World Trade Center 7

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps important.svg
A tradução deste artigo ou se(c)ção está abaixo da qualidade média aceitável.
É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, consulte 7 World Trade Center (inglês) e melhore este artigo conforme o guia de tradução.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
7 World Trade Center
Wtc7 july2006b.jpg
O novo 7 World Trade Center (visto do sudoeste)
250 Greenwich Street, Manhattan
Flag of New York City.svg Nova Iorque
 Nova Iorque
 Estados Unidos
Status Completado
Período de construção 2002-2006
Uso Escritórios
Altura
Telhado 226 metros (741 pés)
Área 158,000 m²
Construção
Arquiteto David Childs (S.O.M.)
Engenheiro WSP Cantor Seinuk
Plano de reconstrução
do
World Trade Center
Torres
1 World Trade Center (Freedom Tower)
200 Greenwich Street (Torre 2)
175 Greenwich Street (Torre 3)
150 Greenwich Street (Torre 4)
130 Liberty Street (Torre 5)
7 World Trade Center
Memorial e museu
Museu e Memorial Nacional do 11 de Setembro
Transportes
Estação PATH

O 7 World Trade Center é um edifício de Nova York, localizado em frente ao Local do World Trade Center na Baixa Manhattan. É o segundo prédio a possuir este nome: a estrutura original, terminada em 1987, e da estrutura atual. O edifício original foi destruído em 11 setembro de 2001, e substituído com o novo 7 World Trade Center, inaugurado em 2006. Ambos os edifícios foram desenvolvidos por Larry Silverstein, que detém uma concessão de terreno para o local da Autoridade Portuária de Nova York e Nova Jersey.

O edifício original foi de 47 andares de altura, vestido em alvenaria exterior vermelho, e ocupava um espaço trapezodial. Um passarela elevada conectava o edifício com a praça do World Trade Center. O edifício situava-se acima de uma subestação de energia da Consolidated Edison, que impôs restrições exclusivas de design estrutural. Quando o prédio foi inaugurado em 1987, Silverstein tinha dificuldades atrair inquilinos. Em 1988, a empresa Salomon Brothers, de serviços financeiros, assinou um prazo de locação de comprimento, e se tornou a principal inquilina do edifício. Pelos ataques de 11 de setembro de 2001, o 7 World Trade Center foi danificado por detritos quando as proximidades da Torre Norte do WTC entraram em colapso. Os restos também acenderam fogos, que continuaram a queimar durante toda a tarde nos pisos inferiores do edifício. O sistema de supressão de fogo interna não tinha pressão de água para combater o fogo, e o prédio desabou completamente às 17h21min10seg.[1] O colapso começou quando uma crítica estrutura da coluna do 13º andar estava minado e provocou falhas estruturais por toda parte, no qual foi a primeira visível do exterior com a desintegração da cobertura mecânica do leste em 17h20min33seg. O colapso fez o antigo 7 World Trade Center o primeiro edifício alto conhecido por ter entrado em colapso devido principalmente a queimadas descontroladas,[2] e o primeiro e único arranha-céu de aço no mundo a ter entrado em colapso devido ao fogo.[3]

A nova construção do edifício começou em 2002 e foi concluída em 2006. O edifício possui 52 andares de altura (mais um piso subterrâneo), tornando-se o 28º mais alto de Nova York.[4] [5] Ele é construído sobre um espaço menor do que o original, e é limitado pelas ruas Greenwich, Vesey, Washington, e a Barclay. Um pequeno parque em Greenwich Street ocupa o espaço que era parte do edifício original. O design do edifício atual enfatiza a segurança, com concreto reforçado, escadas mais largas, e mais grosso à prova de fogo, feitas de pilares de aço. Ele também incorpora várias características de design verdes(ecológicas): foi o primeiro edifício de escritórios comerciais em Nova York que recebeu a liderança do "U.S. Green Building Council's Leadership in Energy and Environmental Design" (LEED), onde ganhou uma classificação de ouro, e foi também um dos primeiros projetos aprovados para fazer parte do "Council's Pilot Program for Leadership in Energy and Environmental Design – Core and Shell Development" (LEED-CS).[6]

História[editar | editar código-fonte]

Construção[editar | editar código-fonte]

7 World Trade Center, para trás e para a esquerda das Torres Gêmeas.
7 World Trade Center, para trás e para a esquerda das Torres Gêmeas.
O original 7 World Trade Center a partir da plataforma de observação do World Trade Center, em 14 de agosto de 1992.
O original 7 World Trade Center a partir da plataforma de observação do World Trade Center, em 14 de agosto de 1992.

