Willibrord de Utrecht

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Arrows-move.svg
Em 27 de março de 2015 foi proposta a renomeação deste artigo para Vilibrordo. Se não concorda, use a página de discussão.
Obs.: Também é possível Vilibrordo de Utrecht ou Vilibrordo de Utreque (ver mais detalhes na discussão)
Willibrord de Utrecht
De heilige Willibrord, obra de Cornelis Bloemaert, cerca de 1630
Bispo de Utrecht
Nascimento 658 em Nortúmbria
Morte 7 de novembro de 739 (81 anos) em Echternach
Veneração por Católicos
Comunhão Anglicana
Vétero-católicos
Festa litúrgica 7 de novembro
Atribuições Hábito de bispo e báculo. Ele é muitas vezes representado com um báculo mergulhado em um tambor, porque segundo a lenda, preencheram um barril de vinho com ele. Mergulhando alguém num barril. Com uma maquete da Sé de Utrecht nas mãos ou nos pés.
Padroeiro Países Baixos, Luxemburgo, Utrecht, vétero-católicos, invocado em casos de epilepsia e inflamações cutâneas
Gloriole.svg Portal dos Santos

Willibrord de Utrecht ou Vilibrordo[1] [2] (Nortúmbria, 658 - Echternach, Luxemburgo, 7 de novembro de 739) foi um missionário cristão anglo-saxão, primeiro bispo de Utrecht e membro da chamada missão anglo-saxã. Considerado o «apóstolo da Frísia e os Países Baixos históricos» (com Flandres e Luxemburgo), é venerado como santo por diversas confissões cristãs.

Hagiografia[editar | editar código-fonte]

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Seu pai era Vilgils ou São Hilgis, um anglo ou, segundo Alcuíno de Iorque, um saxão da Nortúmbria, que se retirou do mundo para uma ermida que dedicou a Santo André.

Willibrord teve são Vilfrido, futuro bispo de Iorque, como professor e foi enviado à abadia de Ripon. Ingressou na Ordem de São Bento e entre os vinte e os trinta e dois anos viveu na abadia de Rathmelsigi, na Irlanda, um dos focos culturais do momento.[3] Estudou com o abade São Egberto, que o ordenou sacerdote.

Missionário dos frísios[editar | editar código-fonte]

Estátua de são Willibrord como missionário, em Utrecht.

São Egberto o enviou com doze companheiros para converter as tribos germânicas do norte, na região da Frísia, que compreendia os atuais Países Baixos, Flandres e Luxemburgo. Pepino de Herstal, rei cristão dos francos, tinha conquistado os territórios da outra margem do Reno e queria que se evangelizassem, já que não havia chegado o cristianismo. Até 690, chegou com um grupo de monges e se encarregou de organizar a Igreja na região.

Em 695 foi a Roma, onde recebeu a aprovação do Papa Sérgio I, que o consagrou como bispo dos frísios, com o nome de Clemente, e deu-lhe o pálio. De volta à Frísia, continuou a pregação, fundando numerosas igrejas e mosteiros. Em Utrecht, estabeleceu a da diocese, convertendo-se assim no seu primeiro bispo. Sufragâneas dela, criou as dioceses de Deventer e Haarlem e, em 698, fundou a abadia de Echternach, em Luxemburgo. Destruiu templos e imagens dos deuses pagãos,[4] o que provocou a animosidade dos frísios que não quiseram aceitar a nova religião.

Willibrord tentou converter Radbod, o rei dos frísios, mas não conseguiu e voltou a Fontenelle. A tradição diz que Radbod esteve a ponto de batizar-se, mas que, no último momento, quando soube que não encontraria no céu a nenhum de seus antepassados, já que ao não ser cristãos estavam condenados, preferiu «passar a eternidade no inferno com os seus, que no céu com estranhos». A missão tinha o apoio dos francos, que assim queriam ficar com o controle do porto de Dorestad, importante foco comercial. Em 714, com a morte de Pepino, Rabdod iniciou uma revolta; em 716 já havia colhido novamente o poder na Frísia, depois o que queimou igrejas e assassinou a muitos dos missionários cristãos. Willibrord se refugiou no mosteiro de Echternach, que ele mesmo tinha fundado.

Ao morrer Radbod em 719, Willibrord pode voltar a sua tarefa, ajudado por são Bonifácio, que estava evangelizando as terras germânicas. Agora contavam com o apoio de Carlos Martel. Willibrod faleceu durante uma de suas paradas em Echernach, em 7 de novembro de 739, em cuja abadia foi sepultado.

Veneração e legado[editar | editar código-fonte]

Tumba de Willibrord em Echernach.

Depois da sua morte, Willibrord foi rapidamente venerado como santo. Alcuíno de Iorque escreveu uma hagiografia, baseando-se em alguma mais antiga.[5] Não chegaram aos nossos dias seus escritos, salvo uma breve glosa marginal no Calendário de Echternach. O chamado Evangeliário de Willibrord que se conserva na Biblioteca Nacional de Paris[6] é um códice do século VIII que levou ao santo bispo desde Irlanda a Frísia.

Referências

  1. Kehl 1997, p. 299
  2. São Vilibrordo (em português). Visitado em 30-03-2015.
  3. Rath Melsigi, tradicionalmente identificada como Mellifont no Condado de Louth. Cfr.D. O. Croinin, "Rath Melsigi, Willibrord, and the earliest Echternach manuscripts," Peritia 3 (1984:17-42).
  4. C.J.C. Broer en M.W.J. de Bruijn, Bonifatius en de Utrechtse kerk, in: C. Dekker and E.S.C. Erkelens-Buttinger (1997), De kerk en de Nederlanden, pp.63, Verloren, ISBN 906550558X
  5. Alcuino, Vita Sancti Willibrordi, circa 795, capítulo 14
  6. Ms. Lato 9389

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Willibrord de Utrecht


Precedido por
-
Brasão episcopal.
Bispo de Utrecht

696 - 739
Sucedido por
Wera