Vasili Arkhipov

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Vasili Arkhipov (1926-1999)[1] foi um Comandante[2] da Marinha soviética que, impedindo o lançamento de torpedos nucleares de seu submarino B-59[2] em 27 de outubro de 1962,[3] no ponto mais alto da Crise dos Mísseis,[4] salvou o mundo de uma guerra nuclear.[5] [6] [7] [8] Seu submarino tinha sido bombardeado por cargas de profundidade dos Estados Unidos e o ar estava acabando, mas Arkhipov preferiu esperar por instruções de Moscow,[9] enquanto o Capitão Valentin Savitsky havia concluído que uma guerra já tinha se iniciado acima deles.[2] Arkhipov teve uma discussão acalorada com o Capitão, mas conseguiu persuadi-lo a emergir e tentar comunicação com Moscow.[2]

Arkhipov nasceu de uma família camponesa na cidade de Staraya Kupavna, perto de Moscow em 30 de janeiro de 1926.[1] Foi educado na Pacific Higher Naval School e graduou-se na Caspian Higher Naval School em 1947.[1]

Referências

  1. a b c Cuban Missile Crisis: The Essential Reference Guide (em inglês) Google Books (2012). Página visitada em 26 de maio de 2014.
  2. a b c d History's Narrowest Escapes (em inglês) Google Books (2013). Página visitada em 26 de maio de 2014.
  3. Playing nice: a multi-methodological study on the effects of social conformity on memory (em inglês) National Center for Biotechnology Information (2013). Página visitada em 26 de maio de 2014.
  4. Imagining "one world": Rabindranath Tagore's Critique of Nationalism (em inglês) Ποιειν Και Πραττειν (2012). Página visitada em 26 de maio de 2014.
  5. Hegemonía o supervivencia (em espanhol) 108 pp. Google Books (2004). Página visitada em 26 de maio de 2014.
  6. A revolução cubana 50 pp. Google Books (2004). Página visitada em 26 de maio de 2014.
  7. O Poder do Não Positivo 105 pp. Google Books (2007). Página visitada em 26 de maio de 2014.
  8. Cuba e a eterna guerra fria: isolamento ou reinserção? (PDF) 50-51 pp. USP (2013). Página visitada em 26 de maio de 2014.
  9. Organization Theory, Intelligence, and the Cuban Missile Crisis (PDF) (em inglês) 12 pp. Stanford University (2010). Página visitada em 26 de maio de 2014.