Xiangqi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: este artigo é sobre o antigo jogo de Xadrez Chinês também conhecido como Xiangqi, bem como sua variante coreana, o Janggi. Para informação sobre o jogo com tabuleiro em forma de estrela de seis pontas que por vezes é chamado no Brasil de "Xadrez Chinês", veja Damas chinesas. Para outros usos do nome Xadrez Chinês, veja Xadrez chinês (desambiguação).

Série
Enxadrismo
Wikiprojeto Enxadrismo


O xadrez chinês, ou Xiangqi (Chinês: 象棋; Pinyin: xiàngqí), também chamado xadrez elefante, é um jogo que é jogado num tabuleiro com 9 linhas de largura por 10 de comprimento.

Introdução[editar | editar código-fonte]

Xiangqi ou Xadrez Chinês.
Janggi ou Xadrez Coreano.

Ao contrário do ocidente que possui diversas variantes de Xadrez não regionalizadas, no oriente cada país tem seu jogo de Xadrez nacional com suas regras e peças próprias. Shogi no Japão, Jonggi na Coreia, Makruk na Tailândia, Sittuyin no Sião, etc.

O Xiangqi joga-se mais depressa que o xadrez ocidental, porque a barreira de peões é muito reduzida, e também porque os canhões (ver abaixo) saltam para fazer capturas, o que os transforma numa ameaça desde o princípio do jogo. Além disso, enquanto que no xadrez ocidental a batalha se concentra, ao longo da maior parte do jogo, nas casas centrais do tabuleiro, no Xiangqi a batalha parece desenrolar-se simultaneamente em todo o tabuleiro. O equilíbrio de ganhos e perdas entre o jogo ofensivo e o defensivo é, portanto, mais óbvio no xadrez chinês.

A complexidade da árvore de jogo do xadrez chinês é de aproximadamente 10150.

História[editar | editar código-fonte]

O Xiangqi é similar ao shogi e ao xadrez e supostamente partilha um ancestral comum com esses dois jogos: o Chaturanga, esta teoria é contestado pelo especialista Samuel Howard Sloan. Vale destacar que no passado (pré-1000 a.C.) o nome Xiangqi foi aplicado a outros jogos de tabuleiro além do xadrez chinês.

Segundo Samuel Howard Sloan o xadrez original (anterior ao chaturanga) foi criado na China em 204-203 a.C. por Han Xin, um líder militar, embora a maioria dos especialistas ocidentais não aceite essa tese. Há duas referências ao xadrez na antiga literatura chinesa. A primeira foi de uma coleção de poemas conhecida como "Chu Chi" durante a Dinastia Chou (1046 - 255 a.C.). A segunda é de um famoso livro conhecido como "Shuo Yuan". Ambos são bem conhecidos na literatura chinesa.[1]

O chaturanga surgiu na Índia em época não anterior ao século VI. Há uma profusão de material literário disponível em sânscrito, indo até 1500 a.C. Se o chaturanga tivesse existido antes do século VI, é quase certo que isso teria sido mencionado em algum lugar. O fato de o xadrez não ser um jogo muito popular entre os habitantes da Índia ainda hoje também é significativo.[1]

O fato de o antigo xadrez chinês também ter uma torre, um rei, um peão e um bispo, todos eles ocupando as mesmas posições iniciais no tabuleiro e com os mesmos movimentos e os mesmos significados que no conhecido antecessor medieval do xadrez moderno, é notável. Em vista da história chinesa de isolacionismo, é improvável que um jogo de origem estrangeira possa ter entrado neste país vindo do exterior e se tornado tão imensamente popular entre os seus habitantes. Em vez disso, seria mais lógico afirmar que ele se originou neste país, se espalhou para a Ásia Central e chegou à Pérsia em torno do século VII. Sua chegada lá se deu num momento oportuno, pois o islamismo estava em seu início e começava a se expandir para a Índia e a Europa.[1]

