Volkswagen Voyage

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Volkswagen Voyage
VW Voyage 2dr.jpg Voyage I
2011 gol 1.6 trendline sedan.jpg Voyage II
Visão Geral
Nomes
alternativos
Volkswagen Gol Sedan

Volkswagen Senda Volkswagen Gacel Volkswagen Fox

Produção 1981 - 1996 (1ª geração)
2008 - presente (2ª geração)
Fabricante Volkswagen
Modelo
Classe Sedan compacto
Carroceria Sedan
Modelos relacionados Volkswagen Gol
Volkswagen Parati
Volkswagen Saveiro
Chevrolet Chevette
Fiat Prêmio
Fiat Oggi
Ford Escort
Último
Último
Próximo
Próximo


O Voyage é um sedan compacto da Volkswagen baseado no Gol. Foi lançado em 1981 e saiu de linha em 1995, já como modelo 1996, sendo substituído pelo Polo Classic somente em 1997. Eleito pela Revista Autoesporte o Carro do Ano de 1982.[1]

Em 12 de setembro de 2008 a Volkswagen anunciou o lançamento da segunda geração do Voyage.[2] Atualmente, é produzido na fábrica de Taubaté.

Entre 1987 e 1993 o Voyage foi vendido nos mercados norte americano e canadenses com o nome de Fox.

Primeira Geração[editar | editar código-fonte]

Início da produção do Voyage ("viagem" em francês) aconteceu em maio de 1981. O Voyage foi projetado e fabricado pela Volkswagen do Brasil, assim como o Gol, a Parati e a Saveiro, (a chamada família BX). O Voyage segue as linhas de tendência das décadas de 70 havendo grandes semelhanças entre este e outros carros da marca fabricados na Europa na década de 70, em especial com o Jetta I, a parte mecânica era a do Passat fabricado no Brasil, motor 1.5 refrigerado a água e câmbio de 4 marchas, encontrado nas versões a gasolina ou a álcool, nas versões de acabamento "S" = super, "LS"= luxo super e "GLS" = gran luxo super.

Fox 2 portas

Em 1981 o Voyage foi eleito "O Carro do Ano" pela revista Autoesporte e começou a ser exportado para países da América do Sul com o nome de Gacel, Amazon e posteriormente Senda (versão para a Argentina, com motor 1.9 litro a diesel).

Em 1983 o Voyage movido a álcool passou a utilizar o motor MD 270 1.6 litro (mesmo do Passat TS), identificados pelo emblema "1.6" na grade do radiador, sendo este o motor o mais potente (81cv) que a Volkswagen do Brasil produzia até então. Ainda em 1983 foi lançada a primeira série especial: o Voyage Plus dentre os itens especiais tinham faróis de neblina, para-choques na cor do carro e calotas especiais, e também o Voyage Sedan de 4 (quatro) portas, na época com baixíssima aceitação, pois os brasileiros não gostavam de carros 4 portas (o inverso do que acontece hoje, onde a maioria prefere a comodidade ao design esportivo de um cupê).

Em 1983 ainda, em São Paulo no Salão do Automóvel a Volkswagen apresentava um carro-conceito denominado Voyage Tecno, incorporando tudo o que o Departamento de Engenharia da Volkswagen acreditava que se tornaria normal nos veículos de produção num prazo de até 10 anos: painel de instrumentos digital, computador de bordo, rodas Pirelli, bancos de regulagem elétrica com memória, lanternas traseiras com luz negra, motor de 16 válvulas com injeção eletrônica, piloto automático, câmbio de 5 marchas e ABS, entre outros.

Em 1984 todos os modelos passaram a ter o motor 1.6, inclusive a série especial "Los Angeles" (em comemoração as Jogos Olímpicos de Verão de 1984 em Los Angeles), diferenciando-se das demais versões pelos acessórios (que incluíam um pequeno aerofólio)volante do Passat TS febre da época, rodas aro 13 modelo "liga leve" frisos adesivos laterais vermelho e faixas adesivas laterais pretas traziam esportividade ao modelo adesivo "Los Angeles" no vidro traseiro e nos paralamas spoiler dianteiro acompanhado de faróis de milha Cibiê Serra II e a cor exclusiva um azul metálico, logo apelidado de "azul tampa de panela". A cor o azul enseada metálico era exclusivo do modelo, assim como os bancos Recaro de veludo navalhado cinza. Era oferecido apenas na versão a álcool do motor 1.6 com câmbio 4 marchas apenas o curto ou raríssimas unidades com câmbio 5 marchas. Suas vendas não atingiram as espectativas da montadora devido a rejeição da cor que para a época era muito chamativa e em um eventual reparo de funilaria seria difícil igualar a cor com os recursos existentes até então, o que obrigou muitos concecionários a mudar a cor do veículo por outros tons de azul ainda zero km, sendo que no total foram 300 unidades fabricadas de 3000 previstas tornando o modelo um dos mais raros Volkswagens fabricados cobiçado entre colecionadores e admiradores da marcahttps://scontent-a-mia.xx.fbcdn.net/hphotos-prn1/t1/603988_114520202045360_1364767141_n.jpg[3]

Em 1985 o câmbio de 5 (cinco) marchas era oferecido somente como item opcional, neste ano o Gol, até então equipado com motor 1.6 refrigerado a ar, passou por uma mudança, ficando com a frente e o motor iguais aos do Voyage, consagrando-o como sucesso de vendas da VW até hoje. Entra em cena a geração de motores AP (1.6 e 1.8)

Em 1986 foi lançado o Voyage GLS Super, com motor 1.8 do Santana que também equipava Gol GT e Passat GTS Pointer e bancos Recaro,o carros eram marcado por sua arrancada imprisionante chegava de 0 a 100 km em 11,1 e sua velocidade final testada em pistas era de 178 km. um dos mais rapidos dos anos 80 ate 90.