O original foi um edifício de quarenta e sete andares, projetado por Emery Roth & Sons, com uma fachada de granito vermelha. A construção foi de 610 pés (186 metros) de altura, com uma pegada trapezoidal que foi de 330 pés (101 metros) de comprimento e 140 pés (43 metros) de largura.[7] [8] A Tishman Realty & Construction administrou a construção do edifício, que começou em 1983.[7] Em março de 1987, o edifício foi inaugurado, tornado-se a sétima estrutura do World Trade Center.

O edifício foi construído acima de uma subestação da Consolidated Edison que tinha estado no local desde 1967.[9]

A subestação teve uma fundação da ensecadeira feita para suportar o peso de uma futura construção de vinte e cinco relatos contando seiscentos pés ao quadrado (55,700 metros quadrados).[10] O design final de estrutura para o edifício foi para uma construção muito maior que cobre um pegada maior do que a originalmente planejada quando a subestação foi construída.[11] Um sistema de coluna de gravidade transfere trelhiças e vigas localizadas entre o quinto e o sétimo andar para transferir cargas para a menor fundação.[9] As existentes ensecadeiras instaladas em 1967 foram usadas, junto com as novas, para acomodar o edifício. O quinto andar funcionava como um diafragma estrutural, proporcionando estabilidade lateral e distribuição de cargas entre as novas e antigas ensecadeiras. Acima do sétimo andar, a estrutura do edifício era um design de uma estrutura tubular típica, com colunas postas no núcleo e no perímetro, e as cargas laterais resistiram, pelos quadros do momento do perímetro.[10]

Uma rampa de remessa e recebimento, que serviu para todo o complexo do World Trade Center, ocupou a parte leste da pegada do edifício. O edifício foi aberto abaixo do terceiro piso, proporcionando espaço para o vagão aberto para cargas na rampa de remessa.[10] A pulverização da ignifugação para os elementos estruturais foi construído à base de gesso no qual levava duas horas de classificação de fogo para as vigas de aço, vigas mestra e treliças, e três horas de classificação para as colunas.[1]

Equipamentos mecânicos foram instalados do quarto até o sétimo andar, incluindo doze transformadores no quinto andar. Vários geradores no edifício foram utilizados pelo Gabinete de Gestão de Emergência, pela Salomon Brothers e outros.[1] Os tanques de armazenamento continham vinte e quatro mil galões (91 mil litros) de combustível diesel para suprir os geradores. A distribuíção dos componentes de óleo combustível foram localizados do nível do solo até o nono andar.[12] Depois dos bombardeios ao World Trade Center em 1993, o prefeito de Nova Iorque Rudy Giuliani decidiu estabelecer o centro de comando de emergência e situar os tanques de combustível associados ao 7 World Trade Center. Apesar de tudo, esta decisão estava criticada no começo dos ataques de 11 de setembro, o combustível na construção está atualmente não crível para contribuir para o colapso da construção.[13] O telhado da construção inclui um pequeno barracão à oeste e um outro mecânico maior ao leste.

Imagem em inglês, com a posição do edifício, em relação aos outros edifícios do World Trade Center, antes do dia 11 de setembro de 2001.

Cada andar tem 47 mil pés ao quadrado (4,366 metros quadrados) de espaço de escritório rentável que fez o plano do andar consideravelmente maior do que a maioria dos edifícios de escritórios na cidade. Em geral, o edifício tem 1,868,000 pés ao quadrado (174,000 metros ao quadrado) para os espaços de escritório. Duas pontes pedestrais ligam o principal complexo do World Trade Center, atravessando a Rua Vesey, para o terceiro andar do edifício.[1] A entrada do edifício teve três pinturas murais pelo o artista Al Held: The Third Circle, Pan North XII, e Vorces VII.

Demolição[editar | editar código-fonte]

Andar do World Trade Center 7 em demolição.

