Zé Carioca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde março de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Zé Carioca
Josewdw.jpg

Zé Carioca como personagem nos parques do Walt Disney World em Orlando, EUA.
Nome original José Carioca
Outro(s) nome(s) Morcego Verde
Sexo masculino
Espécie papagaio
Características Malandro, preguiçoso, esperto
Família Rosinha (namorada)
Zico e Zeca (sobrinhos)
Amigo(s) Nestor
Pedrão
Afonsinho
Inimigo(s) Zé Galo
Rocha Vaz
Criado por Walt Disney Company
Primeira aparição tira diária Silly Symphonies (1942), Saludos Amigos (1943)
IMDb IMDb
Projecto Banda desenhada  · Portal Disney

Zé Carioca, conhecido nos Estados Unidos como Joe Carioca, é o apelido do papagaio José Carioca (nos EUA chamado de Joseph Carioca), criado no começo da década de 1940 pelos estúdios Walt Disney em uma turnê pela América Latina, que fazia parte dos esforços dos Estados Unidos para reunir aliados durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Historicamente esse esforço na América Latina foi chamado de "Good Neighbor Policy" ou Política da Boa Vizinhança.

Os comunistas de então foram muito críticos a Zé Carioca e a cantora e atriz Carmen Miranda, que acusavam de representar os valores do "capitalismo" encarnados por Hollywood e pelos Estados Unidos.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Zé Carioca foi criado pelo próprio Walt Disney dentro do Hotel Copacabana Palace. Impressionado com a técnica de J. Carlos, cartunista que desenhava as versões brasileiras de seus estúdios, Disney o convidou para trabalhar em Hollywood, mas o convite foi recusado por J. Carlos. Mesmo assim, como homenagem a J. Carlos, Walt Disney criou e enviou o personagem José Carioca para Carlos, dizendo esta ser uma homenagem ao cartunista.[2] Hoje o Zé Carioca é mais do que um personagem ou mascote carioca, e quase ninguém se lembra de J. Carlos, sua inspiração, mas o personagem se tornou o elo entre a Walt Disney World e o Brasil. Alguns especulam que o papagaio foi inspirado no sambista Paulo da Portela[3] , outros que foi inspirado no cavaquinista paulista, José do Patrocínio Oliveira, o Zezinho, que inclusive dublou o personagem no filme Saludo Amigos[4] . Uso do guarda-chuva pode ter vindo do Dr. Jacarandá, um figura do folclore carioca da época[5] [6] .


Em sua passagem pelo Brasil, uma das coisas que chamou a atenção de Walt Disney foi o personagem como um papagaio antropomórfico, que deveria representar o estereótipo do brasileiro. Zé Carioca foi mostrado como um personagem divertido, festeiro, vagabundo e preguiçoso.

Cinema[editar | editar código-fonte]

Panchito, Pato Donald e Zé Carioca em cena de The three caballeros (1944)

O papagaio José Carioca (vulgo Zé Carioca) foi criado para o filme Alô, amigos (Saludos Amigos), de 1942, lançado nos EUA no ano seguinte pela Disney. Antes do lançamento american,o tiras de jornal foram publicadas com as aventuras do Zé Carioca.

O filme era dividido em quatro partes e mostrava a América do Sul, na qual o Zé ciceroneava Pato Donald na sua visita ao Brasil: apresentou ao pato ianque a cachaça e o samba[7] . O filme foi criado a partir de dados coletados numa visita de artistas dos Estúdios Disney – entre eles o próprio Walt Disney – à América do Sul (que é mostrada em flashes durante o filme).

Os esforços americanos não se limitavam ao Brasil, assim alguns personagens foram criados para um número de países latinos:

Dois anos depois, Zé Carioca apareceu novamente em outra produção destinada à América Latina: "Os três cavaleiros" (The three caballeros/Los tres caballeros). A parte brasileira, intitulada "Você já foi à Bahia?", mostra Zé Carioca na companhia do Pato Donald e do galo Panchito, desta vez na Bahia, numa seqüência que mistura desenho com atores reais (destaque para a participação da cantora Aurora Miranda, irmã da célebre Carmen Miranda).

Neste filme, Zé Carioca e Donald ainda se juntam ao galo mexicano Panchito Pistoles em uma viagem pelo México a bordo do tapete voador deste último.

Uma curiosidade cinematográfica sobre Zé Carioca é a confusão que se faz entre ele e o papagaio jurado em Alice no País das Maravilhas. Zé Carioca aparece ao lado de Donald e do Aracuã no segmento "Blame It on the Samba" do filme Tempo de Melodia (1948)[8] .

Em 1988, o papagaio participa do filme Uma Cilada para Roger Rabbit[9]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Em 1996, Zé Carioca comandou um talk show dentro do programa TV Colosso da Rede Globo[10] .

