Vine (serviço)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Vine (aplicativo))
Ir para: navegação, pesquisa
Vine
Vine logo green.png
Autor Dom Hofmann
Rus Yusupov
Colin Kroll
Desenvolvedor Twitter
Lançamento 24 de janeiro de 2013 (1 ano)
Idioma(s) 25 línguas
Sistema operacional iOS, Android, Windows Phone
Gênero(s) Serviço de armazenamento de vídeos
Licença Software gratuito
Estado do desenvolvimento Ativo
Tamanho 14 MB
Página oficial vine.co

Vine é um serviço de armazenamento de vídeos em formato curto. Fundado em junho de 2012, foi adquirido pelo site em microblogging Twitter em outubro de 2012, antes de seu lançamento oficial. O serviço permite aos usuários gravar e editar seus clipes de vídeo em sequência de seis segundos e revinar. Revinar é o lugar onde você pode compartilhar com outras pessoas os posts com seus seguidores. Alguns Vines são revinados automaticamente com base no que é popular. Os vídeos podem ser, em seguida, publicado através da rede social do Vine e compartilhado em outros serviços, como Facebook e Twitter. O aplicativo do Vine também pode ser usado para navegar através dos vídeos postados por outros usuários, além dos grupos de vídeos por tema e vídeos de tendências.

História[editar | editar código-fonte]

O Vine foi fundado por Dom Hofmann, Rus Yusupov e Colin Kroll em junho de 2012. A empresa foi adquirida pelo Twitter em outubro de 2012 por 30 milhões de dólares, declarados.[1] [2]

O Vine estreou em 24 de janeiro de 2013[3] [4] como um aplicativo gratuito na App Store do iOS. Em 2 de junho de 2013, o Vine para Android foi disponibilizado como um aplicativo gratuito na Google Play.[5]

Em alguns meses, o aplicativo tornou-se o serviço de compartilhamento de vídeos mais utilizado no mercado, mesmo com baixa adoção do app.[6] Em 9 de abril de 2013, o Vine se tornou o aplicativo gratuito mais baixado dentro da App Store[7] e e em 1 de maio de 2014, o Vine lançou uma versão web do serviço para explorar os vídeos.[8]

Características[editar | editar código-fonte]

O Vine permite aos usuários gravar videoclipes curtos de seis segundos de duração[9] [3] [10] [4] durante a gravação através do aplicativo da câmera. A câmera grava somente enquanto a tela está sendo tocada, permitindo aos usuários editar em tempo real ou criar efeitos em stop motion.[11]

Recursos adicionais foram adicionados ao aplicativo em julho de 2013; estes incluem grade e uma ferramenta para a câmera de imagem fantasma, curadoria de canais (incluindo áreas temáticas e tendências de tópicos/usuários), capacidade de vídeos de dar "revine" em um fluxo de vídeos pessoais e proteger posts.[12]

Em julho de 2014, o Vine atualizou seu aplicativo com um novo "contador de loop " no sentido de que sempre que alguém vê um vine, um número em cima do vídeo aparecerá mostrando quantas vezes ele foi visto. A contagem do "loop" também inclui visualizações de vines que são incorporados em outros sites.[13] [14]

Uso[editar | editar código-fonte]

O Vine tem atraído diferentes tipos de usos, incluindo um formato curto de comédia e apresentações de música,[15] e animações em stop motion.[16] O serviço também tem sido usado para o jornalismo: em 1 de fevereiro de 2013, uma jornalista turco usou ele para documentar o rescaldo de um ataque suicida em frente à embaixada dos Estados Unidos na Turquia, para o qual ele descobriu que 6 segundos de vídeo iria cobrir todos os detalhes importantes.[17] O Vine também vem ganhando espaço como uma ferramenta promocional; em 2013, a lista de faixas do álbum Random Access Memories do Daft Punk foi revelado através de um vídeo no Vine,[18] e em 9 de setembro de 2013, a Dunkin' Donuts tornou-se a primeira empresa a usar apenas o Vine como propaganda de televisão.[19]

Vídeos de músicas orientada também tiveram sucesso com o serviço; em julho de 2013, um post no Vine apresentando um grupo de mulheres dançando twerk à canção de 2012 "Don't Drop That Thun Thun" se tornou um viral, gerando vídeos de resposta, e levou a música previamente obscura a pico de #35 na parada Billboard Hot 100.[20] [21] [22]

Em março de 2013, 22 Vines foram apresentados em uma exposição intitulada #SVAES (The Shortest Video Art Ever Sold; O Vídeo Arte mais Curto já Vendido) na feira de arte Movimento e Imagem em na cidade de Nova Iorque. Cópias dos vídeos estavam disponíveis para compra em pen drives por US$200 cada. "Tits on Tits on Ikea" de Angela Washko foi vendida para uma assessora holandesa, curadora e coletora Myriam Vanneschi durante o evento, marcando a primeira venda de um Vine como arte.[23]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Uma crítica da BBC descreveu a coleção de vídeos do Vine ser "hipnotizante", como "[assistir a um] carrossel desconcertante em fatias de seis segundos da vida comum passada.".[16]

Logo após seu lançamento, o Vine enfrentou críticas de como ela controlaria a pornografia; enquanto pornô não é proibido pelas diretrizes do Twitter,[24] um clipe sexualmente explícito foi acidentalmente caracterizado como a "Escolha do Editor" no aplicativo Vine, como resultado de "erro humano".[25] Como o conteúdo pornográfico viola os termos de serviços da Apple,[26] a classificação do aplicativo foi alterado para maior de 17 anos em fevereiro de 2013 após um pedido da Apple.[27] Causando tal reação por causa da "Escolha do Editor", muitos usuários do Vine disse que iria parar de usar o aplicativo. O Twitter começado logo encerra tais vídeos que apareceram na página inicial. Em reação, o Twitter tem atualizado seus termos de serviço, afirmando que eles reservam o direito de remover quaisquer mensagens que são "pornográfico ou sexualmente explícito" sem o consentimento do usuário.

