WordPress

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
WordPress
WordPress logo.svg
WordPress MP6 dashboard.png
Painel de administração do WordPress
Desenvolvedor Matt Mullenweg
Ryan Boren
Donncha O Caoimh
Plataforma Multiplataforma
Modelo do desenvolvimento Software livre
Lançamento 27 de maio de 2003 (11 anos)
Versão estável 4.0 (4 de setembro de 2014; há 6 semanas e 5 dias[1] )
Versão em teste 4.0 Beta 2 (18 de julho de 2014; há 13 semanas e 4 dias[2] )
Idioma(s) Vários, incluindo inglês e português
Escrito em PHP
Sistema operativo Multiplataforma
Gênero(s) CMS
Licença GPL versão 2
Estado do desenvolvimento Ativo
Tamanho 6,3 MB
Página oficial wordpress.org

WordPress é um aplicativo de sistema de gerenciamento de conteúdo para web, escrito em PHP com banco de dados MySQL, voltado principalmente para a criação de blogs via web. Essa é uma das ferramentas mais famosas na criação de blogs disputando diretamente com o serviço do Google chamado Blogger. No entanto, o WordPress é adotado por aqueles que queiram um blog mais profissional e com maiores recursos diferenciais.

O WordPress foi criado a partir do já desaparecido b2/cafelog e é hoje, junto com o Movable Type, o mais popular na criação de weblogs. As causas do seu rápido crescimento são, entre outras, seu tipo de licença (de código aberto), sua facilidade de uso e suas características como gerenciador de conteúdos. Criado por Ryan Boren e Matthew Mullenweg, é distribuído sob a GNU General Public License sendo gratuito.

O WordPress é utilizado também como plataforma de desenvolvimento de sites de comércio eletrônico, revistas, jornais, portfólio, gerenciador de projeto, diretório de eventos e outros conteúdos devido a sua capacidade de extensão através de plugins, temas e programação PHP[3] .

Características[editar | editar código-fonte]

Hierarquia de modelos WordPress

O WordPress possui um sistema de modelos, através de um processador de modelos. Os usuário pode re-organizar o layout através de widgets sem precisar editar códigos PHP ou HTML; eles também podem instalar e alternar entre temas WordPress. Os códigos PHP e HTML dos temas também podem ser editados para adicionar funcionalidades personalizadas.

Alguns dos recursos incluem:

  • Gerar XML, XHTML, e CSS em conformidade com os padrões W3C
  • Gerenciamento integrado de ligações
  • Estrutura de permalink amigável aos mecanismos de busca
  • Suporte extensivo a plug-ins
  • Categorias aninhadas e múltiplas categorias para artigos
  • TrackBack e Pingback
  • Filtros tipográficos para formatação e estilização de texto corretas
  • Páginas estáticas
  • Múltiplos autores
  • Suporte a tags (desde a versão 2.3)
  • Pode gerenciar múltiplos blogs em subpastas ou subdomínios (desde a versão 3.0)
  • Importação e exportação de dados
  • API de desenvolvimento de plugins
  • Níveis, promoção e rebaixamento de usuários
  • Campos personalizados que permitem armazenar dados extras no banco de dados

Há aplicações para Android,[4] iPhone/iPod Touch,[5] iPad,[6] Windows Phone 7 e BlackBerry[7] que oferecem acesso a alguns dos recursos do painel administrativo WordPress tanto para o WordPress.com quanto para alguns blogs WordPress.org.

O WordPress atualmente suporta a importação de dados, na forma de postagens (artigos), da maioria das plataformas de publicação disponíveis[8] . É possível importar dados exportados de outros sistemas como Blogger , WordPress.com etc.

História[editar | editar código-fonte]

Tela Adicionar novo Post, na versão 3.2

b2/cafelog, mais conhecido porb2 ou cafelog, foi o precursor do WordPress.[9] b2/cafelog estima ter sido empregado em aproximadamente 2,000 blogs até Maio de 2003. Escrito em PHP para uso em MySQL, o b2 foi escrito por Michel Valdrighi, que é agora um contribuidor no desenvolvimento do WordPress. Embora o WordPress seja o sucessor oficial, outro projeto b2evolution, também está em desenvolvimento ativo.

