Valentina Tereshkova

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Valentina Tereshkova

Tereshkova em 1969.
Cosmonauta da URSS
Nacionalidade União das Repúblicas Socialistas Soviéticas soviética
Nascimento 6 de março de 1937 (78 anos)
Maslennikovo, URSS
hoje: Rússia
Outras ocupações Engenheira
Ocupação
atual
deputada
Patente militar Major-general
Tempo no espaço 2d 23h 12min
Missões Vostok VI
Insígnia
da missão
Insígnia Vostok VI
Aposentadoria 1969
Prêmios Herói da União Soviética
Ordem de Honra
Ordem da Amizade

Hero of the USSR.png Orden of Honour.png Orden of Friendship.png

Valentina Vladimirovna Tereshkova (em russo: Валентина Владимировна Терешкова; Maslennikovo, 6 de março de 1937) é a primeira cosmonauta e a primeira mulher a ter ido ao espaço, em 16 de junho de 1963, na nave Vostok VI.

Transformada em heroína nacional após o sucesso de sua missão, condecorada por líderes soviéticos, russos e estrangeiros de várias gerações, nos anos seguintes se tornou proeminente na sociedade e na política do país, primeiro na União Soviética e depois na Rússia. Até os dias atuais, é a única mulher a ter feito um voo solo ao espaço.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Oriunda de uma família proletária - seu pai era um motorista de trator, desaparecido na guerra russo-finlandesa de 1940[2] - Valentina só entrou para a escola aos oito anos e começou a trabalhar com dezoito, em uma fábrica têxtil, para ajudar a mãe viúva. Na mesma época, começou a participar de um clube de paraquedistas amadores e deu seu primeiro salto em 21 de maio de 1959. Criou o Clube de Paraquedistas Amadores da fábrica e tornou-se sua presidente. Dois anos depois, se tornou secretária do Konsomol local e recebeu um certificado de especialista em tecnologia de fiação.[2]

Aos 24 anos, em 1961, começou a estudar para se qualificar como cosmonauta, no mesmo ano em que o diretor do programa espacial soviético, Sergei Korolev,[3] considerou enviar mulheres ao espaço, numa forma de colocar a primeira mulher em órbita na frente dos Estados Unidos, durante a corrida espacial entre as duas superpotências.[4] .

Em 1962, ela foi admitida como cosmonauta, junto a mais quatro mulheres – das quais apenas ela acabou indo ao espaço – sendo a menos preparada de todas, sem educação universitária, mas uma paraquedista experiente, o que era uma considerada uma condição fundamental para o voo, já que a nave Vostok operava automaticamente, dispensando pilotagem, mas o ocupante era ejetado dela após a reentrada, pousando com um paraquedas pessoal.[2]

As condições para a aceitação das postulantes a cosmonautas eram ter menos de 30 anos, menos de 1,70 m, menos de 70 kg, saúde perfeita, ideologia pura e ao menos seis meses de experiência em paraquedismo. Ela cumpria todas as exigências. Ao final dos meses de testes, que incluíram aprendizagem de pilotagem de jatos, testes em centrífugas e isolamento completo, ela e outra candidata, Valentina Ponomaryova, foram as finalistas. Ponomaryova, mais preparada tecnicamente e com educação melhor, tinha sido a mais apta nos testes gerais mas Tereshkova tinha sido a melhor nas entrevistas com os ideólogos do Partido Comunista. De qualquer maneira, o governo soviético, cuja intenção de enviar uma mulher ao espaço era fazer propaganda política no Ocidente, pretendia fazer um voo duplo, com duas mulheres subindo ao espaço em naves separadas. O plano porém, foi cancelado de última hora pelo Politburo e decidido que apenas uma subiria; a outra nave seria pilotada por um homem.[2]

Foi Nikita Krushev quem decidiu finalmente por Tereshkova, e a idealizou como a "Nova Mulher Soviética": uma comunista devotada, trabalhadora humilde de fábrica de tecidos – Ponomaryova era piloto, cientista, engenheira, feminista, desbocada e fumava – filha de um herói de guerra e basicamente "uma boa menina". Para questões de propaganda, Krushev também achava que Valentina era a mais bonita delas.[2] Irina Solovyova, a terceira candidata melhor avaliada, ficou como cosmonauta-reserva.[5] Nikolai Kamanin, piloto herói de guerra soviético e então chefe do departamento de treinamento de cosmonautas do programa espacial soviético, depois chamaria Tereshkova de "Gagarin de saias".[2]

Primeira mulher no espaço[editar | editar código-fonte]

Em junho de 1963, a União Soviética colocou duas espaçonaves simultaneamente no espaço, lançadas com diferença de dois dias, a Vostok V e a Vostok VI. A primeira foi pilotada por Valery Bykovsky, que bateu o recorde de resistência no espaço, quando completou uma missão de cinco dias. Valentina voou na Vostok VI, lançada de Baikonur em 16 de junho, tornando-se a primeira mulher no espaço.[2] Ela completou 48 órbitas ao redor da Terra, no total de 71 horas, quase três dias, apesar das náuseas, vômitos – segundo ela pela qualidade da comida a bordo – de dores fortes na canela direita a partir do segundo dia e do desconforto psicológico que sentiu. Depois de chegarem a permanecer em órbita a uma distância de 5 km uma da outra, com Bykovsky e Tereshkova trocando impressões e saudações por rádio entre si e com o controle de terra, ambas as naves aterrissaram no dia 19 de junho.

