Vitória do Xingu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Vitória do Xingu
"Vitória"
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 13 de dezembro
Fundação 13 de dezembro de 1991
Gentílico vitoriense
Prefeito(a) Erivando Oliveira Amaral (PSB)
(2009–2012)
Localização
Localização de Vitória do Xingu
Localização de Vitória do Xingu no Pará
Vitória do Xingu está localizado em: Brasil
Vitória do Xingu
Localização de Vitória do Xingu no Brasil
02° 52' 48" S 52° 00' 36" O02° 52' 48" S 52° 00' 36" O
Unidade federativa Pará Pará
Mesorregião Sudoeste Paraense IBGE/2008 [1]
Microrregião Altamira IBGE/2008 [1]
Distância até a capital Não disponível
Características geográficas
Área 2 966,329 km² [2]
População Não disponível
Densidade 0 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,597 baixo PNUD/2010[3]
PIB R$ 69 231,174 mil IBGE/2008[4]
PIB per capita R$ 7 057,92 IBGE/2008[4]
Página oficial

Vitória do Xingu é um município brasileiro do estado do Pará. Localiza-se a uma latitude 02º52'48" sul e a uma longitude 52º00'36" oeste, estando a uma altitude de 0 metros. Sua população estimada em 2010 era de 13.431 habitantes. Possui uma área de 3.135,2 km².

História[editar | editar código-fonte]

O primeiro branco a pôr os pés onde hoje está localizado Vitória do Xingu foi o padre Roque Hunderpfund que, em 1750 com a ajuda dos índios xipaias e curuaias, abriu uma trilha para transpor a “Grande Volta” do Xingu, onde fundou, um pouco acima de onde hoje é a cidade de Altamira, a missão Tavaquara, que foi abandonada após a expulsão dos jesuítas do Brasil.

Em 1868 dois capuchinhos italianos, os frades Ludovico e Carmelo Mazzarino, aportaram em Vitória do Xingu, pequeno povoado habitado por seringueiros, e com a ajuda dos índios xipaias e curuaias reabriram as picadas tomadas pela mata que haviam sido feitas por padre Roque. Essas picadas faziam a ligação de Vitória com a parte a montante da Volta Grande do Xingu.

Por volta de 1875, no povoado de Vitória, já haviam se instalado alguns comerciantes que viviam da exploração da borracha feita por nordestinos que recebiam aviamento dos comerciantes e embrenhavam-se nas matas para a extração do látex. Foi nesse clima que o piauiense Coronel Gaioso pegou a empreitada de construir uma estrada que ligasse Vitória a Altamira com o intuito de ganhar muito dinheiro com o pedágio, pois aplicara muito dinheiro em empreendimentos financeiros e em escravos. Mas a abolição da escravidão podou seus planos.

Em 1891 chegou ao Xingu o fazendeiro baiano Agrário Cavalcante, que, também visando a obtenção de lucros, concluiu a estrada que ainda fez a ligação de Vitória com Altamira. Nesses relatos podemos observar que a formação dos primeiros habitantes de Vitória do Xingu contou com contingentes de nordestinos, índios, negros e caboclos.

No final do século XIX, mais precisamente nos anos de 1883 e 1896, respectivamente, duas expedições estrangeiras percorreram o Xingu, a do naturalista alemão Karl von den Steinen e do cientista francês Henri Coudreau. Henri Coudreau, em seu livro intitulado “Voyage au Xingu”, fez descrições detalhadas das três etapas obrigatórias da estrada. O pesquisador também percorreu a Estrada Pública Cachoeira-Ambé-Altamira.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Após sua criação do município em 1991, Vitória do Xingu passou a ter os seguintes limites: ao norte limite-se com Porto de Móz e Senador José Porfírio, ao sul e a oeste com Altamira e ao leste com Senador José Porfírio.

De acordo com os dados estatísticos do IBGE, o recém criado município de Vitória do Xingu dispõe de uma área de 3.135,2 km² e uma população, de acordo com o censo de 2010, de aproximadamente 13.431 habitantes, haja vista que a grande maioria está localizada na zona rural, num total de 8.069 habitantes, para 5.362 habitantes na zona urbana. Esses dados nos fornece a densidade demográfica do município é de 10,74 habitantes/km².

Referências[editar | editar código-fonte]

  • UMBUZEIRO, Ubirajara Marques.“ Altamira e Sua História”.
  • FIGUEIREDO, Vânia Maria Meneses de. “Altamira, Latitude e Esperança”.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 21 de setembro de 2013.
  4. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Pará é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.