O WordPress apareceu em 2003 da junção de esforços entre Matt Mullenweg e Mike Little para criar um fork do b2.[10] O nome WordPress foi sugerido por Christine Selleck, uma amiga de Mullenweg.[11]

Em 2004 os termos de licenciamento para o concorrente Movable Type foi mudado pela Six Apart e muitos de seus usuários mais influentes migraram para o WordPress.[12] [13] Em Outubro de 2009, O sistema Market Share Report chegou a conclusão que o WordPress conseguiu criar uma das marcas mais fortes em sistemas de gerenciamento código aberto.[14]

A versão 3.0, lançada em 17 de junho de 2010, fundiu o WordPress MU ao aplicativo principal sendo assim, o projeto WordPress Mu foi descontinuado.[15] O WordPress MU era um fork do WordPress criado para permitir a existência e gerenciamento de vários blogs simultâneos em apenas uma instalação. Atualmente o WordPress pode se tornar multiusuário mediante a algumas configurações.[16]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Em 2007, o WordPress ganhou um prêmio Packt de CMS código aberto.[17]

Em 2009, ganhou o prêmio de melhor CMS código aberto, o Open Source CMS Award.[18]

Em 2010, ganhou na categoria Hall of Fame CMS no 2010 Open Source Awards.[19]

Em 2011, ganhou o prêmio de aplicação web código aberto do ano, Open Source Web App of the Year Award no The Critters.[20] [21]

Remoção de temas patrocinados[editar | editar código-fonte]

Em 10 de Julho de 2007, seguindo a discussão no fórum de ideias WordPress[22] e artigo de Mark Ghosh em seu website Weblog Tools Collection,[23] Matt Mullenweg anunciou que o repositório oficial de temas WordPress em http://themes.wordpress.net não mais hospedará temas contendo link patrocinados.[24] [25] Embora isso tenha sido criticado por designers e usuários de tais temas, foi apoiado pela maioria dos usuários WordPress que consideravam tais temas como spam.[26] O repositório oficial de temas WordPress, parou a aceitação de qualquer tema, mesmo que sem links patrocinados, logo após o anúncio. Temas patrocinados ainda estão disponíveis, assim como temas gratuitos com links adicionados por terceiros.[27] [28]

Em 18 de Julho de 2008, um novo diretório de temas foi lançado em http://wordpress.org/extend/themes/. Com layout semelhante ao diretório de plugins.[29] Todo temas enviado é verificado por um script e então por voluntários.

Em 12 de Dezembro de 2008, mais de 200 temas foram removidos do diretório WordPress, por não compactuarem com a licença GPL.[30] Hoje, menções do autor são permitidas em cada tema, mas a política oficial não permite links patrocinados ou links para sites que distribuem temas não-GPL. Temas não-GPL agora são hospedados em outros diretórios.

Versões[editar | editar código-fonte]

Desde a versão 1.2, todas as versões do WordPress tem o codinome de um cantor de jazz.[31]

