Yolande Martine Gabrielle de Polastron

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Julho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Madame de Polignac

Yolande Martine Gabrielle de Polastron, ou Madame de Polignac, (Paris, 8 de setembro de 1749 - Viena, 9 de dezembro de 1793) condessa e duquesa de Polignac, foi amiga e companheira da Rainha da França, Maria Antonieta.

Originária de uma família nobre mas sem grandes recursos financeiros, cresceu em Languedoc, junto da tia que eventualmente a pôs num convento exclusivo à aristocracia. Aos dezoito anos, casa com o conde Jules de Polignac, um jovem capitão do exército. Juntos, teriam quatro filhos: Aglaé de Polignac, duquesa de Guiche e de Gramont (7 de Maio de 1768, Versalhes-30 de Março de 1803, Edimburgo); Armand Jules de Polignac, duque de Polignac (17 de Janeiro de 1771, Versalhes-30 de Março de 1847, São Petersburgo); Jules Armand de Polignac, príncipe de Polignac(10 de Novembro de 1780, Versalhes-30 de Março de 1847, Saint Germain); Camille Henri Melchior, conde de Polignac (27 de Dezembro de 1781, Versalhes-2 de Fevereiro de 1855).

Gabrielle foi apresentada à Rainha Maria Antonieta em 1775, durante um baile dado em casa da irmã do seu marido, Madame Diane de Polignac. A Rainha, encantada com o maravilhoso recital da condessa de Polignac, considera-a, de imediato, sua amiga. Uma vez que os Polignac não possuíam meios económicos a fim de pagar a extravagante vida em Versalhes, Maria Antonieta conceder-lhes-á inúmeras pensões, cargos, títulos e favoritismos: oferece 800 mil libras como dote à filha de Gabrielle; em 1780 os condes de Polignac passam a ser duques de Polignac; em 1782 Gabrielle ocupa o lugar vago de Madame Guéménée como Governante dos Filhos de França; em 1786 o agora duque Jules de Polignac, Escudeiro da Casa da Rainha, receberá o cargo de Marechal de França, o cargo militar mais elevado. Também o dito amante de Gabrielle, o conde Vaudreuil, viria a beneficiar enormemente com a amizade entre a Rainha e a duquesa.

A duquesa de Polignac liderava o restrítio grupo de amigos da Rainha, o que causava inveja por parte dos membros das grandes famílias como as Noailles, Rohan, Gontaut e os Coigny. Tanto os cortesãos como o povo, acusava Maria Antonieta de favorecer a sumptuosa Polignac em detrimento da simples Princesa de Lamballe. Cartazes que apelidavam Gabrielle de Messalina ou de Popeia, circulavam por todo o país, acabando por denegrir toda a imagem de Versalhes.

Com os perturbantes levantamentos populares no início de 1789, os Polignac acabaram por deixar, inicialmente a pedido e depois ordenado pela Rainha, Versalhes. São uns dos primeiros aristocratas a emigrar, e com eles encontram-se o irmão do Rei e amigo dos Polignac, o conde de Artois, os príncipes de Condé, o conde de Vaudreuil, Besenval, Guines...

Gabrielle acabaria por morrer em Viena em 1793, de cancro, após saber que a sua amiga e confidente Maria Antonieta acabava de ser guilhotinada.

Para trás, a duquesa de Polignac deixou uma família que se acabaria por ligar aos Grimaldi, aos Davydov, à Guerra da Sucessão e à Restauração.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.