Em 1999, o papagaio aparece no episódio "Mickey Tries to Cook" da série animada Mickey Mouse Works, entre 2001 e 2002 aparece nos episódios "The Three Caballeros", "Not So Goofy" e "Goofy's Menu Magic" da série House of Mouse.

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

Zé Carioca
Josewdw.jpg
País de origem  Brasil
Língua de origem Português
Editor Abril
Formato de publicação Formatinho 13.5x21cm(479-1469);13.5x19cm(1471-)[11]
Primeira edição 10 de Janeiro de 1961 O Pato Donald Apresenta Zé Carioca # 479[12]
Projecto Banda desenhada  · Portal da Banda desenhada

Zé Carioca é pouco conhecido nos Estados Unidos, mas no Brasil ele possui revista mensal, publicada pela Editora Abril. Os quadrinhos o retratam como o típico malandro carioca, sempre escapando dos problemas com o "jeitinho" característico.Que por enquanto apenas publica as histórias antigas do personagem.

Origens[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, foram criados algumas histórias em formato de tira de jornal, desenhadas pelo artista Paul Murry[13] . Nessa série, surgiram os primeiros personagens coadjuvantes do papagaio: Rosinha, seu pai Rocha Vaz, Nestor e o rival playboy do Zé Carioca, conhecido como Luis Carlos[14] (que mais tarde seria substituído por Zé Galo[15] ). Além de ambientado no Rio, há uma história de uma viagem ao Amazonas, que depois seria redesenhada nos anos 60 pelos artistas brasileiros. Nessas histórias, o papagaio é visto com um malandro, vivendo de golpes[13] [16] .

A primeira história do Zé Carioca produzida para uma revista em quadrinhos foi O Rei Do Carnaval (The Carnival King, no original), a história foi produzida por Carl Buettner para a revista Walt Disney's Comics and Stories #27, publicada em 1942 e publicada no Brasil em O Pato Donald #8 (1951), nela, o papagaio tenta conquista uma jovem sambista inspirada em Carmen Miranda.[17]


No Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, o Zé Carioca chegou aos quadrinhos na revista O Globo Juvenil em meados da década de 1940[18] , em julho de 1950, apareceu na capa do primeiro número da revista O Pato Donald, pelas mãos do artista argentino Luis Destuet[19] . Em 1961, já mais bem estruturado em seu "universo", ganha uma publicação própria com a numeração iniciando no 479 e aproveitando os números ímpares da seqüência do Pato Donald, que permanecia com os números pares daí em diante.[20]


A produção no Brasil de histórias para o Universo Disney envolveria outros personagens. A primeira história produzida no Brasil com o Zé recebeu o nome de "A Volta De Zé Carioca" publicada em O Pato Donald #165 (1955), cujos desenhos são atribuidos a Luis Destuet[17] , a primeira história produzida por um artista brasileiro, Jorge Kato teve o mesmo título da história de 1955 e foi publicada em O Pato Donald #434 (1960)[21] . Ao contrário das tiras americanas, no início da série brasileira não havia diferenças entre a cidade em que o Zé morava e Patópolis, aparecendo com freqüência os demais coadjuvantes das histórias do Donald, como seus sobrinhos, Tio Patinhas, Professor Pardal e o Gastão. É com o Gastão, aliás, que apareceu uma das mais famosas histórias dessa série "Zé Carioca contra o goleiro Gastão", desenhada por Jorge Kato e justamente presente na citada edição 479: o sortudo personagem era goleiro de um time de futebol que jogava contra o do Zé Carioca. Mesmo com Zé sendo um craque, ele não conseguia vencer o Gastão, que sempre fazia algum milagre para impedir o gol dos adversários[22] . No Brasil, aliás, Gastão seria sempre "o sortudo", enquanto nas histórias de Carl Barks ele aparecia mais vezes como falastrão e preguiçoso e avesso ao trabalho, ou seja, bem parecido com a personalidade que Zé Carioca acabou adotando.

Quando Zé Carioca estreou nos quadrinhos do Brasil, o volume de histórias disponível não era suficiente para manter o título em banca. A Editora Abril para não cancelar a revista, passou a adaptar histórias do Mickey e do Pato Donald, com os desenhistas da Abril colocando Zé Carioca no lugar desses personagens, essas histórias foram apelidadas de "Zé Fraude"[23] . Por conseqüência, apareceram histórias onde Zé Carioca contracena com personagens fora do seu universo, mantidos da história original, como Pateta, parceiro de Mickey. Também por conta disso, surgiram Zico e Zeca, sobrinhos do Zé, e criados para ocuparem o lugar de Huguinho, Zezinho e Luizinho. Outra conseqüência foram as freqüentes mudanças na personalidade de Zé Carioca, que se adaptava à história original de onde era copiada[20] .