Versão Codinome Data de Lançamento Notas
0.70 27 de maio de 2003 Tinha a mesma estrutura do seu predecessor, b2/cafelog. Só é possível baixar a versão 0.71-gold no site oficial.
1.2 Mingus 22 de maio de 2004 O mais importante foi a introdução ao suporte de plugins. Ainda hoje ainda é usado a mesma estrutura de cabeçalhos para os plugins.
1.5 Strayhorn 17 de fevereiro de 2005 Strayhorn trouxe uma grande quantidade de atualizações vitais, como a criação de páginas estáticas e de temas/design. Assim como veio com um tema padrão incluído (codinome Kubrick[32] ) criado por Michael Heilemann.
2.0 Duke 31 de dezembro de 2005 Nesta versão veio o editor WYSIWYG, uma grande melhora nas ferramentas de administração, o upload de imagens, melhora na velocidade do sistema, mudanças na forma de importar informações, e uma completa revisão do BackEnd. No WordPress 2.0 também veio com uma grande variedade de informações para os desenvolvedores de plugins.[33]
2.1 Ella 22 de janeiro de 2007 Além das correções de segurança, esta versão trouxe um re-design da interface, melhorando o painel de edição com a auto correção e o auto-save, e uma melhora nas opções de administração.
2.2 Getz 16 de maio de 2007 Na versão 2.2 veio o tão esperado suporte para widgets em temas, e uma mudança no feed Atom, e uma substancial melhora de velocidade.[34]
2.3 Dexter 24 de setembro de 2007 Na versão 2.3 tivemos como principal adição o suporte nativo a tags, um novo sistema de categorias e uma melhora das notificações de atualizações. Nesta versão também foi incluído o suporte completo ao Atom 1.0, junto com o protocolo de publicação e incluiu algumas correções de segurança, já muito necessárias.[35]
2.5 Brecker 29 de março de 2008 Foi decidido pelos desenvolvedores pular a versão 2.4, logo a versão 2.5 veio com duas atualizações importantes. Novamente um completo re-design da adminstração e o site do WordPress também ganhou uma completa modificação para acompanhar o estilo.[36]
2.6 Tyner 15 de junho de 2008 Tyner veio com poderosas ferramentas que ajudaram a tornar o WordPress mais CMS, agora você pode Criar revisões para cada um dos artigos que são criados, tornando fácil voltar para uma versão anterior do artigo se necessário.[37]
2.7 Coltrane 11 de dezembro de 2008 De novo vemos mais um re-design do administração. Juntamente com a introdução da atualização automática de plugin pela administração.[38]
2.8 Baker 10 de junho de 2009 Baker trouxe melhoras na velocidade, e a instalação de temas direto da administração. Trouxe também uma modificação para a melhor edição de arquivos pela administração e uma completa reestruturação da API dos Widgets.[39]
2.9 Carmen 19 de dezembro de 2009 Carmen trouxe uma estrutura de lixeira, um editor de imagens , atualização em massa de plugins, e uma grande quantidade de novas funções para os desenvolvedores.[40]
3.0 Thelonious 17 de junho de 2010 Thelonius trouxe um novo tema padrão chamado "Twenty Ten". A versão marca a fusão do Wordpress com o Wordpress MU, permitindo a existência de vários blogs em uma única instalação. Nesta versão, também foram corrigidos mais de 1200 bugs.[41]
3.1 Reinhardt 23 de fevereiro de 2011 Reinhardt teve como novidade mais notória a adição da Admin Bar, a qual aparece em todas as páginas do blog quando o administrador está conectado. Trouxe maior facilidade de acesso a funções críticas, tal como comentários e atualizações, além de melhoria nas capacidades das ligações internas, entre outras.[42]
3.2 Gershwin 4 de julho de 2011 Gershwin teve como principal objectivo tornar o WordPress mais rápido e leve.[43]
3.3 Sonny 12 de dezembro de 2011 Sonny tem como principais objectivos tornar o WordPress mais amigável para principiantes e para utilizadores de tablet PC Nesta versão também lançou-se um importador especial para Tumblr.[44]
3.4 Green 14 de junho de 2012 Green pretende facilitar a personalização de temas e cabeçalhos, de embeds do Twitter e das legendas de imagens.[45]
3.5 Elvin 11 de dezembro de 2012 Suporte para Tela retina, seletor de cores mais intuitivo, novo tema: Twenty Twelve[46]
3.6 Oscar 01 de agosto de 2013 Um novo tema, Twenty Thirteen, preparado para apresentar os conteúdos de forma rica e com muitas cores. O editor de Menus está mais simples de entender e de usar. No editor, cada pequena alteração é salva, sendo possível restaurar de forma simples e rápida.[47]
3.7 Basie 24 de outubro de 2013 Foram adicionadas atualizações automáticas para a manutenção e atualizações de segurança. No momento de criar uma nova senha, a recomendação é mais interativa com o usuário. Um melhor suporte global para traduções com a ajuda da comunidade mundial também está melhor.[48]
3.8 Parker 12 de dezembro de 2013 Traz um novo visual para todo o painel de administração. Longe vão os gradientes e dezenas de tons de cinza. Traz em um maior, mais ousado design, mais colorido com quatro cores opcionais para o painel administrativo: Cinza, Verde, Lilás e Azul. O painel também adapta-se a qualquer resolução de tela. A busca por temas ficou ainda mais interativa com o usuário, e no simples digitar o tema é pesquisado no Wordpress.org. E para simbolizar o novo visual, o tema Twenty Fourteen foi adicionado ao padrão de instalação do WordPress.[49]
3.9 Smith 16 de abril de 2014 Novos recursos como pré-visualização de widgets ao vivo e o novo instalador tema são agora estão melhores. Refinamentos de interface do usuário ao editar imagens e quando se trabalha com mídia no editor. Também trouxe de volta algumas das configurações avançadas de visualização das imagens. Se você quiser testar playlists de áudio e vídeo, os links vão aparecer no gerenciador de mídia, uma vez que você carregou um arquivo de áudio ou vídeo. Para os desenvolvedores de tema, foram adicionados suporte HTML5. A função de formatação que transforma citações diretas em citações inteligentes (entre outras coisas) sofreu algumas mudanças para acelerá-lo drasticamente.[50]
4.0 Benny 04 de setembro de 2014 É possível explorar os uploads em uma visualização lado a lado. Uma nova tela de detalhes, torna a visualização e edição de qualquer quantidade de mídia na sequência. Colando uma URL do YouTube em uma nova linha, ele se transforma em um vídeo incorporado. A escrita e edição ficou mais simples e mais objetiva, com um editor que se expande para ajustar o seu conteúdo durante a escrita, e mantém as ferramentas de formatação disponíveis em todos os momentos. Existem mais de 30.000 plugins livres e abertos no repositório oficial de plugins do WordPress e a versão 4.0 deixa mais fácil a busca por eles, com novas métricas, pesquisa melhorada, e uma experiência de navegação mais visual, exibindo o ícone do plugin. Na instalação, agora é possível escolher o idioma, e em seguida ocorre o download dos arquivos de tradução. A variável wp_lang que define a linguagem a ser usada pelo software, foi descontinuada e agora o usuário pode escolher o idioma no próprio painel em Configurações > Gerais.[51]

