Yesterday's Enterprise

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Yesterday's Enterprise"
15º episódio da 3ª temporada de
Star Trek: The Next Generation
YesterdayEnterprise.png
A USS Enterprise-C emerge de uma fenda temporal.
Informação geral
Escrito por: Ira Steven Behr
Richard Manning
Hans Beimler
Ronald D. Moore
Michael Piller
História Trent Christopher Ganino
Eric A. Stillwell
Direcção David Carson
Código de produção 40273-163
Duração 46 min
Exibição original 19 de fevereiro de 1990
Convidados
Cronologia
Último
Último
"A Matter of Perspective"
"The Offspring"
Próximo
Próximo
Lista de episódios

"Yesterday's Enterprise" é o décimo quinto episódio da terceira temporada da série de ficção científica Star Trek: The Next Generation. O episódio foi exibido pela primeira vez na semana do dia 19 de fevereiro de 1990 nos Estados Unidos através da syndication. A tripulação da USS Enterprise-D deve decidir se envia a viajante no tempo USS Enteprise-C de volta por uma fenda temporal para a destruição certa com o objetivo de proteger a linha do tempo.

O enredo de "Yesterday's Enterprise" veio da união de duas histórias: uma que possuía a tripulação da viajante no tempo Enterprise-C, e outra que possuía o retorno da atriz Denise Crosby, cuja personagem havia sido morta na primeira temporada da série. Trent Christopher Ganino e Eric A. Stillwell reescreveram a história para apresentar mais proeminentemente a personagem de Guinan, com o roteiro final sendo completado por um time de cinco roteiristas.

As filmagens do episódio duraram uma semana; alguns elementos planejados, incluindo cenas de morte de muitos personagens, ou eram muito demorados ou muito caros para serem filmados. Na sindicação, "Yesterday's Enterprise" superou todos os episódios da terceira temporada do programa com 13,1 milhões de telespectadores, se tornando a terceira maior audiência de toda a série. Ele foi indicado a três Primetime Emmy Awards, vencendo um, e é considerado pelos críticos como um dos melhores episódios da franquia Star Trek.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

A Enterprise-D encontra uma fenda no espaço-tempo durante uma missão de rotina. Enquanto eles monitoram a anomalia, uma muito danificada USS Enterprise-C, uma nave que se acreditava ter sido destruída há mais de duas décadas, emerge. Na ocorrência, a Enterprise-D passa por uma mudança súbita e radical: ela é agora uma nave de guerra e a Federação Unida dos Planetas está em guerra contra o Império Klingon. Worf desapareceu e Tasha Yar maneja a estação tática. Guinan sente que a realidade foi alterada, e expressa suas preocupações com o Capitão Jean-Luc Picard. Ela sugere que a Enterprise-C não pertence ao presente e que ela deveria retornar para o passado. Picard, que sabe que isso seria uma missão suicida, se recusa a dar tal ordem baseado apenas na intuição de Guinan.

A Capitão Rachel Garrett da Enterprise-C e sua tripulação descobrem que eles viajaram para o futuro. Garrett explica que estavam respondendo a um pedido de socorro de um posto klingon em Narendra III, e foram atacados por Aves de Guerra romulanas. Enquanto as duas tripulações trabalham para reparar a Enterprise-C, Picard e seus oficiais seniores discutem se a nave deve retornar ao passado. Riker discute que suas mortes seriam em vão, porém Data sugere que elas seriam consideradas um ato de muita honra para os klingons. Picard discute a situação com Garrett, que diz que sua tripulação irá servir a Federação no presente. Picard discretamente diz a ela que a Federação está à beira da derrota e que a presença de uma nave no presente não vai fazer nenhuma diferença, todavia, se a Enterprise-C retornasse ao passado, eles poderiam evitar o início da guerra. Garrett concorda e anuncia para a sua tripulação que eles irão retornar pela anomalia, porém logo em seguida, as duas Enterprise são emboscadas por Aves de Rapina klingon. Garrett é morta no ataque e seu piloto, Richard Castillo, assume o comando. Durante os esforços de reparo, Yar se aproxima de Castillo, porém fica inquieta com algumas interações com Guinan. Guinan revela a Yar que na outra linha do tempo ela teve uma morte sem sentido e em vão, e que as duas nunca deveriam ter se conhecido. Yar pede transferência para a Enterprise-C baseada nos conselhos de Guinan, com Picard concordando.

