Versificação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A versificação é o estudo de técnicas para propiciar a eufonia dos versos de um poema ou música.#

Elementos da versificação[editar | editar código-fonte]

Ritmo[editar | editar código-fonte]

O ritmo do poema é a sucessão de sons fortes (sílabas tônicas) e sons fracos (sílabas átonas), repetidas com intervalos regulares ou variados que dão musicalidade (melodia) ao poema.

No poema, as pausas existem não necessariamente através de sinais de pontuação, mas as palavras provocam a melodia e, o ritmo é determinado por elas e pela sequência de sons.

A distribuição das sílabas átonas e tônicas e o tamanho do verso determinam o seu ritmo. E para medi-lo é necessário observar a quantidade e a intensidade das sílabas.

Metrificação:[editar | editar código-fonte]

A metrificação é o estudo da medida dos versos, geralmente em poemas. Fazer a contagem das sílabas poéticas.

As sílabas dos versos são sonoras e sua contagem é feita de maneira auditiva, diferente, portanto, da contagem gramatical que considera o número de sílabas gráficas

Sílabas dos versos:

"Ah!/Quem/ há/ de/ ex/pri/mir/, al/ma/ im/po/nen/te/ e/ es/cra/va" (Olavo Bilac) - 17 sílabas gramaticais.

Sílabas poéticas

"Ah!/ Quem/ há/ de ex/pri/mir/,al/ma im/po/nen/te e es/cra/va" (Olavo Bilac) - 12 sílabas poéticas.

  • Na contagem de sílabas poéticas, as palavras estão ligadas umas às outras mais intimamente, é o que confere ao texto o ritmo e a melodia próprios dos versos.
  • O encontro entre duas vogais iguais é chamado de crase.
  • O encontro entre duas vogais diferentes é chamado de elisão.
  • As sílabas são contadas até a última sílaba tônica do verso.

Encadeamento (ou Enjambement)[editar | editar código-fonte]

Quando o verso não finaliza justamente com um segmento sintático, ocorre o encadeamento, que é a continuação do sentido de um verso no verso seguinte.

Verso[editar | editar código-fonte]

O verso é cada "linha" do poema. Os versos são classificados de acordo com o número de sílabas poéticas que possuem

  • Verso monossílabo: 1 sílaba poética.
  • Verso dissílabo: 2 sílabas poéticas.
  • Verso trissílabo: 3 sílabas poéticas.
  • Verso tetrassílabo: 4 sílabas poéticas.
  • Verso pentassílabo ou redondilha menor: 5 sílabas poéticas.
  • Verso hexassílabo ou heroico quebrado: 6 sílabas poéticas.
  • Verso heptassílabo ou redondilha maior: 7 sílabas poéticas.
  • Verso octossílabo: 8 sílabas poéticas.
  • Verso eneassílabo: 9 sílabas poéticas.
  • Verso decassílabo ou heroico: 10 sílabas poéticas.
  • Verso hendecassílabo: 11 sílabas poéticas.
  • Verso dodecassílabo ou alexandrino: 12 sílabas poéticas.
  • Verso bárbaro: 13 ou mais silabas poéticas.

Forma[editar | editar código-fonte]

O estudo da forma identifica a disposição dos versos ao longo do poema e como tal estabelece a natureza e o tom do mesmo.

Estrofação[editar | editar código-fonte]

Chama-se dístico, a estrofe com dois versos; terceto com três; quarteto com quatro;... Oitava com oito...

O soneto é composto por 14 versos (dois quartetos e dois tercetos)

Disposição das Rimas[editar | editar código-fonte]

Quanto à disposição, as rimas podem ser alternadas (ABAB), interpoladas ou cruzados (ABBA), emparelhadas (AABB), e mistas (quando apresentam outros tipos de combinação)

Tipos de versos[editar | editar código-fonte]

a- Versos brancos ~> Não possuem rima b- Versos livres ~> Não possuem métrica fixa

Sistemas de versificação[editar | editar código-fonte]

Greco-Latina[editar | editar código-fonte]

O verso Greco-Latino é formado por pés em que se alternam sílabas longas e breves podendo o pé ser Troqueu, Dátilo ou Peônio dependendo de sua composição.

Neo-Latina[editar | editar código-fonte]

Nas línguas neo-latinas a contagem dos versos não se dá pelo número de pés, mas sim pelo número de sílabas fonéticas.

Portuguesa[editar | editar código-fonte]

Na língua portuguesa o sistema versificatório conta as sílabas poéticas até a última tônica.

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • MACAMBIRA, José Rebouças - Estrutura Musical do Verso e da Prosa - Editora Pioneira - 1983 Fortaleza
  • CARVALHO, Amorim de. Tratado de versificação portuguesa. 5. ed. Lisboa: Universitária, 1987. creu

Ver também[editar | editar código-fonte]