Ximenia americana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaXimenia americana
Ximenia americana

Ximenia americana
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Subclasse: Rosidae
Ordem: Santalales
Família: Olacaceae
Género: Ximenia
Espécie: X. americana
Nome binomial
Ximenia americana
Lineu

A Ameixa-do-mato, ababone, ababoni, ababuí, ameixeira-do-brasil, ameixa-do-brasil, ambuí (ou ambuy), ameixa-da-baía, ameixeira-da-baía, ameixa-da-terra, ameixa-de-espinho, ameixa-do-pará, ameixeira-do-pará, espinheiro-de-ameixa, limão-bravo-do-brejo, sândalo-do-brasil, umbu-bravo ou ximénia (Ximenia americana - podendo também ser referida por alguns botânicos como Amyris arborescens, Heymassoli inermis, Heymassoli spinosa, Pimecaria odorata, Ximenia aculeata, Ximenia arborescens, Ximenia fluminensis, Ximenia inermis, Ximenia montana, Ximenia multiflora, Ximenia oblonga, Ximenia spinosa ou Ximenia verrucosa) é um arbusto ou árvore da família das olacáceas, nativo de regiões tropicais, como o Brasil (aparecendo de forma espontânea do Pará à Bahia, em Minas Gerais e Mato Grosso. Em Angola é ainda conhecida pelos nomes de ganzi, lumeque (ou lumeke), mepeque (ou mepeke), muinje, munjaque, omupeque (ou omupeke) e umpeque (ou umpeke).

Chega a atingir 4 metros de altura. As folhas estão armadas de espinhos axilares. As flores são amareladas, com um cheiro distinto, o que as torna úteis em perfumaria. Os frutos (drupas) são ameixas amarelo-alaranjadas e comestíveis. A semente pode ser utilizada em cosmética, já que se pode extrair óleo dela.

Por volta do final dos anos 1990 o espécime existia no horto da Fazenda Cresciumal de Ruy de Souza Queiroz.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a ordem Santalales, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.