Vajra mushti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Vajramushti)
Ir para: navegação, pesquisa
Espada japonesa mostrando a lâmina manga habaki e a mão guarda tsuba


O Vajramushti (do Sânscrito, vajra e mushti podem ter diversos significados, porém o mais aceito e correto é "Caminho do Rei") e o Kalarippayatt (que pode ser traduzido como "O caminho da arena") são artes marciais muito antigas originárias da Índia, da região de Kerala. É aceito que o Vajramushti é a arte marcial mais antiga, e todas as outras artes são derivadas dele[carece de fontes?].

Khalorika, em sânscrito, significa "o local onde se pratica as técnicas marciais dos Kshatrias". Foi daí que se acredita que a palavra Kalarippayatt tenha surgido. Kalari significa "escola" e payatu significa "arte marcial". Vajra significa "bastão, cetro", e mushti significa "soco, pancada, batida". Entretanto, o Vajramushti é mais conhecido como Kalaripayatt ou Kalaripayattu. Esta é uma das artes marciais mais antigas no mundo. Seu propósito está em ajudar a manter uma harmonia exterior e interior no homem e com a sociedade.

O Kalaripayattu era uma arte praticada pelos xátrias, a classe guerreira da Índia. Siddhartha Gautama - o Buddha - foi praticante assíduo do Kalaripayat. O Kalaripayattu é uma prática vinculada aos Rishis.

O Kalaripayattu é a Arte Antiga do "Marma", isto é, dos 108 pontos vitais no corpo humano (sthula sharira ou corpo físico denso). Kalaripayattu, Chilambam, Kabádi e Vajramushti são artes marciais praticadas em Tamil Nadu e Kerala por muitos séculos. Elas são mais divulgadas como artes de condicionamento espiritual e mental, físico e emocional do Ser Humano, do que uma mera arte de luta - como tantas que já existem.

O Kalaripayattu pode ou não ser praticado com armas, tais como: bastões longos ou curtos, lanças, espada, etc.

Surgimento[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que os Rishis guerreiros ensinaram seus segredos para os principais Brahmins. Esses, por sua vez, treinaram outros e escolheram 21 peritos em combate corpo a corpo, com os quais os guerreiros, Yodhas, foram treinados. Esses 21 guerreiros estabeleceram 21 Kalaris para proteger a terra e manter a paz.

Graças ao monge Bodhidharma, um monge Budista do Sul da Índia (um príncipe de Tamil Nadu), Kalaripayátu e o Vajramushti foram introduzidos na China e no Japão, e depois em outras terras e países. Na China, o Kalaripayátu e o Vajramushti tomaram o nome de Kung Fu. No Japão, estas artes foram desenvolvidas dentro do sistema samurai, onde criou-se e desenvolveu-se o Karate-dô e o Kempô.

A idade dourada de Kalaripayatu foi do XIII século ao século XVIII, quando as técnicas foram mais divulgadas e praticadas publicamente. Já no século XIX, os colonialistas britânicos declararam o Kalaripayatu e o Vajramushti como técnicas ilegais a sua prática e ensino foi gradualmente extinta. Poucos mestres ensinavam estas artes, e quando isto ocorria, tal ensinamento era feito reservadamente.

Kalarippayattu se espalhou na Europa devido aos esforços do Anil Machado e na América por Shiva Rhea. Eles são os mestres líderes na Europa e América.

A cultura física, mental e espiritual[editar | editar código-fonte]

O alvo do Kalaripayatu está não unicamente na arte de defesa pessoal, mas também no vigor da mente através de exercícios físicos e Yoga. O vigor da mente é o vigor de corpo.

Kalaripayatu é uma mistura única de práticas espirituais, mentais e físicas. O treinamento segue rituais estritos. No Gurukula, 'residência dos mestres', há um treinamento físico rígido, assim como treinamento ético e espiritual aos praticantes. O Kalariguru, Mestre de Defesa Pessoal, guia seus estudantes num caminho que os permitirá estarem prontos para qualquer situação na vida.

A Medicina Ayurvédica tradicional faz par com o Kalaripayatu. Seu nome é designado como "Kalarichikitsa" e baseia-se em identificar pontos vitais, 'marmas', que são tratados com massagens e óleos essenciais do Ayurveda e ervas medicinais ditadas pelos Gurus.

Atualmente no Brasil[editar | editar código-fonte]

O ensinamento do Vajramushti no Brasil foi transmitido pelo Grão-Mestre Sri Swami Vyaghrananda Bhagwan, discipulo de Shri Munirishi Saddhu, que por sua vez, foi nascido e criado em Kerala, sul da India. O sucessor do Vajramushti no Brasil, segundo o Vishwa Unnyayan Samsad e o Vishwa Parishad, é o atual grão-mestre Sri Vyaghra Yogi Gamaji, também conhecido oficialmente pelo nome de Mestre Uberto Gama, discipulo direto do Swami Vyaghrananda Bhagwan, mas antes foi estudante de diversas outras linhas de Yoga e Budismo, chegou ao quarto dan da faixa preta em Taekwondo. Afirma-se que o mestre Vyaghra Yogi Gamaji passou por diversas escolas de Yoga, antes de tornar-se mestre de Raja Vidya Yoga, citado do Bhagavad Gita. Como uma linhagem espiritual a linha Raja Vidya Yoga mantém a prática destas artes marciais em sua codificação, sob o capítulo Yodha Vidya.

"Dentro da Ordem Filosófica Vidya Yoga Ashram, a prática mais profunda do Vajramushti só é transmitida para os membros com o grau de discípulos ou instrutor-missionário. O motivo principal desta decisão é para preservar a tradição milenar e evitar a deturpação dos princípios filosóficos. Atualmente, algumas artes marciais perderam o seu verdadeiro sentido espiritual e de autoconhecimento, e passaram a ser meros esportes ou espetáculos de pancadaria." Shri Swami Vyaghra Yogi

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]