Virgem Negra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Virgens Marias Negras)
Ir para: navegação, pesquisa
Alemanha: Nossa Senhora de Altötting.
Áustria: Virgem Negra.
Brasil: Nossa Senhora da Conceição Aparecida.
Espanha: Virgem de Montserrat.
França: Virgem Negra de Mende.
Polónia: Virgem Negra de Czestochowska.

Denomina-se Virgem Negra, Madona Negra ou Virgem Maria Negra, a uma escultura ou pintura feminina, de cor escura, nas regiões de tradição cristã associadas à personagem de Maria (mãe de Jesus).

Geralmente estão associadas lendas que lhes atribuem origem mais antiga, e tanto representam a Senhora em pé como sentada num trono ou num banco, acompanhada pelo Menino Jesus. A sua popularidade prende-se à reputação de possuírem o poder de realizar milagres, e o seu culto tornou-as, tradicionalmente, em destino de peregrinação.

Embora espalhadas por todo o mundo, a maioria dessas imagens encontram-se na Europa, onde existem cerca de 400 conservadas em igrejas e em museus. Na sua maioria remontam à Idade Média, esculpidas ou pintadas em madeira, e de pequenas dimensões.

História[editar | editar código-fonte]

Não se pode precisar com exatidão a origem do seu culto.

Alguns estudiosos associam a cor escura destas imagens à noite ou a algum tipo de culto funerário, uma vez que muitas muitas foram encontradas em catacumbas, sarcófagos, criptas ou grutas. As lendas que as envolvem geralmente afirmam que essas imagens foram descobertas de modo milagroso ou sobrenatural, como por exemplo:

Alguns arqueólogos e historiadores defendem que a cor escura se deve ao fumo das velas utilizados no seu culto; outros ainda acreditam que o seu culto esteja ligado à vida e à fertilidade, o que é apoiado por alguns dos nomes porque são conhecidas: Virgem da Esperança, da Vida, da Concepção (Conceição). Nesta última linha de entendimento, encontram-se aqueles que defendem a ligação destas imagens a cultos muito mais antigos, remontando à pré-históricos (associados à Deusa mãe), os cultos dos Celtas, os de Cibele, de Deméter ou de Ísis, mãe de Hórus. Esta última é muitas vezes, representada com um bebê (Hórus) nos braços ou no colo, tendo o seu culto se difundido por todo o Império Romano, associando-se, posteriormente, às imagens marianas do cristianismo. Como exemplo, cita-se a reconsagração de um antigo templo de Ísis à Virgem Maria em Soissons, na atual França, no século V. Em alguns casos o seu culto pode estar ligado ao de Maria Madalena, como por exemplo Santa Sara Kali, cultuada pelos Ciganos.

Na Europa, nos séculos XII e XIII, difunde-se o culto às Virgens Negras, associado a lendas que lhes atribuem grande antiguidade. Entre elas citam-se, na península Ibérica os cultos à Virgem do Pilar, na Catedral de Saragoça, na Espanha, e a Nossa Senhora da Nazaré, em Portugal.

Virgens Negras ao redor do mundo[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons