Vittoria Colonna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vittoria Colonna, por Sebastiano del Piombo, c. 1520

Vittoria Colonna (Marino, abril de 1490 - Roma, 25 de fevereiro de 1547), Marquesa de Pescara, foi uma poetisa da Itália.

Era filha de Fabrizio Colonna, grande condestável de Nápoles, e de Agnese da Montefeltro. Foi uma das mulheres mais notáveis da Itália quinhentista. Ainda jovem casou-se com Fernando de Ávalos, Marquês de Pescara, que morreu na Batalha de Pavia lutando ao lado de Carlos de Lannoy. Tornou-se autora de poesias louvadas como impecáveis, das mais importantes continuadoras da tradição de Petrarca em sua geração, uma mediadora política, reformadora religiosa, e seus méritos próprios foram amplamente reconhecidos ainda em sua vida, mas a historiografia posterior a retratou indevidamente mais como uma figura passiva, à sombra de grandes homens que conheceu, entre eles Michelangelo.[1] [2]

É possível que tenha encontrado Michelangelo em torno de 1537, mas sua relação só se estreitou em torno de 1542 quando Michelangelo já era idoso e ela, viúva há dezessete anos. Discutiam arte e religião. Para ela Michelangelo escreveu várias poesias e produziu desenhos, e ela por sua vez dedicou-lhe também uma série de poemas. Walter Pater comparou a relação de ambos com a de Dante e Beatriz.[3] Da parte de Vittoria, Abigail Brundin disse que as poesias que ela dedicou ao seu amigo revelam um esforço de lidar com a responsabilidade pela sua vida interior e de compartilhar os frutos do labor no espírito de uma comunhão evangélica com alguém que passava pelas mesmas dúvidas e agitações de alma.[4] Michelangelo esteve presente em sua agonia, e ela faleceu em seus braços, enquanto ele em lágrimas beijava suas mãos sem cessar. Mais tarde arrependeu-se de não ter ousado beijar-lhe a testa e a face. Condivi registrou que após a morte de Vittoria Michelangelo passou um longo período transtornado, como se tivesse perdido a razão. Em um soneto expressou sua tristeza e revolta, e disse que jamais a natureza fizera face tão bela.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Brundin, Abigail. Vittoria Colonna and the spiritual poetics of the Italian Reformation. Ashgate Publishing, Ltd., 2008. p. ix
  2. Brundin, Abigail. Colonna, Vittoria (1490-1547). University of Chicago Library, 2005
  3. Pater, Walter & Hill, Donald L. (ed). The Renaissance: Studies in Art and Poetry. University of California Press, 1980. pp. 65-71
  4. Brundin, p. 100
  5. Servadio, Gaia. Renaissance woman. I. B. Tauris, 2005. pp. 131-132
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.