Vida Antes da Vida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Life Before Life: A Scientific Investigation of Children's Memories of Previous Lives
Vida antes da vida: Uma pesquisa científica das lembranças que as crianças têm de vidas passadas
Autor (es) Jim B. Tucker
Idioma Inglês
País  Estados Unidos
Editora St. Martin's Press
Lançamento 2005
Páginas 251
ISBN 0-312-32137-6
Edição portuguesa
Edição brasileira
Tradução Gilson César Cardoso de Souza
Editora Editora Pensamento
Lançamento 2007
Páginas 208
ISBN 978-85-315-1505-7

Vida antes da vida: Uma pesquisa científica das lembranças que as crianças têm de vidas passadas é a tradução do livro escrito em 2005 pelo psiquiatra Jim B. Tucker Life Before Life: A Scientific Investigation of Children's Memories of Previous Lives.[1] Apresenta uma visão geral a mais de 40 anos de investigação sobre a reencarnação na Divisão de Estudos da Personalidade da Universidade de Virginia, sobre relatórios de meninos que recordam vidas anteriores. O livro também examina marcas e defeitos de nascimento que coincidem com as de uma pessoa falecida identificada previamente pelo menino".[2] Vida antes da vida tem sido traduzido a dez idiomas[3] e o prólogo do livro está escrito por Ian Stevenson.[4]

O livro desafia a noção de que a consciência é unicamente o resultado do funcionamento do cérebro. Sugere que a consciência pode ser considerada de forma separada do cérebro, o que proporcionaria uma base para afirmar a ideia da reencarnação.[2] O livro também trata as objeções à reencarnação: A escassez de pessoas que realmente dizem recordar uma vida passada, a fragilidade das lembranças, a explosão demográfica, o problema mente-corpo, fraude, e outras.[4]

Tucker reconhece que nenhum dos casos examinados é perfeito, e que "a memória defeituosa dos informantes" ver-se-ia como a "melhor explicação normal para muitos dos casos" analisados no livro.[5] Tucker analisa isto referindo a vários estudos relevantes realizados, e argumenta que não há respaldo para concluir que os informantes recordem declarações ou eventos de forma incorreta.[5]

Tucker está basicamente de acordo com Ian Stevenson, que afirma que "a reencarnação é a melhor explicação, —ainda que não a única—, para os casos mais sólidos pesquisados".[6] Tucker reconhece que para alguns leitores pode parecer uma "afirmação incrível" o que "as lembranças, as emoções e as lesões físicas possam às vezes levar de uma vida à seguinte".[6] No entanto, argumenta que não é mais incrível que muitas ideias aceitadas actualmente em física, que pareciam o ser quando foram originariamente propostas.[6]

Escreveram-se análises sobre o livro em várias publicações, incluindo o Journal of Parapsychology,[7] Journal of Scientific Exploration,[8] Philosophical Practice,[9] e PsycCRITIQUES.[2]

Veja-se também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Outros dois livros com o mesmo título e temática similar são Life Before Life de Helen Wambach (1984) e Life Before Life: Origins of the Soul...Knowing Where You Came From and Who You Really Are (2000) de Richard Eyre.
  2. a b c Butziger, R. "A Scientific Look at Reincarnation", PsycCRITIQUES, 51(22), 31 de Maio de 2006, pág. 282.
  3. Cedar Creek Institute Board Members: Jim B. Tucker
  4. a b Jim B. Tucker (2005). Life Before Life: A scientific Investigation of Children's Memories of Previous Lives, St. Martin's Press, Nova York, 256 págs. ISBN 0-312-32137-6.
  5. a b Jim B. Tucker (2005). Life Before Life: A scientific Investigation of Children's Memories of Previous Lives, St. Martin's Press, New York, págs. 205-209.
  6. a b c Jim B. Tucker (2005). Life Before Life: A scientific Investigation of Children's Memories of Previous Lives, St. Martin's Press, Nova York, p. 211.
  7. Journal of Parapsychology, 69(1): 188-194, 2005.
  8. Michael Levin, Book Review: Life Before Life, Journal of Scientific Exploration, Vol 19, Nº 4, 2005.
  9. Naomi Thomas, "Life Before Life: A Scientific Investigation of Children's Memories of Previous Lives", Philosophical Practice, 2(2): 131-133, 2006.

Enlaces externos[editar | editar código-fonte]