Xfce

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Xfce
Xfce logo.svg
XFCE-4.10-Desktop.png

Janelas de configuração do Xfce
Desenvolvedor Vários colaboradores [1]
Versão estável 4.12 (30-Março-2015)
Sistema operacional Multi plataforma
Gênero(s) Ambiente gráfico
Licença GPL, LGPL e Licença BSD
Página oficial www.xfce.org

Xfce ( pronunciado como [ ʃ f 's ] ) é um ambiente de trabalho gráfico, executado sobre o sistema de janelas X em sistemas Unix, seus derivados e Linux. Assim como GNOME 2, o Xfce utiliza a biblioteca GTK+2 para fazer a interface com o usuário, o que os tornam ligeiramente parecidos.

O projeto foi fundado por Olivier Fourdan e é atualmente desenvolvido por vários colaboradores.

A atual versão, 4.12, é modular e reutilizável como as anteriores. É composto por diversos componentes que combinados fornecem um ambiente de trabalho completo. O Xfce pode funcionar em hardware com poucos recursos.[2]

Devido à sua modularidade, os componentes podem não ser usados todos em conjunto e podem ser combinados com outros ambientes. É possível usar aplicações do GNOME ou KDE, sem instalar esses ambientes. No caso de aplicações GNOME, por usarem as mesma bibliotecas, a integração é boa.

O projeto tem vindo a afirmar-se como plataforma de desenvolvimento. É possível desenvolver aplicações em C/C++, Python e Perl recorrendo às bibliotecas oferecidas pelo ambiente.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1997, Olivier Fourdan cria a primeira versão do Xfce, que era uma painel feito com um toolkit chamado XForms. Em 1998, ele lança a versão 2.0, adicionando a Xfwm, o gerenciador de janelas do Xfce.

Olivier tenta incluir Xfce no Red Hat Linux, mas não pôde, devido à licença proprietária, na época, do XForms. Então, na versão 3.0, Xfce é reescrito em GTK+, um toolkit popular utilizado no GIMP. A partir da versão 3.0, a licença do Xfce passa a ser GPL.[3]

Em 2003, Xfce 4.0 é lançado, adicionando suporte ao GTK+ 2.[4]

Distribuições com Xfce como ambiente por omissão[editar | editar código-fonte]

Existe um número considerável de distribuições que incluem atualmente o Xfce como seu ambiente gráfico por omissão e muitas outras que o colocam como alternativa aos seus ambientes principais.

Algumas distribuições que incluem o Xfce como o ambiente de trabalho por omissão:

Tela da versão 4.4.0 com recursos visuais avançados do gerenciador Xfwm

Componentes do Xfce[editar | editar código-fonte]

Abaixo, a lista das aplicações que formam o núcleo do ambiente:

  • Xfwm4: o gerenciador de janelas do Xfce;
  • xfce4-session: gestor de sessão, grava as definições de sessão, entrada e saída de sessão e encerramento;
  • xfdesktop: apresenta os ícones no desktop, imagem de fundo e menu de aplicações;
  • xfce4-panel: apresenta os painéis para o menu e lançadores de programas, assim como extensões;
  • xfconf: sistema de cliente-servidor para guardar as definições;
  • xfce4-settings: para alterar as configurações, faz uso do xfconf;
  • Thunar: o gerenciador de arquivos;
  • xfce4-appfinder: localiza aplicações e executa comandos, substitui o xfrun4 das versões anteriores.


Bibliotecas do projeto:

  • libxfce4ui: essencial para a interface gráfica;
  • libxfce4util: funções variadas;
  • exo: biblioteca essencial;
  • garcon: biblioteca para o menu segundo o Freedesktop.org.


Aplicações opcionais para diversos fins:

  • Mousepad: editor de texto;
  • xfce4-terminal: emulador de terminal;
  • xfce4-mixer: permite alterar o volume do som;
  • Midori: navegador web que usa o WebKit;
  • Orage: calendarização de acontecimentos;
  • Xfburn: gravador de CD e DVD;
  • Ristretto: aplicação para visualizar imagens;
  • Parole: leitor multimédia baseado no Gstreamer.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Xfce
Ícone de esboço Este artigo sobre software livre é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.