Como a Torre do Norte foi atacada no dia 11 de setembro de 2001, o golpe dos detritos pesados do edifício, causou danos para a parte do edifício ao sul.[9] A parte inferior da parte do edifício ao sul foi danificado por detritos, incluindo danos ao sudoeste do oitavo ao décimo oitavo andar, um grande corte vertical sobre a extensão de centro-inferior, em pelo menos, dez andares, e outros danos tão elevados como o do décimo oitavo andar.[9] A construção foi equipada com um rociador de incêndios, mas tinha muitas vulnerabilidades de um único ponto de falha: o sistema de aspersão manual exigido, para seu uso, requereu iniciação manual dos bombas elétricas de incêndio, ao invés de ser um sistema totalmente automático; os controles do piso de nível tinha uma única conexão para o tubo de subida; e o rociador de incêndios exigiu alguma força para a bomba de incêndio fornecer água. Contudo, a pressão de água foi baixa, com pouca ou nenhuma água para alimentar os aspersores.[14] [15]

Depois que a Torre Norte desabou, alguns bombeiros entraram no edifício à preocura. Eles tentaram extinguir os pequenos focos de incêndio, mas a baixa pressão da água prejudiciou os seus esforços.[16] Pela tarde, os incêndios estavam no decimo primeiro e segundo andar.[17] Durante a tarde, o incêndio já estava também entre o sexto e o décimo, o décimo terceiro e quarto, o décimo nono e vígésimo segundo, e o vigésimo nono e trigésimo andar.[9] Em particular, os incêndios no sétimo andar, por volta das 14h00min, os bombeiros anunciaram uma protuberância no canto sudoeste do edifício, entre o décimo e o décimo terceiro andar, um sinal de que o edifício estava instável e que poderia entrar em colapso.[18] Durante a tarde, os bombeiros também escutaram rangidos vindo da construção.[18] Por cerca das 15h00min, Daniel Nigro, o dirigente do Departamento de Bombeiros da Cidade de Nova Iorque, decide mandar hesitar as operações de resgate, a remoção do plano, as pesquisas ao longo da superfície dos escombros próximos ao edifício, e mandou também evacuar a área devido a preocupações com a segurança pessoal.[19] Às 17h20min33seg UTC-5, do dia 11 de setembro de 2001, inicia o colapso no edifício, com o desmoronar do barracão mecânico ao leste, enquanto às 17h21min10seg UTC-5, todo o edifício ruiu completamente.[1] Não houve infortúnios associados ao colapso.

Em maio de 2002, a Agência Federal de Gerenciamento de Emergência publicou um relatório sobre o colapso com base em um inquérito preliminar realizado em conjunto com o Engenharia de Estruturas da Sociedade Americana de Engenheiros Civis, sob a liderança do Dr. Gene W. Corley, PE FEMA chegou a conclusões preliminares de que a queda não foi causada principalmente por dano real do impacto do colapso do do WTC 1 e 2, mas por incêndios nas múltiplas histórias inflamadas por detritos provenientes das outras duas torres, que continuou sem esmorecer devido à falta de água para pulverizadores ou combate manual aos incêndios. E novamente, de acordo com a Agência Federal de Gerenciamento de Emergência, os elementos estruturais foram expostos em altas temperaturas, por um período de tempo suficiente para reduzir a sua força no ponto de colapso;[1] No entanto, desde que tenha sido determinado que os incêndios queimariam em cerca de vinte minutos, em qualquer local determinado, como moveram-se de ponto a ponto.

O relatório não chegou até as conclusões sobre a causa do colapso, e pediram uma investigação mais aprofundada: "A perda da integridade estrutural foi provavelmente um resultado do enfraquecimento causado pelo incêndios do quinto até o sérimo andar. As especificidades dos incêndios no WTC 7, e como eles causaram o colapso do edifício, permanecem desconhecidos no momento. Embora o combustível diesel total, das instalações de energia, estarem contidos em enorme potencial, na melhor das hipóteses, só tem uma baixa probabilidade de ocorrência. Outras pesquisas, investigações e análises são necessárias para resolver este problema." [1]

A perda da integridade estrutural foi, provavelmente, um resultado do enfraquecimento causado pelo fogo, do quinto até o sétimo andar. As especificidades dos incêndios no edifício, e como eles causaram o colapso da construção, foi a resposta às preocupações da Agência Federal de Gerenciamento de Emergência, e o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia, foram autorizados a conduzir uma investigação sobre a falha estrutural, o colapso dos Torres Gêmeas, e do 7 WTC. A investigação, conduzida pelo Dr. S. Shyam Sunder, não só trabalhou com perícia técnica interna, mas também trabalhou a respeito sobre o conhecimento de diversas instituições privadas, incluindo o Instituto de Engenharia das Estruturas da Sociedade Americana de Engenheiros Civis, a Sociedade dos Engenheiros de Proteção contra Incêndio, a Associação Nacional de Proteção contra Incêndios), o Instituto Americano de Construção de Aço, o Conselho de Edifícios Altos e Habitat Urbano, e a Associação dos Engenheiros das Estruturas de Nova York.

