Violência antiaborto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A violência anti-aborto é a cometida contra indivíduos e organizações que prestam a interrupção voluntária da gravidez.[1] Resultados desta violência incluem a destruição de propriedade, na forma de vandalismo, e até crimes contra a pessoa, incluindo sequestro, perseguição, agressão, tentativa de assassinato, e assassinato, incluindo danos a ambas pessoas e propriedades, incluindo incêndios e explosões de bombas.

A violência anti-aborto é cometida com maior frequência nos Estados Unidos, mas também ocorre na Austrália, Canadá, e Nova Zelândia.[2] G. Davidson Smith do Serviços de Inteligência de Segurança Canadense definiu a violência anti-aborto como um "terrorismo de interesse especial".[3] Um estudo da violência de 1982–87 considerou os incidentes terrorismo "politicamente limitado" ou "subrevolucionário".[4]

Definição e características[editar | editar código-fonte]

A violência anti-aborto é uma forma de terrorismo praticada especificamente contra pessoa ou lugares que prestam a interrupção voluntária da gravidez. Seus ataques variam de vandalismo, incêndio, e uso bombas em clinicas de aborto, atos cometidos por Eric Rudolph, até os assassinatos e tentativas de assassinato de médicos e funcionários das clínicas, cometidos por James Kopp, Paul Jennings Hill, Scott Roeder, Michael F. Griffin, e Peter James Knight.

Uma fração destes opostos à opção de interromper voluntariamente a gravidez tem apelado para demonstrações muito públicas de violência, em um esforço para conquistar seus objetivos de conter a interrupção da gravidez. Aqueles que participam ou apoiam tais ações defendem o uso da força — como em homicídio justificável ou defesa de outros — no interesse de proteger o direito à vida do feto.[5]

David C. Nice, da universidade da Georgia, contextualiza o apoio para a violência anti-aborto como uma arma política contra os direitos da mulher, arma esta que está associada com a tolerância da violência contra a mulher.[6]

Por país[editar | editar código-fonte]

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

A maioria dos atentados de violência anti-aborto foram cometidos nos Estados Unidos da América.[quando?]

Homicídios[editar | editar código-fonte]

Nos EUA, a violência contra prestadores da interrupção voluntária da gravidez matou pelo menos oito pessoas, incluindo quatro doutores, dois funcionários das clínicas, um vigia de segurança, e um acompanhante da clínica.[7] [8]

Tentativas de homicídio, agressões, e sequestros[editar | editar código-fonte]

Segundo estatísticas colhidas pela National Abortion Federation (NAF), uma organização de prestadores de aborto, desde 1977 nos Estados Unidos da América e Canada, houve 17 tentativas de homicídio, 383 ameaças de homicídio, 153 casos de tentativas de agressão ou agressões, e 3 sequestros cometidos contra prestadores de interrupção da gravidez.[10] Tentativas de homicídio nos EUA incluem:[7] [11] [12]

  • 19 de Agosto de 1993: Dr. George Tiller foi baleado do lado de fora de uma instalação de aborto em Wichita, Kansas. Shelley Shannon foi processado pelo crime e recebeu 11 anos de prisão como sentença (20 anos foram adicionados mais tarde por ataques incendiários e com a utilização de ácidos contra clínicas).
  • 29 de Julho de 1994: June Barret foi baleada no mesmo ataque que reivindicava as vidas de James Barrett, seu esposo, e Dr. John Britton.
  • 30 de Dezembro de 1994: Cinco indivíduos foram feridos nos tiroteios que tiraram a vida de Shannon Lowney e Lee Ann Nichols.
  • 28 de Outubro de 1997: Dr. David Gandell de Rochester, New York foi ferido por projéteis de vidro quando um tiro foi disparado através da janela em sua casa.[13]
  • 29 de Janeiro de 1998: Emily Lyons, uma enfermeira, foi seriamente ferida, e perdeu um olho, no bombardeio que também levou a vida de Robert Sanderson.

