Victor Hugo de Azevedo Coutinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Victor de Azevedo Coutinho, c. 1914.

Victor Hugo de Azevedo Coutinho GC CGO A (Macau, 12 de Novembro de 1871Lisboa, 27 de Junho de 1955) foi um oficial da Armada, professor da Universidade de Coimbra e da Escola Naval e político ligado ao Partido Democrático que exerceu as funções de Presidente do Ministério de um dos governos da Primeira República Portuguesa, tendo governado entre 12 de Dezembro de 1914 e 25 de Janeiro de 1915. Composto essencialmente por figuras políticas de segunda linha, esse Ministério ficou jocosamente conhecido pelos "Miseráveis de Victor Hugo" e também por "Adega do Braga", devido ao facto de Alexandre Braga fazer parte do elenco governativo, numa altura em que os seus problemas com o álcool eram bem conhecidos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu na freguesia de São Lourenço da cidade de Macau, filho do general de brigada Manuel de Azevedo Coutinho e de Leonor Stuart Mendonça de Azevedo Coutinho.

Assentou praça na Armada Portuguesa, sendo admitido como aspirante em 5 de Novembro de 1888. Concluído o curso da Escola Naval, foi promovido a guarda-marinha em 1892, iniciando uma carreira militar naval multifacetada que o levaria ao posto de capitão-de-mar-e-guerra em 1929 (2.º tenente em 1893; 1.º tenente em 1899; capitão-tenente em 1914; e capitão-de-fragata em 1917).

Especializou-se em Engenharia Hidrográfica e para além do exercício de funções docentes, políticas e na administração colonial, ao longo dessa carreira integrou as guarnições de vários navios de guerra, entre os quais as corvetas Vasco da Gama (1889, 1893), Bartolomeu Dias (1890, 1893), Mindelo (1891, 1893) e Duque da Terceira (1899), dos transportes África (1889, 1893, 1898) e Índia (1896), da fragata D. Fernando II e Glória (1891), da barca Cabinda (1892, 1893) e das canhoneiras Limpopo (1892, 1902–1903), Rio Lima (1895), Zaire (1896) e Vouga (1905).

Participou activamente nas campanhas de pacificação conduzidas pelas forças militares portuguesas em Moçambique, tendo integrado as forças que fizeram a Campanha de Lourenço Marques (1894–1895) e a Campanha de Gaza (1897). Passou à reserva no dia 12 de novembro de 1933.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Bernardino Machado
Presidente do Ministério de Portugal
19141915
(VIII Governo Republicano)
Sucedido por
Joaquim Pimenta de Castro
Precedido por
Augusto Eduardo Neuparth
Ministro da Marinha de Portugal
(1.ª vez)
19141915
(VIII Governo Republicano)
Sucedido por
Joaquim Pimenta de Castro
(interino)
José Xavier de Brito
(de facto)
Precedido por
José de Castro
Ministro da Marinha de Portugal
(2.ª vez)
19151916
(XII e XIII Governo Republicano)
Sucedido por
José António Arantes Pedroso
Precedido por
João Manuel de Carvalho
Ministro da Marinha de Portugal
(3.ª vez)
19221923
(XXXV, XXXVI e XXXVII Governo Republicano)
Sucedido por
Abel Fontoura da Costa
(inicialmente interino)
Precedido por
José Maria Barbosa de Magalhães
Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal
(interino)
1922
(XXXV Governo Republicano)
Sucedido por
José Maria Barbosa de Magalhães
Precedido por
José Maria Barbosa de Magalhães
Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal
(interino)
1922
(XXXV Governo Republicano)
Sucedido por
José Maria Barbosa de Magalhães
Precedido por
Manuel Moreira da Fonseca
Alto comissário e governador-geral de Moçambique
19241926
Sucedido por
Artur Ivens Ferraz