Enquanto a Enterprise-C se prepara para entrar na anomalia, três Aves de Rapina klingon atacam. Com a anomalia se tornando instável, Picard ordena que a Enterprise-D cubra o caminho da Enterprise-C. A Enterprise-D sofre grandes danos e grandes perdas em sua tripulação sob o fogo dos klingons, incluindo a morte do Comandante Riker. Os klingons contatam a Enterprise-D e exigem sua rendição. Com a ponte em chamas, Picard os ingnora e pula para a estação tática, manualmente atirarando nos klingons. A Enterprise-C retorna através da anomalia, causando o conserto da linha do tempo. Guinan, ainda sutilmente ciente dos eventos, pede para que Geordi La Forge lhe conte um pouco sobre Tasha Yar.[1] [2]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

No começo da terceira temporada de Star Trek: The Next Generation, Michael Piller se tornou o roteirista chefe da série.[3] Entre as mudanças que ele implementou estava o livre processo de submissão para histórias vindas de roteiristas não-profissionais, ou por aqueles que não eram representados por agentes. Apesar do estúdio ter resistido a tentativa, The Next Generation se tornou o primeiro programa a permitir que tais roteiristas enviassem suas histórias. Quando a notícia se espalhou, o estúdio foi inundado por roteiros – com mais de 5.000 chegando durante um período de um ano.[4]

Entre os roteiros submetidos por autônomos e roteiristas aspirantes estava um por Trent Christopher Ganino. Ganino completou um terceiro rascunho de seu roteiro especulativo em abril de 1989 e o submeteu ao escritório do associado Eric A. Stillwell.[4] O roteiro de Ganino, intitulado "Yesterday's Enterprise", tinha 106 páginas, bem mais longo do que as usuais 65 páginas que guia de submissão instruia, porém uma concessão foi feita já que o roteiro era para um episódio em duas partes.[5] A história envolvia a Enterprise-D respondendo a uma crise no setor Goleciano e descobrindo a Enterprise-C, que havia sido destruída 18 anos antes. A tripulação da Enterprise-C fica com receio da tecnologia da nova nave, porém Picard é confrontado com a obrigação de revelar a seus convidados seus destinos finais. Um alferes da Enterprise-C descobre o destino da nave e entra em pânico; Worf e Riker devem capturá-lo depois dele tentar uma fuga. Quando naves golecianas atacam, Picard defende a Enterprise-C usando a mesma manobra que causou a destruição da nave no passado. O alferes é hipnotizado é retorna a sua nave, que volta para o passado e para sua destruição certa.[6]

Devido ao acúmulo de roteiros, processar todos os rascunhos poderia levar de várias semanas a um ano. O roteiro de Ganino foi "registrado" no dia 2 de maio, e sua primeira leitura foi um mês depois por Richard Manning, um co-produtor na equipe de roteiristas. Manning comentou que o rascunho "não era horrível, nem particularmente original, porém bom em pontos e barulhento em outros"; apesar de não ter sido a crítica que Ganino esperava, foi o suficiente para mantê-lo em circulação.[5]

Enquanto isso, Ganino e Stillwell criaram uma amizade e começaram a desenvolver ideias para episódios. Gene Roddenberry havia distribuído um memorando que dizia que seria improvável ter Leonard Nimoy como Spock na série devido a considerações financeiras, ele sugeriu que uma alternativa razoável seria ter Mark Lenard interpretando o pai de Spock, Sarek.[7] Stillwell também se encontrou com Denise Crosby, que interpretou Tasha Yar na primeira temporada do programa, em uma convenção em 1989. No jantar, Crosby admitiu sentir falta de ser parte do programa e sugeriu que Stillwell pudesse escrever um roteiro que traria a personagem de volta, que havia sido morta no episódio "Skin of Evil". Ganino e Stillwell começaram a trabalhar em ideias de roteiros que envolveriam tanto Yar como Sarek.[8]

No meio tempo, a editora de histórias Melinda Snodgrass leu o roteiro "Yesterday's Enterprise" de Ganino em junho, e colou uma nota ao final que declarava a história como uma "ideia interessante". Uma "cobertura" do roteiro, que delineava o enredo e providenciava comentários, foi escrita em agosto. A análise da cobertura chamou o roteiro de um "bom esforço de um roteirista não representado", e considerou as fracas caracterizações e problemas de enredo como corrigíveis. O problema principal era se os produtores queriam fazer um episódio com viagem no tempo ou não.[9]

Ganino e Stillwell eram fãs em particular de dois episódios da série original de Star Trek, "Mirror, Mirror" e "The City on the Edge of Forever", e queriam combinar elementos deles para um episódio de The Next Generation. A fundação do episódio dos dois envolvia uma equipe de vulcanos investigando o Guardião da Eternidade. No passado, o fundador da lógica vulcana moderna, Surak, é morto, causando enormes mudanças na linha do tempo. Os romulanos e os vulcanos juntam forças para atacar a Federação; Worf não é mais um membro da tripulação da Enterprise e Tasha Yar continua viva. Sarek e os vulcanos na superfície são os únicos que não foram afetados pela mudança na linha do tempo, e no final Sarek retorna ao passado para substituir Surak e restaurar a linha do tempo. Satisfeitos com a história, os roteiristas decidiram mostrar a ideia a Piller.[10]

Piller leu "Yesterday's Enterprise" e sugeriu ao produtor Rick Berman que a história, não o roteiro, fosse comprada de Ganino.[11] Em uma reunião, Piller disse a Ganino que ele queria fazer mudanças na história, que incluía a adição de Tasha Yar. Temendo que o que eles consideravam uma história melhor fosse perdida se as mudanças em "Yesterday's Enterprise" fossem realizadas, Stillwell falou com Piller e lhe contou a história do Guardião da Enternidade. Apesar de intrigado com os elementos, ele achou que o uso do Guardião seria um "artifício" e queria que The Next Generation se sustentasse sozinha. No lugar, Piller sugeriu que eles juntassem as duas histórias, com Ganino e Stillwell recebendo créditos conjuntos.[12] Nas reuniões com os roteiristas, Piller sugeriu que a tripulação da Enterprise-D imediatamente passasse por mudanças resultantes da presença da antiga Enterprise, e que Guinan fosse a realização integral de que algo estava errado.[13] Ganino e Stillwell receberam duas semanas para completar a nova história.[14]

Roteiro[editar | editar código-fonte]

Ganino e Stillwell conseguiram completar a nova história em pouco mais de uma semana; os dois roteiristas passaram horas todos os dias no apartamento de Stillwell trabalhando em cada detalhe. Eles estavam sob pressão para escrever uma história que Piller achasse aceitável, já que eles queriam ter a oportunidade de escrever o roteiro final.[14] O tratamento da história foi entregue em 10 de outubro. Piller imediatamente decidiu comprar a história, e distribuiu o tratamento para a equipe de roteiristas enquanto discutia mudanças. Ele achou que os sentimentos românticos de Data para com Tasha Yar eram exagerados, e que a sonda alienígena que serviu como parte central da história mais parecia uma trapaça em termos de resolver o dilema de Picard. O roteirista queria que Ganino e Stillwell reforçassem o papel de Guinan e encontrassem outro arco de história para Yar.[15] Um tratamento revisado foi submetido em 29 de outubro, que incorporava as mudanças de Piller, porém os roteiristas descobriram que não estariam envolvidos no desenvolvimento do roteiro final de filmagem;[16] Ganino e Stillwell, cada um, foram pagos com o mínimo que o Writers Guild of America previa, US$ 2.400.[17]

Enquanto isso, a produção do episódio foi adiantada de janeiro de 1990 para dezembro de 1989, já que esse era o único período quando Crosby e Whoopi Goldberg estariam disponíveis para filmar.[16] A tarefa de escrever e polir o novo tratamento na metade do tempo caiu sobre Ronald D. Moore, que submeteu o primeiro rascunho em 9 de novembro.[18] O roteiro de Moore fez o universo alternativo militarista, com a Federação em guerra contra os klingons, e a sonda alienígena foi removida.[17] A equipe de roteiristas se reuniu no meio de novembro para "quebrar" a história e transformar o tratamento em um contorno de roteiro. Alguns personagens, como Troi, aparecem rapidamente no começo do episódio para oferecer mais tempo em tela para os personagens de Guinan, Yar, Garrett e Castillo. Uma versão da história que detalhava personagens e cenas foi distribuída em 27 de novembro.[19]

