidade.

Esperava-se que com a escolha de Natal como uma das sedes da Copa do Mundo de 2014, o projeto do VLT ganhasse celeridade.[6] Entretanto, o projeto corre o risco de ser substituído por um sistema de Veículo leve sobre pneus (VLP)[7] [8] ou mesmo nem sair do papel.[9]

O projeto[editar | editar código-fonte]

Segundo o superintendente da Companhia de Trens Urbanos de Natal (CBTU), José Fernandes, a obra e os equipamentos necessários à implantação do sistema custarão R$ 518 milhões e tem previsão de transportar 800 pessoas por viagem.[1] Porém o governo federal não sabe de onde tirar esse montante para a implantação do sistema.[10] Porém com o advento do Plano de Mobilidade Urbana do Ministério do Turismo e da Copa do Mundo de 2014, o projeto poderá ser acelerado logo.[11]

O projeto antigo previa que o VLT corresse somente por alguns municípios da Região Metropolitana tais como Natal, Parnamirim, Extremoz e Ceará-Mirim. Porém, a proposta sofreu alteração a pedido da governadora do estado, Wilma de Faria, para que o sistema também chegasse ao futuro Aeroporto Internacional da Grande Natal e aos outros três municípios da Grande Natal: São Gonçalo do Amarante, Macaíba e São José do Mipibu. Com isso, o projeto dobrou de tamanho e teve seu custo expandido. O atual projeto - que foi elaborado pela CBTU e pelo Ministério das Cidades - prevê a utilização de 12 trens.[10]

A governadora declarou que o VLT de Natal será um dos "mais baratos" da copa de 2014.[12]

Terminais e estações

A configuração atual do projeto prevê que o VLT terá terminais no bairro da Ribeira, na Avenida Bernardo Vieira, em Ceará-Mirim e em São José do Mipibu. São Gonçalo será servido por uma linha circular e um prolongamento para o aeroporto. Já Nísia Floresta não terá estação própria, mas sim uma ligação rodoviária com a estação de São José.

No município de Natal, o VLT terá 18 estações, em bairros e conjuntos como Quintas, Alecrim, Igapó, Bom Pastor, Cidade da Esperança, Pitimbu, Cidade Satélite, Nova Natal, Santa Catarina e Soledade, entre outros.[10]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Durante o 22º Seminário Nacional NTU e a Feira Transpúblico[quando?], organizados pela Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), em conjunto com a Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus (FABUS) com o tema "Transporte Público na Copa do Mundo", o arquiteto e urbanista Jaime Lerner, ex-governador do Paraná e ex-prefeito de Curitiba (que hoje é referência em transporte público) disse que para a copa do mundo em Natal seria viável um sistema de Ônibus Rápido de Trânsito (BRT), já que o VLT, seria, a princípio, inviável, vez que a estrutura tem um custo mais alto que o do BRT e tempo de conclusao de uma obra do porte é duradouro.[13] Porém, esta solução está sendo um pouco questionada, pois o organizador do evento foi uma empresa de transporte público.[14]

Outros projetos[editar | editar código-fonte]

Além do VLT, existem outros projetos de melhorar o transporte em Natal, tais como:

  • a Ponte Newton Navarro: já concluída e inaugurada em 2007.
  • a Via Metropolitana: complexo rodoviário orçado em R$ 130 milhões que vai melhorar o tráfego entre as principais cidades da região metropolitana de Natal.[15]
  • a Via Expressa: conjunto de avenidas, túneis e viadutos que visam ligar a zona norte da cidade (bairro do Igapó) à zona sul (Rota do Sol) e desobstruir outras avenidas.[16]
  • as obras do Pró-Transporte: já em andamento na região norte da cidade que prevê melhorias no tráfego, como construção de viadutos e duplicação de avenidas.[17]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]