Wim Duisenberg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wim Duisenberg
Wim Duisenberg
Presidente do Banco Central Europeu
Mandato 1 de Junho de 1998 - 30 de Outubro de 2003
Sucessor(a) Jean-Claude Trichet
Vida
Nascimento 9 de Julho de 1935
Heerenveen,  Países Baixos
Morte 31 de Julho de 2005
Faucon,  França
Dados pessoais
Profissão Funcionário Público

Willem Frederik Duisenberg, vulgarmente conhecido por Wim Duisenberg, (Heerenveen, 9 de Julho de 1935 - Faucon, 31 de Julho de 2005) foi um banqueiro holandês, político e o primeiro presidente do Banco Central Europeu (1998-2003), que foi fundamental na introdução do euro nos doze países europeus, em 2002.

Inicio de vida e educação[editar | editar código-fonte]

Duisenberg nasceu na cidade de Heerenveen, nos Países Baixos. Estudou economia na Universidade de Groningen, depois em relações económicas internacionais. Em 1965, obteve um doutorado; a sua tese foi "As consequências económicas do Desarmamento".

Carreira[editar | editar código-fonte]

Duisenberg trabalhou para o Fundo Monetário Internacional, em Washington, durante vários anos, sendo que ocupou o cargo de assessor do diretor do Nederlandsche Bank, o banco central holandês, em Amesterdão. Ele foi então nomeado professor da Universidade de Amsterdão onde ele ensinou macroeconomia.

De 1973 a 1977, Duisenberg foi Ministro das Finanças no governo do Primeiro-Ministro Joop den Uyl. Pouco tempo depois, ele deu o seu assento no parlamento holandês para se tornar vice-presidente do Rabobank, um banco privado holandês. Dois anos depois, ele foi nomeado diretor do Nederlandsche Bank, servindo como seu presidente de 1982 a 1997.

O seu mandato, no banco central holandês, foi marcado pela cautela e pela reserva. Sob a sua direcção, o florim neerlandês estava ligado ao marco alemão, e isso beneficiou a economia holandesa, devido à força da moeda alemã. Ele também seguiu o banco central alemão na taxa de juro, politicamente, pelo que ele foi chamado de "Sr. quinze minutos" porque ele rapidamente seguia qualquer alteração na taxa de juro, feita pelos alemães.

Primeiro presidente do Banco Central Europeu[editar | editar código-fonte]

Devido ao sucesso da sua política monetária, ele tornou-se bem conhecido em outros países europeus, e isso levou a sua nomeação em 1998 como o primeiro presidente do novo Banco Central Europeu, em Frankfurt, o que provocou um pesar na França, pois queriam que fosse um francês a ocupar o cargo. Um compromisso foi acordado (embora publicamente negado por todas as partes) em que Duisenberg iria estar no cargo, pelo menos, durante quatro anos [1] , para depois dar o seu lugar ao francês Jean-Claude Trichet, diretor do Banco de França, a fim de satisfazer o presidente francês, Jacques Chirac, que queria um candidato francês.

Duisenberg anunciou que iria reformar-se em 9 de Julho de 2003, no seu 68.º aniversário, mas ele manteve-se em funções até Trichet ser ilibado de acusações de fraude em conexão com o colapso do banco francês Crédit Lyonnais. Trichet assumiu a presidência do BCE em 1 de Novembro de 2003.

Morte[editar | editar código-fonte]

Duisenberg morreu em 2005, com 70 anos de idade, enquanto estava de férias na sua vivenda em Faucon, perto de Orange, na França. Ele afogou-se na sua piscina depois de sofrer um ataque cardíaco, que aconteceu, possivelmente, devido ao seu histórico de fumador.

A cerimónia foi realizada no dia 6 de Agosto de 2005, no Concertgebouw de Amesterdão. Duisenberg foi enterrado na tarde desse dia, no cemitério de Zorgvlied, em Amesterdão.

Referências[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Wim Duisenberg


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.