Finalmente a partir da década de 1970, a Editora Abril conseguiu estruturar um estúdio próprio destinado a produzir histórias para suprir o crescente número de publicações Disney que circulavam no país com enorme sucesso. O Zé Carioca começou a aparecer regularmente em sua revista, acompanhado de uma nova série de personagens coadjuvantes e vivendo situações ambientadas nas paisagens do Brasil, que o consolidaria como um personagem tipicamente brasileiro. Uma curiosidade dessa época, é a presença do mainá Amadeu, personagem criado para as histórias do Mickey Mouse e Pateta, mas que já havia sido usado em histórias do papagaio nos anos 60[24] .


Entre as décadas de 70 e 90 ocorreu o auge da produção para o personagem no Brasil, com revistas contendo só histórias do personagem, e com aumento do número de páginas. Nessa época o Zé teve seu visual reformulado aos poucos, saindo do paletó, gravata, chapéu panamá e charuto (vício que seria abolido de vez de suas histórias, com licença para republicações de histórias clássicas) por uma camiseta, mais condizente com o clima do Rio de Janeiro, essa mudança ocorreu ainda nos anos 60[25] .


Em 1971 estreia o quadrinista Renato Canini, na história O Leão Que Espirrava, escrito pelo próprio Canini[26] ., onde surge o primo Zé Paulista, logo em seguida, passa a ilustrar roteiros de Ivan Saidenberg, Júlio de Andrade, entre outros, Canini desenhou o personagem até 1979, quando foi demitido pela Disney, por conta de traço mais pessoal e diferente do padrão da empresa[23] , logo em seguida, continua roteirizando personagens Disney até meados da década de 1980[27] , inclusive as do Zé Carioca[28] .


O papagaio foi desenhando de camiseta até Maio de 1983, a última história com esse visual foi "Pedrão, o pintor" (Zé Carioca #1645)[29] , já em em "Um Amor Correspondido" (Zé Carioca #1647), voltou a usar paleto e chapéu[30] , o visual original durou até 1992, em janeiro desse ano (Zé Carioca #1924), Zé Carioca começou a aparecer com boné, camisas estampadas e tênis[31] , inicialmente apenas em capas, após 10 edições, o visual passa a ser usado em histórias[32] Por causa da queda de vendas configurada em todo o comércio de quadrinhos a partir do final da década de 90, com especial ênfase no setor infantil, a Abril praticamente fechou suas redações da área Disney, demitindo artistas consagrados, passando a republicações e lançando apenas alguns especiais (como o aclamado "Zé Carioca no Descobrimento do Brasil", em virtude dos 500 anos da chegada de Cabral)[33] .

A última história inédita brasileira foi publicada em dezembro de 2001 intitulada "Só com Magia", do roteirista Rafles Ramos, em junho mesmo ano, a editora havia publicado em Zé Carioca #2182[34] ,o arco de história em três partes "O Retorno dos Três Cavaleiros", produzida pelo americano Don Rosa[13] [35] . Depois disso alguma produção esporádica foram feitas para publicações especiais, Em 2003, é publicada Nestor, O Destatuador no especial Zé Carioca 60 anos, roteirizada por Arthur Faria Jr. e desenhada por Eli Leon[36] [37] , em 2005, a editora três histórias ineditas: outro arco de história de Rosa: "Sete Cavaleiros (Menos Quatro) E Um Destino", publicada em Zé Carioca #2290[38] , "O Amigo Do Presidente", história produzida na Holanda por Frank Jonker (roteiro) e José Colomer Fonts (desenhos), publicada na revista Almanaque Disney #367[39] e O Código da Trinta de Renato Canini, para o especial Mestres Disney #5 dedicada a obra do mesmo em Zé Carioca[40] [41] . Existem histórias inéditas do personagem nos arquivos da Editora Abril[36] .

Em 2010, a Walt Disney Records lança o álbum Disney Adventures in Samba, onde temas de trilhas sonoras dos filmes da Disney foram vertidos para o ritmo brasileiro em gravações de artistas como Diogo Nogueira e Arlindo Cruz, na capa, de autoria de Moacir Rodrigues Soares para a revista Anos de Ouro do Zé Carioca #3 (1990)[42] , Zé Carioca ostenta o visual da década de 1940[43] . Mesmo sem ter história inéditas, as capas da revista fizeram referências a eventos atuais, na capa da edição 2347 traz uma paródia ao poster do filme Lua Nova da série de filmes Crepúsculo[44] , a edição 2348 mostra um goleiro com uma roupa idêntica ao uniforme do Homem-Aranha[45] (personagem da Marvel Comics, empresa adquirida pela Disney em 2009)[46] e a edição 2349 parodia o filme Avatar de James Cameron, todas as capas são de autoria de Aparecido Norberto[47] , uma paródia Avatar também havia sido publicado na revista italiana Topolino, protagonizada pelo Indiana Pateta e assim como na capa brasileira, não correspondia a nenhuma história publicada na edição[48] . Em 2012, a revista O Pato Donald #2407, publica uma outra história origem holandesa, protagonizada por Pato Donald e por Zé Carioca, Um Hóspede Que É Uma Mala de Frank Jonker (roteiros) e Bas Heymans (desenhos)[49] .