Locação[editar | editar código-fonte]

Em junho de 1986, antes da construção ser completada, Larry Silverstein assinou o Drexel Burnham Lambert como arrendatário para locar toda a construção do 7 World Trade Center por três bilhões durante um prazo de 30 anos.[20] Em dezembro de 1986, depois do escândalo da operação de iniciados do corretor de bolsa Ivan Boesky, a Drexel Burnham Lambert cancelou o arrendamento, deixando Larry Silverstein negociar com outros arrendatários.[20] A Spicer & Oppenheim conconrdou arrendar quatorze por cento do espaço, mas por mais do que um ano, como o dia de azar de 1987 e os outros fatores adversamente afetaram o mercado de bens imóveis da Baixa Manhattan, Larry Silverstein não estava apto para negociar com arrendatários para o espaço restante. Em abril de 1988, Larry Silverstein tinha abaixado o aluguel e fez outras concessões.[21]

Salão de espera do escritório da Academia de Ciências de Nova Iorque, no quadragésimo andar do edifício.

Em novembro de 1988, a Salomon Brothers retirou-se dos planos de construir um avultado novo complexo em Columbus Circle, no Midtown Manhattan, e concordou com um contrato de vinte anos para os dezenove andares do edifício.[22] A construção foi extensivamente renovada em 1989 para acomodar as necessidades da Salomon Brothers.[23] A maioria dos três andares existentes foram removidos assim como os arrendatários continuaram a ocupar outros andares, e mais do que trezentos e cinquenta toneladas de aço foram adicionadas para construir três andares de negociação com altura dupla. Nove geradores a dieseis foram estalados no quinto andar na qualidade de ser uma estação de energia de reserva.

Essencialmente, Salomon está construindo um prédio dentro de um prédio, e é um edifício ocupado, o que complica a situação.
 
Gerente distrital das propriedades de Larry Silverstein, http://query.nytimes.com/gst/fullpage.html?res=950DEFDD113BF93AA25751C0A96F948260.
Há parcelas inteiras de pisos para a serem removidas, sem afetar a integridade estrutural do edifício, no pressuposto de que alguém pode precisar de andares de altura dupla.
 

Quando os Estados Unidos estava em alerta sobre os ataques do dia 11 de setembro de 2001, Salomon Smith Barney foi o maior arrendatário no 7 World Trade Center, ocupando 1,202,900 pés ao quadrado (111,750 metos quadrados), o que foi sessenta e quatro por cento da construção, no qual inclui do vigésimo oitavo até o quadragésimo quinto andar.[1] [24] Entre os outros principais arrendatários, estão as empresas: The Hartford, que presta serviços financeiros, seguros e investimentos, usando 122,590 pés ao quadrado (11,400 metros quadrados), o banco internacional American Express, que tem 106,117 pés ao quadrado (9,900 metros ao quadrado), o Standard Chartered Bank que tem 111,398 pés ao quadrado (10,350 metros ao quadrado, e a Comissão de Troca e Seguranças dos Estados Unidos, com 106,117 pés ao quadrado (9,850 metros quadrados) [24] Entre os menores arrendatários estão: o Serviço da Receita Interna dos Estados Unidos, com 90,430 pés ao quadrado (8,400 metros quadrados) e o Serviço Secreto dos Estados Unidos, com 85,343 pés ao quadrado (7,900 metros quadrados),[24] a Agência de Nova Iorque da Gestão de Emergência,[25] a Associação Nacional dos Comissários de Seguro, os Bancos de Empréstimos da Casa Federal, o First State Management Group Inc., a PNC Financial Services, e o Serviço de Naturalização e Imigração dos Estados Unidos.[24] O Departamento de Defesa dos Estados Unidos e a Agência Central de Inteligência usam o vigésimo quinto andar com o Serviço da Receita Interna dos Estados Unidos.[1] No quadragésimo sexto e sétimo andar foram andares mecânicos, assim como foram os últimos seis andares e uma parte do sétimo andar.[1] [26]