Devido a falta de tempo antes de a produção precisar começar, um time de roteiristas recebeu a tarefa de escrever o roteiro final. Além dos créditos de história para Ganino e Stillwell, Moore, Ira Steven Behr, Hans Beimler e Richard Manning trabalhariam no roteiro, com Piller dando a polida final – um total de sete pessoas. Alguns membros da equipe estavam convencidos que, com tantos roteiristas, o roteiro seria um desastre. Por o Writers Guild of America não permitir que mais de três roteiristas aparecessem no crédito (quatro depois de uma isenção especial), Piller concordou em ter seu nome omitido. Um primeiro rascunho parcial foi entregue em 30 de novembro para que a pré-produção pudesse começar.[20] A linha de tempo alternativa deu a oportunidade de mostrar a tripulação da Enterprise-D em uma luz muito mais dramática e humana do que seria normalmente permitido em um episódio comum; já que a linha de tempo original seria restaurada, Behr explicou que os roteiristas tinham a liberdade de incluir mais ação. "Apesar de ser um universo alternativo, [Moore] e eu ficamos excitados porque percebemos que iríamos matar todos em tela!", disse ele.[21] Michael Okuda e Rick Sternbach submeteram memorandos técnicos sobre que tipo de anomalia levaria a Enterprise-C para o futuro, e sugeriam cordas interestelares super densas como uma possibilidade.[22] O primeiro rascunho do roteiro final foi completado em 4 de dezembro, e um encontro da pré-produção foi realizado no mesmo dia; os vários departamentos debateram sobre custos e sobre quais itens poderiam ser cortados para reduzir o orçamento. O último rascunho foi terminado e entregue no dia 8 de dezembro.[23]

Desenho de produção[editar | editar código-fonte]

A ponte da Enterprise-D foi alterada com uma iluminação mais escura, remoção das cadeiras do primeiro oficial e conselheiro e a elevação da cadeira do capitão.

Depois de todos terem lido o roteiro, a Paramount Television decidiu gastar um pouco mais no episódio do que o normal. Isso deu aos departamentos de produção liberdades além daquelas esperadas com o roteiro. Entre os motivos para o aumento do orçamento estava o fato de "Yesterday's Enterprise" estar agendado para ser exibido em fevereiro, um período importante para o estúdio atrair números de telespectadores sólidos. Já que The Next Generation era sindicada diretamente pelo estúdio, o desempenho do episódio iria impactar diretamente na publicidade para o futuro.[23]

O roteiro pedia a criação de uma nova nave estelar, a USS Enterprise-C. Na primeira temporada da série, o ilustrador Andrew Probert, que havia desenhado a Enterprise-D, estava interessado na linhagem de desenhos de naves estelares desde a Enterprise-A, de James T. Kirk, vista nos filmes, até as naves muito maiores de The Next Generation. Como muitos, Probert supôs que a Enterprise-B seria uma nave da classe-Excelsior (o deque de observação da D possui uma nave de tal modelo entre as outras naves chamadas Enterprise), algo confirmado no filme Star Trek Generations. Probert fundamentou que a C dividiria elementos de sua predecessora e sucessora. O artista produziu um pequeno desenho colorido de sua nave, porém saiu ao final daquela temporada; com sua ausência, ninguém sabia como a aparência da nave deveria ser.[24]

Quando Rick Sternbach assumiu os deveres de Probert, ele achava que a ilustração era um conceito rejeitado da Enterprise-D. Quando ele descobriu sobre os requerimentos da nave para "Yesterday's Enterprise", ele seguiu o mesmo processo de pensamento de Probert e recriou a antiga ilustração. A versão de Probert tinha um casco da engenharia mais curvo, reminiscente de um veleiro, porém Sternbach ficou preocupado que com tantas curvas, seria difícil fabricar o modelo no tempo disponível, então ele fez o casco inteiramente circular. Um conjunto de vistas ortogonais foram enviadas a Greg Jein, que fabricou o modelo;[24] a miniatura custou mais que os originais US$ 10.000 para ser produzida.[25]

