Vespa mandarina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde setembro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma caixa taxonómicaVespa mandarina
Picture Vespa.jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Hymenoptera
Família: Vespidae
Género: Vespa
Espécie: V. mandarinia

A vespa gigante asiática ou vespa mandarina (vespa mandarinia) é a maior vespa do mundo, sendo nativa da Ásia oriental e encontrada em ambiente tropical. O seu comprimento é de aproximadamente 50 milímetros, com uma envergadura de aproximadamente 76 milímetros. A rainha pode alcançar um comprimento de 55 milímetros. No Japão, a vespa mandarina é chamada de abelha-do-pardal ou suzumebachi, alusão ao seu tamanho e coloração. Existe uma subpécie chamada vespa mandarinia japonica e conhecida no Japão por oosuzumebachi.

A vespa mandarina é uma caçadora implacável que se alimenta de outros grandes insetos, tais como abelhas, outras vespas e mantis religiosas (louva-a-deus). As vespas mandarinas atacam frequentemente colmeias de abelhas do tipo europeia Apis mellifera, com o objetivo de obter as larvas. Uma única vespa, ao se aproximar cautelosamente do ninho, libera um feromônio que conduzirá as outras vespas até à colmeia. As vespas mandarinas podem devastar completamente uma colônia de abelhas : um único zangão pode matar 40 abelhas graças às suas grandes mandíbulas, que podem rapidamente golpear e decapitar uma abelha. Elas demoram apenas algumas horas para eliminar a população de uma colmeia de 30.000 membros. No final da batalha, as vespas alimentam-se das larvas e do mel das abelhas. Porém, existe uma subespécie de abelhas, nativa do arquipélago japonês, que tem uma estratégia eficaz contra os ataques da vespa mandarina. Trata-se da Apis cerana niponica. Ao primeiro sinal da presença inimiga, todo o enxame organiza um contra-ataque às investidas da primeira vespa batedora que libera o feromônio de ataque para as outras invasoras chegarem, e desse modo atrai-a mais e mais para perto do enxame com um outro feromônio atrativo de "boas vindas" e gradualmente atacam às dezenas contra a invasora, sufocando a vespa pelo fato da temperatura corporal exceder os 50° C que a mesma comporta, matando-a. É um grande exemplo de adaptação evolutiva ao meio.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]