Incêndios, bombardeios, e crimes contra a propriedade[editar | editar código-fonte]

Segundo a NAF, desde 1977 nos Estados Unidos e Canadá, crimes contra a propriedade cometidos contra prestadores de interrupção da gravidez incluem 41 bombardeios, 173 incêndios, 91 tentativas de bombardeios ou incêndios, 619 ameaças de bomba, 1630 incidentes de invasão de propriedade, 1264 incidentes de vandalismo, e 100 ataques com ácido cutirico ("bombas de fedor").[10] O New York Times também cita mais de cem mil bombardeios e incêndios, mais de 300 invasões, e mais de 400 incidentes de vandalismo entre 1978 e 1993.[14] O primeiro incêndio a uma clínica ocorreu em Oregon em Março de 1976 e o primeiro bombardeio ocorreu em Fevereiro de 1978 em Ohio.[15] Incidentes incluem:

  • 25 de Dezembro de 1984: Uma clínica de aborto e dois escritórios de doutores em Pensacola, Florida foram bombardeados no início da manhã do dia de natal por um quarteto de jovens (Matt Goldsby, Jimmy Simmons, Kathy Simmons, Kaye Wiggins) que mais tarde chamaram os ataques com bomba "um presente a Jesus em seu aniversário."[16] [17] [18]
  • 21 de Maio de 1998: Três pessoas foram feridas quando ácido foi derramado nas entradas de cinco clínicas de abordo em Miami, Florida.[19]
  • Outubro de 1999: Martin Uphoff pôs foro em uma clínica de Planned Parenthood em Sioux Falls, South Dakota, causando um prejuízo de US$100. Ele foi sentenciado a 60 meses na prisão.[20]
  • 28 de Maio de 2000: Um incêndio provocado em um clínica em Concord, New Hampshire resultou em milhares de dólares de prejuízo. O caso permanece sem solução.[21] [22] [23] Este foi o segundo incidente do tipo na mesma clínica.[24]
  • 30 de Setembro de 2000: John Earl, um clérigo católico, dirigiu seu carro para dentro da Northern Illinois Health Clinic após ser informado de que o FDA aprovou o uso da droga RU-486. Ele fez uso de um machado antes de ser forçado a deitar no chão pelo dono do prédio que deus dois tiros de aviso com uma carabina.[25]
  • 11 de Julho de 2001: Um ataque com bomba não resolvido a uma clínica em Tacoma, Washington destruiu uma parede, resultando em US$6000 em danos.[20]
  • 04 de Julho de 2005: Uma clinica em Palm Beach (Flórida) foi alvo de um incêndio. O caso permanece em aberto.[20]
  • 04 de Julho de 2005: Patricia Hughes e Jeremy Dunahoe atiraram uma Coquetel molotov em um clínica em Shreveport, Louisiana. O dispositivo errou o prédio e não causou danos. Em Setembro de 2006, Hughes foi sentenciado a seis anos de prisão, e Dunahoe a um ano. Hughes afirmou que a bomba era uma “lamparina memorial” por um aborto que ela fez lá.[26]
  • 13 de Setembro de 2006 David McMenemy de Rochester Hills, Michigan bateu seu carro no Centro de Cuidados da Mulher Edgerton em Davenport, Iowa. Em seguida ele encharcou o piso do saguão de entrada com gasolina e ateou fogo nele. McMenemy cometeu este ataque na crença de que o centro estava realizando abortos, no entanto Edgerton não é uma clínica de aborto.[27]
  • 25 de Abril de 2007: Um pacote deixado na clínica da saúde das mulheres em Austin, Texas continha um dispositivo explosivo capaz de infligir ferimentos graves e fatais. Um esquadrão anti-bombas detonou o dispositivo após evacuar o prédio. Paul Ross Evans, quem tinha um registro criminal por roubo armado e furto, foi julgado culpado do crime.[28]
  • 09 de Maio de 2007: Uma pessoa não identificada colocou fogo deliberadamente em uma clínica de Planned Parenthood em Virginia Beach, Virginia.[29]
  • 06 de Dezembro de 2007: Chad Altman e Sergio Bacaforam presos pelo incêndio criminoso da clínica do Dr. Curtis Boyd em Albuquerque. A namorada de Altman tinha agendado uma consulta para um aborto na clínica.[30]
  • 22 de Janeiro de 2009 Matthew L. Derosia, 32 anos, que foi reportado com um histórico de doença mental[31] colidiu um veículo utilitário na entrada da frente de uma clínica de Planned Parenthood em St. Paul, Minnesota.[32]

