Vai que É Mole

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Vai que é Mole
 Brasil
1960 • P&B • 103 min 
Direção J.B. Tanko
Roteiro Edgar G. Alves
J.B. Tanko
Elenco Grande Otelo
Ankito
Jô Soares
Renata Fronzi
Anilza Leoni
Renato Restier
Aurélio Teixeira
Otelo Zeloni
Género comédia
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Vai que é mole é um filme brasileiro de 1960 do gênero "Comédia Musical", dirigido por J.B. Tanko. É mais uma produção estrelada pela dupla Grande Otelo e Ankito, sendo que fazem parte do elenco os atores Jô Soares, Otelo Zeloni e Renata Fronzi que poucos anos depois trabalhariam juntos novamente no famoso programa da TV brasileira Família Trapo. Número musical com Virgínia Lane, a grande vedete da época.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Macio, Brancura e Bolinha são três ladrões que saem da cadeia e logo são contatados pelo chefe Dureza para planejarem novos golpes. Maysa, a namorada de Brancura, quer que ele pare com a vida criminosa. As coisas ficam ainda mais complicadas quando Brancura recebe uma carta de sua tia, já falecida, dizendo que ela enviou seu filho José Maria para cuidar. Depois que Macio e Brancura devolvem para uma dançarina a bolsa que roubaram dela, são chamados para participarem de um programa de televisão que enaltecerá a "honestidade" dos dois, causando muita confusão pois tanto seus comparsas como a polícia sabem dos roubos que eles cometeram no passado.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]