A equipe fez várias alterações para diferenciar o universo alternativo do original. Um "diário militar" substituí o diário do capitão, "data de combate" ao invés de data estelar, e a ausência de um conselheiro. O orçamento expandido permitiu que a ponte fosse toda modificada, algo que normalmente seria impossível. Degraus substituem as rampas da ponte e a cadeira do capitão ficava mais elevada de um jeito que mais se assemelhava a um trono.[26] Mesas mais longas e militarizadas substituíram a decoração usual do Bar Panorâmico, e a grande peça de arte que ficava atrás do bar foi substituída por uma placa com o nome e o registro da nave.[21] A iluminação também foi alterada, a tradicional bem iluminada ponte teve sua iluminação reduzida, enquanto o Bar Paranorâmico, normalmente escuro, recebeu uma iluminação forte e clara. Enquanto a tripulação da Enterprise-D usava variações dos uniformes das duas primeiras temporadas, os oficiais seniores usavam versões modificadas dos uniformes introduzidos naquela temporada. Os oficiais da Enterprise-C usavam os figurinos criados por Robert Fletcher para os filmes da série original, devido a natureza demorada e cara da criação de uma dúzia de novos uniformes para cada episódio. A solução do figurinista Robert Blackman para mudar suas aparências foi remover as golas altas que ficavam em baixo das vestes vermelhas.[21]

Filmagens e seleção de elenco[editar | editar código-fonte]

As filmagens começaram segunda-feira, 11 de dezembro de 1989, durando sete dias.[27] O episódio foi dirigido por David Carson, que havia dirigido apenas um episódio de televisão anteriormente. Carson achou que sua falta de experiência o ajudou porque ele não possuía pré-concepções sobre como as coisas deveriam ser feitas. Já que grande parte do episódio se passava no sombrio universo alternativo, Carson queria enfatizar o efeito de décadas de guerra na tripulação e na ponte. "Picard realmente parece cansado e como um comandante de batalha desgastado, e é isso que queríamos que a ponte parecesse – uma ponte de batalha desgastada. Eu tinha muitas ideias sobre como fazer o mais forte possível usando luzes baixas, muitos azuis escuros, fazendo-a muito melancólica", ele disse. Para elevar o impacto das mudanças físicas dos cenários, Carson fez uma abordagem diferente de como construir planos. "Era minha intenção fazer o máximo possível como um submarino e usar luzes de baixo ângulo; basicamente, fazer tudo do jeito oposto de como a Enterprise é normalmente filmada". As câmeras foram equipadas com lentes mais longas que o usual para reduzir a profundidade de campo e produzir uma sensação mais arenosa. O uso de ângulos baixos forçou a modificação da iluminação para evitar que a cena se parecesse com uma "recepção de hotel", nas palavras do diretor.[21]

Dois novos papéis necessitavam ser preenchidos para a produção: Rachel Garrett e Richard Castillo. Os atores selecionados eram ambos fãs de Star Trek.[26] Christopher McDonald foi escolhido como Castillo. "O que me impressionou sobre ele [McDonald]", lembra Carson, "era ele não ser apenas um galã; ele era um ator muito impressionante". Tricia O'Neil foi selecionada por razões similares; a atriz não era o tipo normal de capitão de Star Trek. Carson também ficou feliz de poder trabalhar com Crosby e Goldberg. O elenco principal gostou da oportunidade de interpretar suas personagens de maneira diferente. O resultado foi um grau incomum de fricção entre elas. Isso provocou algumas preocupações entre os produtores; Berman achou que esse episódio estava levando a linha do tempo muito à sério.[21]

