Wilhelm Ostwald

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wilhelm Ostwald Medalha Nobel
Química
Nacionalidade Alemanha Alemão
Nascimento 2 de setembro de 1853
Local Riga
Morte 3 de abril de 1932 (78 anos)
Local Leipzig
Atividade
Campo(s) Química
Instituições Universidade de Tartu, Universidade Técnica de Riga, Universidade de Leipzig
Alma mater Universidade de Tartu
Orientador(es) Carl Schmidt
Orientado(s) Arthur Amos Noyes, Georg Bredig, Paul Walden, Frederick George Donnan
Conhecido(a) por Processo Ostwald
Prêmio(s) Nobel prize medal.svg Nobel de Química (1909), Medalha Wilhelm Exner (1923)

Friedrich Wilhelm Ostwald (let. Vilhelms Ostvalds) (Riga, 2 de setembro de 1853Leipzig, 3 de abril de 1932) foi um químico e filósofo alemão, nascido na Letônia.

Considerado o pai da físico-química, recebeu o Nobel de Química de 1909, por seu trabalho sobre catálise. Também desenvolveu um processo de fabricação de ácido nítrico por oxidação do amoníaco.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudou na Universidade de Dorpat (atualmente Universidade Estatal Tartu), graduando-se em 1875, e trabalhando como professor neste centro até 1881. De 1881 a 1887 foi professor do Instituto Politécnico de Riga. Em 1887 mudou-se para a Universidade de Leipzig, para exercer a função de professor de físico-química. Nesta última universidade foi fundado o Instituto Ostwald, primeiro instituto dedicado ao estudo da físico-química, que Ostwald dirigiu até 1906.

Em 1900 descobriu o processo de preparação do ácido nítrico a partir da oxidação do amoníaco, usando como catalisador a platina, facilitando a produção em massa de fertilizantes e explosivos para a Alemanha durante a Primeira Guerra Mundial.[1] Este processo foi substituído pelo processo de Haber-Bosh, tornando a produção de amônia mais econômica.[1] Construiu um viscosímetro que atualmente ainda é utilizado para medir a viscosidade das soluções, denominado viscosímetro de Ostwald.[1]

Recebeu o Nobel de Química de 1909, por suas pesquisas sobre a catálise, princípios fundamentais que governam os equilíbrios químicos e velocidade das reações (cinética química).[2] Formulou a lei de Ostwald, que rege os fenômenos da dissociação dos eletrólitos nas dissoluções.

Propôs uma nova teoria da cor, defendendo a normatização das cores. Em 1920 montou em Dresden um laboratório destinado aos seus estudos. Destacou-se, além disso, como escritor e editor científico.

Obras[editar | editar código-fonte]

Entre suas obras destacam-se: Filosofía natural (1902) e Ciência da cor (1923).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Fernandes, Carlos. Título não preenchido, favor adicionar Só Biografias, UFCG. Visitado em 21 de janeiro de 2013.
  2. Perfil no sítio oficial do Nobel de Química 1909 Prêmio Nobel. Visitado em 21 jan 2013. (em inglês)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Ernest Rutherford
Nobel de Química
1909
Sucedido por
Otto Wallach


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons