Zagreu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

[1]

NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Abril de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Zagreu (grego Ζαγρεύς, Zagreús) é um deus da religião órfica, possivelmente de origem frígia, cujo culto começou por volta do século VI a.C..[2] Píndaro faz alusões a Zagreu, mas quem primeiro conectou Zagreu à mitologia grega foi Nono de Panópolis.[2]

Zagreu na Dionísica de Nono de Panópolis[editar | editar código-fonte]

Zagreu é um filho de Zeus e Perséfone, esposa do seu irmão Hades.[3] Zeus violou Perséfone quando ela ainda era virgem, na forma de uma cobra [3] ou de um dragão.[4]

Zagreu nasceu com chifres, e logo subiu ao Olimpo, pegando os raios de Zeus.[4] Hera, porém, cheia de ressentimento, ordenou que os Titãs o destruíssem.[5] Ele se transformou num touro para fugir, mas foi pego e destroçado pelos seus inimigos.[5]

Outras versões[editar | editar código-fonte]

Zagreu é um avatar de Dionísio, uma reencarnação do deus do vinho. Zeus pretendia que Zagreus o substituísse no trono do Olimpo. Hera, infeliz de ter que deixar sua condição de rainha dos deuses, ordenou que os Titãs o destruíssem . Ele se transformou num touro para fugir, mas foi pego, destroçado, cozinhado e devorado pelos seus inimigos. Zeus interveio aos gritos, dispersando os titãs com seus raios, salvando o coração do jovem que ainda pulsava. O coração de Zagreus foi dado à mortal Sêmele comer, de onde nasceria o filho entre Zeus e da princesa, o jovem Dioniso, deus do vinho. Conta-se que das lágrimas do jovem deus foi criada a humanidade.

Na mitologia grega, Zagreu é visto algumas vezes como uma divindade independente. Seria filho de Perséfone e Heracles (Hércules em romano) ou ainda de Zeus e Perséfone.

Referências

  1. One direction
  2. a b H. D. Rouse, notas do tradutor da Dionísica, de Nono de Panópolis
  3. a b Nono de Panópolis, Dionísica, Livro V, 562-585
  4. a b Nono de Panópolis, Dionísica, Livro VI, 155-168
  5. a b Nono de Panópolis, Dionísica, Livro VI, 169-205


Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia grega é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.