Wikipédia:Argumento da bola de neve

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Crystal Clear mimetype txt.png Este ensaio contém conselhos ou opiniões de um ou mais contribuidores da Wikipédia. Ensaios não são políticas nem recomendações, mas podem representar práticas já bem difundidas na comunidade ou ainda pontos de vista de minorias. Sinta-se livre e até encorajado para melhorar a página ou discutir na página de discussão, mas tenha prudência ao considerar esses pontos de vista já previamente trabalhados.
Às vezes, o destino de uma bola de neve pode não ser imediatamente óbvio e previsível até que ela seja de fato colocada em condições infernais. Por isso, é preciso que as coisas sigam seu curso até o final.
Inferno. Note a ausência de bolas de neve.

Argumento da bola de neve é mais uma das formas pelas quais os editores são encorajados a exercitar o bom senso e evitem comportamentos abusivos ou burocráticos. O argumento da bola de neve é o seguinte:

Se um tema tem a mesma chance de ser aceito que uma bola de neve terá de sobreviver no inferno num dado processo, não há por que insistir em fazê-lo percorrer o processo todo.

O argumento da bola de neve foi pensado para evitar que os editores se vejam metidos em longas, cansativas e burocráticas discussões sobre coisas cuja conclusão já é sabida no início. Por exemplo, se um artigo é apagado por exclusão rápida pela causa errada (e.g. uma que não esteja listada nos critérios para deleção rápida, mas que tenha a mesma chance da bola de neve no inferno de sobreviver a uma deleção pelo processo de páginas para eliminar, não há por que restaurá-lo e forçar a comunidade a ter que eliminá-lo novamente.

O argumento da bola de neve não é uma política e há, por vezes, boas razões para insistir contra as chamas de qualquer forma; bolas de neve bem direcionadas já conseguiram, em raras ocasiões, atravessar o inferno e alcançaram seus objetivos[1] . O argumento deve ser visto como um pedido educado para que não desperdice o tempo de todos.

O que o argumento da bola de neve não é[editar | editar código-fonte]

Uma batalha morro acima é extremamente difícil, mas é, potencialmente, possível de ser vencida. Nos casos de disputas genuínas na comunidade, é melhor resolvê-la através de discussões e debates. Mas elas não devem ocorrer apenas como resposta às reclamações de que o processo não foi seguido e sim para produzir o resultado correto, o que geralmente requer que o processo todo siga seu curso. Permitir que o processo continue até o fim pode levar a um discurso mais razoável, assegurar que todos os argumentos foram completamente examinados e se mantenha um senso de justiça. Porém,importante destacar que procssos levados a cabo por si mesmos não são parte da política da Wikipédia.

O teste da bola de neve[editar | editar código-fonte]

Este teste pode ser aplicado a uma ação somente depois de ela ter sido realizada, pois a ausência de bolas de neve no inferno não é uma verdade absoluta[2] [3] [4] , e ele é, por isso, útil para que aprendamos com a experiência:

  • Se um tema em debate atravessou o processo e a decisão resultante é unânime, então ele é um candidato para ser um argumento bola de neve.
  • Se um tema em debate é levado adiante mesmo sendo a "bola de neve no inferno" e alguém, posteriormente, levanta uma objeção razoável, então ele provavelmente não é um bom candidato a ser um argumento bola de neve. Ainda assim, se a objeção não for razoável ou for contrária às políticas, então o debate precisa ser redirecionado e os editores devem ser alertados para que não não abusem da Wikipédia para provar um ponto.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. A Lucky Snowman (Dilbert comic strip 2003-07-05)
  2. Snowballs in Hell, Physics News Graphics, reported by Schwegler et al., in Physical Review Letters, 13 March 2000 (American Institute of Physics)
  3. David A. Paige, "Chance for snowballs in hell", Nature 369, 182 (19 May 1994); doi:10.1038/369182a0
  4. Toynbee, Paget Jackson. A dictionary of proper names and .... [S.l.]: The Clarendon Press, 1898.