Zequinha Barbosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Zequinha Barbosa
Zequinha Barbosa em 2003
Informações pessoais
Nome completo José Luís Barbosa
Modalidade Atletismo
Nascimento 27 de maio de 1961 (53 anos)
Três Lagoas,  Mato Grosso do Sul
Nacionalidade  Brasil
Compleição Altura: 1m84
Medalhas
Campeonatos Mundiais
Prata Tóquio 1991 800 metros
Bronze Roma 1987 800 metros
Campeonatos Mundiais – Indoor
Ouro Indianapolis 1987 800 metros
Prata Budapeste 1989 800 metros
Jogos Pan-Americanos
Ouro Mar del Plata 1995 800 metros
Prata Caracas 1983 800 metros

José Luís Barbosa, conhecido como Zequinha Barbosa, (Três Lagoas, 27 de maio de 1961) é um ex-atleta brasileiro.

Zequinha nasceu em Três Lagoas. Enfrentou a pobreza para se tornar um dos principais meio-fundistas do mundo.

Foi campeão mundial indoor dos 800 metros rasos em 1987, em Indianápolis (EUA). Também foi prata no Mundial de pista coberta em 1989, em Budapeste (Hungria). Em pista aberta, foi bronze em Roma (Itália), em 1987, e prata em Tóquio (Japão), em 1991. Também participou de quatro Jogos Olímpicos.

A carreira do atleta[editar | editar código-fonte]

No ano de 1983, Zequinha foi convidado para morar e treinar nos estados unidos, se juntando a Joaquim Cruz e Agberto Guimarães, disputando os Jogos Olímpicos de Los Angeles de 1984.[1]

Em 1988, participou das Jogos Olímpicos de Seul,[2] onde correu 800 metros rasos ficando em sexto lugar.

Participou nos Jogos Olímpicos de Barcelona em 1992,[3] conseguindo a quarta colocação nos 800m.[4]

Em 1996, participou nos Jogos Olímpicos de Atlanta.[5]

Zequinha fez parte do período de ouro do meio fundo brasileiro e no mundo, se tornando um dos únicos atletas a participar de 4 olimpíadas, 9 campeonato mundiais e 3 jogos pan americanos, tornou se um dos maiores meio fundista no mundo, ficando rankeado entres os 10 melhores atletas do mundo por 9 anos consecutivos.

Foi o primeiro atleta da América latina, tirando atletas dos Estados Unidos, a ser tornar campeão do circuito mundial do grapix.

Foi rankeado número 1 no mundo em 1991. Zequinha é terceiro atleta de mais consquistas de resultado da história dos 800 metros.

Suas melhores marcas foram nos mundiais, começando com o ouro no Mundial Indoor de 1987 e prata no Outdoor de Tóquio. Sua última grande conquista foi a medalha de ouro no Pan-Americano de Mar del Plata, em 1995.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Nascido na cidade de Três Lagoas é filho de Ezequiel Clementino Barbosa e Livaneta de Araújo Barbosa, sendo o quinto filho em uma família de seis irmãos. Casou e se divorciou, teve 2 filhas, Natalia Lynn Barbosa e Casey Anna Barbosa. No Brasil se graduou e licenciou em Educação Física pela Faculdades Metropolitanas Unidas - FMU, São Paulo.

Hoje mora nos Estados Unidos na cidade de San Diego California e trabalha como técnico de atletismo e cross country em nível escolar e universitário. Zequinha também trabalha com condiconamento físico no alto rendimento em várias modalides de esportes, contribuindo para que os atletas de alto nível melhorem sua performance.

Trabalho social[editar | editar código-fonte]

No de 2001 com o apoio de toda a comunidade esportiva e em parceria com a Universidade Católica Dom Bosco Campo Grande Ms, Zequinha fundou o IZB - Instituto Zequinha Barbosa-Correndo Pela Vida, com a finalidade de promover ações sócio-educativas criou o projeto Exercitando o Viver.

A personalidade[editar | editar código-fonte]

Em 1988, recebeu o título de Atleta Emérito[6] pela Confederação Brasileira de Atletismo,[7] homenagem para atletas brasileiros que obtiveram grande destaque a nível mundial e para aqueles que se destacaram por serviços relevantes prestados ao Atletismo brasileiro.

Em 2002, Zequinha foi nomeado embaixador da Olympic Aid por trabalho com crianças carentes.[8]

No mesmo ano, Zequinha Barbosa fez parte da comissão do COI - Comite Olímpico Brasileiro na Assembleia Geral da Organização Desportiva Panamericana (Odepa), que ocorreu no México. Era a tentativa do Rio em trazer os jogos Panamericanos para o Brasil.[9] Zequinha por falar inglês fluentemente atuou como porta voz da comissão ajudando assim a trazer para o Rio os Jogos Pan-americanos de 2007.

Em Janeiro de 2011, Zequinha Barbosa foi escolhido pela revista San Diego Magazine entres as 50 pessoas que tem contribuindo para fazer a diferença na cidade de "San Diego California" pelo excelente trabalhado feito como técnico de cross country e atletismo.[10]

Em 2012 Zequinha Barbosa trabalhou para nos Jogos Olímpicos de Londres com a Powerade Coca Cola. Zequinha atuou como técnico de atletismo na Powerade Sport Academy dando treinamento de alto nível e passando suas experiências olímpicas.

Acusação de Exploração Sexual[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2003, Zequinha Barbosa presta depoimento na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DCPA) de Campo Grande, para se defender das acusações de exploração sexual de três adolescentes.[11]

A acusação volta a mídia em junho de 2004 quando o nome do ex-atleta é citado no relatório final da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquerito) da exploração sexual de crianças e adolescentes.[12]

Em novembro de 2004, Zequinha Barbosa foi condenado pela Justiça do Mato Grosso do Sul a cinco anos de prisão por crime de abuso sexual contra adolescentes.[13] Além do atleta, também foram condenados seu EX assessor, Luiz Otávio da Anunciação, e os ex-vereadores de Campo Grande Robson Martins e César Disney, todos por crimes de abuso sexual. Três meninas, D.N.M., então com 13 anos, R.S., 14, e E.C., 15, declararam, em depoimentos a justiça, que o atleta e seu assessor eram seus clientes.

Em segunda instância, Zequinha foi absolvido pelos desembargadores do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul (TJ-MS) sob alegação de que "as três meninas, com 13, 14 e 15 anos de idade na época dos fatos, em junho de 2003, já tinham se prostituído antes.[14] "

A decisão foi contestada pelo Ministério Público Estadual[15] e causou indignação nacional[16] levando o então títular da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República (SEDH), Nilmário Miranda a se manifestar através de nota pública[17]

O caso foi novamente julgado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) em junho de 2009. O tribunal federal manteve a decisão do TJ-MS.[18]

A decisão do STJ recebeu críticas da Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos da Infância e Juventude[19] e da Unicef.[20] No mesmo mês, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ).[21]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]