Em janeiro de 2013, a editora anunciou que iria publicar histórias inéditas nas revistas regulares, a primeira história "Um Crocodilo no Rio", escrita, desenhada e colorida por Fernando Ventura e arte-finalizada por José Wilson Magalhães será publicada na edição 2380 da revista Zé Carioca. Uma história inédita de Ventura já havia sido publicada no especial "Zé Carioca 70 Anos" volume 2[50] , uma história inédita do especial foi escrita por Arthur Faria Júnior e ilustrada por Luiz Podavin[51] . Para edição seguinte, a editora anunciou uma história produzida por Arthur Faria Júnior e Luiz Podavin[52] . Ventura introduz nas histórias brasileiras a "Vovó Carioca", personagem criada em 2011 para os quadrinhos holandeses do personagem criados por Jan Kruse e Bas Heymans[53] . Para homenagear os 40 anos do Morcego Vermelho, identidade de super-herói de Peninha[54] , o herói aparece em duas histórias do Zé Carioca e sua versão super-heroica, o Morcego Verde, Duelo de Titãs, escrita por Carlos Edgard Herrero e Arthur Faria Jr., publicada em "Zé Carioca #2385" (Agosto de 2013) e "Esse Herói É Muito Folgado!", publicada em "Zé Carioca #2389" (Outubro de 2013), essa última, com roteiro apenas de Faria Jr., ambas desenhada pelo próprio Herrero[55] , que desenhou a primeira história do Morcego Vermelho[56] .


Em Novembro de 2013, em virtude do falecimento do quadrinista Renato Canini, a editora publica duas histórias na edição 2391 do Zé Carioca: Kung Fu Papagaio de Lúcia de Nobrega e A Fuga Muito Doida do Zé Carioca[57] , idealizada pelo editor Paulo Maffia e escrita e desenhada pelo próprio Ventura, a história havia sido criada para ser desenhada pelo próprio Canini, para o especial Mestres Disney #5, porém, o próprio resolveu apresentar "O Código da Trinta" e "A Fuga Muito Doida do Zé Carioca" ficou guardada para um retorno da produção nacional, a história faz homenagem a trabalho do próprio Canini com o papagaio,[40] a editora ainda aproveita a proximidade da Copa do Mundo FIFA de 2014 e republica a história "Zé Carioca contra o goleiro Gastão", na segunda edição da revista "Abril na Copa"[22] .

Almanaque do Zé Carioca[editar | editar código-fonte]

Além da revista própria, por ser muito querido no Brasil, Zé Carioca também tinha um almanaque, com periodicidade irregular, mas geralmente semestral. No total foram 21 edições, de Maio de 1986 a Fevereiro de 1995 [58] .

Edições especiais[editar | editar código-fonte]

Além da revista própria e do Almanaque do Zé Carioca, esse papagaio malandro ainda teve várias edições especiais. Todas elas publicadas pela Editora Abril. São elas:

  • Anos de ouro do Zé Carioca

Novembro/Dezembro de 1989. Quatro (4) edições de luxo contendo as primeiras histórias do Zé no Brasil.

  • O destino do Zé Carioca

Julho/Agosto de 1996. Minissérie em 3 edições.

  • Zé Carioca Edição Extra

Outubro de 1997. Duas edições experimentais. Não faz parte da série Edição Extra.

  • Zé Carioca 20 anos

Junho de 1981. Comemoração pelos 20 anos da revista Zé Carioca.

  • Zé Carioca edição ecológica

Maio de 1992. Edição que fala sobre ecologia com a história Em busca dos papagaios perdidos.

  • Zé na Copa

Maio de 1998. Detalhes e histórias relacionados ao futebol.

  • Zé Carioca especial, Brasil 500 anos

Março de 2000. Comemorando os 500 anos de descobrimento do Brasil.

  • Zé Carioca 60 anos

Novembro de 2003. Comemoração de 60 anos da criação do Zé Carioca.

  • Zé Carioca férias

Início em Dezembro de 2008. Possui 3 edições até o momento. Ainda em publicação pela Editora Abril.

