Yoná Magalhães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde Novembro de 2012) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2012).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Yoná Magalhães
Nome completo Yoná Magalhães Gonçalves Mendes da Costa
Nascimento 7 de agosto de 1935 (79 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasil brasileira
Ocupação atriz
Página oficial
IMDb: (inglês)

Yoná Magalhães Gonçalves Mendes da Costa, (Rio de Janeiro, 7 de agosto de 1935) é uma atriz brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Yoná começou a sua carreira na rádio e TV Tupi em 1954, desempenhando pequenos papéis e fazendo figuração. Depois de muito trabalho, teve a sua grande chance e surgiram os grandes papéis e personagens de destaque. Tudo isto ainda antes do video-tape. Quando este surgiu, Yoná já estava casada com o produtor Luís Augusto Mendes, pai do seu filho: Marcos Mendes.

Apesar de estar afastada do Rio de Janeiro, tendo ido morar para a Bahia, não abandonou o trabalho. Em Salvador, com o grupo A Barca, formado por ex-alunos da escola de teatro e sob a direção de Luís Carlos Maciel, participou em grandes clássicos da TV Itapoã. Convidada por Glauber Rocha, participou também em A Rosa de Deus e em Diabo na Terra do Sol, filmando em Monte Santo, naBahia.

No teatro trabalhou com vários autores brasileiros como: Vicente Pereira, Nelson Rodrigues, Plínio Marcos, Guilherme Figueiredo, Miguel Falabella, Pedro Bloch, Alcione Araújo e Carlos E. Neves. Contudo, dedicou-se mais à televisão, onde realizou a maioria dos seus trabalhos.

Em 1964 volta ao Rio de Janeiro, grávida, tendo sido neste ano que nasceu Marcos. Ainda antes de voltar ao vídeo, foi dirigida por Sérgio Cardoso, tendo recebido um convite da atriz Nathália Timberg para trabalhar na peça Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, encenada no Teatro Municipal. Participou ainda nas montagens de Terror e Miséria no Terceiro Reich, de Bertolt Brecht, e em Os Físicos, de Dürrenmat, antes de criar sua própria Companhia, com a qual encenou O Pecado Imortal e Os Inimigos Não Mandam Flores, de Pedro Bloch.

A popularidade veio em Março de 1966, quando foi convidada por Walter Clark para participar na novela Eu Compro Essa Mulher (1966), de Glória Magadan, onde formou par com o ator Carlos Alberto, sendo o primeiro par romântico da emissora. A atriz trabalhou ainda em outras novelas da mesma autora, tais como O Sheik de Agadir (1966), com Leila Diniz e Marieta Severo, A Sombra de Rebecca (1967), O Homem Proibido (1968), A Gata de Vison (1968/1969), onde contracenou com Tarcísio Meira e Geraldo Del Rey, e A Ponte dos Suspiros (1969). Com o ator Carlos Alberto Yoná formou a dupla mais famosa da televisão brasileira.

Yoná Magalhães foi a primeira mocinha do casting da Rede Globo.

Transferiu-se para a TV Tupi, de São Paulo, em 1971, junto com Carlos Alberto, tendo ambos participado na novela Simplesmente Maria, dirigida por Walter Avancini. Em 1972, de volta à TV Globo, Yoná Magalhães integrou a novela Uma Rosa com Amor, ao lado de Marília Pêra e Paulo Goulart. Escrita por Vicente Sesso, com a direção de Walter Campos, a novela contava a história da secretária Serafina Rosa Petroni Marília Pêra e do seu amor pelo patrão, Claude Antoine Geraldi Paulo Goulart. Na trama, Yoná Magalhães deu vida a Nara Paranhos de Vasconcelos, que rivalizava com Serafina pelo amor de Claude.

