Zinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Zinho
Zinho.JPG
Informações pessoais
Nome completo Crizam César de Oliveira Filho
Data de nasc. 17 de junho de 1967 (47 anos)
Local de nasc. Nova Iguaçu,  Brasil
Canhoto
Apelido Zinho, Enceradeira
Informações profissionais
Clube atual Brasil Santos
Posição Gerente de Futebol (Ex-Meia-armador)
Clubes de juventude
Brasil Flamengo
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1986–1992
1993–1994
1995–1997
1997–2000
2000–2002
2002-2003
2003
2004–2005
2005
2006–2007
Brasil Flamengo
Brasil Palmeiras
Japão Yokohama Flugels
Brasil Palmeiras
Brasil Grêmio
Brasil Palmeiras
Brasil Cruzeiro
Brasil Flamengo
Brasil Nova Iguaçu
Estados Unidos Miami
395 (57)
140 (30)
107 (31)
162 (21)
153 (49)
31 (5)
19 (4)
71 (8)
2 (2)
49 (7)
Seleção nacional
1989–1998 Brasil Brasil 57 (7)
Times que treinou
2007–2010
2011
2012
2013-
Estados Unidos Miami
Brasil Nova Iguaçu
Brasil Flamengo Gerente de Futebol
Brasil Santos Gerente de Futebol

Crizam César de Oliveira Filho, mais conhecido como Zinho (Nova Iguaçu, 17 de junho de 1967), é um ex-futebolista brasileiro, que foi meia-armador do Flamengo, Grêmio, Cruzeiro e Palmeiras. sendo um grande ídolo, tanto para os flamenguistas, quanto para os palmeirenses, Zinho também foi tetra-campeão mundial com a Seleção Brasileira, na Copa do Mundo FIFA de 1994. Atualmente é gerente de futebol do Santos.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Revelado no Flamengo, Zinho iniciou sua carreira, em 1986, quando teve a oportunidade de atuar ao lado de Zico, Andrade e Leandro, alguns dos maiores craques da história rubro-negra.

Mas além dessas feras, novos talentos como Jorginho, Ailton e Bebeto, também acompanharam-no, em suas primeiras conquistas, que incluíram os títulos do Campeonato Carioca de 1986.

Entretanto, no final dos anos 1980, o Flamengo passou por uma grande fase de transição, de modo que, deste grupo campeão carioca de 1986, Zinho foi, praticamente, o único remanescente.

Então, no comando da equipe, junto com Júnior, outro grande ídolo rubro-negro, que acabara de retornar à Gávea, Zinho sagrou-se campeão da Copa do Brasil de 1990, do Campeonato Carioca de 1991 e do Campeonato Brasileiro de 1992.

Deixando o Flamengo, em 1993, após seis anos de casa, Zinho foi jogar no Palmeiras, aonde veio a se tornar o maestro da maravilhosa equipe palmeirense, bicampeã paulista e brasileira, em 1993 e 1994, que contava ainda com Roberto Carlos, César Sampaio, Rivaldo, Edmundo, Edílson e Evair.

Na Copa do Mundo de 1994, Zinho foi titular absoluto no meio-campo do Brasil de Carlos Alberto Parreira. Contudo, obrigado a ajudar na marcação, viu-se impedido de avançar ao ataque, de forma que seu futebol não chegava ao nível de suas atuações pelo Palmeiras.

Porém, logo vieram as críticas, e a imprensa esportiva da época foi extremamente dura com o jogador, que passou a ser ironizado com o apelido de Zinho enceradeira. No entanto, mesmo que não dessem o braço a torcer, seus críticos tiveram de engolir as palavras com a conquista do tetra-campeonato.

Após a Copa do Mundo, Zinho foi jogar no Japão, porém, três anos mais tarde, voltava ao Palmeiras. Nesta sua segunda passagem, pelo Palestra Itália, conquistou a Libertadores da América de 1999, seu principal título da carreira, fora a Copa do Mundo.

Zinho também jogou no Grêmio e no Cruzeiro, sendo que, pelo primeiro, conquistou a Copa do Brasil de 2001, ao passo que pelo outro, conseguiu seu quinto título brasileiro, igualando-se ao recorde de Andrade.

Em 2004, então aos 36 anos de idade, retornou ao Flamengo, seu clube de origem, pensando em encerrar a carreira. Venceu o Campeonato Carioca de 2004 pelo clube Rubro-negro. No entanto, em 2005, teve problemas com o então técnico Cuca, o que ocasinou a sua saída do Flamengo, fato que levou o pai de Zinho a chamar Cuca de "incompetente".

Após sair do Flamengo, Zinho vestiu a camisa do Nova Iguaçu, time de sua cidade natal. Estava prestes a encerrar a carreira, no final de 2005, quando surgiu a proposta de ir jogar nos EUA, pelo Miami.

Jogou duas temporadas no Miami, antes de encerrar sua carreira, para se tornar treinador da mesma equipe. Em 2010, volta para o Brasil para se aprimorar na carreira de treinador de futebol. é o segundo jogador recordista de jogos pelo Brasileirão superado por Rogerio Ceni. De 1986 a 2004, Zinho acumulou 370 jogos pela competição.

Por volta do final de 2006, o Miami propôs a Zinho que se tornasse o treinador do time. Aceitando a proposta, Zinho deu início a uma nova fase em sua vida, a de treinador. Mas em meados de 2010 retorna ao Brasil para dar continuidade à sua carreira acertando com o Nova Iguaçu, por onde teve como diretor executivo. Em 2012 é contratado pelo recém lançado canal Fox Sports para trabalhar como comentarista. Porém em maio do mesmo ano é convidado para se tornar o Diretor Executivo de Futebol do Flamengo[1] , deixando a Fox Sports e assumindo o Flamengo, função que exerce atualmente. Em 2013 foi convidado para se tornar o Diretor Executivo de Futebol do Santos[2] .

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Brasil Flamengo
Brasil Palmeiras
Brasil Grêmio
Brasil Cruzeiro

Brasil Nova Iguaçu

  • Campeonato Carioca Serie B: 2005
Brasil Seleção Brasileira

Como treinador[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]


Referências