Ameaças com Antrax[editar | editar código-fonte]

As primeiras cartas-trote alegando conter anthrax foram enviadas a clínicas nos EUA em Outubro de 1998, alguns dias depois do tiroteio de Slepian; desde então, houve 655 ameaças deste tipo de bioterror, feitas contra prestadores de interrupção da gravidez. Nenhum do "anthrax" nestas cartas foi real.[11] [33]

Fora dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Fora dos Estados Unidos, incidentes conhecidos de violência anti-aborto foram cometidos na Austrália, Canadá and Nova Zelândia.

Austrália[editar | editar código-fonte]

  • 16 de Julho de 2001: Steven Rogers, um vigia de segurança em uma clínica em Melbourne, Australia foi baleado no peito e morto por Peter James Knight. Knight foi processado e sentenciado à prisão perpétua em 19 de Novembro de 2002.[2]
  • 06 de Janeiro de 2009: Um ataque com bomba incendiária usando um coquetel molotov foi tentado em uma clínica médica em Mosman Park, Western Australia. Falhas na construção da bomba limitaram o dano a uma única área externa queimada, mas se bem-sucedido o ataque poderia ser severo. Acredita-se que o indivíduo que cometeu o atentado foi responsável pela pichação "matadores de bebê" no local, indicando a razão pró-vida pelo ataque. O local, no entanto, não era uma clínica de abortos, apesar da pessoa responsável desconhecer também este fato.[34]

Canadá[editar | editar código-fonte]

Tentativas de homicídio[editar | editar código-fonte]

Violência também ocorreu no Canadá, onde três doutores foram atacados até hoje. Houve especulação de que o momento dos tiroteios são relacionadas ao costume canadense do Remembrance Day. Os doutores foram parte de um padrão de ataques, que visavam prestadores no Canadá e upstate New York, incluindo Dr. Barnett Slepian. Todas vítimas foram alvejadas em suas casa com um rifle, no crepúsculo, no final de outubro ou começo de novembro. James Kopp foi processado pelo homicídio do Dr. Slepian e da tentativa de homicídio do Dr. Short; ele é suspeito de ter cometido outros atentados também.[11] [12]

Ataques com bomba e dano à propriedade[editar | editar código-fonte]

Nova Zelândia[editar | editar código-fonte]

Em 1999 Graeme White foi condenado e preso por cavar um túnel de acesso a uma clínica de aborto em uma tentativa falha de explodí-la.

Violência pelo Exército de Deus[editar | editar código-fonte]

O Exército de Deus, uma organização terrorista oculta ativa nos Estados Unidos, foi responsável por uma quantia substancial de violência anti-aborto. Além de inúmeros crimes contra a propriedade, o grupo cometeu atos de sequestro, tentativa de homicídio e homicídio. Em Agosto de 1982, três homens se identificando como o Exército de Deus sequestraram por oito dias Hector Zevallos, um doutor e dono de clínica, e sua esposa, Rosalee Jean.[38] Em 1993, Shelly Shannon, um membro muito ativo do Exército de Deus, foi julgada culpada pela tentativa de homicídio do Dr. George Tiller.[39] Naquele mesmo ano, oficiais de aplicação da lei encontraram o Manual do Exército de Deus, um guia tático para incêndios criminosos, ataque químicos, invasões, e ataques com bombas enterrado no quintal de Shelly Shannon.[38] Paul Jennings Hill foi julgado culpado pelo homicídio de ambos Dr. John Britton e acompanhante da clínica James Barrett, mas o Exército de Deus justificou suas ações com base em "qualquer força que é legítima para defender a vida de uma criança nascida é legítima para defender a vida de uma criança não nascida... se de fato Paul Hill matou ou feriu o aborteiro John Britton, e cúmplices James Barrett e Sra. Barrett, suas ações são moralmente justificadas se elas foram necessários para o propósito de defender inocente vida humana".[11] The AOG (em português: EDD) reivindicou responsabilidade pelo ataque com bombas de estilhaços de Eric Robert Rudolph em 1997 a clínicas de aborto em Atlanta e Birmingham.[40]