  • Zé carioca 70 anos."

Novembro de 2012.Comemoração de 70 anos da criação do Zé Carioca

Manual Disney[editar | editar código-fonte]

Lançado o Manual do Zé Carioca, dentre os Manuais Disney, lançados na década de 1970 pela Editora Abril, mais especificamente em 1974 (graças à Copa da Alemanha) e depois em 1978, edição revisada e atualizada (Copa da Argentina). Depois, relançado em 1986 pela Editora Nova Cultural.

O assunto tratado era o esporte preferido dos brasileiros e do próprio Zé, o futebol.

Este mesmo manual e de todos os outros temas e personagens, foram aproveitados para se fazer a Bilbioteca do Escoteiro-Mirim. As capas eram diferentes, mas com o mesmo conteúdo.

Inconsistência estética[editar | editar código-fonte]

O personagem que começou sua trajetória vestindo terno e gravata coloridos, com um chapéu panamá e carregando um guarda-chuva, o visual se assemelha a usada aos zoot suits[59] , usadas nos EUA durante a década de 1940[60] , por negros e latinos e que foi adotada pelos sambistas cariocas[61] .

As incoerências e desatualização na composição do Zé Carioca, se explicam pelo fato de que o personagem não foi concebido com o objetivo do formato sequencial dos quadrinhos, mas sim para um breve curta homenageando a América Latina (que mais tarde tornar-se-iam dois). Não foi pensado no futuro que o personagem teria quando o próprio Walt Disney criou o personagem, que não era um favelado, sequer um caloteiro, apenas um entusiasta do Brasil.

Se até a década de 70 os editores eram — devido à importação ou adaptação das histórias — praticamente obrigados a se ater ao original da Disney, a partir de então, com a organização do estúdio da Abril abriu-se espaço para as mudanças estéticas e psicossociais observadas no personagem devido à crescente influência dos roteiristas e desenhistas brasileiros, dentre os quais é preciso destacar o nome de Renato Canini, que chegou a ser rotulado de "pai" do Zé Carioca[62] .

A personalidade de Zé Carioca desenvolvida nos quadrinhos nas tiras de jornal – com lançamentos também na Holanda[53] e alguns na Itália –, a ponto de Don Rosa, ignorar e desconhecer a série brasileira ao escrever uma história em que o Zé participava, com sua personalidade baseada na do filme de 1945. "Não tenho fontes onde possa chegar e pedir cópias da história do Zé Carioca dos últimos 30 anos traduzidas para o inglês. Isso é impossível. Então, não posso dizer nada, já que não consigo ler em português. Mas o que me dizem é que ele é um vagabundo, um vagabundo adorável. Assim, não consigo formar uma opinião. Por isso, tive de recriar uma versão do Zé Carioca que todos os americanos conhecem, ou seja, a do desenho de 1945", justifica-se Don Rosa.[63] [13]

Cenário e Personagens[editar | editar código-fonte]

O cenário de suas histórias é, na maioria das vezes, a Vila Xurupita, no Morro do Papagaio, local onde mora, não precisamente apontada, mas tida pelas demonstrações, como um bairro humilde suburbano do Rio, com vários referenciais para ser uma favela, embora próximo de bairro rico, onde mora sua namorada.

Alguns personagens eram característicos nas histórias do papagaio Zé Carioca. Seguem eles:

  • Rosinha (1942) - Sua namorada, filha de milionário, muitas vezes questiona o estilo de vida do namorado.
  • Nestor (1944) - Seu grande amigo, presente desde as primeiras histórias em quadrinhos do Zé. Um urubu, que teme por todos os planos do Zé, embora admita-se um “caloteirozinho de menor porte”. Às vezes arruma emprego, prontamente arruinados pelo papagaio.
  • Pedrão (1961) - Faz a melhor feijoada do mundo e, embora grande amigo, sempre briga com o Zé e o persegue porque ele rouba suas “estimadas” jacas.
  • Afonsinho (1974) - Um pato tímido e ingênuo, com raros momentos de brilhantismo, também grande amigo do Zé.
  • Rocha Vaz (1942) - Pai milionário da Rosinha, que não aceita o Zé como genro por este ser pobre.
  • Zé Galo (1983) - Seu rival, deseja namorar a Rosinha. Já criou time de futebol e escola de samba para rivalizar com o Zé. É malandro, arrogante e atrapalhado.
  • Morcego Verde (1975) - Super-herói encarnado pelo papagaio, que luta contra o crime com seus métodos nada convencionais, e faz uso da morcegocleta (popularmente conhecida como “a bicicleta do vixinho”). Embora desconverse, todos sabem se tratar do Zé Carioca – paródia do Batman.
  • Zico e Zeca - Os dois sobrinhos "pestinhas" do Zé, para os quais seu tio quer passar os "ensinamentos" da família.
  • ANACOZECA (Associação NAcional dos CObradores do ZÉ CArioca) (1976) - Faz de tudo pra conseguir cobrar o malandro. Principais aparições: Tadeu, Arlindo, Asdrubal e Arnaldo.