O Vine foi listado entre os 50 Melhores Apps de 2013 pela Time.[28]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Fried, Ina (9 de outubro de 2012). Twitter Buys Vine, a Video Clip Company That Never Launched – Peter Kafka and Mike Isaac – Mobile (em inglês) AllThingsD. Visitado em 15 de março de 2013.
  2. Instagram Video Taking a Swing at Vine: Study (em inglês) NBC. Visitado em 5 de março de 2014.
  3. a b Sippey, Michael (24 de janeiro de 2013). Vine: A new way to share video (em inglês) Blog.twitter.com. Visitado em 25 de julho de 2013.
  4. a b Crook, Jordan (24 de janeiro de 2013). Twitter’s 6-Second Video Sharing App, Vine, Goes Live In The App Store (em inglês) Tech Crunch. Visitado em 26 de janeiro de 2013.
  5. Vine for android (em inglês) Vine.co. Visitado em 4 de junho de 2013.
  6. Moore, Robert (6 de março de 2013). TechCrunch – Vine Takes Early Command In The Mobile Video Market Over Viddy, Socialcam And Others Despite Low Adoption (em inglês) techcrunch.com. Visitado em 10 de abril de 2013.
  7. Souppouris, Aaron (9 de abril de 2013). The Verge – Vine is now the number one free app in the US App Store (em inglês) theverge.com. Visitado em 10 de abril de 2013.
  8. Det, Janessa (1 de maio de 2014). Vine.co has a new look (em inglês) Vine blog. Visitado em 26 de maio de 2014.
  9. Guess what? Vine videos are longer than six seconds (em inglês) CNET. Visitado em 6 de julho de 2014.
  10. Paresh, Dave (20 de junho de 2013). Video app Vine's popularity is spreading, six seconds at a time – Los Angeles Times (em inglês) Articles.latimes.com. Visitado em 25 de julho de 2013.
  11. Hamburger, Ellis (25 de abril de 2013). Tao of Vine: the creators of Twitter's video platform speak out – and promise an Android app 'soon' (em inglês) The Verge.
  12. Vine update for iOS adds redesigned camera, 'revining,' and channels (em inglês) The Verge (3 de julho de 2013). Visitado em 6 de julho de 2014.
  13. Kaplinskiy, Mike (1 de julho de 2014). Introducing Loop counts. (em inglês) Blog.vine.co.
  14. Farooqui, Adnan (1 de julho de 2014). Vine Update Brings Loop Counts (em inglês) ubergizmo. Visitado em 17 de julho de 2014.
  15. Hathaway, Jay (5 de julho de 2013). Vine and the art of 6-second comedy The Daily Dot. Visitado em 25 de julho de 2013.
  16. a b Rohrer, Finlo (31 de janeiro de 2013). BBC News – Vine: Six things people have learned about six-second video in a week (em inglês) BBC News. Visitado em 15 de março de 2013.
  17. Ungerleider, Neal (7 de fevereiro de 2013). Using Vine To Cover Breaking News (em inglês) Fast Company. Visitado em 15 de março de 2013.
  18. Minsker, Evan and Phillips, Amy (16 de abril de 2013). Daft Punk Reveal Random Access Memories Tracklist Via Vine Video (em inglês) Pitchfork Media Pitchfork.com. Visitado em 16 de abril de 2013. "[...] A dupla robótica francesa compartilhou a lista de faixas através de um vídeo no Vine, que pode ser visto abaixo."
  19. Heine, Christopher (8 de setembro de 2013). Dunkin' Donuts Is Launching the First TV Ad Made Entirely From Vine (em inglês) Adweek. Visitado em 9 de setembro de 2013.
  20. 'Wop' Life: How a Miley Cyrus Twerk Video Started Rap's 'Harlem Shake' Moment (em inglês) Spin. Visitado em 13 de abril de 2014.
  21. 10 Viral Video Hits That Charted On The Hot 100 (em inglês) Billboard. Visitado em 13 de abril de 2014.
  22. How Twerking on Vine Sent Years-Old Rap Songs Up The iTunes Charts (em inglês) Animal New York. Visitado em 13 de abril de 2014.
  23. Miller, Rachel. Moving Image art fair sells first ever 'Vine-art' (em inglês) The Guardian. Visitado em 6 de maio de 2014.
  24. Pornographic video clips already showing up on Twitter's Vine (em inglês) CNET (27 de janeio de 2013). Visitado em 28 de janeiro de 2013.
  25. Twitter accidentally promotes porn clip (em inglês) 3 News NZ (29 de janeiro de 2013). Visitado em 30 de janeiro de 2013.
  26. Stern, Joanna (28 de janeiro de 2013). Porn Appears in Twitter's New Vine App (em inglês) ABC News. Visitado em 24 de outubro de 2013.
  27. Twitter's Vine Changes App Store Rating to +17, Adds Social Sharing Features (em inglês) ABC News (6 de fevereiro de 2013). Visitado em 15 de março de 2013.
  28. Newman, Jared (June 30, 2013). 50 Best Android Apps for 2013 (em inglês) Time. Visitado em 30 de junho de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]