Referências

  1. a b c d e f g h i j Gilsanz, Ramon; DePaola, Edward M.;Marrion, Christopher; Nelson, Harold "Bud" (maio 2002). 5 WTC 7 (PDF) (em inglês). Visitado em 27 de agosto de 2010.
  2. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas nist-questions
  3. http://news.bbc.co.uk/2/hi/7485331.stm 9/11 third tower mystery 'solved'
  4. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas skyscraperCenter
  5. About 7 WTC[ligação inativa]
  6. About the WTC Wtc.com. Visitado em May 14, 2011. Cópia arquivada em May 28, 2011.
  7. a b Lew, H.S., Richard W. Bukowski, Nicholas J. Carino. Design, Construction, and Maintenance of Structural and Life Safety Systems (NCSTAR 1-1) (HTML) (em inglês) 13 pp. National Institute of Standards and Technology (NIST). Visitado em 27 de agosto de 2010.
  8. Seven World Trade Center (HTML) (em inglês). Visitado em 27 de agosto de 2010.
  9. a b c d e Appendix L: INTERIM REPORT ON WTC 7 (em inglês) PDF. Visitado em 27 de agosto de 2010.
  10. a b c Salvarinas, John J. (2005). Seven World Trade Center, New York, Fabrication and Construction Aspects (HTML) (em inglês) 13 pp. Conselho de Construção de Aço Canadense.
  11. Grill, R. A., D. A Johnson (setembro 2005). Federal Building and Fire Investigation of the World Trade Center Disaster (PDF) XXXVII pp. NIST. Visitado em 27 de agosto de 2010.
  12. Grill, Raymond A., Duane A. Johnson (setembro 2005). NIST NCSTAR 1-1J: Documentation of the Fuel System for Emergency Power in World Trade Center 7 (PDF) (em inglês) NIST. Visitado em 27 de agosto de 2010.
  13. Glanz, James; Lipton, Eric (20 de dezembro de 2001). A NATION CHALLENGED: THE TRADE CENTER; City Had Been Warned of Fuel Tank at 7 World Trade Center (HTML) (em inglês). Visitado em 27 de agosto de 2010.
  14. Grosshandler, William. [http://wtc.nist.gov/media/P4InvestigationofActiveFireProtection.pdf Project 4: Active Fire Protection Systems Issues] (PDF) (em inglês). Visitado em 29 de agosto de 2010.
  15. Evans, David D (setembro 2005). Active Fire Protection Systems (PDF) (em inglês) NIST. Visitado em 29 de agosto de 2010.
  16. Nason, Elisabeth F. (12 de dezembro de 2001). Oral Histories From Sept. 11 - Interview with Captain Anthony Varriale (PDF) (em inglês) The New York Times. Visitado em 29 de agosto de 2010.
  17. Spak, Steve (12 de agosto de 2006). The Collapse of Building 7 (FLV) (em inglês) NIST. Visitado em 29 de agosto de 2010.
  18. a b WTC: This Is Their Story (HTML) (em inglês) Firehouse Magazine (11 de setembro). Visitado em 29 de agosto de 2010.
  19. Drury, James; Nigro, Daniel (24 de outubro de 2001). NIGRO (TXT) (em inglês) The New York Times. Visitado em 29 de agosto de 2010.
  20. a b Scardino, Albert. (11 de julho de 1986). "A Realty Gambler's Big Coup" (HTML) (em inglês).
  21. Berg, Eric N (7 de abril de 1988). Talking Deals; Developer Plays A Waiting Game (HTML) (em inglês) The New York Times.
  22. Scardino, Albert. (julho 1986) "Salomon to Move Downtown" (HTML) (em inglês).
  23. McCain, Mark (19 de fevereiro de 1989). COMMERCIAL PROPERTY: The Salomon Solution; A Building Within a Building, at a Cost of $200 Million (HTML) (em inglês) The New York Times. Visitado em 28 de agosto de 2010.
  24. a b c d Building: 7 World Trade Center (HTML) (em inglês) CNN (2001). Visitado em 28 de agosto de 2010.
  25. Glanz, James; Lipton, Eric (16 de novembro de 2001). A NATION CHALLENGED: THE SITE; Workers Shore Up Wall Keeping Hudson's Waters Out (HTML) (em inglês) The New York Times. Visitado em 28 de agosto de 2010.
  26. Report: CIA Lost Office In WTC (SHTML) (em inglês) CBS News (5 de novembro de 2001). Visitado em 28 de agosto de 2010.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre World Trade Center 7

Ligações externas[editar | editar código-fonte]