Merecem atenção, como participantes secundários:

  • Luís Carlos - Outro rival do papagaio no amor de Rosinha[64] .
  • Glória - Rival de Rosinha no amor pelo Zé.
  • Alberto - Modormo do Rocha Vaz que também não vai com a cara do Zé.
  • Átila - Cão do Rocha Vaz, que sempre ataca o Zé.
  • Soneca - Cão de estimação do Zé, que pelo nome, dá pra perceber que é como o seu dono. Aparece mais em histórias antigas.
  • Acácio - O personagem secundário, aparece fazendo de tudo; inspirado em arte-finalista da redação da Abril, Acácio Ramos.
  • Comissário Porcôni - Assim intitulado pelo Morcego Verde, Porconi é na verdade o estressado delegado da Delegacia de Vila Xurupita.
  • seu Manoel - Seu Manoel e o dono do bar mais frequentado pelo Zé. Parcialmente vive cobrando o Zé por sua enorme divida.
  • Paladino Implacável - Alter-ego super-heróico de Zeca, o sobrinho do Zé Carioca.
  • Gabi - Sobrinha espoleta da Rosinha.
  • Gilda e Laurinha - Namoradas, respectivamente, do Nestor e do Pedrão. Ambas, tem raras aparições.
  • João - Amigo do Zé Carioca, surgiu nas tiras junto com o Nestor, esteve presente em histórias brasileiros dos anos 60 e 70 e é bastante recorrente na produção holandesa[65] .
  • João Ratazana - Um rato trambiqueiro, cujos planos são sempre frustrados pelo Zé.

Os Parantes do Zé[editar | editar código-fonte]

Frequentemente aparecem parentes do papagaio nas suas histórias, todos partilhando o seu primeiro nome e possuindo características típicas da região de origem. Os principais são os seguintes (embora outros tenham aparecido ou sido mencionados):

  • Zé Paulista - O primo de São Paulo, o seu oposto por ser demasiado trabalhador.
  • Zé Jandaia - O arretado primo cearense.
  • Zé Pampeiro - O primo gaúcho, o verdadeiro macho de facão dos pampas.
  • Zé Queijinho - O primo mineiro, o caipira da roça que anda sempre acompanhado da sua cabrita Gabriela, que come de tudo.
  • Zé Baiano - O primo baiano, que consegue ser mais dorminhoco que o Carioca, e mais rápido na hora de chegar à rede.
  • Zé Goiano - Um tio-avô goiano. Já morreu.
  • Zé do Engenho - Outro tio-avô. Era (ou é, porque está vivo) coronel.
  • Vovó Carioca - Personagem surgida nas histórias holandesas e introduzida nos quadrinhos brasileiros.

Instituições[editar | editar código-fonte]

Vila Xurupita Futebol Clube[editar | editar código-fonte]

Vila Xurupita Futebol Clube é o time de futebol onde jogam Zé Carioca e seus amigos. Suas cores são rosa e branco[66] . Anteriormente, Zé e seus amigos jogavam no time "Seresteiros da Tijuca"[22] , logo depois integraram o "Brejeiros da Tijuca F.C. [67]

GRES Unidos de Vila Xurupita[editar | editar código-fonte]

Unidos de Vila Xurupita
Cores Rosa, Amarelo e Branco
Bairro Vila Xurupita
Presidente Zé Carioca
Coreógrafo Jairo

O Grêmio Recreativo Escola de Samba Unidos de Vila Xurupita é a escola de samba presidida pelo Zé Carioca, tendo como integrantes seus amigos. Também é sediada na Vila Xurupita, e rivaliza com a dissidência Acadêmicos de Vila Xurupita. Antes de Unidos de Vila Xurupita, Zé e seus amigos integraram a escola Brejeiros da Tijuca.[68] A escola Unidos de Vila Xurupita surgiu como uma ala convidada da "Unidos do Morro do Papagaio". [69]

Em algumas histórias aparece como sendo parte da elite do carnaval carioca, enquanto em outras como de grupos de acesso bem distantes (chegando à 33ª divisão em uma). Suas cores não são bem definidas, mas tem-se como base o rosa, amarelo e branco, cores do Vila Xurupita Futebol Clube.

ANACOZECA[editar | editar código-fonte]

Anacozeca.jpg

A ANACOZECA (Associação NAcional dos CObradores do CArioca) é um grupo de personagens do universo doZé Carioca. Foi criado por Paulo Paiva. Em uma história apareceu também uma versão internacional.