Doutores em cartazes de "procurado"[editar | editar código-fonte]

No final dos anos 1990, uma organização chamada American Coalition of Life Activists (ACLA) (em português: Ativistas da Coalizão da Vida Americana) foi acusada de advogar violência implicitamente em sua publicação "Nuremberg Files" em seu sítio de cartazes no estilo procurado, que apresentavam uma foto de um doutor que prestava interrupções da gravidez, em conjunto com uma recompensa em dinheiro por qualquer informação que levasse a sua "prisão, condenação e revogação da licença para prática de medicina".[41] O sítio da ACLA descrevia estes doutores como criminosos de guerra[42] e acusava-os de cometer “crimes contra a humanidade”. O sítio também publicou nomes, endereço residencial, números de telefone, e outras informações pessoais referentes ao prestador de interrupção da gravidez – destacando os nomes daqueles que foram feridos e tracejando os daqueles que foram assassinados. O nome do Dr. George Tiller foi incluído neste lista junto com muitos outros. O sítio foi acusado de ser uma lista de alvos finamente velada, destinada a incitar violência; outros alegaram que ela estava protegida pela Primeira Emenda à Constituição dos Estados Unidos.[43] Uma decisão do 9º Circuito da Corte de Apelações finalmente desativou o sítio em 2002, após um prolongado debate.[44]

Reações[editar | editar código-fonte]

Reações do grupo pró-vida[editar | editar código-fonte]

Vários advogados do grupo Pró-vida condenaram vocalmente ações violentas contra prestadores de aborto como contrárias aos valores e objetivos finais da causa de direito-a-vida.[45] [46] Após o ataque com bombas de 1998 a clínica em Birmingham, Alabama, o grupo Feministas pela Vida ofereceu uma recompensa para a prisão e condenação dos responsáveis.[47] Em 2001, Sacerdotes pela Vida, um grupo de católicos integrantes do pró-vida nos Estados Unidos, colocou a disposição uma recompensa de US$50.000 para informações que levem à prisão dos fugitivos procurados em conexão com violências contra prestadores de aborto.[48] A Liga da Vida Americana emitiu uma "Proclamação Pró-vida Contra Violência" em 2006.[49] Joseph Scheidler da Liga de Ação Pró-vida tem um capítulo em seu livro chamado "Violência: Por Que Isto Não Funciona."[50] Outros integrantes do grupo pró-vida a tomar partido contra a violência incluem Centro para Reforma Bio-ética e Pró-videiros Contra Violência Clínica. A organização pró-vida Coalizão Nacional pela Vida e Paz também rejeitou a violência como uma forma de oposição ao abortamento.[51]

Muitas organizações pró-vida — incluindo Conselho de Pesquisa Familiar, Americanos Unidos pela Vida, Mulheres Preocupadas pela América, Susan B. Anthony List, Liga da Vida Americana, Estudantes pela Vida da América, e 40 Dias Pela Vida — emitiram afirmações condenando o homicídio de 2009 do aborteiro tardio de Kansas, George Tiller.[45]