Vulnerabilidades[editar | editar código-fonte]

Em 2007 e 2008, muitos relatos de segurança[52] [53] foram relacionados ao software. De acordo com Secunia, em Abril de 2009, o WordPress tinha 7 advertências sem correções (de 32 do total), com uma taxa máxima de "Menos Crítico".[54] Secunia mantém uma lista atualizada de vulnerabilidades do WordPress[55] [56] .

Em Janeiro de 2007, muitos blogs de SEO, e também sites menores com AdSense, foram alvo de ataques através de uma vulnerabilidade WordPress.[57] Uma vulnerabilidade de um dos sites do projeto permitia inserir códigos vulneráveis na forma de um back door a alguns dos downloads da versão WordPress 2.1.1. O lançamento da versão 2.1.2 corrigiu isso.[58]

Em Maio de 2007, um estudo revelou que 98% dos blogs WordPress eram vulneráveis porque estavam usando uma versão ultrapassada.[59]

Em Junho de 2007, Stefan Esser, o fundador do PHP Security Response Team, criticou os relatórios de segurança, citando problemas com a arquitetura da aplicação que tornavam difíceis a escrita de códigos seguros, além de outros problemas.[60]

Em Junho de 2001 a rede wordpress.org foi alvo de ataques. Várias modificações em plugins populares foram observados, algumas contendo códigos maliciosos; as modificações foram revertidas por serem visivelmente suspeitas[61] . Por precaução, a senha de acesso à rede wordpress.org de todos os usuários precisou ser redefinida[62] .

Desde então, o WordPress tem melhorado em termos de segurança e as últimas versões tem relatos mínimos de vulnerabilidades.

