Vasili Samarsky-Bykhovets

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Vasili Evgrafovich Samarsky–Bykhovets (Oblast de Tomsk, 7 de Novembro de 180331 de Maio de 1870), em em russo: Василий Евграфович Самарский–Быховец, também conhecido por Basílio Samara ou Samarski, foi um militar, geólogo e engenheiro de minas ligado à descoberta, em 1847, do mineral samarskite[1] em amostras recolhidas numa mina da região de Miass, nos Montes Urais. Foi também homenageado na designação do elemento químico samário, isolado a partir da samarskite, sendo a primeira pessoa cujo nome foi incorporado na designação de um elemento químico[2] [3] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu na região de Tomsk, na Sibéria, no seio de uma família da nobreza russa. Ingressou no Exército Imperial Russo como cadete, graduando-se em 1823 na então Escola de Minas do Corpo de Cadetes (Горный кадетский корпус), em São Petersburgo, o actual Universidade Estatal de Minas de São Petersburgo (СПГГУ — Санкт-Петербургский государственный горный университет (национальный исследовательский университет)), à época já uma das melhores instituições de investigação e ensino da mineralogia e tecnologia de minas da Europa.

Iniciou a sua carreira como oficial do Corpo de Engenheiros de Minas do Exército Russo sendo colocado na instalações metalúrgicas de Kolyvan-Voskresensky (Колывано-Воскресенских), transferido pouco depois para as funções de encarregado das minas de Salair (Салаирского), nos Montes Altai da Sibéria, e depois para as de inspector das minas de Ridder e Krukovka (Риддерского и Крюковского), no actual Cazaquistão.

Em 1828 foi transferido para São Petersburgo, onde foi sucessivamente nomeado para os cargos de assistente do director do Gabinete Mineralógico Imperial, a colecção de minerais da corte imperial russa, e chefe do Departamento de Mineração do governo imperial.

Em 1834 foi promovido a capitão e colocado no estado-maior do Corpo de Engenheiros de Minas (КГИ — Корпуса горных инженеров), em São Petersburgo, passando a leccionar na escola de mineração onde se graduara. Em 1843 foi promovido a coronel e em 1846 foi nomeado chefe de estado-maior do Corpo de Engenheiros de Minas, cargo que exerceu até 1861.

Enquanto chefe de estado-maior do Corpo de Engenheiros de Minas, integrou a comissão formada em 1847, sob a presidência de Maximiliano de Beauharnais, o duque de Leuchtenberg e genro do imperador Nicolau I da Rússia, para promover a elaboração dos estatutos do Instituto Estatal de Minas (штата Горного Института), do qual passou a ser professor.

Em 1852 integrou a comissão encarregue do desenvolvimento da produção de aço na Rússia e em 1853 foi encarregue de melhorar a produção siderúrgica em Olonets e de propor mudanças na gestão das instalações mineiras e de siderurgia existentes naquela região.

A partir de 1855 foi nomeado presidente do serviço de auditoria das minas do Império Russo, cargo que passou a acumular com as funções de chefia do estado-maior do Corpo de Engenheiros de Minas e de membro conselho e da comissão científico daquela instituição. Manteve também a sua actividade docente no Instituto de Mineração do Corpo de Engenheiros de Minas. Em 1860 foi promovido a tenente-general.

Em 1861 cessou as suas funções de chefia do estado-maior Corpo de Engenheiros de Minas e nesse mesmo ano foi nomeado presidente do Corpo de Engenheiros de Minas, e pouco mais tarde presidente do Conselho de Mineração e da comissão de revisão do Código de Mineração. Em 1862 esteve de licença no estrangeiro durante três meses para visitar a Exposição Internacional de Londres.

Durante a sua longa e distinta carreira como oficial militar e administrador da mineração no Império Russo recebeu diversas distinções honoríficas, entre as quais a de membro da Ordem da Águia Branca[4] [5] . Em 1839 o químico Heinrich Rose deu o nome de samarskite a um novo mineral descoberto em amostras enviadas de Miass[1] , nos Urais meridionais, por iniciativa de Vasili Evgrafovich Samarsky–Bykhovets. Quando nesse mineral foi identificado um novo elemento químico, o mesmo foi denominado samário, sendo o primeiro nome de um elemento criado para homenagear uma pessoa.

Apesar de duplamente homenageado na designação da samarskite e do samário, Samarsky–Bykhovets não esteve directamente envolvido na investigação que levou à identificação daquelas substâncias, tendo apenas, como oficial encarregue da administração mineira da Rússia, autorizado o acesso a amostras minerais recolhidas nos Urais. Essa autorização foi concedida ao mineralogista alemão Gustav Rose, que em 1839 descreveu um novo mineral encontrado nessas amostras ao qual deu o nome de uranotantalum, acreditando que na sua composição estava presente o elemento químico tântalo. Em 1846–1847, o irmão e colega mineralogista Heinrich Rose determinou que o principal constituinte do mineral era o nióbio e sugeriu uma alteração de nome para evitar confusão com outros minerais. O novo nome escolhido por Gustav Rose foi samarskite em reconhecimento pelo papel de Samarsky–Bykhovets na obtenção das amostras onde o mineral fora identificado[6] [7] . Mais tarde diversos elementos do grupo dos lantanídeos foram isolados daquele mineral, entre os quais o samário, nome derivado do mineral, mais uma vez prestando assim indirectamente homenagem a Samarsky–Bykhovets[3] .

Notas

  1. a b Samarskite, Grande Enciclopédia Soviética (em russo)
  2. Chemistry in Its Element – Samarium, Royal Society of Chemistry
  3. a b Samarium: History & Etymology
  4. Самарский-Быховец, Василий Евграфович (in Russian)
  5. Самарский-Быховец, Василий Евграфович, obituary, "Русский Инвалид" (Russian invalide), 1870, No. 129 (in Russian)
  6. Популярная библиотека химических элементов(em russo).
  7. Горный журнал (Jornal de Minas), 1847, parte II, vol. 4, p. 118. "Я предлагаю изменить название уранотантал в самарскит, в честь полковника Самарского, по благосклонности которого я был в состоянии производить над этим минералом все изложенные наблюдения" (proponho redenominar o uranotantalum para samarskite em homenagem ao coronel Samarsky, a cuja benevolência devo ter conduzido os meus estudos sobre esse mineral)

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Перечень русских горных деятелей.(Из бумаг покойного горного инженера С. Н. Кулибина). – Горный журнал, 1900, т. 3, кн. 8
  • Русский биографический словарь.
  • «Список Генералам, штаб- и обер-офицерам КГИ» (с 1835 по 1865 гг.)
  • «Список лиц главного и местных управлений по горной, монетной и соляной частям Российской империи на 1862 год» (в кн.: Памятная книжка для русских горных людей на 1862-1863 гг. СПб., 1863).
  • Послужной список в Архиве Горного Дeпартамента Мин. Земледелия и Государственных Имуществ за 1870 г.
  • Некролог в «Русском Инвалиде», 1870 г., № 129.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]