Vixnuísmo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde Julho de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mandala de Vishnu

Vixnuísmo ou Vaishnavismo (sânscrito : वैष्णव धर्म, vaishnava dharma) é uma tradição do Hinduísmo, que se distingue de outras escolas por sua adoração a Vishnu, ou seus avatares associados (como Rama e Krishna), na categoria de original e supremo Deus.

Suas crenças e práticas baseiam-se em grande parte nos Upanishads, no Bhagavad Gita, Padma Purana e Bhagavata Purana.

Os seguidores do Vaishnavismo são referidos como vaishnavas, vaishnavitas ou vishnuítas. Embora a maior parte dos vaishnavas esteja presente na Índia, a crença tem aumentado significativamente em número de seguidores fora da Índia no último século, principalmente a partir da expansão geográfica do Movimento Hare Krishna, fundado em Nova York no ano de 1966 por Bhaktivedanta Swami.

Sampradayas vaishnavas[editar | editar código-fonte]

Dentro do Vaishnavismo há quatro grandes linhagens de sucessão discipular (sampradayas), cada qual representada por uma personalidade védica específica.

Cada sampradaya tem peculiaridades na abordagem filosófica sobre a relação entre a alma (jiva) e Deus, além de diferenças sutis de culto e estilo de vida, embora a maioria das crenças fundamentais sejam compartilhadas. As linhagens vaishnavas são:

  • Lakshmi-sampradaya: linhagem originada por Lakshmi, a deusa da fortuna e esposa de Vishnu. Tem como filosofia o sistema Vishishtadvaita ("não-dualismo qualificado"), defendido por Ramanujacharya
  • Brahma-sampradaya: linhagem originada por Brahma; segue a filosofia dvaita ("dualismo puro"), defendida por Madhvacharya; e a filosofia Achitnya Bheda abheda ("inconcebível dualismo não-dualista"), defendida por Caitanya Mahaprabhu
  • Kumara-sampradaya: linhagem originada pelos quatro Kumaras, segue a filosofia Dvaitadvaita ("dualismo não-dualista" ou "dualidade na unidade"), cujo principal pregador foi Nimbarka.
  • Rudra-sampradaya: linhagem originada por Shiva, preconiza o sistema filosófico Shuddhadvaita ("não-dualismo puro"), defendido por Vishnuswami e Vallabhacharya.

Existem ainda os ramos asampradaya, ou seja, tradições espirituais não-ortodoxas, que não se enquadram em nenhuma das sampradayas acima mencionadas. Destacam-se nesta categoria: o Movimento Ramanandi (iniciado no século XIV, com influência sobre Tulsidas e Kabir), o Mahapuruxiya Dharma (século XV), a Vaishnava-sahajiya (ligada ao Tantra) e a Fé Swaminarayan (século XIX).