Desenvolvedores[editar | editar código-fonte]

O desenvolvimento do WordPress é liderado por Ryan Boren e Matt Mullenweg. Mullenweg e Mike Little foram os co-fundadores do projeto. Principais desenvolvedores:[10]

  • Ryan Boren
  • Mark Jaquith
  • Matt Mullenweg
  • Andrew Nacin
  • Andrew Ozz
  • Peter Westwood

Apesar de ser desenvolvido em grande parte pela sua comunidade, o WordPress é associado com a Automattic, onde alguns dos principais desenvolvedores do WordPress são funcionários.[63]

Em parte desenvolvido pela comunidade, o WordPress tem entre estes os WP testers, um grupo de pessoas que testa os lançamentos voluntariamente. Eles tem acesso aos nightly builds, versões Beta e Release Candidates. Atualizando a essas versões, eles podem encontrar e reportar erros em uma lista de emails especial, ou na ferramenta Trac do projeto.

WordCamp[editar | editar código-fonte]

WordCamp é o nome dado para todos os encontros relacionados WordPress, tanto os encontros formais quanto os encontros descontraídos.[64]

O primeiro evento aconteceu em Agosto de 2006, em San Francisco, durou um dia e reuniu mais de 500 pessoas.[65] . O evento seguinte aconteceu em Julho de 2007, também em San Francisco, durou dois dias e reuniu cerca de 400 pessoas[66] .

O primeiro WordCamp fora de San Francisco aconteceu em Beijing em Setembro de 2007[67] . Desde então, aconteceram mais de 150 WordCamps no mundo[67] . O WordCamp San Francisco, um evento anual, continua sendo uma conferência para usuários e desenvolvedores WordPress[68] .

WordCamps Realizados no Brasil[editar | editar código-fonte]

21 de junho de 2009
O primeiro WordCamp brasileiro aconteceu na FUNART, na cidade de São Paulo[69] .
22 e 23 de outubro de 2010
O segundo WordCamp brasileiro aconteceu em Curitiba, Paraná, nas instalações da Faculdade de Educação Superior do Paraná (FESP)[70] .
15 e 16 de junho de 2012
O terceiro WordCamp brasileiro e o segundo em Curitiba, Paraná, na Faculdade de Educação Superior do Paraná (FESP),[71] conteve uma grade de atividades direcionadas à usuários, desenvolvedores e profissionais do WordPress[72] . O lançamento da tradução do WordPress 3.4, então lançado dias antes, foi atrasado para que uma grande revisão da tradução fosse feita durante o evento.[73]
13 de julho de 2013
O quarto WordCamp brasileiro e o primeiro em Porto Alegre, Rio Grande do Sul ocorreu na FTEC Faculdades[74]
23 de novembro de 2013
O WordCamp São Paulo 2013[75] aconteceu na PUC-SP e contou com palestras para desenvolvedores e administradores de WordPress.
17 de maio de 2014
O WordCamp Belo Horizonte 2014[76] aconteceu no UniBH Estoril. Pela primeira vez na capital mineira, se tornou a 4ª capital brasileira a sediar o evento.
20 de setembro de 2014
O WordCamp Rio de Janeiro 2014[77] acontecerá no Senac Flamengo. É uma conferência anual para usuários WordPress, como blogueiros, designers e programadores, residentes em todo o Estado do Rio de Janeiro. No evento ocorrem palestras e debates relacionados ao que há de mais atual na comunidade mundial de WordPress.

WordCamps Realizados em Portugal[editar | editar código-fonte]

24 de Setembro de 2011
Em Lisboa, Portugal, o primeiro WordCamp realizou-se no Auditório Agostinho da Silva, na Universidade Lusófona.[78]
29 e 30 de Setembro de 2012
Em Lisboa, Portugal, ocorreu no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL) uma escola de engenharia actualmente integrada no Instituto Politécnico de Lisboa.[79]

WordPress.org vs. WordPress.com[editar | editar código-fonte]

É comum a confusão entre o WordPress.org e o WordPress.com.

WordPress.org

É o site comunitário do projeto do aplicativo WordPress, onde é possível fazer o download do aplicativo e contribuir com o projeto. Além de dispor o download, o portal também abriga o diretório de plugins e temas, a documentação chamada de Codex, lista de sites que utilizam o aplicativo WordPress, o Fórum de Suporte e o blog oficial.

