Vida Nova

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde setembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Vida Nova
Informação geral
Formato Telenovela
Criador(es) Benedito Ruy Barbosa
País de origem  Brasil
Idioma original (em português)
Produção
Diretor(es) Reynaldo Boury
Luiz Fernando Carvalho
Elenco Yoná Magalhães
Nívea Maria
Carlos Zara
Osmar Prado
Lauro Corona
Deborah Evelyn
Giuseppe Oristânio
Patrícia Pillar
Antônio Petrin
Paulo José
José Lewgoy
ver mais
Tema de abertura Nada Além - Nelson Gonçalves
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Rede Globo
Transmissão original 21 de novembro de 1988 - 5 de maio de 1989
N.º de episódios 143
Cronologia
Último
Último
Fera Radical
Pacto de Sangue
Próximo
Próximo

Vida Nova é uma telenovela brasileira que foi produzida pela Rede Globo e exibida no horário das 18 horas entre 21 de novembro de 1988[1] e 5 de maio de 1989, em 143 capítulos, substituindo Fera Radical e sendo sucedida por Pacto de Sangue. Foi escrita por Benedito Ruy Barbosa[1] e dirigida por Luiz Fernando Carvalho.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

São Paulo, 1945. Fim da Segunda Guerra Mundial. A elegante e alegre Laura (Dona Lalá), ex-prostituta que organizou sua vida ao lado da filha, sem perceber as atenções de Antônio Sapateiro, homem tímido e sonhador totalmente apaixonado por ela.

Num cortiço no bairro do Bixiga, vivem outros casais. Como Gema, que, julgando-se viúva, se casa com Pietro, um italiano apaixonado, e vive feliz até que o primeiro marido, Sebastião, aparece vivo. Também o jovem casal Bruno e Bianca; e Sara, jovem dona de uma pensão cortejada por um de seus hóspedes, o libanês Michel, bem mais velho que ela. E o italiano Antônio do Mercado, um trabalhador incansável que mantém com sacrifício o filho Toninho num dos melhores colégios de São Paulo, mas não vê com bons olhos o amor que nasce entre seu filho e a jovem Marialina, filha de Lalá.[1]

Também o envolvente caso de amor do português Manuel Victor e da judia Ruth, proibido pelos pais da moça por causa da religião, e abalado pelas intrigas da caipirinha Gracinha, filha do poderoso Coronel Antenor, e apaixonada pelo português. Agora, eles tentam desvendar um crime perfeito e apenas um fio de esperança perdida.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Nívea Maria como Gema.
Deborah Evelyn como Ruth.
Marcos Winter como Toninho.

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Nacional[editar | editar código-fonte]

Capa: Patrícia Pillar

Internacional[editar | editar código-fonte]

Capa: Yoná Magalhães

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Benedito Ruy Barbosa propunha uma variação do tema iniciado com Os Imigrantes, sucesso produzido em 1981 pela TV Bandeirantes, e a qual ele voltou em novelas posteriores.
  • Último trabalho do ator Lauro Corona, que sairia de Vida Nova no mês de março, antes do fim, para tratar de problemas de saúde. Sua personagem, o português Manuel Víctor, vai embora da vila, embarcando num carro preto numa noite chuvosa. Lauro morreu na fatídica quinta-feira, de 20 de julho de 1989, vítima da Aids.
  • Primeira novela de Marcos Winter.
  • O papel da cafetina que chantageava Lalá (Yoná Magalhães), começou sendo feito por Eloísa Mafalda, mas como esta não chegou em um acordo financeiro com a Globo, foi substituída por Lourdes Mayer, que fez o papel até o final. Nota: embora tenha sido contratada da Globo por muitos anos, nessa época Mafalda decidiu ter contratos por obra, pois achou que seria mais rentável.
  • O tema de abertura da novela era uma gravação de Nada Além, na voz de Nelson Gonçalves, que em 2007, 19 anos depois, tornaria-se tema da 2ª abertura da novela Eterna Magia, só que na voz de Sidney Magal.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre telenovelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.