Xenônio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Agosto de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pix.gif Xenônio Stylised Lithium Atom.svg
IodoXenônioCésio
Kr
  Cubic-face-centered.svg
 
54
Xe
 
               
               
                                   
                                   
                                                               
                                                               
Xe
Rn
Tabela completaTabela estendida
Aparência
Gás incolor, incandescência azulada quando submetido a um campo elétrico de alta voltagem



Linhas espectrais do xenônio
Informações gerais
Nome, símbolo, número Xenônio, Xe, 54
Série química gases nobres
Grupo, período, bloco 18 (VIIIA), 5, p
Densidade, dureza 5,9 kg/m3,
Número CAS 7440-63-3
Número EINECS
Propriedade atómicas
Massa atômica 131,293(6) u
Raio atómico (calculado) 108 pm
Raio covalente 130 pm
Raio de Van der Waals 216 pm
Configuração electrónica [Kr] 4d10 5s2 5p6
Elétrons (por nível de energia) 2, 8, 18, 18, 8 (ver imagem)
Estado(s) de oxidação 0 (ácido fraco)
Óxido
Estrutura cristalina cúbica de faces centradas
Propriedades físicas
Estado da matéria gás
Ponto de fusão 161,36 K
Ponto de ebulição 165,03 K
Entalpia de fusão 2,297 kJ/mol
Entalpia de vaporização 12,636 kJ/mol
Temperatura crítica  K
Pressão crítica  Pa
Volume molar m3/mol
Pressão de vapor 100 Pa a 103 K
Velocidade do som 1090 m/s a 20 °C
Classe magnética
Susceptibilidade magnética
Permeabilidade magnética
Temperatura de Curie  K
Diversos
Eletronegatividade (Pauling) 2,6
Calor específico 158 J/(kg·K)
Condutividade elétrica S/m
Condutividade térmica 0,00569 W/(m·K)
Potencial de ionização 1170,4 kJ/mol
2º Potencial de ionização 2046,4 kJ/mol
3º Potencial de ionização 3099,4 kJ/mol
4º Potencial de ionização kJ/mol
5º Potencial de ionização kJ/mol
6º Potencial de ionização kJ/mol
7º Potencial de ionização kJ/mol
8º Potencial de ionização kJ/mol
9º Potencial de ionização kJ/mol
10º Potencial de ionização kJ/mol
Isótopos mais estáveis
iso AN Meia-vida MD Ed PD
MeV
124Xe 0,1% 1,1 × 1017 a 2ε 124Te
125Xe Sintético 16,9 h ε 1,652 125I
126Xe 0,09% estável com 72 neutrões
127Xe Sintético 34,6 d ε 0,662 127I
128Xe 1,91% estável com 74 neutrões
129Xe 26,4% estável com 75 neutrões
130Xe 4,1% estável com 76 neutrões
131Xe 21,29% estável com 77 neutrões
132Xe 26,9% estável com 78 neutrões
133Xe Sintético 5,253 d β- 0,427 133Cs
134Xe 10,4% estável com 80 neutrões
135Xe Sintético 9,14 h β- 1,151 135Cs
136Xe 8,9% 2,36 × 1021 a 2β- 136Ba
Unidades do SI & CNTP, salvo indicação contrária.

O xénon (português europeu) ou xenônio (português brasileiro) (formas aceites com predileção para xenon), do grego xénos - estrangeiro, é um elemento químico de símbolo Xe de número atômico 54 (54 prótons e 54 elétrons) e de massa atómica igual a 131,3 u. À temperatura ambiente, o xenônio encontra-se no estado gasoso.

É um dos gases nobres da classificação periódica dos elementos, grupo 18 (VIIIA ou 0). É inodoro, muito pesado, incolor, encontrado como traço na atmosfera terrestre, e faz parte do primeiro composto de gás nobre sintetizado.

Foi descoberto por William Ramsay e Morris Travers em 1898. A sua principal aplicação é na fabricação de dispositivos de emissores de luz como lâmpadas estroboscópicas, lâmpadas bactericidas e outros.