Em 1987 mudou externamente, ganhando novos faróis, grade e para-choques envolventes com cobertura plástica, e passando a ter câmbio de cinco marchas como item de série.

Fox Coupe
Jetta Antigo (Conhecido no Brasil como Voyage) comercializado na europa
Fox GL 4 Portas

Em 1988 vieram novas portas, retrovisores, painel de instrumentos e acabamento interno. Nesta época as versões eram: "CL" = comfort luxo (AP 1.6 ou 1.8, "GL" = gran luxo (AP 1.8, ou "GLS - SUPER" (AP 1.8S). Neste mesmo ano, o Voyage começou a ser exportados para os EUA e o Canadá, com o nome Fox e mais de 2.000 modificações, incluindo injeção eletrônica (Bosch - KE Jetronic).

O Voyage passou a utilizar o motor 1.6 CHT que Ford usava — que passou a ser chamado de AE-1600 (Alta Economia) — por causa da união com este fabricante, união denominada Autolatina. Apesar de não ter diminuído muito o consumo, sobretudo na versão a álcool, o motor ficou um pouco menos potente. Como alternativa, foi lançado uma série especial com motor AP 1.8 e 95cv, denominado Voyage Plus, que trazia ainda estofamento com tecido listrado com listras na cor do veículo, bem como paínel mais esportivo (o mesmo da versão GLS) e volante de Santana. Ainda em 1990, o VW Voyage 2 e 4 portas (como o nome de VW Senda) começou a ser produzido na Argentina em substituição ao VW 1500 (conhecido no Brasil como Dodge 1800 e Dodge Polara) modelo inicialmente prdouzido pela Chrysler-Fevre Argentina S. A. (incorporada pela Volkswagen em 1982).

Em 1991 uma nova mudança nos faróis e na grade, porta malas de 420 litros. O motor 1.6 continuou a ser o AE 1.6, e no final foi introduzido o AP 1.8 na versão Cl.

Nesta data algumas unidades de Voyages 4 portas nacionais (chassis iniciando em Bxx) foram fabricadas na unidade Anchieta SBC.

Assim como alguns carros da época o Voyage passou a ser equipado com o catalisador para adequação do modelo junto as normas de emissões de poluentes. Neste ano também se dava o término da produção das unidades 4 portas nacionais. Mantendo o painel desde 1990, em 1992 um conta giros (RPM) é incrementado à este modelo.

Em 1993 foi lançado o mais completo e mais potente Voyage, substituindo o Super: era o Voyage Sport 1.8S, que ficou em linha até 1994.

Neste ano no versão 4 portas, o Voyage somente era fabricado na Argentina com motor 1.8. Ainda em 1993, com o fim da Autolatina, voltaram os motores AP 1.6, fora isto, em 1993 houve poucas mudanças resumidas a novos estilos de cor e acabamento.

No final de 1994 o Voyage deixou de ser fabricado no Brasil, sendo produzido somente na Argentina. No final de 1995 o Voyage saiu de linha. Nessa época só duas versões eram produzidas: a GL 1.8 e a Special (apenas 4 portas). Seu substituto, o Polo Classic, também era fabricado na Argentina, com motor AP 1.8, colocado transversalmente e equipado com injeção eletrônica, porta-malas maior e design mundial Volkswagen.

No filme Batman Returns, de 1992, todos os carros, fora o batmóvel, são Volkswagen Fox; ou seja, o Voyage brasileiro.

Segunda Geração[editar | editar código-fonte]

Voyage Trend 1.6 no Chile, onde é comercializado com o nome de Gol Sedan.

Em 12 de setembro de 2008 a Volkswagen anunciou o lançamento da segunda geração do Voyage, oferecido em quatro versões de acabamento: Voyage 1.0, Voyage 1.6, Voyage 1.6 Trend e Voyage 1.6 Confortiline Com base no Gol, compartilhava os motores transversais de 1.0 (72 cv/76 cv, gasolina e álcool) e 1.6 (101 cv/104 cv, gasolina e álcool), este último com opção de câmbio automatizado I-Motion.[4]

Reestilização[editar | editar código-fonte]

A segunda geração recebeu uma reestilização no segundo semestre de 2012, já como modelo 2013. As principais mudanças foram a dianteira e a traseira.

Na dianteira foram aplicados os faróis do Volkswagen Fox, de facho duplo com revestimento em máscara negra. Na traseira, novas lanternas, semelhantes a do Fiat Grand Siena, sendo que a fábrica anunciou inspiração no modelo Volkswagen Jetta.

No interior, foi alterado o grafismo e a coloração do interior.

Alguns itens de série foram incluídos no modelo, sendo o principal I-System.

Os motores 1.0 e 1.6 foram modificados, sendo o 1.0 batizado de 1.0 Tec.

Os atuais concorrentes são os modelos Chevrolet Cobalt e Fiat Grand Siena.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e Referências

  1. Autoesporte 416 - Especial Carro do Ano autoesporte. globo.com. Página visitada em 2008-10-11.
  2. Volkswagen Notícias - Volkswagen: Voyage é o nome do novo sedan que será lançado pela Volkswagen www.vwbr.com. br. Página visitada em 2008-10-11.
  3. QUATRO RODAS - Voyage quatrorodas. abril.uol.com. br. Página visitada em 2008-10-11.
  4. Volkswagen Notícias - Volkswagen: Volkswagen lança o Voyage www.vwbr.com.br. Página visitada em 2008-10-11.
Volkswagen Voyage.JPG