Xilogravura no Japão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
A Grande Onda de Kanagawa ( 神奈川冲浪里Kanagawa oki nami-ura) cópia original por Hokusai

Xilogravura no Japão (em japonês: 木版画, moku hanga) é uma técnica mais conhecida por seu uso no gênero artístico Ukiyo-e, no entanto, também foi utilizado amplamente no mesmo período para impressão de livros.[1] A xilogravura foi usado na China há séculos para imprimir livros, muito antes do advento do tipo móvel, mas só surpreendentemente tarde, durante o período Edo (1603-1867), foi amplamente adotada no Japão. Embora seja semelhante em alguns aspectos a técnica de xilogravura no ocidente, Ukiyo-e difere grandemente em que tintas à base de água são utilizadas (em oposição a xilogravura ocidental que utiliza tintas à base de óleo), permitindo uma vasta gama de cores vivas, esmaltes e transparência de cor.

Cada imagem Ukiyo-e, era criada através do esforço colaborativo de quatro indivíduos qualificados: a editora que coordenou os esforços dos artesãos especializados e comercializou as obras de arte, o artista que projetou as obras colocando-as em tinta no papel, o escultor que meticulosamente esculpiu os desenhos em um bloco de madeira e um impressor que aplicou pigmentos para as xilogravuras e imprimiu cada cor no papel artesanal. Cada membro dessa equipe era altamente qualificado e tinha responsabilidades quase iguais pelo resultado final.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Livros impressos oriundos de templos budistas chineses foram vistos em Japão, no século VIII. Em 764 a Imperatriz Koken encomendou um milhão de pequenos pagodes de madeira, cada um contendo um pequeno pergaminho impresso com um texto budista (Hyakumanto Darani). Estes foram distribuídos aos templos em todo o país como ação de graças pela supressão da rebelião Emi de 764.[2] Estes são os primeiros exemplos de xilogravura conhecidos ou documentados do Japão.

Por volta do século XI, templos budistas no Japão estavam produzindo seus próprios livros impressos de sutras, mandalas e outros textos budistas e imagens. Durante séculos, a impressão era restrito apenas à esfera budista, porque era demasiado caro para a produção em massa, e não existia um público receptivo, e alfabetizado para que as obras pudessem ser comercializadas.

Não foi até 1590 que o primeiro trabalho secular seria impresso no Japão. Este foi o Setsuyō-Shu , um dicionário chinês-japonês em dois volumes. Embora os jesuítas operassem um móvel tipo de imprensa em Nagasaki a partir de 1590,[3] trazido por Toyotomi Hideyoshi com o retorno do exército da Coreia.

A japonesa arte do Ukiyo-e desenvolveu principalmente na cidade de Edo (atual Tóquio), durante o Período Tokugawa ou Edo (1615-1868). Estes dois nomes referem-se aos relativamente pacíficos 250 anos, durante o qual os shoguns Tokugawa governaram o Japão e fizeram de Edo a sede shogunal do poder.[1]

As primeiras obras a serem feitas retratavam aspectos dos bairros de entretenimento (eufemisticamente chamado de "mundo flutuante") de Edo e de outros centros urbanos. Os assuntos comuns incluem cortesãs famosas e prostitutas, os atores do kabuki e cenas bem conhecidas de teatro Kabuki.[4]

Referências

  1. a b c The Floating World of Ukiyo-E: Shadows Dreams and Substance (em en) Library of Congress (27 julho de 2010). Visitado em 9 de janeiro de 2014.
  2. INSIDE HYAKUMANTO PAGODA (em en) schoyen collection (julho de 2009). Visitado em 9 de janeiro de 2014.
  3. Fernand Braudel, "Civilization & Capitalism, 15-18th Centuries, Vol 1: The Structures of Everyday Life," William Collins & Sons, London 1981
  4. Ukiyo-e (em en) Encyclopedia Britannica (7 de fevereiro de 2007). Visitado em 9 de janeiro de 2014.

Referência Bibliográfica[editar | editar código-fonte]

  • Forrer, Matthi, Willem R. van Gulik, Jack Hillier A Sheaf of Japanese Papers, The Hague, Society for Japanese Arts and Crafts, 1979. ISBN 9070265710
  • Friese, Gordon (2007). "Hori-shi. 249 facsimiles of different seals from 96 Japanese engravers." Unna, Nordrhein-Westfalen: Verlag im bücherzentrun.
  • Kaempfer, H. M. (ed.), Ukiyo-e Studies and Pleasures, A Collection of Essays on the Art of Japanese Prints, The Hague, Society for Japanese Arts and Crafts, 1978. ISBN 9070216019
  • Lane, Richard; (1978). Images from the Floating World, The Japanese Print. Oxford: Oxford University Press. 10-ISBN 0192114476/13-ISBN 9780192114471; OCLC 5246796
  • Nussbaum, Louis Frédéric and Käthe Roth. (2005). Japan Encyclopedia. Cambridge: Harvard University Press. 10-ISBN 0-674-01753-6; 13-ISBN 978-0-674-01753-5; OCLC 48943301
  • Sansom, George (1961). "A History of Japan: 1334-1615." Stanford, California: Stanford University Press.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Xilogravura no Japão