Ganino e Stillwell visitaram os cenários frequentemente durante as filmagens. Membros do elenco principal iam perguntar a Stillwell sobre a natureza do universo alternativo e se eles ainda eram as mesmas personagens. Goldberg perguntou a Ganino sobre mudar algumas partes do diálogo; já que ele não era o autor do roteiro final, Ganino diferia de Stillwell, que avisava o escritório da produção.[28] Quando Berman descobriu que os dois estavam no cenário conversando com os atores, ele os baniu para sempre das filmagens de Star Trek.[29] Devido às restrições de tempo e orçamento, muitos elementos planejados nunca foram filmados; Moore tinha a esperança de uma cena de batalha estendida onde Data era eletrocutado e Wesley decapitado; a única morte que foi filmada foi a de Riker. As filmagens terminaram em 19 de dezembro.[30]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Audiência[editar | editar código-fonte]

"Yesterday's Enterprise" foi exibido pela primeira vez na semana de 19 de fevereiro de 1990. Por The Next Generation ir ao ar em syndication, o episódio não estreou em um dia ou horário específico. O episódio foi assistido por 13,1 milhões de telespectadores no período de 19 de fevereiro até 4 de março – a terceira maior audiência de toda a série e a maior de toda a terceira temporada. Enquanto a temporada tinha uma audiência média de 9.817.000 domicílios, "Yesterday's Enterprise" atraiu 12.070.000.[31]

Recepção e prêmios[editar | editar código-fonte]

"Yesterday's Enterprise" permanece até hoje como um dos mais aclamados episódios de The Next Generation e da franquia Star Trek como um todo.[32] Zack Handlen, da The A.V. Club, deu ao episódio uma nota "A", comentando que "'Yesterday's' é uma maravilhosa e eficiente peça de ficção científica", resumindo-o como "brilhante".[33] O crítico Marc Bernadin descreveu o episódio como um dos "mais espertos experimentos de viagem no tempo" em Star Trek, além de um favorito dos fãs.[34] O Toronto Star listou os episódios de viagem no tempo de The Next Generation, incluindo "Yesterday's Enterprise", como um dos vinte melhores elementos do programa.[35]

Em 2007, para celebrar os 20 anos da série, a Entertainment Weekly fez uma lista dos 10 melhores episódios do programa, elegendo "Yesterday's Enterprise" como seu número um.[36] Em 2009, a revista TIME fez sua lista dos 10 maiores momentos de toda a franquia Star Trek, colocando "Yesterday's Enterprise" na quarta posição.[37] Antes da exibição de "All Good Things...", episódio final da série, "Yesterday's Enterprise" foi reprisado como parte de uma maratona contendo os cinco episódios favoritos dos fãs, eleitos por ligações telefônicas.[38] O episódio também foi incluindo em uma coleção em DVD (junto com "The Best of Both Worlds, Parts I & II" e "The Measure of a Man") intitulada "O Melhor de Star Trek: The Next Generation".[39]

"Yesterday's Enterprise" também foi bem recebido pelos membros da equipe de produção. O produtor Rick Berman cita este episódio, junto com "The Measure of a Man", como um de seus favoritos. Michael Piller atribui o sucesso aos atores, ao diretor David Carson e a equipe de pós-produção, comentando que "Conceptualmente, ele foi maravilhoso, vindo das cabeças de algumas pessoas aqui ... Há pequenos buracos no episódio que não poderiamos consertar. Era uma premissa tão fascinante e complicada, porém no final foi o material nos personagens que deixou todos orgulhosos". Apesar disso, o ator Jonathan Frakes admitiu que, "Até hoje eu não entendo 'Yesterday's Enterprise'. Não entendo que diabos aconteceu naquele episódio. Eu ainda estou tentando entender – mas gostei do visual".[40]

O episódio venceu o Primetime Emmy Award de Melhor Edição de Som para uma Série (Bill Wistrom, James Wolvington, Mace Matiosian, Wilson Dyer, Rick Freeman e Gerry Sackman),[41] também recebendo duas indicações nas categorias de Melhor Mixagem de Som para uma Série de Drama (Alan Bernard, Chris Haire, Doug Davey e Richard L. Morrison)[42] e Melhor Realização em Composição Musical para uma Série (Dennis McCarthy).[43]