WordPress.com

É um serviço de propriedade da Automattic que oferece hospedagem gratuita de blogs com software WordPress. Um usuário cria um endereço do tipo omeublog.wordpress.com, mas que inclui certas limitações como a de poder escolher apenas alguns temas, ou de incluir no rodapé o texto "Hospede seu blog com WordPress.com", e ainda de restringir a utilização de JavaScript, CSS e FTP.[80] Em abril de 2008, uma ordem judicial da 31ª Vara Civel do Tribunal de Justiça de São Paulo, pediu o bloqueio de um blog hospedado no WordPress.com por conter suposto conteúdo criminoso, a ação poderia retirar do ar todos os blogs hospedados no serviço,[81] a Automattic, responsável pelo serviço interveio no processo judicial sugerindo à Justiça duas formas de implementar o bloqueio sem prejudicar o serviço como um todo, ao contrário do que foi amplamente divulgado, o advogado que representou a Automattic no Brasil afirma que nunca houve vídeo erótico no blog.[82]

Referências

  1. Matt Mullenweg (04 de setembro de 2014). WordPress 4.0 (em inglês) wordpress.org. Visitado em 05 agosto de 2014.
  2. WordPress 4.0 Beta 2.
  3. O que é possível desenvolver com o WordPress? imasters.com.br.
  4. WordPress publishes native Android application Android and Me (2010-02-02). Visitado em 2010-06-15.
  5. Idea: WordPress App For iPhone and iPod Touch WordPress iPhone & iPod Touch. Visitado em 2008-07-12.
  6. "18 Million WordPress Blogs Land on the iPad", ReadWriteWeb, March 24, 2011.
  7. WordPress for BlackBerry WordPress. Visitado em 2009-12-27.
  8. Importando Conteúdo
  9. Andrew Warner, Matt Mullenweg. The Biography Of WordPress – With Matt Mullenweg (MPEG-4 Part 14) [Podcast]. Mixergy. Acessado em 2009-09-28. Evento ocorre em 10:57. “b2 had actually, through a series of circumstances, essentially become abandoned.”
  10. a b WordPress " About wordpress.org. Visitado em 2007-03-04. "WordPress started in 2003 (...)"
  11. Big Pink Cookie. Visitado em 2009-03-10.
  12. "Blogging grows up", Salon.com
  13. "Freedom 0 ", an influential post by Mark Pilgrim
  14. "2009 Open Source CMS Market Share Report," page 57, by water&stone and CMSWire Oct, 2009 Cmswire.com (2009-12-17). Visitado em 2010-06-15.
  15. WordPress Mu no longer exists as a separate project
  16. Ativando o Multisite
  17. Open Source CMS Award Previous Winners Packt Publishing Technical & IT Book Store. Visitado em 2010-06-15.
  18. Open Source CMS Awards. Visitado em 2009-10-10.
  19. Open Source CMS Awards. Visitado em 2010-10-10.
  20. Winning at The Critters. Visitado em 2011-27-05.
  21. Open Source Web App of the Year Award. Visitado em 2011-27-05.
  22. Idea: Remove Sponsored Themes from WordPress.org WordPress Ideas. Visitado em 2007-08-20.
  23. Mark Ghosh (2007-07-10). No Sponsored themes on WeblogToolsCollection. Visitado em 2007-07-18.
  24. Matt Mullenweg (2007-07-10). WLTC High Ground. Visitado em 2007-07-18.
  25. Lorelle van Fossen (2007-07-11). It’s Official. Sponsored WordPress Themes Are Out. Lorelle on WordPress. Visitado em 2007-07-25.
  26. No sponsor themes.
  27. Mark Ghosh (2007-08-04). WARNING: TemplatesBrowser dot com Weblog Tools Collection. Visitado em 2008-05-18.