Características principais[editar | editar código-fonte]

O xenônio é um elemento membro do grupo dos gases nobres ou inertes. A palavra inerte já não é mais usada para descrever este grupo químico, dado que alguns elementos deste grupo formam compostos. Num tubo cheio de gás, o xenônio emite um bonito brilho azul quando excitado com uma descarga elétrica. Tem-se obtido xenônio metálico aplicando-lhe pressões de várias centenas de quilobares. O xenônio também pode formar solvatos com água, quando seus átomos ficam aprisionados na rede de moléculas de água.

Aplicações[editar | editar código-fonte]

O uso principal e mais famoso deste gás é na fabricação de dispositivos emissores de luz, tais como lâmpadas bactericidas, tubos eletrônicos, lâmpadas estroboscópicas e flashes fotográficos, assim como em lâmpadas para excitar laser de rubi que geram luz coerente.

Outros usos são:

História[editar | editar código-fonte]

O xenônio (do grego que significa "estranho") foi descoberto por William Ramsay e Morris Travers em 1898 nos resíduos resultantes da evaporação dos componentes do ar líquido.[1]  · [2] . Ramsay propôs chamar o novo gás de xenônio, do grego ξένον [xenon], forma singular neutra de ξένος [xenos], significando « estrangeiro » ou « convidado »[3]  · [4]

Abundância e obtenção[editar | editar código-fonte]

Encontram-se traços de xenônio na atmosfera terrestre, aparecendo em uma parte por vinte milhões. O elemento é obtido comercialmente por extração dos resíduos do ar líquido. Este gás nobre é encontrado naturalmente nos gases emitidos por alguns mananciais naturais. Os isótopos Xe-133 e Xe-135 são sintetizados mediante irradiação de neutrons em reatores nucleares refrigerados a ar.

Compostos[editar | editar código-fonte]

Ver Categoria:Compostos de xenônio

Até 1962 o xenônio e os outros gases nobres eram considerados quimicamente inertes e incapazes de formar compostos. A partir de então comprovou-se que existem compostos de gases nobres. Alguns dos compostos do xenônio são: difluoreto de xenônio (XeF2), hexafluoreto de xenônio (XeF6), perxenato de sódio (Na4XeO6), tetrafluoreto de xenônio (XeF4) e deutereto de xenônio (Xe2H2 ou XeD2). Também se tem obtido óxidos de xenônio como o trióxido de xenônio, XeO3, composto altamente explosivo. Se conhecem ao menos 80 compostos de xenônio em que este se liga com flúor ou oxigênio. A maioria destes compostos são incolores, além de poderosos agentes oxidantes e de fluoração, que liberam como subproduto da reação, entre outros produtos, gás xenônio.

Isótopos[editar | editar código-fonte]

Na natureza, o xenônio apresenta 8 isótopos estáveis e um ligeiramente radioativo. Além das formas estáveis, se tem estudado 20 isótopos instáveis. O Xe-129 é produzido por emissão beta do iodo-129 (vida média: 16 milhões de anos). Os isótopos Xe-131, Xe-132, Xe-134 e Xe-136 são produtos da fissão nuclear tanto do urânio-238 como do plutônio-244. Por ser o xenônio um traçador com dois isótopos paternos, a medição dos isótopos de xenônio nos meteoritos resulta ser uma poderosa ferramenta para o estudo da formação do Sistema Solar. O método I-Xe de datação radiométrica permite calcular o tempo transcorrido entre a nucleossíntese e a condensação de um objeto sólido a partir da nebulosa solar. Os isótopos de xenônio também são úteis para entender a diferenciação terrestre. Se acredita que o excesso de Xe-129 encontrado em emanações gasosas de dióxido de carbono no Novo México se deve ao decaimento de gases derivados do manto após a formação da Terra.

Precauções[editar | editar código-fonte]

O gás pode ser armazenado com segurança em recipientes convencionais de vidro selados a temperatura e pressão ambiente. O xenônio não é tóxico, porém vários de seus compostos são altamente tóxicos devido as suas fortes propriedades de oxidação.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Xenônio

Referências

  1. Predefinição:Article.
  2. (em inglês) Steve Gagnon. It's Elemental - Xenon. Visitado em 2007-06-16.
  3. (em inglês) Anonymous. In: Daniel Coit Gilman, Harry Thurston Peck, Frank Moore Colby. The New International Encyclopædia. [S.l.]: Dodd, Mead and Company, 1904. p. 906 pp.
  4. (em inglês) "".