Vitorino Guimarães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vitorino Guimarães (fotografado antes de 1925).

Vitorino Máximo de Carvalho Guimarães GO CGO AO SE (Penafiel, 13 de Novembro de 187618 de Outubro de 1957), conhecido como Vitorino Guimarães foi um militar, economista e político português que, entre outras funções, foi deputado e várias vezes ministro das Finanças, tendo em 1925 sido presidente do Ministério (primeiro-ministro) de um dos governos da Primeira República Portuguesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Vitorino Máximo de Carvalho Guimarães nasceu em Penafiel, a 13 de Novembro de 1876, filho de João Antunes de Sousa Guimarães e de Amélia Augusta de Carvalho Guimarães.

Concluiu o curso liceal no Liceu Nacional de Viana do Castelo, prosseguindo os seus estudos no Instituto Comercial e Industrial do Porto, transferindo-se depois para a instituição congénere de Lisboa.

Terminado o curso de comércio, em 1901 ingressou na Escola do Exército, graduando-se como oficial de administração militar e iniciando uma carreira que aliou um percurso na área da administração militar com a docência nas áreas da administração e das finanças, tendo leccionado na Escola do Exército, no Instituto dos Pupilos do Exército, no Instituto Superior de Comércio e na entidade que lhe sucedeu, o Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras.

Ingressou cedo na vida política, iniciando-se como apoiante de João Franco, mas logo em 1908 surge como um dos líderes republicanos da revolta de 28 de Janeiro de 1908 contra a monarquia e o governo de João Franco.

Integrou o comité militar criado para a proclamação da República e após a sua implantação, em 1911 foi eleito deputado ao Congresso Constituinte, pelo círculo eleitoral de Bragança.

Republicano convicto, foi membro da "Jovem Turquia", a associação paramilitar liderada por Álvaro de Castro, e do Partido Democrático, mas ainda assim sempre se assumiu como centrista, posicionando-se politicamente entre a ala dos "bonzos" e dos "canhotos".

Estreou-se na acção governativa como ministro das Finanças do governo de José de Castro, entre 19 de Junho e 29 de Novembro de 1915. Entre 16 e 22 de Dezembro de 1915 acumulou, interinamente, a pasta do Comércio.

Deflagrada a Primeira Guerra Mundial, foi nomeado chefe dos serviços administrativos da 2.ª Divisão do Corpo Expedicionário Português. Terminada a Guerra, em 1919 participou em várias comissões de contabilidade e de reforma do Banco Nacional Ultramarino, sendo nesse mesmo ano eleito deputado pelo círculo eleitoral de Moncorvo. Foi delegado do Governo português à Comissão de Reparações de Guerra (1919–1920) e embaixador de Portugal junto da Conferência Financeira de Bruxelas (1920).

Voltou a ser chamado ao cargo de ministro das Finanças do governo presidido por Francisco Cunha Leal, tendo exercido o cargo de 16 de Dezembro de 1921 a 6 de Fevereiro de 1922, sendo simultaneamente delegado de Portugal à Conferência Económica da Guerra (1922).

Foi novamente empossado como ministro das Finanças do governo de António Maria da Silva, exercendo o cargo de 14 de Setembro a 30 de Novembro de 1922. Foi então autor da importante reforma tributária de 1923.

Foi nomeado presidente do Ministério, tendo exercido o cargo de 15 de Fevereiro a 1 de Julho de 1925. Durante este período acumulou, interinamente, a pasta de ministro das Finanças.

A partir do golpe de 28 de Maio de 1926 foi afastado da política activa, terminando a sua carreira de oficial do Exército em 1936, no posto de coronel de administração militar.

A sua obra publicada mais conhecida intitula-se Contabilidade Pública. Sua Origem e Evolução em Portugal, tendo saído a público na Revista da Contabilidade Pública, entre 1941 e 1943.

Vitorino Guimarães faleceu em 1957. Foi pai de Elina Guimarães, activista dos direitos das mulheres.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Tomé de Barros Queirós
Ministro das Finanças de Portugal
(1.ª vez)
1915
(XI Governo Republicano)
Sucedido por
Afonso Costa
Precedido por
Francisco Trancoso
Ministro das Finanças de Portugal
(2.ª vez)
19211922
(XXXIV Governo Republicano)
Sucedido por
Albano Portugal Durão
Precedido por
Vasco Borges
Ministro do Comércio e Comunicações de Portugal
(interino)
1921
(XXXIV Governo Republicano)
Sucedido por
Nuno Simões
Precedido por
Albano Portugal Durão
(de facto)
Eduardo Alberto Lima Basto
(interino)
Ministro das Finanças de Portugal
(3.ª vez)
1922
(XXXV, XXXVI e XXXVII Governo Republicano)
Sucedido por
Francisco Velhinho Correia
Precedido por
José Domingues dos Santos
Presidente do Ministério de Portugal
1925
(XLII Governo Republicano)
Sucedido por
António Maria da Silva
Precedido por
Manuel Pestana Júnior
Ministro das Finanças de Portugal
(4.ª vez)
1925
(XLII Governo Republicano)
Sucedido por
Eduardo Alberto Lima Basto
Precedido por
António Mimoso Guerra
Ministro da Guerra de Portugal
(interino)
1925
(XLII Governo Republicano)
Sucedido por
António Maria da Silva