No ano seguinte, integrou o elenco de O Semideus (1973),de Janete Clair, sob a direção de Daniel Filho e Walter Avancini. Faziam parte do elenco, Tarcísio Meira, Glória Menezes, Francisco Cuoco, entre outros. Em 1974, atuou em Corrida do Ouro, de Lauro César Muniz, que teve a colaboração de Gilberto Braga e a direção de Reynaldo Boury.

Em 1975, a atriz atuou em duas novelas: Cuca Legal, de Marcos Rey, sob a direção de Oswaldo Loureiro, e O Grito, de Jorge Andrade, que foi dirigida por Walter Avancini, Roberto Talma e Gonzaga Blota. No ano seguinte, Yoná Magalhães integrou o elenco de Saramandaia, de Dias Gomes, sendo novamente dirigida pelo mesmo trio. Yoná participou, ainda, emEspelho Mágico (1977), de Lauro César Muniz, com direção de Daniel Filho, Gonzaga Blota e Marco Aurélio Bagno. No enredo, que retratava o quotidiano dos profissionais que trabalham na televisão, Yoná Magalhães interpretou Nora Pelegrini, uma ex-estrela que desempenhava papéis secundários.

Sinal de Alerta, escrita por Dias Gomes e Walter George Durst, em 1978, apresentou a atriz no papel da jornalista Talita, proprietária da Folha do Rio, um jornal que liderava uma campanha contra a deterioração do meio ambiente. A novela teve direção de Jardel Mello, Gonzaga Blota e Paulo Ubiratan.

No final da década de 70, mudou-se para São Paulo, onde trabalhou na TV Tupi, atuando na novela Gaivotas (1979), de Jorge Andrade, e na TV Bandeirantes, onde participou nas novelas Cavalo Amarelo (1980), de Ivani Ribeiro, Os Imigrantes (1981), de Benedito Ruy Barbosa, Wilson Aguiar Filho e Renata Palottini, e Maçã do Amor (1983), de Wilson Aguiar Filho.

Cinco anos depois, de volta ao Rio de Janeiro e à TV Globo, Yoná Magalhães viveu a jovem americanófila Maria das Graças, na novela Amor com Amor se Paga, escrita pela autora Ivani Ribeiro e dirigida por Atílio Riccó, Jayme Monjardim e Gonzaga Blota.

No ano seguinte, participou na novela de maior sucesso da história da TV Globo: Roque Santeiro (1985), de Dias Gomes e Aguinaldo Silva. Na trama, dirigida por Paulo Ubiratan, Jayme Monjardim, Gonzaga Blota e Marcos Paulo, a atriz deu vida a Matilde, dona de uma boate onde trabalhavam as dançarinas Ninon (Cláudia Raia) e Rosaly (Isis de Oliveira).

A seguir, Yoná Magalhães integrou a novela O Outro (1987), escrita por Aguinaldo Silva, na qual interpretou a exuberante Índia do Brasil, secretária do personagem Denizard, interpretado por Francisco Cuoco. No ano seguinte, desempenhou um papel em Tieta (1989), de Aguinaldo Silva, Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares, tendo dado vida a Tonha, mulher de Zé Esteves Sebastião Vasconcelos, pai de Tieta Betty Faria.

Em 1990, atuou em Meu Bem, Meu Mal, de Cassiano Gabus Mendes, no papel de Valentina, irmã de Dom Lázaro, desempenhado pelo ator Lima Duarte. Dois anos depois, participou na novela Despedida de Solteiro (1992), escrita por Walther Negrão, Rose Calza e Ângela Carneiro, sob a direção de Reynaldo Boury, Carlos Manga Júnior e Cláudio Cavalcanti. Até o final da década de 90, participou ainda em outras três novelas do autor Walther Negrão: Anjo de Mim (1996), na qual interpretou Ivete; Era uma vez... (1998), no papel de Anita; e Vila Madalena (1998), quando viveu Abigail Rodriguez, a Bibiana.

