Valar (Tolkien)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Portal A Wikipédia possui o
Portal Terra-média

Os Valar e as Valier (singular, respectivamente Vala e Valië) são, na obra do escritor britânico J.R.R.Tolkien, deuses chamados Ainur que entraram em , a Terra, no início dos Tempos para construí-la, guardá-la e governá-la. A palavra Valar significa, na língua élfica Quenya, Poderes do Mundo, ao passo que Valier, também em élfico significa Rainhas dos Valar. Outros nomes que são dados a eles são os Grandes, os Governantes de Arda, os Senhores do Oeste, os Senhores de Valinor e Poderosos de Arda.

Criação e início de sua História[editar | editar código-fonte]

Consta que o Ser Supremo, chamado Eru Ilúvatar, vivia só nas Mansões Eternas de Eä, até que, de seu pensamento, ele criou os Ainur, que são sua companhia. Os Ainur cantavam sozinhos ou em pequenos grupos, pois de início só compreendiam a parte da mente de Eru da qual tinham sido criados. Mas eles passaram a se tornar mais harmoniosos, passaram a compreender os outros Ainur, e então Eru Ilúvatar reuniu todos eles diante de si e propôs um tema. Os Ainur deveriam ornamentar este tema, fazendo uma Música, a chamada Ainulindalë, a Música dos Ainur. Eles assim fizeram mas então um dos Ainur, o mais poderoso deles, chamado Melkor, provocou uma dissonância, almejando fazer uma música própria, mas sua música era repetitiva e cansativa, e alguns dos Ainur próximos a ele começaram a desviar-se do propósito inicial de Eru, e assim a dissonância foi se espalhando, até que Eru se levantou do trono, sorrindo, e ergueu a mão esquerda, sugerindo um novo tema.

Novamente Melkor entrou em dissonância com a Música, até que Eru ergueu a mão direita, com uma expressão severa e um terceiro tema surgiu, mas a música fútil de Melkor continuava e então Eru, com uma expressão terrível, ergueu as duas mãos e a Música cessou.

Eru então, para mostrar a Melkor que nenhuma música seria tocada sem ter nele próprio a fonte mais remota, desnudou diante dos Ainur a visão que, ornamentando os Temas de Eru, eles tinham tido ao cantarem. E eles viram, dentro do Vazio, um globo, a Terra, que surgira na Música, e ela era linda, e eles viram os esplendorosos Filhos de Eru. E Eru então fez com que toda a visão se tornasse realidade, dizendo "Eä! Que essas coisas Existam!".

Alguns dos Ainur que se enamoraram de Arda, a Terra, puderam descer para lá, pois a visão ainda não era plenamente concreta: seriam eles que teriam de trabalhar para que assim fosse. Desses espíritos que desceram à Terra, os mais poderosos foram chamados de Valar, e os menos poderosos, de Maiar.

Iniciou-se assim o Governo dos Valar na Terra. Melkor desceu junto, e secretamente cobiçava a Terra; e tudo que os outros Valar faziam, ele desfazia, e os outros se exauriam em reparar os danos. Esse foi o início da Terra e da História dos Valar como seus governantes.

Idioma[editar | editar código-fonte]

Aparentemente Tolkien decidiu-se depois de pensar muito por dar uma língua falada aos Valar. De início, ele só os imaginava conferenciando pelo pensamento, mas por fim resolveu que eles falariam o Valarin, a língua dos Valar e dos Maiar. Essa língua era estranha a todos os outros povos de Arda, e usava palavras longas com uma grande diversidade de som. Tolkien não chegou a desenvolver este idioma tanto quanto os idiomas élficos.

Nomes[editar | editar código-fonte]

Seguem os nomes dos Valar e das Valier, como os Elfos os chamavam em Quenya. Na Terra-média eles eram chamados por seu nome em Sindarin. Os Humanos referiam-se a eles como deuses, e tinham outros nomes para eles. Os Anões chamavam Aulë, o Vala que os criou, de Mahal.

Valar[editar | editar código-fonte]

Em ordem de poder, são eles:

  • Manwë - Rei de Arda, Senhor dos Ares e das Aves
  • Ulmo - Senhor das Águas e dos Mares
  • Aulë - Governante de toda a terra, e dos materiais nela contida, criador dos Anões
  • Námo Mandos - Senhor dos Mortos, Juiz e Oráculo dos Valar
  • Oromë - Domador das Bestas e das Feras
  • Irmo Lórien - Senhor dos Sonhos e das Visões
  • Tulkas - Senhor da Força

Valier[editar | editar código-fonte]

Em ordem de poder, são elas:

  • Varda - Rainha de Arda, Senhora da Luz e das Estrelas
  • Yavanna - Senhora e criadora de todas as Plantas e Animais
  • Nienna - Senhora do Luto e da Compaixão
  • Estë - Senhora da Cura e do Repouso
  • Vairë - Tecelã do Tempo
  • Nessa - Senhora das Danças
  • Vána - Senhora das Flores

Aratar[editar | editar código-fonte]

Dentre os quatorze Valar, oito se destacam como os de maior prestígio e poder. São chamados Aratar, os Enaltecidos.

O caso de Melkor[editar | editar código-fonte]

Melkor era, no início, o mais poderoso dos Ainur, e portanto dos Valar. No entanto, ele se rebelou contra Eru e os Valar, e por isso não é mais contado entre eles. Também fazia parte da divisão dos Aratar, não sendo mais um deles. Portanto, Melkor, o Inimigo do Mundo e Primeiro Senhor do Escuro (o Segundo foi Sauron, servo de Melkor) não é mais Vala.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Os Valar.