O fundador da Operação Resgate Randall Terry nem rejeitou nem condenou a violência anti-aborto, mas ele liderou orações públicas para que um prestador de aborto se "[convertesse] a God" ou que a "calamidade [pudesse] atingí-lo".[52] Terry adicionou que ele esperava que o "matador de bebês" fosse julgado e executado "por crimes contra a humanidade".[52] The doctor targeted by Terry's prayers said to the press, "He's clearly inciting someone, anyone, to kill me."[52]

Enquanto ainda rejeitando a violência, líderes do pró-vida têm temperado suas condenações de violência anti-aborto, sugerindo que o dano criado pelos crimes contra a propriedade são pequenos em comparação com o dano do abortamento. Joseph Scheidler observa que "para causa de uma perspectiva própria" ele queria notar que "nenhuma quantia de dano a bens imóveis pode equivaler à violência contra uma única vida humana" através do aborto.[50]

Reações dos grupos pró-escolha[editar | editar código-fonte]

Organizações Pró-escolha responderam a violências anti-aborto promovendo a proteção do acesso a clínicas de aborto. A Federação de Aborto Nacional e a Fundação Majoritária Feminista coletam estatísticas sobre incidentes de violência anti-aborto. O Ato de Liberdade de Acesso a Entradas de Clínica foi aprovado em 1994 para proteger instalações de saúde reprodutora. além de seus funcionários e pacientes de ameaças violentas, agressões, vandalismo, e bloqueios.[53] Governos estaduais, provinciais e locais também aprovaram leis similares, projetadas para proporcionar proteção legal de acesso ao aborto nos Estados Unidos e Canadá.

Violência anti-aborto na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • The Fourth Procedure, uma novela de 1995 de Stanley Pottinger, é um trailer médico e um romance policial que apresenta a violência anti-aborto em seu enredo. Dois homens responsáveis pelo ataque com bombas a uma clínica de aborto aparecem mortos, com bonecas bebê implantadas cirurgicamente dentro deles.[54]
  • Insomnia de Stephen King tem muito do enredo focado em torno de militantes violentos do grupo pró-vida, e na oposição deles com relação a um discurso pró-escolha que será realizado na cidade deles. O grupo assassina várias mulheres que eles acreditam estar buscando aborto e tenta assassinar o orador. Eles são motivados por uma teoria da conspiração de que o orador é parte de uma sociedade secreta que é uma continuação do Massacre dos Inocentes de Herodes.
  • A altamente controversa história curta Matando Bebês de T. C. Boyle, escrita em resposta a ataques a provedores de aborto, apareceu pela primeira vez no The New Yorker e foi incluída no The Best American Short Stories 1997.

Filmes[editar | editar código-fonte]

  • Palindromes, um filme de 2004 pelo diretor Todd Solondz, apresenta o assassinato de um doutor de aborto em sua casa, similar ao caso do Barnett Slepian.

Televisão[editar | editar código-fonte]

  • O popular romance policial Law and Order: Special Victims Unit mostra a causa provável para o assassinato como violência anti-aborto no episódio "Hammered." O sítio Nuremberg Files é mencionada no episódio quando eles vão contar ao ex-esposo da doutora sobre o assassinato. A clínica de abortos que eles visitam tem vidro à prova de balas, pois eles foram alvo de um atirador de elite que baleou não fatalmente um recepcionista. Além disso, quando os detetives vão para a clínica, eles vivenciam um lançamento de ovos contra o prédio da clínica enquanto eles vasculham várias caixas de correspondência de ódio que a clínica recebe. Outro episódio de Law and Order: Dignity, baseado no homicídio do George Tiller, foi condenado pelos amparadores dos direitos de abortamento por permitir que argumentos de objetivo final do grupo pró-vida fossem ao ar durante o julgamento do homicida acusado.
  • O primeiro episódio do the spy drama Spooks é sobre um líder terrorista anti-aborto fictício vindo para o Reino Unido para instalar uma série de células de terror.