Finalmente, o xadrez se espalhou para o ocidente, provavelmente levado de caravana através do deserto de Gobi até o Uzbequistão, onde as mais antigas peças conhecidas, inclusive um elefante "em pé" datado do século II foram encontradas. De lá cruzou o Afeganistão, chegando à Pérsia por volta do século VII. Na época, a Pérsia era a cultura dominante na região. A língua indiana, o hindi, é substancialmente derivado do Persa. A história daquela região nos diz que naquele período da história a maior parte das coisas passava da Pérsia para a Índia, e não o contrário. O xadrez também atravessou da Pérsia para a Etiópia, onde uma forma pouco conhecida de xadrez, na qual ambos os lados se movem simultaneamente e o mais rápido possível, ainda é jogada.[1]

O xadrez de origem chinesa também se disseminou em outras regiões da Ásia sujeitas à influência chinesa. Indo para o sul, ele entrou na Birmânia, no Laos, no Vietnã e no Camboja. Dali atingiu a Tailândia e a Malásia e atravessou para a ilha de Java, na Indonésia, onde foram encontrados vestígios do xadrez.[1]

A Coreia desenvolveu uma variante do Xiangqi chamada Janggi (também escrito Changgi, Jangki, Tjyang Keui ou xadrez coreano). Para cada peça, as regras se equiparam às do xadrez chinês salvo indicação em contrário.

Existe uma versão japonesa do xadrez chamado Shogi. As diferenças entre o xadrez chinês e o japonês são tão grandes que os especialistas no Japão não acreditam que ele tenha vindo diretamente da China ou da Índia, ou mesmo da Coreia. Ao contrário, eles supõem que o processo evolucionário demorou muito tempo, talvez até mil anos.[1]

Chineses jogando seu desafiante xadrez.

Regras[editar | editar código-fonte]

As peças, discos marcados com um carácter identificador, são posicionadas nas intersecções das linhas (como no Go). São usadas as cores vermelha de um lado, e azul ou preto de outro (verde na Coreia). As peças coreanas são octogonais, enquanto as chinesas são circulares. Além disso, as peças coreanas têm tamanho proporcional à sua importância.

Uma linha central de quadrados divide os dois lados, sendo denominada de o rio. Cada lado também tem o seu palácio, um retângulo de 3 x 3 linhas (i.e. 9 posições) encostado na lateral oposta ao rio e alinhado com a coluna central. A versão coreana não possui o rio.

Peças[editar | editar código-fonte]

O General[editar | editar código-fonte]

Xiangqi General (Trad).svg Os generais são identificados pelo carácter chinês (帥 shuài) no lado vermelho e (將 jiàng) no lado azul. Eles são na verdade generais militares, embora sejam equivalentes ao rei no xadrez. Diz a lenda que um imperador executou dois jogadores por estes terem matado ou capturado a peça imperador. Os jogadores passaram então a chamar a essa peça de general.

O general começa o jogo dentro do palácio, na intersecção central do lado inferior. O general pode mover-se vertical ou horizontalmente (mas nunca na diagonal como no Xadrez) e quando é capturado, o jogo termina. O general nunca pode deixar o palácio. Um jogador não pode fazer nenhuma jogada que deixe os dois generais frente à frente na mesma linha sem intervenção de outras peças. Esta é uma característica muito importante do jogo, uma vez que o general costuma ajudar a fazer o xeque-mate, especialmente quando muitas das outras peças já foram trocadas.

Na variante coreana a posição inicial do general é diferente: é colocado no centro do palácio, na intersecção das quatro linhas diagonais. Além disso, também pode mover-se por essas linhas diagonais.

Movimentos dos guardas e do General.

O Guarda[editar | editar código-fonte]

Xiangqi Advisor (Trad).svg As peças são identificadas pelo carácter (仕 shì) para as vermelhas e (士 shì) para as azuis. Representam oficiais civis do governo: membros do conselho servindo o comandante-em-chefe. São chamadas de guardas mas também podem receber a denominação de assistentes ou mandarins.

Os guardas são colocados à esquerda e à direita do general. Estas são as peças mais fracas porque apenas se podem mover uma casa na diagonal e não podem sair do palácio; são no entanto preciosas na proteção do general.

Na variante coreana, os guardas podem mover-se para qualquer das nove posições dentro do palácio, seguindo as linhas marcadas no tabuleiro. Quatro linhas diagonais ligam a posição central aos cantos do palácio.