Sua maior, árdua e única missão é cobrar o Zé Carioca. Para tanto, vive perseguindo-o, tentando subornar seus amigos, mas a verdade é que nunca recebeu um centavo sequer. Seu lema é "um dia receberemos".

O grupo tinha um misterioso chefe que nunca aparecia. Anos depois, foi revelado que o chefe era o sogro do papagaio, Rocha Vaz. Ele tinha assumido todas as dívidas que o Zé Carioca tinha feito e criado a associação com o único objetivo de desmoralizar o papagaio perante a sua filha Rosinha, que sempre foi apaixonada pelo Zé, já que não considerava um papagaio pobretão, devedor e que não gostava de trabalhar o companheiro ideal para ela. Entretanto, a manobra não deu certo, Rosinha continuou namorando o Zé e a ANACOZECA foi extinta[20] . Porém, retornaram em 2013, na história O Ataque dos Terríveis Zumbôs por Carlos Edgard Herrero e Arthur Faria Júnior[70]

Para conseguir cobrar e desmoralizar o Zé Carioca eles já tentaram de tudo. Tudo mesmo: já programaram robôs para cobrá-lo, se fizeram passar por times de futebol jogando contra a Vila Xurupita, acamparam em frente à sua casa, armaram emboscadas e até mesmo contrataram o seu próprio alter-ego, o Morcego-Verde (que só eles não sabem que é o Zé Carioca), mas sempre fracassam, por mais que tentem e por mais elaborados que sejam seus planos.

Por não saberem que Zé Carioca é o Morcego Verde, o papagaio já se aproveitou algumas vezes e usou o super-herói para enganá-los.

Normalmente é representado por quatro personagens de aparência física idêntica, sendo dois altos (Arlindo e Asdrubal) e dois baixos (Tadeu e Arnaldo). Algumas vezes apareceram mais cobradores da ANACOZECA na mesma história.

Principais desenhistas do Zé Carioca no Brasil[editar | editar código-fonte]