  28. Mark Ghosh (2007-11-09). Blogstheme.com WARNING Weblog Tools Collection. Visitado em 2008-05-18.
  29. Joseph Scott (2008-07-18). Theme Directory WordPress Blog. Visitado em 2007-08-20.
  30. 200 Themes Removed From WordPress.org – Matt Explains Why Blogherald.com (2008-12-12). Visitado em 2010-06-15.
  31. WordPress › Blog » Versões
  32. Kubrick em Binary Bonsai
  33. WordPress › Blog » WordPress 2
  34. WordPress › Blog » WordPress 2.2
  35. WordPress › Blog » WordPress 2.3
  36. WordPress › Blog » WordPress 2.5
  37. WordPress › Blog » WordPress 2.6
  38. WordPress › Blog » WordPress 2.7
  39. WordPress › Blog » WordPress 2.8
  40. WordPress Codex: Versão 2.9
  41. WordPress Codex: Version 3.0
  42. WordPress › Codex » WordPress 3.1 “Reinhardt” Wordpress.org. Visitado em 2011-11-26.
  43. WordPress › Codex » WordPress 3.2 “Gershwin” Wordpress.org. Visitado em 2011-07-6.
  44. WordPress › Codex » WordPress 3.3 “Sonny” Wordpress.org. Visitado em 2011-12-13.
  45. WordPress › Codex » WordPress 3.4 “Green” Wordpress.org. Visitado em 2012-06-16.
  46. Wordpress 3.5 “Elvin”.
  47. Wordpress 3.6 “Oscar”.
  48. WordPress 3.7 “Basie”.
  49. WordPress 3.8 “Parker”.
  50. WordPress 3.9 “Smith”.
  51. WordPress 4.0 “Benny”.
  52. Wincent Colaiuta (2007-06-21).
  53. David Kierznowski (2007-06-28).
  54. Secunia Advisories for WordPress 2.x (2009-04-07).
  55. Secunia WordPress 2.x Vulnerability Report Secunia.com. Visitado em 2010-06-15.
  56. Secunia WordPress 3.x Vulnerability Report Secunia.com. Visitado em 2010-12-27.
  57. WordPress Exploit Nails Big Name Seo Bloggers | Threadwatch.org
  58. WordPress 2.1.1 dangerous, Upgrade to 2.1.2 WordPress.org (2 March 2007). Visitado em 2007-03-04.
  59. Survey Finds Most WordPress Blogs Vulnerable Blog Security (2007-05-23). Visitado em 2010-06-15.
  60. Blog Archive » Interview with Stefan Esser BlogSecurity (2007-06-28). Visitado em 2010-06-15.
  61. Passwords Reset Blog Security (2011-05-21). Visitado em 2011-08-05.
  62. Falha de segurança obriga usuários do Wordpress.org a mudar senhas UOL Notícias (2011-06-22). Visitado em 2011-08-05.
  63. About Us « Automattic automattic.com. Visitado em 15 de Março de 2011.
  64. WordCamp Central
  65. WordCamp 2006
  66. WordCamp 2007
  67. a b WordCamp Central > Schedule
  68. WordCamp SF Announced (not WordCon), Jane Well
  69. WordCamp Brasil 2009 - Como foi o primeiro WordCamp Brasil
  70. WordCamp Curitiba 2012
  71. FESP sedia WordCamp Curitiba
  72. WordCamp Curitiba 2012
  73. Lançado o WordPress 3.4
  74. WordCamp na Ftec Porto Alegre
  75. WordCamp São Paulo 2013.
  76. WordCamp Belo Horizonte 2014.
  77. WordCamp Rio de Janeiro 2014.
  78. WordCamp Lisboa 2011.
  79. WordCamp Lisboa 2012
  80. José Fontainhas. A diferença entre WordPress.com e WordPress.org. Visitado em 2011-08-10.
  81. Lygia de Luca (17/04/2008). Acesso ao WordPress pode ser bloqueado no Brasil por ordem judicial IDG Now!. Visitado em 01/08/2013.
  82. Lygia de Luca (15/03/2012). WordPress nomeia advogado brasileiro para enfrentar bloqueio de serviço IDG Now!. Visitado em 01/08/2013.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]