O Ministro / Elefante[editar | editar código-fonte]

Xiangqi Elephant (Trad).svg Na verdade, denomina-se ministro (相 xiàng) à peça vermelha e elefante (象 xiàng) à azul. Estas peças estão localizadas uma à esquerda do guarda da esquerda e a outra à direita do guarda da direita. Movem-se exatamente duas casas na diagonal, e não podem pular as peças que estiverem no caminho. Seu propósito é estritamente defensivo, uma vez que não podem atravessar o rio.

Na variante coreana, o elefante move-se 2 pontos na diagonal mais um movimento adicional na horizontal ou na vertical no sentido contrário à sua posição inicial, parando no vértice oposto de um retângulo 2 x 3. Porém, não podem atravessar o rio.

Os ideogramas para ministro e elefante são diferentes porém homófonos, e ambos significam aparência ou imagem.

O Cavalo[editar | editar código-fonte]

Xiangqi Horse (Trad).svg Identificada pelo carácter (馬 mǎ) ou (马 mǎ) tanto para o vermelho como para o azul, esta peça é semelhante ao cavalo do xadrez internacional. Importa notar que o cavalo chinês se move uma casa na horizontal ou na vertical e depois um ponto na diagonal afastando-se da posição inicial, porque não pode saltar sobre outras peças como o cavalo do xadrez internacional.

O movimento do cavalo é semelhante ao do elefante (no xadrez coreano), terminando no canto oposto de um rectângulo 1 x 2.

O cavalo vermelho é capaz de capturar o cavalo negro por que nada bloqueia seu caminho, porém esse não pode fazer tal movimento pois o peão vermelho o impede.
O cavalo no Xiangqi não é capaz de pular. No caso da imagem, por causa dessa limitação, o cavalo é obstruído por um dos peões.

O Carro[editar | editar código-fonte]

Xiangqi Chariot (Trad).svg O carro utiliza o carácter (車 jū) ou (车 jū) tanto para o vermelho como para o azul. Como a torre do xadrez internacional, o carro desloca-se e toma peças numa linha recta horizontal ou vertical. Os dois carros começam o jogo nos cantos do tabuleiro.

O Canhão[editar | editar código-fonte]

Xiangqi Cannon (Trad).svg O canhão é identificado pelo carácter (炮 pào) para o vermelho e (砲 bào) para o azul.

Cada jogador tem dois canhões. Eles são colocados na fila atrás dos peões, e à frente dos cavalos. Os canhões movem-se exactamente como os carros, mas tomar peças com um canhão é mais complicado. Para capturar uma peça, deverá existir exactamente uma peça (amiga ou inimiga) entre o canhão e a peça a ser tomada; o canhão move-se então para essa posição e captura a peça. São poderosos no início do jogo quando existem muitas "barreiras", mas rapidamente perdem a utilidade.

Na variante coreana, um canhão não pode saltar sobre outro canhão; além disso, os canhões coreanos devem saltar também para se moverem.

O canhão precisa que uma peça se encontre ele e a peça alvo para realizar a captura.

O Soldado / Bandido[editar | editar código-fonte]

Xiangqi Soldier (Trad).svg A peça vermelha é chamada de soldado (兵 bīng), e a azul de bandido (卒 zú).

Cada jogador tem cinco soldados (ou bandidos). São colocados em posições alternadas, uma fila atrás do limite do rio. Movem-se e capturam em frente (contrariamente aos peões do xadrez internacional). Tendo cruzado o rio, podem igualmente mover-se ou capturar na horizontal.

Uma vez dentro do castelo adversário, podem mover-se e capturar na linha diagonal, desde que para a frente. Quando atingem o limite oposto do tabuleiro não são promovidos, como no xadrez internacional, mas limitam-se a mover-se para os lados.

Na variante coreana, os soldados podem mover-se e capturar na horizontal desde a primeira jogada; não necessitam cruzar o rio primeiro. Porém a captura pelas linhas diagonais do castelo é proibida.

Final da partida[editar | editar código-fonte]

O jogo considera-se afogado quando não existem jogadas possíveis. No entanto, contrariamente ao xadrez internacional, o jogador que não tem jogadas legais perde. Já na variante coreana, um afogamento corresponde a um empate.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

O Xiangqi é fabricado no Brasil pela Origem sob nome de Shiang Chi.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Em português:

Em inglês:

Referências