Principais roteiristas do Zé Carioca no Brasil[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Notas
  1. Personagens de Walt Disney abrem festa dos 50 anos de Brasília
  2. Antônio Herculano Lopes,Mônica Pimenta Velloso,Sandra Jatahy Pesavent 7Letras, História e linguagens: texto, imagem, oralidade e representações, 161, 162, 2006. ISBN 85-7577-262-7, ISBN 978-85-7577-262-1
  3. Marília T. Barboza da Silva, Marília Trindade Barboza, Lygia Lopes dos Santos. Paulo da Portela: traço de união entre duas culturas - Volume 3 de Coleção MPB. [S.l.]: Edição Funarte, 1980. 136 p.
  4. Flávia Ribeiro (01/12/2006). Zé Carioca era paulista. Guia do Estudante.
  5. Ruy Castro (25/11/2012). Nascido no Copacabana Palace, Zé Carioca completa 70 anos. Folha de São Paulo.
  6. "O Paulista Zé Carioca" in Anos de Ouro do Zé Carioca Volume 1
  7. Lisa Shaw, Stephanie Dennison. Pop culture Latin America!: media, arts, and lifestyle. [S.l.]: ABC-CLIO, 2005. 189 p. 9781851095049
  8. Darlene J. Sadlier. Americans All: Good Neighbor Cultural Diplomacy in World War II. [S.l.]: University of Texas Press, 2012. 56 p. 9780292749801
  9. Natália Bridi (22 de Junho de 2013). Uma Cilada Para Roger Rabbit - 25 anos. Omelete.
  10. TV Colosso - Galeria de Quadros e Personagens. Memória Globo.
  11. Brazil: Zé Carioca. Inducks.
  12. Brazil:Zé Carioca # 479. Inducks.
  13. a b c d Entrevista de Don Rosa ao site Omelete Omelete
  14. Luis Carlos-Inducks
  15. Zé Galo-Inducks
  16. Renato Félix (18 de janeiro de 2013). Zé Carioca – 70 Anos – Volume. Universo HQ.
  17. a b Celso Sabadin. (Fevereiro 2013). "O Nosso Zé Carioca, agora setentão". Jornal da Abi (387). c: Associação Brasileira de Imprensa.
  18. Marcelo Alencar, "As Tiras de Jornal", in Zé Carioca 70 anos volume 1
  19. Luis Destuet
  20. a b c Título não preenchido, favor adicionar. Universo HQ. Página visitada em 21/05/2010.
  21. Fernando Ventura e Marcelo Alencar, "A Fase de Adaptação". in Zé Carioca 70 anos volume 1
  22. a b c André Sollitto (18 de Novembro de 2013). Revista da Copa do Mundo resgata história de partida no Pacaembu. Omelete.
  23. a b Fernando Ventura e Celbi Pegoraro (23 a 26 de agosto de 2011). Inducks e Créditos nos Quadrinhos Brasileiros. ECA-USP.
  24. Inducks. Inducks.
  25. Pedro Moura (Janeiro - Julho de 2008). Para um estudo do desenvolvimento do Zé Carioca: de personagem-tipo a personalidade. A viragem de Saidenberg e Canini. Revista Nuestra América #5/Universidade Fernando Pessoa.
  26. "Revolução no gibi", p. 58 in Zé Carioca 60 anos
  27. Marcus Ramone (30/10/2009). Mutirão Disney resgata HQs criadas por Renato Canini. UniversoHQ.
  28. Renato Canini - 1976-1981. Inducks.
  29. Pedrão, o pintor. Inducks.
  30. Um Amor Correspondido. Inducks.
  31. Zé Carioca #1924. Inducks.
  32. é Carioca #1934. Inducks.
  33. Zé Carioca Brasil 500 Anos. Inducks.
  34. "Carioca fora do série", p. 114 in Zé Carioca 60 anos
  35. Zé Carioca No. 2182. Inducks.
  36. a b Marcus Ramone (01/07/2004). HQs Disney no Brasil: criadores e criaturas. Universo HQ.
  37. Nestor, O Destatuador. Inducks.
  38. Zé Carioca No. 2290. Inducks.
  39. O Amigo Do Presidente. Inducks.
  40. a b Marcus Ramone (20/11/2013). HQ especial do Zé Carioca em homenagem a Renato Canini. Universo HQ.
  41. O Código Da Trinta. Inducks.
  42. Brasil: Anos de Ouro do Zé Carioca No. 3. Inducks.
  43. Danilo Casaletti (21/01/2010). O pagode de Zé Carioca, Mickey e Pato Donald. Revista Época.
  44. Zé Carioca No. 2347. Inducks.
  45. Zé Carioca No. 2348. Inducks.
  46. Goldman, David. Disney to buy Marvel for $4 billion. CNNMoney. Página visitada em 14 de setembro de 2010.
  47. Zé Carioca No. 2349. Inducks.
  48. Topolino (libretto) No. 2828. Inducks.
  49. Um Hóspede Que É Uma Mala. Inducks.
  50. Zé Carioca ganha histórias inéditas após dez anos; veja página exclusiva. Folha de São Paulo (07/11/2012).
  51. Conversa De Planta. Inducks.
  52. Carlos Costa (25/01/2013). Abril publicará HQs inéditas do Zé Carioca. HQManiacs.
  53. a b Marcelo Rafael. Vó “holandesa” de Zé Carioca chega ao Brasil. Saraiva Conteúdo.
  54. Gibiteca lança revista especial dos 40 anos do 'Morcego Vermelho'. Portal G1 (19/07/2013).
  55. Carlos Edgard Herrero. Inducks.
  56. Quem É O Morcego Vermelho?. Inducks.
  57. Zé Carioca No. 2391. Inducks.
  58. Vila Xurupita (em português). Almanaque do Zé Carioca. Página visitada em 23/12/2009.
  59. Michael T. Martin (editor). New Latin American Cinema. [S.l.]: Wayne State University Press,, 1997. 356 p. 9780814325865
  60. Alvarez, Luis. The Power of the Zoot: Youth Culture and Resistance During World War II (University of California Press, 2008).
  61. Nei Lopes. Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana. [S.l.]: Selo Negro, 2004. 697 p. 9788587478214
  62. "Pai" do Zé Carioca
  63. Entrevista de Don Rosa ao site Universo HQ
  64. Luis Carlos. Inducks.
  65. João. Inducks.
  66. http://www.universohq.com/quadrinhos/2003/ze_carioca.cfm
  67. Ivan Saindeberg e Renato Canini. (Outubro 1975). "Um Amor De Vizinho". Zé Carioca (1251). Editora Abril.
  68. Ivan Saindeberg e Renato Canini. (Fevereiro 1975). "Que Rei Sou Eu?". Zé Carioca (1213). Editora Abril.
  69. Ivan Saindeberg e Renato Canini. . "Zé Do Carnaval". Zé Carioca (1265). Editora Abril.
  70. O Ataque dos Terríveis Zumbôs. Inducks.
Bibliografia
  • Anos de Ouro do Zé Carioca Volume 1, Abril Jovem, Novembro de 1989
  • Zé Carioca 60 anos, Abril Jovem, Novembro de 2003
  • Zé Carioca 70 anos volume 1, Abril Jovem, Outubro de 2012

Ligações externas[editar | editar código-fonte]