Referências

  1. "Yesterday's Enterprise". Star Trek: The Next Generation. 19 de fevereiro de 1990. Episódio número 15, 3ª temporada.
  2. Yesterday's Enterprise (em inglês). StarTrek.com. Página visitada em 27 de maio de 2011.
  3. Stillwell 2008, p. 17
  4. a b Stillwell 2008, p. 18
  5. a b Stillwell 2008, p. 19
  6. Stillwell 2008, pp. 26-7
  7. Stillwell 2008, p. 22
  8. Stillwell 2008, p. 23
  9. Stillwell 2008, p. 27
  10. Stillwell 2008, pp. 29-31
  11. Stillwell 2008, p. 33
  12. Stillwell 2008, p. 34
  13. Stillwell 2008, p. 35
  14. a b Stillwell 2008, p. 37
  15. Stillwell 2008, p. 45
  16. a b Stillwell 2008, p. 53
  17. a b Stillwell 2008, p. 59
  18. Stillwell 2008, p. 54
  19. Stillwell 2008, p. 60
  20. Stillwell 2008, pp. 64-6
  21. a b c d e Robinson, Ben. (agosto de 2002). "Behind the Scenes: The Making of 'Yesterday's Enterprise'". Star Trek: The Magazine 3 (4): 82–86.
  22. Stillwell 2008, p. 68
  23. a b Stillwell 2008, p. 71
  24. a b Robinson, Ben. (agosto de 2002). "Designing the Enterprise-C". Star Trek: The Magazine 3 (4): 31–33.
  25. Stillwell 2008, p. 83
  26. a b Nemecek 2003, p. 117
  27. Stillwell 2008, p. 73
  28. Stillwell 2008, p. 75
  29. Stillwell 2008, p. 76
  30. Stillwell 2008, p. 77
  31. Stillwell 2008, p. 87
  32. Recalling "Yesterday's Enterprise" with Eric Stillwell - Part 1 (em inglês). StarTrek.com (17 de fevereiro de 2011). Página visitada em 30 de outubro de 2011.
  33. Handlen, Zack (23 de setembro de 2010). "Yesterday's Enterprise"/"The Offspring" (em inglês). The A.V. Club. Página visitada em 2 de julho de 2011.
  34. Bernadin, Marc (9 de julho de 2002). Star Trek: The Next Generation -- Season 3 (2002) (em inglês). Entertainment Weekly. Página visitada em 22 de agosto de 2011.
  35. Lai, Tim (29 de setembro de 2007). 20 things we love about Star Trek: The Next Generation (em inglês). Toronto Star. Página visitada em 22 de agosto de 2011.
  36. 1. YESTERDAY'S ENTERPRISE (em inglês). Entertainment Weekly (20 de setembro de 2007). Página visitada em 28 de maio de 2011.
  37. Cloud, John (8 de maio de 2009). TNG: Yesterday's Enterprise (em inglês). TIME. Página visitada em 28 de maio de 2011.
  38. Star Trek: The Next Generation Viewers Choice Marathon (em inglês). Memory Alpha. Página visitada em 28 de maio de 2011.
  39. Cook, Brad (12 de maio de 2009). STAR TREK: THE BEST OF THE ORIGINAL SERIES/THE BEST OF THE NEXT GENERATION (em inglês). Film Threat. Página visitada em 28 de maio de 2011.
  40. Gross, Edward; Altman, Mark A.. Captains' Logs: The Unauthorized Complete Trek Voyages (em inglês). [S.l.]: Little Brown & Co., 1995. ISBN 0316329576
  41. Outstanding Sound Editing For A Series - 1990 (em inglês). Primetime Emmy® Award Database. Academy of Television Arts & Sciences. Página visitada em 8 de setembro de 2011.
  42. Outstanding Sound Mixing For A Drama Series - 1990 (em inglês). Primetime Emmy® Award Database. Academy of Television Arts & Sciences. Página visitada em 8 de setembro de 2011.
  43. Outstanding Achievement In Music Composition For A Series (dramatic Underscore) - 1990 (em inglês). Primetime Emmy® Award Database. Academy of Television Arts & Sciences. Página visitada em 8 de setembro de 2011.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Nemecek, Larry. Star Trek: The Next Generation Companion (em inglês). 3 ed. Nova York: Pocket Books, 2003. ISBN 0-743-45798-6
  • Stillwell, Eric A.. The Making of Yesterday's Enterprise (em inglês). Estados Unidos da América: Lulu, 2008. ISBN 1-435-70256-5

Ligações externas[editar | editar código-fonte]