Em 2001, a atriz participou de duas novelas: A Padroeira, de Walcyr Carrasco, com a direção de Walter Avancini – em seu último trabalho – e Mário Márcio Bandarra. E As Filhas da Mãe, escrita por Silvio de Abreu, Alcides Nogueira e Bosco Brasil, com direção de Jorge Fernando. Do autor Silvio de Abreu, Yoná Magalhães trabalhou ainda em A Próxima Vítima (1995), no papel de Carmela Ferreto (Cacá), uma das quatro irmãs Ferreto (as outras foram Filomena Ferreto (Aracy Balabanian), Francisca Ferreto (Tereza Rachel) e Romana Ferreto (Rosamaria Murtinho. A personagem de Yoná era mãe de Isabella Ferreto (Cláudia Ohana), a vilã da novela e ex-esposa de Adalberto, interpretado por Cecil Thiré, o pai de Isabella, que no final viria a ser o serial-killer da trama. O personagem de Yoná causou grandes discussões, por ter um relacionamento com um rapaz muito mais jovem do que ela - Adriano, interpretado pelo ator Lugui Palhares.

Em Agora é que São Elas (2003), novela de Ricardo Linhares, a atriz viveu Sofia, sob a direção de Roberto Talma, Leandro Nery e Amora Mautner. No ano seguinte, a atriz interpretou Flaviana, sogra do personagem de José Wilker, e Giovanni Improtta, em Senhora do Destino, de Aguinaldo Silva. Na novela de José Wilker, a personagem Flaviana implicava com o personagem de Wilker por ele se relacionar com uma garota muito mais jovem do que ele, a ninfa bébé, interpretada pela atriz Ludmila Dayer.


Em 2007, Yoná Magalhães integrou o elenco da novela Paraíso Tropical, de Gilberto Braga e Ricardo Linhares. Na trama, deu vida à ex-vedeta Virgínia, mulher do malandro Belisário Cavalcanti (Hugo Carvana), com quem participava em pequenos golpes que visavam, sobretudo, manter o nível de vida do casal, agora decadente. O personagem de Yoná teve brigas memoráveis com a personagem Iracema(Daisy Lúcidi), que era síndica do edifício Copa Mara, em Copacabana, onde as personagens moravam.

Em 2008, atuou na novela Negócio da China, de Miguel Falabella, interpretando Suzete, mãe da protagonista Lívia (Grazi Massafera) e avó do menino Théo (Eike Duarte).

Yoná Magalhães participou também em importantes minisséries da TV Globo, como Grande Sertão: Veredas (1985) eEngraçadinha... Seus Amores e Seus Pecados (1995), e atuou em diversas séries da emissora, entre as quais: A Vida Como Ela É, Você Decide e Carga Pesada.

Em 2009, Yoná Magalhães participou na sérieTudo Novo de Novo e na novela Cama de Gato, ambos da Rede Globo, nesta última interpretando Adalgísa Monteiro de Brito, que armava trambiques com Severo, personagem de Paulo Goulart.

Yoná foi protagonista de grandes sucessos da televisão como:O Sheik de Agadir,Eu Compro Esta Mulher,A Sombra de Rebeca,Demian, o Justiceiro,A Gata de Vison,A Ponte dos Suspiros,Simplesmente Maria,Uma Rosa com Amor,Cuca Legal,Saramandaia,O Grito,Espelho Mágico,Sinal de Alerta,Gaivotas,Cavalo Amarelo,Maçã do Amor,Amor com Amor se Paga,O Outro eVida Nova.

Com o enorme sucesso da sua personagem Matilde, a dona da boate, na novela Roque Santeiro, foi convidada, em fevereiro de 1985, a posar nua na revista masculina Playboy, aos cinquenta anos de idade.

Teledramaturgia[editar | editar código-fonte]

Minisséries[editar | editar código-fonte]

Filmes[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Cinemateca Brasileira Society em Baby-Doll [em linha]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]