Wet Dream

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wet Dream
Álbum de estúdio de Richard Wright
Lançamento 15 de setembro de 1978
Gravação 10 de janeiro a 14 de fevereiro de 1978, no Super Bear Studios
Gênero(s) Rock progressivo, rock instrumental, jazz fusion, new age
Duração 43:51
Formato(s) LP, CD
Gravadora(s) Harvest (Reino Unido)
Columbia(Estados Unidos)
Produção Richard Wright
Cronologia de Richard Wright
Último
Último
Identity
(por Zee)
(1984)
Próximo
Próximo

Wet Dream é o álbum de estreia do cantor e compositor Richard Wright, mais conhecido por ter sido tecladista e um dos vocalistas da banda britânica de rock Pink Floyd. O disco foi produzido pelo próprio músico e lançado em setembro de 1978.[1]

O trabalho é, em sua maior parte autoral, exceto "Against the Odds", escrita por Wright em parceria com sua esposa Juliette Wright. Maior parte do projeto contém músicas instrumentais, baseadas no rock progressivo, estilo que o Pink Floyd também explorava. Segundo Richard, o disco é bastante pessoal, e as canções foram escritas durante uma temporada em que o artista passou na Grécia.

Mesmo sendo um projeto solo de um integrante do Pink Floyd, o álbum praticamente passou desapercebido. Na década de 90, Wet Dream foi relançado em CD em países da América do Norte, mas sua maior popularidade foi alcançada em 2008, quando o disco foi relançado por conta da morte do músico.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 1977, o Pink Floyd havia lançado o álbum Animals, no qual evidenciou as primeiras discórdias no grupo. Num contexto social problemático e a ascensão do movimento punk, o resultado foi um disco agressivo e sombrio. Foi o primeiro trabalho da banda sem composições de Richard Wright, com Roger Waters escrevendo sozinho quase todas as músicas. David Gilmour ainda escreveu "Dogs", mas sua contribuição foi menor, por estar concentrado no nascimento de seu primeiro filho.[2]

A In the Flesh Tour foi igualmente problemática. Em alguns shows, Waters costumava chegar sozinho e ia embora pouco depois que as apresentações acabavam. Em uma ocasião, Wright voltou para a Inglaterra ameaçando deixar a banda.[3] Na visão de David Gilmour, a banda já tinha chegado ao seu auge e nada de novo seria interessante a se fazer.[4] Em julho de 1977, no último show da turnê no Estádio Olímpico de Montreal, um pequeno grupo de fãs barulhentos na primeira fila da platéia irritou Roger de tal forma que ele cuspiu em um deles. Ele não era a única pessoa que se sentia mal por tocar para públicos tão grandes: Gilmour chegou a se recusar tocar o habitual bis da banda.[5]

Após a turnê de Animals, a banda teve tempo livre para descanso. Enquanto Roger Waters concentrava seus esforços em ideias que, posteriormente dariam corpo ao projeto The Wall,[5] David Gilmour resolveu trabalhar um disco solo, no qual foi David Gilmour. Assim como ele, Wright decidiu trabalhar sozinho em um álbum. Nesta época, o casamento do artista estava em crise, e todo este contexto acabou servindo como influência para o disco.[6]

Cquote1.svg Animals foi um trabalho árduo. Não era um disco divertido de fazer, mas isso foi quando Roger realmente começou a acreditar que era o único escritor da banda. Ele acreditava que era só por causa dele que a banda ainda estava indo para frente, e obviamente, quando ele começou a desenvolver seu ego, a pessoa com quem ele tinha conflitos era eu. Cquote2.svg
Richard Wright, a respeito do álbum Animals.[7]

Concepção e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Segundo Richard Wright, todo o material que compõe o álbum foi escrito na Grécia, onde ele estava morando. Foi um momento oportuno para o cantor, pois fazia certo tempo em que Wright não apresentava canções novas. O álbum, mais tarde foi definido como "muito pessoal", baseado nos sentimentos do compositor na época.[6]

Wright, por sua vez, evitou fazer um álbum com arranjos de teclado "extravagantes", como fez em Ummagumma, do Pink Floyd, porque sua inspiração estava voltada à um tipo de música mais calma. A maioria das letras, por sua vez questionam as suas raízes e a sua sensação de pertencimento. "Against the Odds", por exemplo, foi escrita numa vila onde o cantor estava passando as férias e que, posteriormente tornou-se sua segunda casa.[6]

"Pink's Song", ao contrário do que muitos supõem como desabafo em relação à banda, foi escrita sobre um amigo de Richard que tinha como apelido Pink e foi com o casal Wright para a Grécia, ajudando a cuidar dos dois filhos de Juliette e Richard. A canção "Waves", foi inicialmente, a única escrita com arranjos de saxofone, porém o cantor mudou de ideia nas durante as gravações do álbum.[6]

O título do álbum, Wet Dream surgiu como uma combinação de dois aspectos inerentes ao álbum: wet, pelo fato do disco ter uma "sensação aguada", na visão de Rick, e dream pelas sensações que a música do Pink Floyd produz aos ouvintes mas, principalmente sobre a Grécia, retomando seus questionamentos acerca de seu pertencimento.[6]

Gravação[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 1978, Wright iniciou as gravações do álbum no Super Bear Studios, localizado na França.

Faixas[editar | editar código-fonte]

Lado A
N.º Título Compositor(es) Duração
1. "Mediterranean C"   Richard Wright 3:52
2. "Against the Odds"   Richard Wright e Juliette Wright 3:57
3. "Cat Cruise"   Richard Wright 5:14
4. "Summer Elegy"   Richard Wright 4:53
5. "Waves"   Richard Wright 4:19
Lado B
N.º Título Compositor(es) Duração
1. "Holiday"   Richard Wright 6:11
2. "Mad Yannis Dance"   Richard Wright 3:19
3. "Drop In from the Top"   Richard Wright 3:25
4. "Pink's Song"   Richard Wright 3:28
5. "Funky Deux"   Richard Wright 4:57

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

Banda
Equipe técnica
Projeto gráfico
  • Hipgnosis- Design da capa e fotografias
  • Brimson - fotografias

Referências

  1. Wet Dream - Richard Wright Allmusic. Visitado em 14 de dezembro de 2014.
  2. Blake 2008, pp. 242–243
  3. Blake 2008, pp. 252–253
  4. Mason 2005, p. 230
  5. a b Mason 2005, pp. 235–236
  6. a b c d e November 4, 1978, Pink Floyd: Rick Wright interview The Karl Dallas Archive. Visitado em 10 de dezembro de 2014.
  7. Blake 2008, p. 243