Valentina entre os cosmonautas Yuri Gagarin e Pavel Popovich e o Premier Nikita Krushev em cerimônia em Moscou após seu voo histórico (22 de junho de 1963).

Valentina teve problemas em seu retorno. Além da falta de rádio após a nave ser colocada em órbita descendente e iniciar os procedimentos de descida, quando ejetada da Vostok VI já na atmosfera e continuar a descer de paraquedas, esteve próxima de cair dentro de um lago. Ela narra em suas memórias que se isso acontecesse talvez não conseguisse sobreviver, sem forças para nadar até a borda, estando desidatrada, exausta, com fome pelas náuseas que praticamente a impediram de comer em órbita, e psicologicamente afetada pela viagem – em princípio programada para um dia mas alongada para três, pela sensação que causou no mundo seu lançamento[6] . Mas um forte vento mudou a direção do pára-quedas e a fez cair em terra. Mesmo assim, o impacto foi forte e ela ficou com uma grande mancha roxa no nariz, que bateu no capacete, sendo obrigada a usar forte maquiagem pelos próximos dias de aparições públicas oficiais. Seus três dias a bordo da Vostok eram então mais tempo no espaço que todos os astronautas norte-americanos tinham juntos.[2] Só nos anos 1980 uma mulher russa voltaria ao espaço.[7]

No local onde Valentina pousou, existe hoje um pequeno parque com uma estátua de prata retratando a cosmonauta com os braços abertos, vestida em traje espacial e sem capacete.[8] Seu sinal de chamada na Vostok VI, "Chaika" (gaivota), tornou-se seu apelido entre o povo soviético.[5] Uma cratera na Lua, Tereshkova [9] e um asteróide, 1671 Chaika[10] , foram batizados em sua homenagem.

Vida posterior[editar | editar código-fonte]

Valentina condecorada pelo presidente russo Dmitri Medvedev. Kremlin, 2011.

Em novembro de 1963, Valentina e o cosmonauta Andrian Nikolayev se casaram e tiveram uma filha, Elena Andrianovna, considerada a primeira criança nascida de pais cosmonautas. Divorciada em 1982, casou-se novamente com um médico, Yuli Shaposhnikov, morto em 1999. Em 1969, ela formou-se em engenharia na Academia Militar da Força Aérea de Zhukovsky.[2] Após sua formatura, retirou-se oficialmente do programa espacial para entrar na política e recebeu uma comissão honorária da Força Aérea Russa, retirando-se com a patente de major-general.[11]

Ao realizar o primeiro voo espacial feminino, Valentina recebeu as duas principais condecorações do país, Herói da União Soviética e a Ordem de Lenin, além de outras comendas e homenagens importantes. Em 2013, durante as comemorações do 50º aniversário de seu voo, recebeu a Ordem de Alexandre Nevsky das mãos de Vladimir Putin.[12] Ela também foi presidente do comitê das mulheres soviéticas e tornou-se membro do Soviete Supremo, o parlamento da URSS, e do Presidium, um grupo especial dentro do governo soviético, tendo sido proeminente na política do país de 1966 a 1991, representando a URSS na Conferência das Nações Unidas para o Ano Internacional da Mulher na Cidade do México em 1975.[2]

Em 2011 foi eleita deputada pelo partido Rússia Unida, o mesmo de Putin e Dmitri Medvedev.[13] Atualmente ela vive entre Yaroslavl, perto da filha e da neta, e Moscou, onde exerce seu mandato parlamentar.[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Valentina Tereshkova

Referências

  1. Fifty years ago, Valentina Tereshkova became first woman in space ABCNewsAU. Visitado em 10/12/2013.
  2. a b c d e f g h i j Tereshkova astronautix. Visitado em 10/12/2013.
  3. Першая жанчына‑касманаўт ў дзяцінстве гаварыла па‑беларуску (em russo) Página visitada em 16 de junho de 2012.
  4. Valentina Tereshkova.
  5. a b Vostok 6 astronautix. Visitado em 10/12/2013.
  6. Feldman, Heather. Valentina Tereshkova: The First Woman in Space. The Rosen Publishing Group, 2003. ISBN 0-8239-6246-6, ISBN 978082396246
  7. Savitskaya Spacefacts. Visitado em 10/12/2013.
  8. Google Maps - Vostok 6 Landing Site - Monument Photo closeup. Visitado em 2010-12-26.
  9. Tereshkova Gazetteer of Planetary Nomenclature. Visitado em 10/12/2013.
  10. 1671 Chaika (1934 TD) NASA. Visitado em 10/12/2013.
  11. First Woman in space visits Esoc ESA. Visitado em 13/12/2013.
  12. a b Fifty Years of Women in Space The Daily Beast. Visitado em 11/12/2013.
  13. Valentina Tereshkova revela segredos de voo pioneiro ao espaço Diário da Rússia. Visitado em 10/12/2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]