Música[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Jelen, Ted G (1998). Abortion Encyclopedia of Religion and Society..
  2. a b "Australian abortion clinic guard killed", BBC News, July 16, 2001. Página visitada em April 13, 2006.
  3. Smith, G. Davidson (Tim) (1998). Single Issue Terrorism Commentary Canadian Security Intelligence Service. Página visitada em June 9, 2006..
  4. Michele Wilson, John Lynxwiler (1988), "Abortion clinic violence as terrorism", Studies in Conflict & Terrorism, 11 (4), pp 263 – 273
  5. O'Keefe, Mark (January 24, 1999). Anarchy in the name of God The Oregonian. Página visitada em June 9, 2006..
  6. Nice, David C.. (February 1988). "Abortion Clinic Bombings as Political Violence". 'American Journal of Political Science' 32 (1): 178–195. DOI:10.2307/2111316.
  7. a b Clinic violence and intimidation NARAL Pro-Choice America Foundation (2006). Página visitada em February 9, 2010..
  8. Outro doutor, George Wayne Patterson, foi morto a tiros do lado de fora de um cinema de filmes adultos em Mobile, Alabama em 21 de Agosto de 1993, mas autoridades atribuem a sua morte a um roubo mal-sucedido."Man Arrested in Killing of Mobile Abortion Doctor", New York Times, September 5, 1993.; H. Kushner, Encyclopedia of Terrorism, Sage Publications, 2003, p.39
  9. Joe Rodriguez, Tim Potter and Stan Finger (June 1, 2009). Suspect in shooting death of abortion provider George Tiller may be charged today The Wichita Eagle. Página visitada em October 15, 2010.
  10. a b National Abortion Federation (2009), "Incidence of Violence & Disruption Against Abortion Providers in the U.S. & Canada". Retrieved February 9, 2010.
  11. a b c d Robinson, B.A., Ontario Consultants on Religious Tolerance (November 9, 2004), "Violence & Harassment at U.S. Abortion Clinics". Retrieved April 13, 2006.
  12. a b National Abortion Federation (2006), "Clinic Violence: History of Violence". Retrieved April 13, 2006.
  13. Abortion politics meet law enforcement www.worldnetdaily.com. Página visitada em 2009-06-01.
  14. "The Death of Dr. Gunn", New York Times, 12 March 1993.
  15. National Abortion Federation. (2007). "Arsons and Bombings." Retrieved February 10, 2007.
  16. Triggle, Nick (1 June 2009) "Anti-abortion and violence in the US" BBC News
  17. Churchville, Victoria (6 January 1985) "Bomb Suspects Cite Religious Motive" The Washington Post p. A-16
  18. See also: Christmas abortion bombings at Pensacola wiki
  19. "3 injured in Fla. abortion clinic vandalism; FBI launches probe", The Baltimore Sun, May 22, 1998
  20. a b c History of Violence/Extreme Violence National Abortion Federation (no date).
  21. Daley, B.(2000, May 30). The Boston Globe. “Abortion Clinic Fire ‘Suspicious’: Women’s Health Center Has Been Target Of Past Protests, Vandalism” Lexis Nexis Academic Universe. Retrieved March 26, 2009.
  22. "National News Briefs; Fire at Abortion Clinic Is Investigated as Arson", New York Times, May 30, 2000.
  23. "N.h. Abortion Clinic Fire May Have Been An Arson", Orlando Sentinel, May 30, 2000.
  24. "Arson suspected in abortion clinic fire", AP/Amarillo Globe-News, May 30, 2000.
  25. Axe-wielding priest attacks abortion clinic CNN (2000-09-30). Página visitada em 2009-01-26.
  26. "Louisiana Clinic Bomber Pleads Guilty", Feminist Wire, July 13, 2006. Página visitada em March 26, 2009.
  27. Man Crashes Into Davenport Health Clinic KWQC (2006-09-13). Página visitada em 2008-05-11.
  28. Intelligence Report (Fall 2007 Anti-Abortion Violence). Página visitada em March 26, 2009..
  29. Planned Parenthood Arson wktr.com (May 12, 2007). Página visitada em May 14, 2007.
  30. Suspects In Abortion Clinic Fire Plead Not Guilty koat.com (ABC affiliate) (December 27, 2007). Página visitada em March 26, 2009..
  31. Anthony Lonetree. "Man charged with driving into Planned Parenthood facility", Star Tribune, January 23, 2009. Página visitada em 15 October 2010.
  32. "Man charged with driving into Planned Parenthood facility." (January 23, 2009). "Minneapolis Star-Tribune." Retrieved January 27, 2009.
  33. National Abortion Federation (2007), "Anthrax Attacks". Retrieved February 10, 2007.
  34. Arsonists attack mosman park clinic BBC News (July 16, 2001). Página visitada em April 13, 2006..
  35. Canada abortion doctor stabbed BBC News. (July 13, 2000). Página visitada em April 13, 2006..
  36. Diemer, Ulli. (May 1990). News Briefs. Connexions Digest. Retrieved February 11, 2007.
  37. Bagley, Gordon. (1992). Bombing of Toronto abortion clinic raises stakes in bitter debate. Canadian Medical Association Journal, 147(10), 1528–1533. Retrieved February 10, 2007.
  38. a b Baird-Windle, Patricia & Bader, Eleanor J., (2001), Targets of Hatred: Anti-Abortion Terrorism, New York, St. Martin's Press, ISBN 978-0-312-23925-1
  39. Warner, Bill (31 May 2009). Bill Warner Private Investigator Sarasota Fl to Panama City, Male & Female Detectives Dr. George Tiller Murdered by Army of God (AOG) Member, Shooting Suspect Scott P. Roeder Identified By Sheriff, AOG Alive And Well in Wichita Kansas. Bill Warner Private Investigator.
  40. "Army of God letters claim responsibility for clinic bombing", CNN, February 2, 1998.
  41. Eviatar, Daphne (June 3, 2009). Little-Enforced Law Opens Window for Suits Against Extremist Groups The Washington Independent.
  42. Volokh, Eugene (April 3, 2001). Menacing Speech, Today and During the Civil Rights Movement.
  43. Clarkson, Frederick (May 31, 2001). Journalists or terrorists?. Página visitada em April 13, 2006..
  44. "Pastor Guilty in Stalking Abortion Doctors", CBS, November 9, 2010.
  45. a b [1]
  46. Wallace, James M. (October 11, 1998). Anti-abortion violence negates pro-life goals News & Record. Página visitada em February 10, 2007..
  47. Toalston, Art (January 30, 1998). Fatal abortion clinic bombing condemned by pro-life leaders BP News. Página visitada em February 6, 2007..
  48. Eckstrom (2001). Priests for Life Offers $50,000 Reward for Clinic Shooters Beliefnet. Página visitada em February 6, 2007..
  49. Pro-life proclamation against violence American Life League (n.d.). Página visitada em April 13, 2006.
  50. a b Scheidler, Joseph M. (1993). Chapter 81: Violence: Why It Won't Work Closed: 99 Ways To Stop Abortion. Página visitada em March 18, 2009.
  51. National Coalition for Life and Peace Condemns Abortion Facility Bombing.
  52. a b c Ernest Luning. "Attorney general directs U.S. marshals to protect abortion clinics, providers", Colorado Independent, May 31, 2009. Página visitada em 15 October 2010.
  53. Eckenwiler, Mark (1995-04-18). Freedom of Access to Clinic Entrances Act (FACE) FAQ. Página visitada em 2007-02-10.
  54. Braille Library. (September 1999). Narrated by David Hartley Margolin. Retrieved February 10, 2007.
  55. Manson, Marilyn (May 28, 1999), "Columbine: Whose Fault Is It?", Rolling Stone. Retrieved February 10, 2007.
  56. Goldberg, Michelle (November 17, 1999), "Sharps & Flats", Salon.com. Retrieved February 10, 2007.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]